O chocante estudo de coronavírus que abalou o Reino Unido e os EUA

Cinco gráficos destacam por que a pesquisa do Imperial College mudou radicalmente a política do governo

Do Financial Times

Um modelo de coronavírus do Imperial College de Londres teve um profundo impacto nas políticas públicas desde que seus resultados foram compartilhados com autoridades britânicas e americanas na semana passada.

Nenhum estudo detalhou tão exaustivamente a transmissão do vírus pela população do Reino Unido e dos EUA, a enorme pressão exercida sobre os sistemas de saúde ou a eficácia limitada de medidas individuais para verificar seu progresso.

Como qualquer simulação, ela se baseia em suposições incertas. Muitos fatores permanecem desconhecidos para a equipe de pesquisa liderada pelo professor Neil Ferguson, que esta semana adoeceu com sintomas de coronavírus. Mas mesmo com essa ressalva, as conclusões são brutalmente rígidas: os políticos democráticos enfrentam apenas escolhas terríveis na batalha para salvar vidas.

O ponto de partida para a análise é uma epidemia não controlada. Isso infectaria oito em cada dez pessoas, de acordo com os pesquisadores, com 510.000 mortes no Reino Unido e 2,2 milhões nos EUA.

Embora a estimativa se baseie nas taxas de hospitalização na Itália, ela pressupõe que todos os pacientes recebam cuidados adequados. Na prática, os pesquisadores descobriram que as camas disponíveis para pacientes críticos seriam realmente excedidas na segunda semana de abril. No pico, para cada 30 pacientes que necessitam de cuidados intensivos, apenas um poderia ser tratado adequadamente.

O pico de mortalidade ocorreria após cerca de três meses. Devido ao seu tamanho geográfico e população mais jovem, os EUA atrasam o Reino Unido na rapidez com que o vírus se espalha e na taxa de mortes que causa.

Leia também:  A dolorosa verdade sobre Covid e economia: Trump é o culpado

Enquanto uma vacina é desenvolvida – um processo que pode levar até 18 meses – ou medicamentos antivirais identificados, os governos dos EUA e do Reino Unido ficam com duas opções extraordinárias.

A primeira é uma “estratégia de mitigação” para reduzir o pico de infecção enquanto a população cria imunidade; a segunda, uma abordagem de “supressão” mais drástica para conter a epidemia, qualquer que seja o custo para a economia, ou trauma para a vida social.

Grã-Bretanha e América começaram com medidas de mitigação. Mas os limites do que pode ser alcançado – mesmo com uma combinação de medidas rigorosas – são expostos pelos dados.

A combinação mais eficaz testada envolve pedir às pessoas que fiquem em casa por uma semana se elas apresentarem sintomas, colocarem em quarentena sua casa e pedir aos maiores de 70 anos que se afastem dos outros.

Isso reduziria a demanda por leitos críticos em dois terços e reduziria pela metade o número de mortes durante o período de três meses em que as medidas são aplicadas. Partes da população construiriam imunidade, eventualmente reduzindo as taxas de transmissão.

Mas, crucialmente, a demanda por leitos críticos ainda superaria a capacidade oito vezes mais nos EUA e no Reino Unido. Os pesquisadores imperiais a descrevem como “talvez a nossa conclusão mais significativa”.

Os governos estão correndo para expandir os cuidados críticos. No entanto, mesmo supondo que todos os pacientes pudessem ser tratados, os pesquisadores imperiais concluíram que as estratégias de mitigação deixariam cerca de 250.000 mortos no Reino Unido e cerca de 1,2 milhão nos Estados Unidos. Boris Johnson , primeiro-ministro do Reino Unido, reconheceu que o preço final seria demais para o país suportar.

Freios mais drásticos na sociedade podem fazer uma grande diferença. A não ser por um bloqueio total ao movimento, o cenário mais eficaz modelado envolve o isolamento de pessoas com sintomas, a redução do contato social de todos em 75%, a quarentena de famílias e o fechamento de escolas e universidades por cinco meses.

Leia também:  Escolas particulares retornam as aulas, sob apreensões

Se mantidas, as medidas podem sufocar a epidemia para levar o número de pacientes a algo que os hospitais poderiam enfrentar. O estudo, no entanto, não quantifica os custos relacionados: o golpe devastador para a economia, as conseqüências para o bem-estar geral ou as taxas de mortalidade por outras doenças.

Isso levanta a questão importante de saber se – e a que custo – esse toque de recolher poderia ser mantido por qualquer governo do mundo ocidental.

Sem uma vacina, assim que as restrições mais duras forem relaxadas, espera-se uma segunda onda de infecções.

O rastreamento de contatos e testes intensivos – como implantados na Coréia do Sul – podem ajudar a estender a eficácia das medidas para reprimir a disseminação infecciosa, assim como a tecnologia, se as preocupações com os direitos civis forem deixadas de lado.

Mas, dados os recursos disponíveis nos Estados Unidos e na Grã-Bretanha, os prazos das vacinas e o ritmo da transmissão, os pesquisadores concluem que a supressão é “a única estratégia viável” no momento, sem dúvida quanto aos desafios profundos.

“Nenhuma intervenção em saúde pública com efeitos tão perturbadores na sociedade foi tentada anteriormente”, conclui o artigo.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

9 comentários

  1. “Enquanto a grande mídia ocidental sustenta a narrativa de que o epicentro da Pandemia do COVID-19 estava numa feira de rua suja e úmida na China, reportagens da mídia do Japão e Taiwan começam a levantar evidências de que esse novo coronavírus teria sua origem nos EUA. Isso depois do repentino fechamento no ano passado de um laboratório de armas biológicas em Maryland, por ausência de salvaguardas contra vazamentos patógenos. Em seguida ocorreram crises de “fibrose pulmonar” nos EUA, cuja culpa foi colocada nos cigarros eletrônicos. Juntamente com a “coincidência” da realização dos Jogos Mundiais Militares em Wuhan pouco tempo antes da eclosão da crise, provavelmente o “Evento do Coronavírus” entrará para a História como um dos maiores eventos de engenharia social da humanidade. Marcará o início de uma nova era da biopolítica e bioeconomia: “circuit brakers” que extrapolam a simples ferramenta de frear um mercado financeiro em crise – uma nova forma de consenso social ao colocar todo o cotidiano dos indivíduos e cenários políticos em suspensão. Uma gigantesca “psy op” para criar o cenário geopolítico perfeito de “domínio total de espectro”. ”
    “Correndo o risco de exemplificar demasiado diria que, neste momento, está-se a delinear uma alternativa precisa: de um lado uma linha que podemos definir como malthusiana (ou inspirada por um essencial darwinismo social), bem exemplificada pelo eixo Johnson-Trump-Bolsonaro; do outro, uma linha que aponta para a requalificação da saúde pública enquanto instrumento fundamental para enfrentar a emergência (e aqui os exemplos, muito diferentes entre si, podem ser a China, a Coreia do Sul e a Itália). No primeiro caso, temos de introduzir na equação da seleção natural da população os milhares de mortos; no segundo, por razões em boa medida contingentes, encaminha-se para “defender a sociedade”, com grandes variáveis de autoritarismo e de controle social.”(Sandro Mezzadra – Prof.italiano de Bolonha)

    9
    1
    • Não vou contra a guerra ideológica, pois uma coisa que tenho como certa é que ela vai continuar a ocorrer. E cada lado com suas teorias cada vez mais sofisticadas e suas meias verdades. O que parece ser mais importante do ponto de vista humano e científico, é com relação às notícias de que muitos países já estão estudando o genoma das cepas encontradas do coronavírus, atrás de poderem produzir vacinas. Quem achar, aos ouros e aos louros. Já se sabe que nestes estudos para identificar a natureza do vírus e o seu modus operandis, afim de testarem o seu possível reagente, nenhuma equipe, instituto ou país sérios até agora sugeriu, supôs, relatou ou identificou que a origem biológica das cepas sejam semelhantes àquelas produzidas em laboratórios ou com a formatação das armas químicas. Já há até estudos divulgando sobre a identificação de ser um vírus ou mutação ocorrida em ambiente natural (morcegos).

      Veja por favor uma boa matéria que fala das teoria e contra teorias e o que os cientistas colocam

      https://canaltech.com.br/saude/coronavirus-arma-biologica-a-ciencia-mostra-que-nao-162050/

  2. No que se refere aa grana, a oportunidade que será desperdiçada aqui por causa de ideologia é a moratória da dívida pública. Os recursos PODERIAM ser mobilizados para o seguro desemprego e pro SUS.

  3. E no Brasil bolsonariano da nova política e com o paladino da justiça que não vê que encarcerar mais gente, é justamente preparar para matar mais membros do sistema de repressão que ele iludiu representar, agora se vê que embarcado nesta nova política do milicianismo, agora se divulga que o ministro da saúde, o mesmo que está “salvando” o governo de um baque grande para já, está pensando em como lucrar na epidemia ao supostamente favorecer empresa ligada a sua campanha eleitoral.

    2
    1
  4. Alguém sabe onde encontrar as estatísticas oficiais sobre os casos notificados? A página do ministério da saúde que (parece-me) deveria divulgá-las está “Em manutenção”. Os dados que os jornais publicam são divulgados em coletivas de imprensa. E que coletivas! O ministro da saúde desmancha-se em elogios a um certo capitão, cuja atuação na epidemia é, de fato, notável.

  5. Com todo o respeito que devo(emos) ao Imperial College, não consigo vislumbrar nada perto destes (realmente chocantes) números em termos de mortes. Com os critérios bem mais empíricos e banais que utilizei no comentário abaixo (um resumo situacional), a estimativa de mortes NO MUNDO deverá ficar na casa das centenas de milhares, muito menos que o estimado por eles apenas para os EUA ou o Reino Unido. Nem o número de casos globais deverá chegar ao que eles estimam como mortes nos EUA e UK.
    Um dos alavancadores desses números alarmantes é a utilização da Itália como base. A Itália, a menos de alguma variável ainda desconhecida, é um ponto fora da curva ou há algo de profundamente errado por lá, além da população idosa.
    Portanto, longe de querer contestá-los, fico chocado que possamos chegar em tais números.
    Mas torço para eles estarem (bastante) errados (em excesso).

    Abaixo, o comentário já feito em outro post e as razões para estimativas bem menos “chocantes”, mais otimistas (~2.200.000 casos e ~100.000 mortes até jun-jul/20, quando espera-se a crise não ser mais criese.

    Deixando claro que sou LEIGO, embora ávido por (boa e plural) informação e construção de conhecimento, faço as seguintes considerações do que tenho lido, ouvido e visto até o momento, não para estabelecer “verdades”, mas para ESTIMULAR que o leitor VALIDE e PROVOQUE o aumento do conhecimento de aspectos que não tenho visto tanto destaque, contribuindo para um comportamento mais consciente:
    1) Vírus é como uma “sujeira inteligente”, que depende de uma célula / bactéria para “agir”. Só “funciona” ao se conectar à “bateria” de um “ser vivo”.
    2) Embora alguns cientistas se dividam entre um vírus ser um “ser vivo” e outros NÃO, eu fico com estes últimos porque os vírus NÃO SE REPRODUZEM SOZINHOS (fora de uma célula / hospedeiro vivo), mesmo que estejam em uma “orgia” de milhões deles juntos. Uma sujeira orgânica, mas não viva.
    3) Esta compreensão ajuda a perceber que uma pessoa contaminada com o vírus não está consequentemente doente, desde que se “limpe” da sujeira” antes que ela tenha chance de se ligar à uma célula / bactéria, etc.
    4) No caso do corona virus, ele só causará a doença (Covid-19) SE alcançar o sistema respiratório, pois a letalidade se dá através de insuficiência respiratória (pulmões), que são alcançados através do nariz, da boca e dos olhos (estes não sei por que, alguém pode explicar melhor).
    5) Portanto, entendendo o vírus como uma “sujeira malandra”, ninguém ficará doente de Covid-19 se apenas contaminar os pés, as costas, a roupa, o telefone, etc. MAS se, ATRAVÈS destes, passar esta “sujeira” para o sistema respiratório (nariz, boca e “olhos”).
    6) A dificuldade de se evitar o contágio (se “sujar”) fora de um isolamento é IMENSA, mesmo além dos espirros e tosses (dinheiro, cartões, sacolas, prateleiras, embalagens, assentos, corrimãos, balaustres, teclados, etc.). Mas o principal veículo da “sujeira” até o sistema respiratório, fora o aéreo direto da tosse, espirros e quetais, são AS NOSSAS MÃOS, que quase inevitavelmente, esfregam e coçam os olhos, o nariz e a boca.
    7) Portanto, esta campanha e limpar as mãos é corretamente adequada e essencial (além dos mais perigosos espirros e tosses no ar comum), mas as pessoas estão sendo induzidas a precisar “MATAR” o vírus e não a se manterem limpas, bem como às coisas que possam contaminar suas mãos, o veículo mais comum e inevitável (tosses e espirros já se tornaram mais controláveis).
    8) O vírus não “MORRE” (pois não está “vivo”), mas se DEGRADA sozinho, se não “encontrar” um HOSPEDEIRO vivo. O tempo de degradação (e não “sobrevivência” no sentido estrito) varia de acordo com o material onde estiver depositado. Aço e plástico, mais tempo (5 a 6 dias). Em cobre e outros materiais, pode degradar até em algumas horas.
    9) O álcool gel e os sabões comuns destroem a “capa”do vírus e ele passa de uma “sujeira inteligente” (malandra) à um sujeira inofensiva, posto que destruída.
    10) O consumo exagerado de álcool gel (e sua falta) pode se dar pelo uso doméstico DESNECESSÀRIO, já que em casa, água e sabão é tão bom ou melhor que o álcool gel. Outros limpadores (ou desinfetantes) nem sempre serão adequados para a limpeza pessoal por agredirem a pele.
    11) Para limpar “coisas”, basta usar limpadores comuns (detergentes, desinfetantes, etc.)
    12) Há 3 fatores de mitigação da pandemia:
    a) A auto-imunização humana natural (imprevisível).
    b) Um remédio para a doença, que viabilize a cura (talvez alguns meses).
    c) Uma vacina para prevenir a doença para ESTE vírus (meses ou anos).
    13) As medidas de contágio social, embora certamente necessárias, devem sempre estar cotejadas com efeitos colaterais (ex. economia, autônomos, desassistidos, etc.
    14) Tais medidas acima não irão necessariamente diminuir os “danos’, mas vão permitir que os sistemas de saúde possam lidar com um volume mais diluído no tempo, pois não aguentariam um pico de, por ex. alguns milhões em poucos dias. Por sua vez, este melhor tratamento pode até diminuir os danos.
    15) Não encontrei muitas informações por aí sobre como descartar adequadamente máscaras e outros EPI’s.
    16) Utilizando o excelente painel de estatísticas globais da John Hopkins (*) vemos que até o momento tivemos no mundo ~220 mil casos chegando a ~10 mil mortes (Itália empatando com a China!). Considerando os cuidados, conhecimentos e experiência ora já sendo usados no combate, se multiplicarmos os dados da China por sua proporção populacional mundial (1/5) e ainda dobrarmos os números e tempos (ex. Itália européia muito mais letal) chegaríamos à:
    . Duração da pandemia, considerando a queda da curva chinesa: mais uns ~4 meses (jun – jul 20)
    . Casos em ~4 meses (dez/19 a mar/20) x 5 x 2= 2 milhões e 200 mil casos
    . Mortes em ~4 meses: 10 mil x 5 x 2 = 100 mil mortes.

    Resumo da ópera:
    a) O importante (além de não ter contato “aéreo”) é LIMPAR, LIMPAR ,LIMPAR! Não há o que “matar”, portanto desinfetantes, bactericidas e similares não são necessários e evita-se agressão à pele.
    b) Estar contaminado não significa estar doente. O importante é LIMPAR LIMPAR, LIMPAR a contaminação (“sujeira”) antes que ela se espalhe (afinal para as nossas atualmente “perigosíssimas” mãos).
    c) Coisas (mesas, roupas, copos, etc.) “infectadas” (sujas) estarão livres do vírus após um tempo de degradação (dias até horas) ou, principalmente, LIMPEZA! LIMPEZA! LIMPEZA!

    Ajustes e correções serão bem vindas. Boa sorte e ação consciente e eficaz à nós todos!

    (*) versão para smartphone, melhor usar deitado):
    https://gisanddata.maps.arcgis.com/apps/opsdashboard/index.html#/85320e2ea5424dfaaa75ae62e5c06e61

    3
    1
    • Meu caro, além de LEIGO és um bocado pretensioso, sem falar que já sai errado no teu comentário.
      Falas no máximo em 2.200.000 casos e 100.000 mortes até o junho/julho de 2020, e hoje dia 19/04 já há 2.399.849 casos e 164.939 mortes atribuídas e testadas pelo Covid-19.
      Por favor tenha um pouco de atenção nestes teus comentários, porque nunca vi errar tanto nas “estimativas otimistas”.

  6. Afastemo-nos uns dos outros, mas não muito.

    Mãos Dadas
    (Drummond de Andrade)

    Não serei o poeta de um mundo caduco
    Também não cantarei o mundo futuro
    Estou preso à vida e olho meus companheiros
    Estão taciturnos mas nutrem grandes esperanças
    Entre eles, considero a enorme realidade
    O presente é tão grande, não nos afastemos
    Não nos afastemos muito, vamos de mãos dadas

    Não serei o cantor de uma mulher, de uma história
    Não direi os suspiros ao anoitecer, a paisagem vista da janela
    Não distribuirei entorpecentes ou cartas de suicida
    Não fugirei para as ilhas nem serei raptado por serafins
    O tempo é a minha matéria, o tempo presente, os homens presentes
    A vida presente

    Ninguém larga a mão de ninguém

    https://www.google.com.br/search?q=a+cria%C3%A7%C3%A3o+de+ad%C3%A3o&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=2ahUKEwj1tc3ggqnoAhVMH7kGHSGLBgkQ_AUoAXoECBgQAw&biw=1600&bih=768#imgrc=iD5_pVbpPOWclM

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome