Revista GGN

Assine

Xadrez do TSE e dos zumbis da política

Peça 1 – algumas características relevantes do momento

Para analisar o momento atual e montar cenários possíveis, é necessário assumir alguns pressupostos:

Ponto 1 – os desdobramentos políticos dependem de um conjunto de circunstâncias.

Não imagine o golpe atual como uma ação concatenada, com um comando central pensando em cada jogada e com controle sobre todas as variáveis. Há as variáveis centrais, os fatos fora de controle, e as saídas estratégicas secundárias.

Há um grupo hegemônico manipulando o golpe – aliança mídia-grande capital -, e um conjunto de agentes secundários que se movem de acordo com a formação das nuvens da opinião pública.

Ponto 2o ponto central do golpe é impedir que as esquerdas retomem o poder em 2018.

Aí, abrem-se várias possibilidades: o surgimento de um campeão branco, uma eventual candidatura competitiva; o impedimento legal de Lula disputar; a implantação de um semiparlamentarismo; até um endurecimento do golpe, se as circunstâncias permitirem.

Ponto 3 – candidato bom é candidato viável

Se seu amigo está se afogando no mar, veja se ele está ao alcance do arremesso de um salva-vidas. Se não estiver, se desculpe e marque a missa de 7o Dia.

No jogo político atual, será preservado apenas o político que for imprescindível para o segundo tempo do golpe, a se iniciar em 2018.

Peça 2 – a mídia e os tucanos jogados ao mar

Como sempre acontece, a velha mídia sempre pratica movimentos sincronizados. Nos últimos tempos, com exceção do Estadão, que parece editorialmente parece ligado no automático, os demais veículos procuram investir um pouco na busca da isenção perdida.

Na 6a, o Jornal Nacional deu uma edição surpreendentemente isenta sobre os escândalos de Temer. Agora, Veja solta uma bomba contra Aécio Neves e um vazamento mortal contra José Serra – a informação de que o executivo Pedro Novis informou ter depositado muito dinheiro na conta de “uma parente” de Serra, através do lobista José Amaro Pinto. A Folha, uma das que mais estimulou a intolerância dos últimos anos, lança um manual se propondo a praticar um jornalismo propositivo, que afaste o discurso de ódio.

O que está em jogo, inicialmente, é a tentativa de recuperar credibilidade. Quando começou esse jornalismo de esgoto, não faltaram alertas de que se tratava de uma tática suicida, da qual as principais vítimas foram Veja e FolhaIstoÉ não tinha muito a perder.

O momento de corte ocorre quando se esfumaça o futuro político de Aécio Neves e José Serra e o de Geraldo Alckmin fica sob dúvida. Tateia-se, agora, a candidatura de João Dória Júnior.

Para a mídia poder bancar o novo, precisaria enterrar o velho, com quem tornou-se imprudentemente identificada. Por esta lógica, Aécio e Serra já estão condenados. E Alckmin fica sob análise. Sua condenação dependerá, em parte, das delações da Odebrecht e, em parte, do crescimento ou não de Doria nas pesquisas.

É o que explica o fim da blindagem dos aliados.

Peça 3 – a inviabilidade do governo Temer

São muitos os indícios de que o governo Temer está no fim. Além da ilegitimidade da falta de votos, assim como o governo Dilma, foi vítima da falta se discernimento político de burocratas primários, que julgam que toda radicalização é virtuosa: Joaquim Levy, com seu pacote fiscal, Mansueto de Almeida, com essa extravagância de reforma do sistema e previdência social que jogará o país de volta ao século 19.

Os índices recordes de impopularidade de Michel Temer, a ameaça de debandada do PMDB, o aumento da popularidade de Lula e de candidaturas alternativas, a ausência total de uma estratégia de recuperação da economia, tudo indica que se esgotou o prazo de 6 meses no qual, de acordo com a Teoria do Choque, todas as crueldades são permitidas.

Aliás, é inacreditável que a mediocridade de Temer não tenha sido percebida nem por Lula, Dilma e o PT – que o fizeram vice-presidente -, nem pelas forças que perpetraram o golpe parlamentar. Trata-se de uma pessoa com baixíssimo nível de informação, falta de cultura geral, de escrúpulos e de discernimento, com o carisma de coruja obrigada a falar, uma espécie de rei dos mendigos intelectuais do Congresso.

A maior prova de sua mediocridade é a maneira como embarcou no sofisma da impopularidade, peça pregada nele pelo impagável Nizan Guanaes: a impopularidade é uma vantagem, pois não impede a pessoa de cometer as piores maldades. E sai o gênio político estufando o peito e proclamando sua impopularidade.

Peça 4 – os fatores aleatórios no julgamento do TSE.

Na próxima semana, entra em pauta o julgamento da chapa Dilma-Temer pelo TSE.

A nomeação do Ministro Admar Gonzaga não muda o jogo: ele não participará da votação, ainda sob responsabilidade de Henrique Neves.

Em relação à votação, há apenas uma certeza: o parecer do relator será a favor do impeachment da chapa completa. A partir daí, há as seguintes possibilidades.

1.   Manutenção de Temer

Atuando como consultor de Michel Temer, Gilmar Mendes adiantou duas possibilidades possíveis de sobrevivência: a separação da chapa, condenando apenas Dilma; o impeachment da chapa, mantendo os direitos políticos de Temer, que seria reconduzido à presidência por uma nova votação.

Há uma terceira manobra, de algum Ministro pedir vistas do processo por prazo indeterminado. Gilmar Mendes é campeão dessas manobras.

Há quem veja vantagens na manutenção de Temer. Com ele, seria mais difícil postergar as eleições de 2018.

As desvantagens óbvias:

·      o desmonte do Estado, perpetrado por sua equipe, sem a menor estratégia de recuperação da economia, aprofundando ainda mais a recessão,

·      O assalto que está sendo praticado em todos os níveis, de forma escandalosa.

2.   Saída de Temer.

Nesse caso, haveria uma nova eleição, pela Câmara dos Deputados. E aí há um conjunto enorme de variáveis. Há o grupo que ainda segue Eduardo Cunha; o grupo do PSDB; a frente das esquerdas.

O único ponto de confluência desses grupos é o medo da Lava Jato – que, agora, entra na fase STF. Nesse rumo, sobressaem duas candidaturas: a de Gilmar Mendes e a de Nelson Jobim.

Gilmar seria um tapa na cara da opinião pública. Já Jobim, em que pese as enormes críticas que suscita, tem pontos de contato com todas as pontas e salve exercer a autoridade e o caminho das pedras.

Peça 5 – os cenários possíveis

Tudo ainda é confuso, inconcluso, dependendo da evolução de uma série de fatores:

Crise econômica

Apesar do esforço descomunal da mídia, o quadro econômico piora. Há uma inadimplência generalizada do setor privado, uma interrupção de todo investimento público e, agora, o início da debandada dos aliados de Temer. O aprofundamento da crise reduz as possibilidades de Temer e fortalece a candidatura de Lula.

O fator Dória

É cedo para apostar as fichas em João Doria Junior. Suas reações às críticas que tem recebido mostram um político não apenas novato, mas tosco. Falta a ele visão prospectiva mínima. Ganhou um saldo em caixa com suas manobras de marketing e a crise final das velhas lideranças. E sai gastando o saldo explorando de forma repetitiva o marketing do João Trabalhador e um discurso velho, da polarização PSDB-PT, marca mais anacrônica de um modelo que se pretende extirpar. Até agora, Dória é conhecido apenas pelas jogadas de marketing. A construção da imagem pública começa agora. E o que tem revelado é o perfil do mimado agressivo. Uma eventual desintegração da candidatura Dória poderá precipitar outras tentativas anticonstitucionais.

A Lava Jato

As sucessivas ações de Sérgio Moro e delegados da PF contra blogueiros, sindicalistas e críticos das redes sociais, refletem desequilíbrio decorrente da síndrome da perda de poder. Agora que retornaram ao nível da terra, a perda do impacto de seus feitos torna-os mais sensíveis às críticas. De truculência em truculência vão desconstruindo sua imagem e revelando-se como efetivamente são: um grupo de funcionários públicos provincianos jogados, de repente, no epicentro da política brasileira. Com vento e mídia a favor, até o padre baloeiro de Florianópolis torna-se Santos Dumont. Na hora da prova dos 9, soçobram.

De qualquer modo, a delação da Odebrecht provavelmente criará uma dinâmica que arrastará o restante da atual geração política para o buraco.

Some-se a delação do ex-governador do Rio, Sérgio Cabral Filho, que poderá atingir até magistrados dos tribunais superiores - STF e STJ.

A soma desses três fatores – Crise + Frustração com Dória + Lista Odebrecht – cria um cenário absolutamente incerto para o golpe.

Uma das estratégias será ampliar as revelações da lista sobre o PT e os governos Dilma e Lula. Mas já se tornaram carne de vaca. Não haverá como jogar para segundo plano os novos denunciados.

Por outro lado, o discurso de demolição do Estado, é de alcance bastante restrito. Especialmente depois que a proposta de reforma da Previdência escancarou os efeitos sobre a população. Se passar o saco de maldades de Mansueto, o tema imbatível da campanha de 2018 será o da reversão do desmonte.

Em suma, a estratégia de desmonte do PT e vitória em eleições diretas em 2018 torna-se a cada dia mais distante.

Pode-se esperar, para os próximos meses, que Gilmar, Globo, e camarilha de Temer tirem algum novo coelho da cartola.

Média: 4.6 (46 votos)
86 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".

Demolição

http://www.romulusbr.com/2017/04/a-demolicao-do-brasil-no-concerto-das.html

Seu voto: Nenhum (1 voto)

Gilmar (Mendes) seria um tapa

Gilmar (Mendes) seria um tapa na cara da opinião pública.

Gilmar Mendes presidente da República é o tapa na cara que a opinião pública e publicada precisam levar. E não apenas por ser o exemplo vivo da cara-de-pau da Junta Golpista, mas também porque - voltamos a repetir - a fase final do golpe, que é a inviabilização não apenas das esquerdas, mas também de "gente de fora" (Marina, Bolsonaro etc etc etc), para alcançar o poder via parlamentarismo e adiamento/cancelamento das presidenciais de 2018.

Seu voto: Nenhum

Stefan Zweig disse que o Brasil é o país do futuro.

Já a elite brasileira quer que o Brasil seja o país do passado.

E o Brasil vai se transformando no país do futuro do pretérito.

imagem de C.Poivre
C.Poivre

Reverter TUDO

Quando a democracia for restabelecida a primeira providência terá que ser a anulação formal  de TODOS os atos praticados por este "governo" ILEGÍTIMO.

Seu voto: Nenhum (2 votos)
imagem de Álvaro Noites
Álvaro Noites

Condição Sine Qua

Condição Sine Qua Non.

Qualquer ato dos golpistas são ilegais, já possuem vício de origem.

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de C.Poivre
C.Poivre

Será que Temer cai mesmo?

Daqui a pouco vai completar um ano de previsões do fim do "governo" do traíra ilegítimo e ele continua lá, apoiado que é por poderosas e pouco visíveis forças do mercado financeiro internacional (o Club Bilderberg).

Seu voto: Nenhum

A vaga do Nassif

Gosto do Nassif e de seus comentários, mas quando ele se surpreende com a cegueira de Lula, Dilma, PT e gangue do golpe com a mediocridade do Temer, seria bom ele relembrar de suas críticas a Dilma por ela ter deixado um vice com "notório saber"  afastado da articulação política e de ter sugerido em seus comentários para que a presidente o alçasse ao patamar de articulador politico do governo, digo, do golpe, portanto há mais uma vaga no time dos privados da visão.

Seu voto: Nenhum (5 votos)

Depois do "rompimento do

Depois do "rompimento do Renan" do temer, ele se torna um candidato "natural" (Isso se houver alguma coisa natural nesse golpe!) ao cargo de presidente num colégio eleitoral.

O Temer já pode ser caçado e assim a lei se cumprirá, o judiciário acertará seu passo...

Será que é isso?

Claro que não!

O Renan o substituiria e alem de astuto, é confiável aos donos do golpe, ele nunca os satisfariam integralmente, mas nunca os decepcionariam totalmente, como o Temer - um fiasco!

Ele traria a segurança que os políticos com vias de serem processados precisam, pois ele mesmo é um deles e com a astúcia, com a melhor conversa e uma rejeição menor que o temer e aécio - ele conversa com LULA!

E é uma jogada de marketing na qual ele rejeita o mais rejeitado, ele se torna um com o povo, até dando conselhos...

Os pagadores de impostos talvez até voltariam...

O Povo anseia por solução mágica...

Só que não existe almoço grátis...

Teria um preço a ser pago em suaves mensalidades nos próximos 20 anos!

Ai o Brasil seria cozinhado em fogo brando, não teriam os golpistas as reformas que queriam e o povo vai amargar a terceirização e PEC 55!

Seria a vitória dos juros!

Ficaríamos com notas entre 4 e 5, nunca o suficiente para passar, mas com a esperança que seria possível passar!

Voltamos a ser o pais do futuro!

Esse é o Renan...

Ele não é anti-temer e nas manifestações de 2013 esfriou tudo que chegou no congresso!

Isso prolongaria o golpe, pela maior astúcia do Renan, e sepultaria de vez a lava jato, calma e silenciosamente!

E numa única canetada e com muita fala mansa ele mataria 2018!

Seu voto: Nenhum

"O que fazemos na vida, ecoa na ETERNIDADE!" (Máximus - Gladiador)

"Os dois mais importantes dias em sua vida são o dia em que você nasceu e o dia em que você descobrir o porquê... - M

imagem de JOSE PEDRO DE PAIVA REIS
JOSE PEDRO DE PAIVA REIS

O GOLPE E A DESTERRITORIALIZAÇÃO DO BRASIL

Caro Nassif,

Ao fazer um retrospecto da série Xadrez do Golpe, há tempos venho matutando sobre um aspecto da história recente do Brasil que não aparece nas discussões que acompanho, mas que julgo ser de importância capital. Tomo a liberdade de fazer aqui uma pequena digressão sobre o tema TERRITÓRIO, DESTERRITORIALIZAÇÃO E RETERRITORIALIZAÇÃO para tratar do que acontece no Brasil em anos recentes.

TERRITÓRIO

O conceito de território é amplo, sendo abordado em ciências sociais, no direito, na geopolítica e na economia. Em termos pragmáticos, o Estado-Nação é a expressão máxima do conceito de território, na medida em que toda sociedade constituída nesses termos o faz sobre uma determinada porção da superfície terrestre, que estabelece como seu território. Para fins de comparação, embora exista uma porção da América do Sul reconhecida como território dos índios Yanomami, na prática esse território (pelo conceito etnográfico) está distribuído em áreas que estão dentro do território de três Estados-Nação: Brasil, Venezuela e Guianas. Isso significa que o território de uma sociedade constituída como estado-nação deve ter três requisitos básicos:

1) a sociedade que ocupa ou reivindica um território deve ter capacidade bélica de impedir que estranhos a essa sociedade venham a ocupa-lo e/ou poder de dissuasão de qualquer atitude hostil (por meio de alianças com outros estados-nação, etc.);

2) a sociedade que ocupa ou reivindica um território deve possuir um código legal que regule as ações individuais e coletivas no sentido da boa convivência entre todos os integrantes dessa sociedade e do aprimoramento individual e coletivo, superando-se os conflitos de interesse e resguardando a sociedade da violência;

3) o terceiro requisito se refere ao conjunto de atitudes, crenças e vínculos de natureza variada que consolidam a noção comum de que esse território pertence à sociedade e do qual cada indivíduo é tributário e fiador, manifestando-se em símbolos, história pessoal e coletiva, tradições, etc. (podemos nascer em território brasileiro, mas é necessário sermos educados para assimilar todos esses aspetos, de modo que na idade adulta estajamos devidamente integrados na sociedade brasileira, com sentimentos positivos - isto é, a favor da idéia de Brasil, independentemente da inclinação política, condição sócioeconômica, de gênero ou etnia).

O Estado, nesse sentido, é o meio pelo qual a sociedade garante a sua existência em determinado território, na medida que cabe ao Estado a manutenção da integridade territorial e a vigilância sobre as fronteiras (requisito 1), a administração da aplicação das leis e a condução dos negócios públicos no interesse maior da sociedade (requisito 2) e propiciar os meios para a formação e o aprimoramento das novas gerações (requisito 3). Resumindo, o território nacional existe quando o Estado está presente.

DESTERRITORIALIZAÇÃO

O termo desterritorialização designa aquela condição em que um indivíduo ou mesmo a sociedade como um todo se vê alienada do território em que vive, seja pela ameaça de violência física por parte de estranhos ou concidadãos, seja pela ausência ou desrespeito ao código legal e à conduta ética dos negócios públicos, seja pelo esfacelamento ou colapso da imagem que a sociedade tem de si mesma, pela perda de referências comuns de identidade, cultura, etc.

A desterritorialização ocorre fundamentalmente quando o Estado que a sociedade constituiu não consegue ou se recusa a cumprir as atribuições inerentes a esses três requisitos, e isso, invariavelmente, resulta em violência. Na Ucrânia, por exemplo, há uma crise decorrente do conflito com separatistas filiados à Rússia, que lutam pela secessão de províncias no Leste do país (desterritorialização pelo requisito 1). Como exemplos de desterritorialização pelo requisito 2 pode-se citar o caso de Mianmar, em que a longa crise política decorrente do questionamento da legitimidade do governo militar só foi superada com eleições gerais, o mesmo ocorrendo na África do Sul até a eleição de Mandela. A desterritorialização relacionada ao requisito 3 tem como exemplo mais significativo o colapso da antiga Iugoslávia e a guerra civil na Síria, uma vez que o conflito atual não se resume à oposição política ao ditador Bashar-Al-Assad, mas abrange diferentes matrizes religiosas e etnias.

 E o Brasil? Nosso retrospecto histórico sugere que a manutenção da integridade do território nacional se deveu a inúmeros fatores, mas entre eles não está a capacidade das forças armadas em defender a imensa fronteira continental, muito menos as águas territoriais. Ocorre que nenhum país vizinho desenvolveu-se o suficiente para ter condições de desafiar o poderio militar brasileiro e ser bem sucedido (Paraguai). Deu-se o contrário, o país ocupou território alheio (Bolívia) e interveio em disputas territoriais (Guerra do Chaco) pela extrema fragilidade dos países envolvidos. A despeito da condição de potencia militar regional, a facilidade com que o tráfico de armas e drogas, o contrabando de mercadorias e a remessa ilegal de metais preciosos ou raros operam no território brasileiro não deixa dúvidas de que o Estado é falho, omisso ou conivente (seus agentes) com essa situação.

Com relação à desterritorialização pelo requisito 2, ou seja, a não aplicação das leis para o benefício da sociedade como um todo e a condução dos negócios públicos para o aprimoramento da sociedade (melhor educação, saúde, etc.), depreende-se facilmente que essa é a principal característica do Estado Brasileiro ao longo da história, assinalando-se que os avanços ocorridos nos dois mandatos de Lula e, em menor intensidade, no primeiro mandato de Dilma, constituem um marco histórico, superando aqueles ocorridos antes da ditadura civil-militar e após a Constituição de 1988.

A desterritorialização pelo requisito 3 é um fenômeno intermitente ao longo de nossa história, mas chama a atenção nesse quesito a atuação da imprensa, dos meios de comunicação como um todo e a emergência das redes sociais. No caso mais recente, é significativo que, logo após a apuração dos votos nas eleições de 2014, tenha surgido a imagem do "país dividido" disseminada pela grande mídia e pelas redes sociais, com mapa e tudo! No presente, são sintomas dessa modalidade de desterritorialização:

> Movimentos de secessão dos estados do Sul;

> A estigmatização da população negra e pobre, alijada de serviços de saúde, educação e segurança pública;

> A violência (inclusive institucional) contra indígenas, quilombolas e comunidades tradicionais;

> A violência contra mulheres, homossexuais, transgêneros, crianças e adolescentes;

> O controle de prisões e porções do território por facções criminosas (milícias incluídas);

> A permanência de condições de trabalho análogas à escravidão, seja no meio rural, seja nas cidades;

> A precarização das relações de trabalho, fomentando a perda do principal referencial de cidadania, que é a capacidade de gerar renda;

> A conivência e omissão dos agentes públicos com a degradação ambiental em diferentes escalas;

> O aniquilamento da política pela vinculação das agremiações partidárias e de representação da sociedade (sindicatos, confederações esportivas, etc.) aos interesses dos seus dirigentes;

> A atuação do poder judiciário, marcada pela morosidade ou pela conivência com os "grandes interesses" (leia-se poder político-econômico), que assegura a manutenção das desigualdades sociais e econômicas;

> O crescimento da indústria da segurança privada, preenchendo a lacuna deixada (propositalmente, diga-se de passagem) pelos agentes encarregados da segurança pública;

> O individualismo exacerbado e o comportamento autorreferente, resultante do colapso da educação e da convivência social, que se reflete no abandono dos espaços públicos (praças, ruas, parques, etc.)

> A deterioração da liberdade de expressão, abrangendo não só a violência contra a livre manifestação de idéias e pensamentos, mas também a violência deliberada decorrente da manifestação de idéias e pensamentos hostis a pessoas e instituições.

Em suma, vemos a desterritorialização cada vez maior, à medida que cresce a violência na periferia das cidades e no campo, à medida que aumenta o desemprego e as pessoas desistem de procura-lo, à medida que setores da economia se retraem, com reflexo nas porções do território vinculadas às diferentes atividades econômicas, e por aí vai. Essa é a marca do Governo Temer, desterritorialização contínua e intensificada, esse o grande golpe que assistimos. Quando uma família de baixa renda deixa de receber qualquer benefício social pago pelo Governo, o reflexo se dá na porção do território brasileiro em que essa família vive, por menor que seja. O mesmo ocorre com uma pessoa que perde o emprego, quando alguém é assassinado por criminosos (fardados ou não), quando uma mulher é espancada em público ou dentro de casa. Porque nós não vivemos suspensos no ar, nós vivemos na terra, nossa presença define o espaço em que vivemos, como indivíduos e como coletividade. O golpe de 2016 desterritorializa o Brasil, porque alija a grande maioria dos brasileiros do território a que tem direito de viver dignamente, já que a razão de ser do Estado é fornecer as garantias para que assim seja.

RETERRITORIALIZAÇÃO

Compreende o movimento coordenado, articulado politicamente, para a reinserção da totalidade da sociedade na totalidade do território que reivindica a si para viver. No caso do Brasil, implica em mudar nossas referências políticas, sociais, econômicas, culturais e, não menos importante, territoriais.

Porque o território nacional não pode ser confundido com mercadoria, sujeita a compra e venda ao sabor do mercado. O território é tão sagrado quanto as vidas humanas que nele habitam e que dele necessitam para viver com dignidade. O ribeirinho que vive nos igarapés da Amazônia é tão importante quanto o operário da fábrica de automóveis no ABC ou o trader da BM&F. Porque o ribeirinho, com seu modo de vida, pode conservar o maior ecossistema do Brasil e um dos mais importantes do planeta, mas se seu filho quiser ter outro modo de vida, ele deve ter a oportunidade de fazê-lo, por meio de uma educação ampla, assegurada boas condições de saúde e sem ameaças à sua integridade física ou mental.

Um novo pacto social requer, necessariamente, um novo pacto territorial, que transcenda os estigmas das desigualdades regionais historicamente constituídas. Esse talvez seja o fundamento, o alicerce para todas as chamadas grandes reformas estruturais, a reforma agrária, a reforma política e a reforma tributária.

Essa reterritorialização será consequencia direta da superação do golpe de 2016 e da derrota política das forças que vem atuando para a manutenção da miséria política, econômica e cultural em que estamos, que se reflete no território brasileiro. É nesse sentido que a importância de Luiz Inácio Lula da Silva se destaca ainda mais, conhecedor que é dos distantes rincões desse imenso país (ele foi o único homem público de expressão nacional que percorreu o Brasil de Norte a Sul e de Leste a Oeste, quando se preparava para o pleito presidencial de 2002). Há muito o que fazer para resistir à calamidade do presente e tornar o futuro uma promessa de esperança. E a esperança está nas pessoas enquanto a terra sob seus pés guarda, pacientemente, o prazer e a delícia do bem viver.

Seu voto: Nenhum
imagem de Roxane
Roxane

Já corrigiram, o padre

Já corrigiram, o padre baloeiro naõ era de Floripa, era do... Paraná. Mas aqui se prende atabaque no carnaval. É . daqui há uns dias conto direitinho. Fomos hoj na PM  fazer o resgate do atabque, com perdão da rima.

Quantoa a peça do xadrez  intitulado ''grande mídia''' , só faz mais do mesmo: manipula a opinião pública. Dá uma matérias contra os golpistas e seus aliados , aí a boiada bate palminhas e diz: tão vendo, tão vendo seus esquerdopatas, eles são ''imparciais''. Aí é só lançar quem eles quiserem .Lançar às alturas ou na  lama. Mas com convicção!

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de Glauco V
Glauco V

Uma versão dessa musica do

Uma versão dessa musica do final do artigo foi usada na campanha do FHC a prefeitura que o Janio Quadros ganhou.

Seu voto: Nenhum
imagem de dja
dja

na mão do batman

O MT pode cair na mão do batman ao ser cassado no TSE, porque não teria foro privilegiado nem prestígo da sociedade. Isso seria o auge dos justiceiros por fidelizar à besta e terem a adesão de esquerdistas. No xadrez político brasileiro, haja coração!

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de joaquimm
joaquimm

Adeus audiência da Globo News. Perda de credibilidade.

Sou professor no curso de Direito. Era lugar comum, os colegas citar a Globo News como fonte de informação. Hoje, há uma repulsa, negação, descrédito, frente as contradiçoes da classe média. Adeus audiência da Globo News.

Seu voto: Nenhum (3 votos)

Vamos fingir que foi sem querer..

.. é uma perspectiva bem "inusitada", mas a cada dia que passa eu desconfio mais fortemente que o capital nacional vai pedir ajuda para o Lula.. vão formar uma frente, incluindo parte do PMDB (Renan) e tentarão reeditar o lulismo..

.. e enterrar tudo o que aconteceu nos últimos 2 anos..

.. vamos fingir que foi sem querer.. perdoar (quase) todo mundo e seguir em frente..

.. palpite..

.. seja como for, espero que - caso isso aconteça - o Lula venda super caro sua ajuda..

(qual a base do raciocínio? Bem, eu estimei no ano passado que lá prá jun/jul/2017 as pessoas iriam estar se matando nas ruas, estilo Espírito Santo, tá ligado, né? Pois é.. tic.. tac.. tic.. tac..)

Seu voto: Nenhum (6 votos)
imagem de Edson Telefonista
Edson Telefonista

O Padre Baloeiro

"Com vento e mídia a favor, até o padre baloeiro de Florianópolis torna-se Santos Dumont."

Muito boa a piada, apesar de um tanto quanto trágica...

Mas nós, manezinhos de Floripa, viemos para por os "pingos nos is"! 

Orrash!!! O padre não era de Florianópolis e nem de Santa Catarina. O nosso Dumont trágico era do Paraná e alçou o vôo fatal de Paranaguá, litoral do PR, e tinha o objetivo de ir para Ponta Grossa no interior do PR.

Dois dias depois acharam restos de balões perto da Ilha de São Francisco do Sul, litoral norte de SC, mas o corpo só foi encontrado a 100 km da costa de Macaé/RJ mais de dois meses depois...

Podemos então mudar para  "o padre baloeiro conterrâneo do Moro"...

Seu voto: Nenhum (4 votos)

Rommulus, a ideia da morte

Rommulus, a ideia da morte cruzada é sensacional e, talvez, a melhor solução para crises institucionais no presidencialismo.

O problema, volto a repetir, é que a solução para o golpe passa pelo parlamentarismo puro, desses que o presidente é uma figura decorativa, como já cantou a pedra o jeniau Barroso. Com a atual maneira de se eleger a Câmara (ou coisas piores, tipo voto distrital), é o antídoto contra esquerdas e salvacionismos à direita, garantindo a paz dos cemitérios na política.

Seu voto: Nenhum (1 voto)

Stefan Zweig disse que o Brasil é o país do futuro.

Já a elite brasileira quer que o Brasil seja o país do passado.

E o Brasil vai se transformando no país do futuro do pretérito.

Exato! Ai o "presidente" pode

Exato!

Ai o "presidente" pode ser o Lula...

... ou ate o Rui Costa Pimenta do PCO!

Seu voto: Nenhum (2 votos)
imagem de Antônio - Minas Gerais
Antônio - Minas Gerais

Nassif,

por que as esquerdas temem tanto a Rede Globo? O Temer é um morto vivo, a Globo não. Sem esse câncer não haveria golpe.

Seu voto: Nenhum (3 votos)
imagem de carlaToscani
carlaToscani

Mediocridade de Temer

 

Imagino ser exatamente sua mediocridade o fator preponderante para ter sido escolhido como vice. Nunca imaginaram que uma ameba poderia ter a petulância de querer dar um golpe.

 

Seu voto: Nenhum (4 votos)
imagem de elaine2103
elaine2103

Coelho da cartola?

Caro Nassif,

Sou economista, meu caro, não existe absoltumente nenhum coelho da cartola para os golpistas no que diz respeito a questão econômica.

É o titanic afundando mesmo.

Pode ser que eles tIram algum coelho da cartola no campo político, como o caso de um novo regime, o Parlamentarismo ou Semi parlamentarismo, como no caso da França. Algo muito improvável, acho.

As forças progressistas estarão no centro do PODER CENTRAL em 2019, acredito piamente nisto.

CIRO-HADDAD JÁ.

Seu voto: Nenhum (2 votos)
imagem de jose adailton v ribeiro
jose adailton v ribeiro

Os flancos

No que prevê o ítem 1 da Peça 4 , não sendo o melhor para o país , seria o cenário mais  favorável para eleição de Lula.A tese do quanto pior , melhor .

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de Ciro Medeiros
Ciro Medeiros

A Mídia Grande teme revoltas viradas à esquerda

"A Folha, uma das que mais estimulou a intolerância dos últimos anos, lança um manual se propondo a praticar um jornalismo propositivo, que afaste o discurso de ódio.

O que está em jogo, inicialmente, é a tentativa de recuperar credibilidade."

A Mídia Grande não trabalha mais com o conceito de credibilidade a um bom tempo porque seu público leitor-telespectador - o que restou - não se propõe a construir um país civilizado e está mesmo é preocupado em manter baixa a competição por posições de status na sociedade, enquanto seus associados no exterior tem como principal foco impedir a inclusão dos batalhadores e miseráveis nessa competição porque tal inclusão permitiria que gênios (saídos dessas classes pobres) se desenvolvessem e desenvolvessem nossas empresas e instituições governamentais.

Manter 80% da população longe da competição pelas posições de status são o elo que une o terço psicopatizado da classe média e os verdadeiros estrategistas do golpe (que estão no exterior, longe dessa bomba relógio chamada Brasil) - este elo é nutrido e garantido pela Mídia Grande, como que num trabalho de intermediação. O típico empresário psicopatizado do terço conservador da classe média não assiste Jornal Nacional porque confia na factualidade do conteúdo da Globo, mas sim porque sabe que a Globo está do seu lado nesse grande jogo de trapaça que é a luta de classes.  Há, portanto, que se considerar uma outra possibilidade para explicar a nova postura da Mídia Grande - uma possibilidade que tem a ver com o equilíbrio de forças nesse grande jogo de trapaça.

A Folha percebeu os novos ventos virando grande parte da população para esquerda - se houver convulsões sociais em 2018, durante o período eleitoral, os direitistas serão massacrados nas ruas. Massacrados significa mortos (no sentido de seus corpos passarem a ser corpos de defuntos - é literal). A Folha percebeu isto: se a estratégia original do golpe era atiçar o terço progressista da classe média para tentar ser vanguarda da revolução (como tentou ser nos anos 60) e as últimas medidas do governo - fim do ciência sem fronteiras, por exemplo - dão um tom de desespero na implementação dessa estratégia, agora eles estão temendo que seus direitistas mais impulsivos comecem a matar "petistas" como que numa tentativa desesperada de provocar insurreições sociais que justificassem o endurecimento do regime e o cancelamento das eleiçoes. Eles passaram a temer isto porque perceberam que essas insurreições vão acabar muito mal pra eles se, é claro, os ventos continuarem soprando na direção em que estão soprando agora.

 

PS: o termo "petista" no contexto desse artigo (e na mente psicopatizada do terço conservador da classe média) se refere a pessoas que querem incluir os batalhadores e miseráveis na disputa pelas posições de status na sociedade.     

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de Álvaro Noites
Álvaro Noites

Neste exato momento o

Neste exato momento o empresário e ministro do STF, Gilmar Mendes, se encontra na cidade de São José dos Campos, interior de SP.

Mendes participa de um evento da tal "LIDE", empresa vinculada ao prefeito da cidade de São paulo, o empresário João Dória Jr. (PSDB), com início às 12:00, onde proferirá a palestra "A Justiça e Desenvolvimento do País".

Tal evento ocorre no Hotel Golden Tulip, no interior do Shopping Collinas, no barirro nobre Jardim Collinas .

O Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos marca presença protestando em frente ao local.

Seu voto: Nenhum (5 votos)
imagem de Antonio Carlos Conceição
Antonio Carlos Conceição

Lista Fechada e multa bilionária no PT

Fico aqui pensando, a direita nunca gostou da ideia de lista fechada porque leva a um voto mais ideológico e a direita não gosta de ideologia (só da sua). 

A tese mais abraçada é de que com o voto em lista se garantiria o foro privilegiado dos atuais parlamentares. Faz sentido. É muito óbvio. 

Por outro lado, em um sistema de lista fechada, sem campanhas individuais, só partidárias, uma multa bilionária inviabiliza o partido e sua campanha. Provavelmente o PT será alvo de uma multa assim como o PP.

A Lava Jato, por meio de Deltan, já disse que não quer conta com o PSDB. Imagine o PT empobrecido e sem possibilidade de bancar campanhas individuais por empecilho do sistema de lista fechada, enquanto o PSDB nada em dinheiro da burguesia em 2018. 

Será essa a bala de prata para inviabilizar a volta de Lula ou quem ele indicar? Ninguém dá golpe para devolver o poder ao golpeado na sequência, 1964 ensinou isso. Nada que vem da direita em matéria eleitoral é para melhorar a qualidade da democracia.

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de Bull
Bull

Design do post

Nassif, contrataram um estagiário em Design Gráfico? rs...
Não adianta um belo texto como o seu sem uma arte bacana pra ilustrar. Tá melhorando.

Abraço!

Seu voto: Nenhum (3 votos)
imagem de AlvaroTadeu
AlvaroTadeu

Uma formatura.

Colação de grau de uma turma de Letras da UFMG. A reitora já havia proibido qualquer manifestação política e se houvesse, a colação de grau seria cancelada. Após terminada a cerimônia, nossas jovens professoras de Português ergueram os braços e começaram: "Fora Temer, fora Temer, fora Temer!". A moda já pegou, quero ver quem vai segurar...

Seu voto: Nenhum (6 votos)
imagem de Elias Salé
Elias Salé

Vão inabilitar o PT

Prezado Nassif,

Cabe uma análise mais aprofundada do balão de ensaio que estão fazendo com o PP.

Ao incluir um partido político em uma Ação Civil por Improbidade Administrativa e querer obrigá-lo a pagar o valor absurdo pleiteado pelo Ministério Público, na prática se está buscando a sua inviabilidade.

Esse fato inédito, nessa altura do jogo, mostra que se isso colar, o próximo é o PT, que ficará sem recursos para as eleições que se aproximam e na prática não terá condições de eleger os seus.

Assim, qualquer partido no futuro poderá ficar na linha de tiro dos donos do sistema, quando ameaçarem a hegemonia de fato com o apoio das urnas. Ou seja, mais uma vez a substituição do poder de escolha do povo, pelas tramas obscuras do bastidores do verdadeiro poder.

Isso é assustador e parece surreal que estejamos vivendo uma coisa dessas poucos meses depois de um dos períodos de maior otimismo interno e de projeção do País perante o mundo. E em pleno século XXI!

Acho que esse tema está sendo subestimado e merece ser mais aprofundado no blog.

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de JOSE PEDRO DE PAIVA REIS
JOSE PEDRO DE PAIVA REIS

Caro Elias, O problema de se

Caro Elias,

O problema de se tentar mover uma Ação Civil por Improbridade Administrativa contra o PT nos mesmos moldes da que foi movida contra o PP está em comprovar que parlamentares do PT recebiam "mesadas" das empreiteiras, algo que não foi comprovado, nem mesmo mencionado nas delações todas. Aliás, provavelmente no início da Lava-Jato a PGR, a PF e SM contavam como certa uma inundação de delações de petistas que, para se salvar, iriam "entregar" todos os "crimes" de Lula, Dilma e toda a cúpula do PT, só que isso simplesmente não aconteceu. Comparando-se o número de parlamentares de outros partidos implicados nas delações com o número de parlamentares do PT, é gritante a diferença. Portanto, caso tentem alguma coisa por essa via - em meio à toda a sujeira do PSDB que começa a aparecer - ficará muito difícil para a República de Curitiba justificar uma medida extrema como essa. Por isso, acho que não será por essa via que virá o próximo ataque a Lula e ao PT.

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de Dulce (Madame X)
Dulce (Madame X)

Xadrez...

Estarrecedor, principalmente neste parágrafo. 

1.   Manutenção de Temer

Atuando como consultor de Michel Temer, Gilmar Mendes adiantou duas possibilidades possíveis de sobrevivência: "a separação da chapa, condenando apenas Dilma; o impeachment da chapa, mantendo os direitos políticos de Temer, que seria reconduzido à presidência por uma nova votação."

1. Temer TEM UM CHEQUE nominativo, em seu favor. ISSO em qualquer tribunal do mundo não deixaria margem a tergiversações. É a chamada PROVA "preto no branco".

2. Pouco se fala que o MARQUETEIRO da chapa, FOI MARQUETEIRO INDIVIDUAL para Scaf, em São Paulo, com TOTAL APOIO DO PMDB/TEMER/E SUA "MULA". Temer "cavou" CAIXA DOIS para o PMDB. Não somos ingênuos de pensar que "TEMER" buscaria financiamento para a chapa PT/PMDB. Declarou ainda o Marcelo, que a contribuição foi "mista". Acredito! Não cairiamos na patacuada de caixa dois, quando todos estavam querendo comer o nosso fígado...MAS NINGUÉM NUNCA QUIS COMER O FÍGADO DO PMDB, E ESTE O ABSORVEU ATÉ COM CHEQUE NOMINATIVO/ E "MULA". 

3. Marcelo O. Declarou amizade a Scarf e pediu que o dinheiro fosse para este. 

4. COMO JUSTIFICAR, de maneira palatável, ao Brasil e o mundo que UM "FICHA SUJA" (APÓS JULGAMENTO COLEGIADO NO STE), PODERÁ SER CANDIDATO INDIRETO? ISSO É UMA BOMBA H! E VAI EXPLODIR NA CABEÇA DELES. AH VAI! 

 

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de AlvaroTadeu
AlvaroTadeu

Fator Bolsonaro

Luís Nassif conversa com políticos importantes e daí tira suas conclusões, bastante ponderadas. Mas políticos importantes não conversam com jornalistas, apenas tentam, sutilmente, impor seus pontos de vista. Se o ponto de vista de um político qualquer (da Direita) for defendido pelos poucos jornalistas decentes que sobraram, Nassif, Jânio de Freitas, Mino, terá uma repercussão enorme.

Nenhum grande jornal entrevistará Lula como foi feito com Getúlio, pós-golpe 1945 e pré eleições 1950. Mas Nassif não conversa com anônimos, não haveria tempo para isso. Eu converso com anônimos na rua e ouço coisas de enrubescer Garrastazu Médici, o mais sanguinário ditador da História Brasileira. Trata-se do fator Bolsonaro. Já vi vários coitados, gente humilíssima, dizer que votariam nele para presidente. Esses onze por cento do primeiro trimestre de 2017 podem se tornar uma avanlanche de votos em 2018. Em março de 1989, ninguém daria um dólar pela candidatura de Fernando Collor. Diziam até que era uma falsa candidatura, para forçar Mário Covas a aceitá-lo como vice, o que foi recusado. Quando abril terminou, Collor já era o primeiro em todas as pesquisas. Nem a Direita confiava nele, mas foi tudo o que restou, se não tem tu, vai tu mesmo. Ninguém imaginava que a grande imprensa embarcaria numa aventura tãoperigosa como aquela. Mas embarcou.

A Globo apoiou o confisco na hora. Mas a espetacular recessão provocada, fez com que procurassem alguns atos de corrupção do Collor, que eram iguais aos do tempo de Sarney, para apeá-lo do poder. No final, até o STF inocentou Collor de toda aquela roubalheira. Se Bolsonaro chegou a 11 por cento, o fascismo está galopando solto nas estepes brasileiras (Avenida Paulista, Vieira Solto, Eixo Monumental). Cuidado com o que vem por aí. Ah, Collor provocou a maior recwssão da História até então. Aí, apareceram Temer, Aécio, Meirelles, Serra e záz! Todos os recordes foram quebrados.

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de Antonio Carlos Conceição
Antonio Carlos Conceição

Faz sentido

E o pior é que Bolsonaro pode crescer surfando nas consequências mais trágicas do golpe: o aumento da violência. 
Se a imprensa tornar a violência o inimigo número 1 do Brasil, ridicularizando o humanismo da esquerda e dando espaço para verborragias de Bolsonaro, os bandidos podem vir ser para Bolsonaro o que os marajás foram para Collor.

Depois eles controlam Bolsonaro que já demonstrou que só é corajoso para falar.

Seu voto: Nenhum (1 voto)

HAHAHA

>> Com vento e mídia a favor, até o padre baloeiro de Florianópolis torna-se Santos Dumont. Na hora da prova dos 9, soçobram.

<3 Nassif!

 



 

Seu voto: Nenhum (4 votos)
imagem de WELINTON NAVEIRA E SILVA
WELINTON NAVEIRA E SILVA

Um Brasil temeroso, refém da sabotagem, da corrupção e traição

 

Dentre tantos fatos publicados decorrentes do sujo golpe contra Dilma/PT, abaixo, apenas alguns deles, suficiente para nos levar a acreditar que o pior está a caminho, bem perto, que possivelmente, lançará a enfraquecida economia golpista em caos definitivo de consequências trágicas e irreversíveis, para o Brasil e para o nosso povo:

1)      No Jornal do Brasil de 03/12/2016, na entrevista de Eduardo Miranda ao cientista político Luiz Alberto de Vianna Moniz Bandeira sobre o envolvimento de Moro e Janot com os Estados Unidos contra o Brasil. Consta dessa reportagem que “representantes da Lava Jato, como o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e o juiz de primeira instância Sérgio Moro, avançam nos prejuízos provocados ao país e à economia nacional. Segundo o professor, os "vínculos notórios" de Moro e Janot com instituições norte-americanas explicam a situação atual das empresas brasileiras.” O cientista político é conhecido por dissecar poderio norte-americano na desestabilização de países;

2)      Segundo o Globo de hoje, os leilões de poços no pré-sal devem representar reforço de R$ 24 bilhões no caixa do governo. A julgar pelas manjadas privatizações FHC/PSDB a preços de bananas, notadamente, o grande escândalo do irrisório preço que a ex CVRD foi privatizada, deste modo, deve estar acontecendo com as atuais privatizações  de bilionários poços de petróleo, configurando outra vez, crime de lesa pátria. Tudo, realizado como de sempre, apressadamente, sem transparência alguma.


3)      Por conta da divulgada seletiva caçada aos incontáveis criminosos corruptos, os golpistas causaram gigantescos prejuízos à nossa economia, contribuindo para precipitar diversas ações nos EUA contra a Petrobras, bem como, paralisações de grandes obras da Petrobras envolvendo empresas construtoras nacionais e toda a cadeia produtiva, ultrapassando em uma escala imensurável aos prejuízos da corrupção que eles alegam combater. Parece que o objetivo seria desestruturar, desmoralizar e descapitalizar grandes empresas brasileiras, estatais e privadas, como a Petrobras, Odebrecht e outras importantes mais.

Nessa mesma linha destruidora, agora, os golpistas incluíram grandes frigoríficos brasileiros responsáveis por bilionárias exportações para o muito competitivo e exigente mercado externo de carnes, mercado este, construído em décadas de muitos investimentos e trabalhos, para serem desmantelados de um dia para o outro. A quem interessa?

Nesse desmantelamento geral, até mesmo, o Banco do Brasil, com várias agências irrefletidamente fechadas em estratégicos pontos de Copacabana. As poucas agências que restaram, vez por outra, fechadas, faltando dinheiro, caixas inoperantes, etc. Total desmoralização. A quem interessa?;

4)      A sociedade ainda não percebeu os gigantescos danos que logo mais estarão afetando nossa economia por milhares e milhares de demitidos por conta da terceirização. Dos demitidos, apenas uma parcela de trabalhadores retornará ao trabalho, ganhando menos, ou muito menos, se levar em conta os benefícios obtidos ao longo dos anos, totalizado na remuneração. O impacto dessa desastrada terceirização no fraco comércio e indústria, será devastador. Logo mais, milhares de portas estarão arriando;

5)      Outro grande dano causado pelos golpistas, logo mais em alguns anos, poderá ser visto na saúde pública e na educação, pelo criminoso congelamento das despesas públicas por vinte anos;

6)       Somado as graves suspeitas já existentes, mais as recentes envolvendo Aécio e Serra, a podridão até agora divulgada (até agora) fechando cerco a toda ou quase toda  liderança golpista, torna o desgoverno Temer insustentável. Uma grande desmoralização, interna e externa. Se o desgoverno Temer não for imediatamente deposto, vai sendo confirmando o acelerado desmantelamento da democracia brasileira. Os prejuízos para a nossa economia serão os mais devastadores possíveis.

 

Fora Temer!

 

Seu voto: Nenhum (2 votos)
imagem de Marcelo Nascimento
Marcelo Nascimento

Essa analogia do jogo

Essa analogia do jogo politico com xadrez nao pode ser aplicado a alguns politicos.

Muitos desses politicos que embarcaram no golpe em 2014 estavam mais jogando poquer do que xadrez.

Politicos como Aecio, com toda vidraca de vidro que tinha poderia tentar a presidencia em 2018, 2022 ou ate um pouco mais tarde se jogasse o jogo politico como xadrez mas ao inves disso deu um "ALL IN" em 2014 e nao sei se ele consegue se reeleger como Senador em 2018.

Outros que embarcaram junto com o PSDB como a Marta Sublicy, Chico Buarque, etc encerraram a sua carreira politica na votacao do impeachment. 

Seu voto: Nenhum (3 votos)
imagem de Taneamara
Taneamara

Cristóvan Buarque

Não é?

Seu voto: Nenhum (6 votos)

Acho que você quis dizer

Acho que você quis dizer Chico Alencar.

Seu voto: Nenhum (2 votos)

Vera Lucia Venturini

Se precedente for

Se precedente for observado...

Considerando a mentalidade grotesca da elite que patrocina o golpe e considerando o precedente de que o golpe à brasileira seguiu os mesmos passos do golpe paraguaio teremos Temer ou preposto, se ele se mostrar muito inepto, por longos anos. 

E o interessante é que o mesmo roteiro tentou-se implantar na Rússia com a narrativa inicial lavajatiana da corrupção. Mas como Putin não faz questão de ser republicano para preservar a biografia expondo o país como Dilma, enfrentou os protestos. Cômico foi ver Estados Unidos e Alemanha, no dia seguinte, levantando a bola para a opinião pública mundial pedindo a libertação dos presos. Desde quando esses países se preocupam com prisões ilegais? Sei...no Brasil pode e na Rússia não.

E essa piada de expulsar a Venezuela do Mercosul enquanto o Paraguai mata manifestante para manter a ilegalidade? É a cara do nosso premier Aloisio 1 milhão e desse grotesco governo ilegal.

E o Moro cometeu um erro político grave essa semana ao demonstrar desprezo pelo Bolsonaro visto que o seu último grupo de apoio estridente era essa direita amalucada. Mas como todo provinciano Moro almeja a mão do Dória não de um capitão de exército sem lastro entre os emergentes. 

Seu voto: Nenhum (2 votos)

Vera Lucia Venturini

imagem de jose antonio santosjj
jose antonio santosjj

PROTESTOS

Bem lembrado os protestos na Russia. Não simpatizo nem um pouco com o Putin, mas que houver uma forçada de barra nas tvs do exterior, lá isso houve.

Nesse mesmo dia houve outros protestos maiores em outros paises e ninguem se lembrou de comentar.

Se me lembro bem houve no Chile referente as aposentadorias...

Quanto ao texto do Nassif, concordo com quase tudo. 

Eu entendo que se esta dando muita atenção ao politiqueiro como João Doria. Não tem consistencia nem conteudo!

 

Seu voto: Nenhum (3 votos)
imagem de C.Poivre
C.Poivre

Dicas para entender Putin

https://blogdoalok.blogspot.com.br/2017/04/comece-por-aprender-pensar-so...

Seu voto: Nenhum

Chega de anistia ampla, geral e irrestrita!

Os empresários, banqueiros que investiram no golpe tem muito poder e dinheiro.

Compraram o legislativo, judiciário e tinham as empreiteiras como concorrentes, tiraram elas do caminho!

Então, se eles entenderem que ganharão menos dinheiro mantendo o golpe, eles vão querer a "Democracia de volta", pois só numa democracia e com transparência, os pagadores de impostos voltarão!

O golpe como disse o Mercadante, foi um estelionato, é um simples assalto de um pais praticado pela elite, mas usando o judiciário, pois até agora só o povo está perdendo...

Acho que o melhor seria não negociar, pois as leis que eles estão implantando nos levará voltar a ser talvez o pais mais desigual do planeta e isso vai fazer o povo acordar.

E sem negociação, eles terão que deixar o poder e ai coloque-se a justiça contra eles e descendentes e ai se faz a busca de bens dos golpistas para ressarcir o golpe em qualquer lugar do planeta para onde eles fugirem.

Mais uns 5 anos teremos este quadro, então que ong's, pessoas possam acompanhar o que está sendo vendido para rastrear o propina e avisar aos compradores que qualquer compra deverá ser retomada pelo Brasil com ou sem indenização!

Afinal de contas comprar produtos fruto de roubo, e todos fora do Brasil, sabem que foi golpe, correm este risco!

 

Seu voto: Nenhum (1 voto)

"O que fazemos na vida, ecoa na ETERNIDADE!" (Máximus - Gladiador)

"Os dois mais importantes dias em sua vida são o dia em que você nasceu e o dia em que você descobrir o porquê... - M

imagem de Roberto S
Roberto S

Partilho a mesma lógica

Com o impedimento sem crime, rasgou se a constituição e agora vivemos o estado de exceção. A segurança jurídica virou uma bolha de sabão, certamente vai estourar no curto prazo.

Seu voto: Nenhum (2 votos)
imagem de Álvaro Noites
Álvaro Noites

A premissa básica para

A premissa básica para qualquer concerto e definição de futuro do Brasil é a punição aos principais envolvidos e agentes do golpe.

Por mim, a Globo seria estatizada, os três patetas saíriam sem um tostão furado.

Seu voto: Nenhum (7 votos)
imagem de serralheiro 70
serralheiro 70

Perfeito.

Nassif, boa análise da conjuntura. Dúvida Mansueto tem alguma ligação com o antigo humorista da televisão?

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de Giuseppe Junior
Giuseppe Junior

"(...)o tema imbatível da

"(...)o tema imbatível da campanha de 2018 será o da reversão do desmonte."    Você foi na veia, Nassif.  A questão subsequente é:  com que base parlamentar se dará a reversão, se a preocupação, hj e para todo o sempre, é com a eleição do chefe do Executivo? Sem maioria sólida, nem Santo Lula consegue fazer verão, e, mesmo após um golpe PARLAMENTAR, até o momento não se vê estratégia alguma das esquerdas, visando à conquista de vagas (muitas) no Congresso.

Seu voto: Nenhum (1 voto)

Mas eu acredito é na rapaziada...........

Trump nos Estados Unidos e João Doria Junior no Brasil. Como ja dizia a musica "conjução sol e sol é fogo". Não sei qual dos dois é mais pernostico, mimado e cabeça oca. Se dariam bem.

Nelson Jobim um mal menor? Sei la, o Nassif dizia o mesmo sobre Temer em relação ao dificil fim do governo Dilma...

Enfim, Temer, Luis Roberto Barroso são bons exemplos de representantes daquilo que Lima Barreto muito bem exemplificou no seu caricatural Os Bruzundangas. Não colocaria Barroso e Temer exatamente no mesmo circulo, ainda acho que Barroso não seja tão superficial quanto Temer, porém tanto um quanto outro dão importância demais às ditas aparências... E não seria esse o mal do brasileiro?

Seu voto: Nenhum (6 votos)

São dois pontos centrais para

São dois pontos centrais para o País.

Recuperar a economia e acabar com a lava jato e enquadrar as corporações.

Quem melhor sintetizar esses dois pontos, será o melhor candidato.

 

Seu voto: Nenhum (2 votos)
imagem de Cleber Altivo
Cleber Altivo

Dória é o Tiririca da Zelite.

Dória é o Tiririca da Zelite.

Seu voto: Nenhum (7 votos)
imagem de j.marcelo
j.marcelo

SOMOS NÓS CONTRA ELES, QUAL A

SOMOS NÓS CONTRA ELES, QUAL A DÚVIDA ?
O FATOS ESTÃO AÍ,MORO E JUDICIÁRIO SÓFERRAM
O PT E SEUS GRANDES NOMES, PAUTAS E ACORDOS LESA PÁTRIAS DO MP E PGR,ENTREGA DO PATRIMÔNIO PÚBLICO A PREÇO DE BANANA,ORA DILMA E LULA NÃO TEM NADA A PERDER,VÃO PRA CIMA LOGO DESTA GENTE, PRECISAMOS DE VCS E OLHA,ATÉ OS EMPRESÁRIOS PRODUTIVOS PRECISAM DO EMBATE OU BATALHA FINAL,É ENFRENTAR OS MOLEQUES IRRESPONSÁVEIS DA NAÇÃO !!

Seu voto: Nenhum (1 voto)

Se o Temer não entregar a reforma da previdência e trabalhista,

Se o Temer não entregar a reforma da previdência e trabalhista, no dia seguinte será defenestrado da presidência pela Casa Grande.

Seu voto: Nenhum (6 votos)
imagem de Severino Januário
Severino Januário

  Perdão, caro Nassif, mas

 

Perdão, caro Nassif, mas nem Lula nem Dilma são culpados pelo terrível pecado que você lhes imputou. Com outro candidato a vice que não fosse Temer, o PMDB não teria sequer aceitado a aliança com o PT. Tudo indica que Temer era o chefe visível e também oculto "de tudo" no PMDB, já em 2010:

Por ampla maioria, PMDB escolhe Temer como vice de Dilma

Logo após a proclamação do resultado, o líder do PMDB na Câmara, Henrique Eduardo Alves (RN), olhou para os jornalistas e, com gestos, disse: “Barba, cabelo e bigode”. Os convencionais do PMDB aprovaram neste sábado (12), por ampla …

Por Congresso em Foco - 12/06/2010

Com ampla maioria dos votos dos convencionais, Michel Temer torna-se o candidato a vice na chapa de Dilma Rousseff, do PT

Mário Coelho

Logo após a proclamação do resultado, o líder do PMDB na Câmara, Henrique Eduardo Alves (RN), olhou para os jornalistas e, com gestos, disse: “Barba, cabelo e bigode”. Os convencionais do PMDB aprovaram neste sábado (12), por ampla maioria dos votos, a coligação com o PT na chapa que vai concorrer à presidência da República em outubro. Além disso, a convenção nacional do partido, realizada hoje em Brasília, chancelou o nome do presidente da Câmara e da legenda, Michel Temer (SP), como o candidato a vice-presidente.

http://congressoemfoco.uol.com.br/noticias/por-ampla-maioria-pmdb-escolhe-temer-como-vice-de-dilma/

Seu voto: Nenhum (1 voto)

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.