A receita que Paulo Guedes (não) colocará em prática, por Luis Nassif

No Brasil de Paulo Guedes, não se espere nenhuma ação pró-ativa. E se Guedes cair e entrar outro fundamentalista, tipo Mansueto de Almeida, a economia e o social correrão mais riscos ainda.

Paulo Guedes é um completo alienado em relação ao país e às necessidades de uma política efetiva de combate ao coronavirus.

Há dois desafios pela frente, um de ordem sanitária-social, outro de ordem econômica.

O de ordem sanitário-social deve tratar como alvo preferencial as populações vulneráveis, com as seguintes características emergenciais, seguindo o exemplo de outros países:

  1. Suspensão imediata das aulas.
  2. Suspensão da jornada de trabalho e criação de um bônus para os trabalhadores temporários poderem se manter.
  3. Investimento rápido para dotar a rede SUS de equipamentos de diagnósticos.
  4. Revitalização do Bolsa Família e a criação de outras redes de proteção, como um sistema de amparo ao trabalhador temporário.

As de ordem econômica são tão complexas quanto:

  1. Criação de fundos especiais para amparar setores claramente prejudicados pela coronavirus.
  2. Revitalização do BNDES, Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil, os três principais instrumentos de financiamento e de identificação de problemas setoriais.
  3. Retomada dos investimentos em infraestrutura e criação de frentes de trabalho em parceria com governos estaduais.

Paulo Guedes fará algo nessa direção? Jamais. De um lado, por não ter a menor noção sobre como acionar instrumentos de políticas públicas, menos ainda as anti-cíclicas. De outro, pelo terraplanismo ideológico de quem passou a vida pregando o fim do Estado e celebrando o PIB do setor privado – seja lá isso o que for. Continuará se escondendo atrás do álibi das “reformas”.

O máximo que ousará será novas liberações de FGTS e PIS-Pasep, e olhe lá.

Os diagnósticos

Mesmo antes da coronavirus, o quadro que se tem é deprimente

  1. PIB sem reação.
  2. Mercado de trabalho exposto a uma informalidade cada vez maior.
  3. Alto endividamento das famílias, agravado pela estagnação da renda familiar.
  4. Obras públicas virtualmente paralisadas.
  5. Alta capacidade ociosa, afastando qualquer possibilidade de volta de investimentos privados.
  6. Capital externo em fuga.
Leia também:  Coquetel 'revolucionário' de Trump (e Bolsonaro) para coronavírus ligado a arritmia fatal

O coronavirus traz um choque inicial de oferta (menos bens sendo produzidos). Junto com o choque cambial, há uma pressão sobre a inflação. Depois do choque de oferta, há o desemprego daí decorrente, e uma choque posterior da demanda. Aí, se configura o ambiente recessivo.

Portanto, o desafio do governo é garantir algum patamar de renda, por questão social e para manter algum dinamismo no consumo.

Nos países desenvolvidos, será tratado com déficits fiscais usados até o limite da recuperação da economia, não apenas para amparar empresas em dificuldades, como trabalhadores vulneráveis. E, especialmente, injetando recursos em empresas com rápida capacidade de resposta aos estímulos.

No Brasil de Paulo Guedes, não se espere nenhuma ação pró-ativa. E se Guedes cair e entrar outro fundamentalista, tipo Mansueto de Almeida, a economia e o social correrão mais riscos ainda.

Compare com o que foi anunciado ontem à noite pelo presidente francês Emmanuel Macron.

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

5 comentários

  1. E não esquecer que as novas alíquotas da im-previdencia começaram esse mês, ou seja, até o trabalhador formalizado teve perda na renda mensal ….. como diria o senhor Omar: trágico……

  2. VCS NUNCA ESPERARAM Q UM BANQUEIRO BILIONÁRIO (GUEDES) IRIA FACILITAR E ESTIMULAR O ACESSO AO DINHEIRO A TODOS NÃO NÉ!?PRA QUÊ BANCOS SE TODO MUNDO TEM DINHEIRO!QUANDO GUEDES PISCA EU ENXERGO NELES SÓ CIFRÃO($$$$)E ELE ESTÁ DISPOSTO A TUDO PARA CONSEGUIR SEUS OBJETIVOS,ASSIM COMO NOSSAS OUTRAS AUTORIDADES,Q DESRESPEITAM LEIS,REGRAS, INSTITUIÇÕES PARA FINS PESSOAIS,MILITARES DA ATIVA Q O DIGAM,DEFENSORES DA LEI E ORDEM E SUPOSTA ÉTICA!!

  3. Apenas adicionando uma observação importante …. as ações de ordem sanitário-social como por exemplo suspensão das aulas e outras medidas que visam manter as pessoas em casa, têm como objetivo principal evitar uma catástrofe no setor de atendimento de saúde – hospitais, centros de atendimento, etc. A catástrofe pode ocorrer se houver um pico no número de casos com incapacidade do setor de saúde dar conta. Pelo que pude constatar até o momento as autoridades de saúde não tomaram nenhuma atitude para evitar uma catástrofe desse tipo.

    • Por outro lado, tomar medidas que diminuam o ritmo de expansão do virus, tal como manter as pessoas em casa, podem trazer um impacto econômico desconhecido. O equilíbrio entre tentar controlar a expansão do virus e minimizar o impacto econômico é a tarefa do governo. Será que esse governo tem inteligência suficiente para administrar isso?

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome