Senado Federal não vai votar MP do Emprego Verde e Amarelo

Texto encaminhado para votação pelo governo caduca na próxima segunda-feira; assim, proposta da equipe econômica volta à estaca zero

Foto: Reprodução

Jornal GGN – Os líderes partidários do Senado Federal fecharam um acordo para não votar a medida provisória do Emprego Verde Amarelo, que reduz os encargos para empregadores que contratarem jovens no primeiro emprego e pessoas acima de 55 anos que estavam fora do mercado de trabalho formal.

Caso a MP não seja votada, ela perde a validade na próxima segunda-feira (20/04). Desta forma, caberá ao Congresso decidir as regras para os atos ocorridos na vigência da medida, por meio de um projeto de decreto legislativo, que possui um prazo de 120 dias.

Segundo informações do jornal Folha de São Paulo, o Senado Federal vive um clima de rebelião após os novos ataques do presidente Jair Bolsonaro contra o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ)

A PEC do orçamento de guerra, que tem segundo turno previsto para essa sexta-feira, também teve a votação questionada pelos senadores, mas acabou sendo colocada em apreciação no final da manhã.

Bandeira do governo neste período de pandemia, a MP chegou no Senado sob polêmica dos líderes, que questionam as mudanças que ela propõe em diversas regras trabalhistas diante da pandemia do coronavírus. O tempo para a apreciação da medida também foi criticado, já que foi votada na última terça-feira (14) pela Câmara e logo encaminhada para apreciação no Senado, sem que os parlamentares tivessem tempo para análise.

Leia Também
Como se preparar para a economia de guerra, por Othon Luiz Pinheiro da Silva

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Pandemia leva brasileiros a reinventar o luto por seus mortos

2 comentários

  1. O presidente macabro e sua quadrilha conseguem o inimaginável, fazer com que eu elogie Rodrigo Maia.
    O presidente da Câmara deu um baita de um passa-fora no empregadinho da banca, PGuedes, que está ministro e passa recibo de incapaz, ao fugir de Brasília e ficar caminhando na praia no meio da semana.
    O drácula parece não se conformar em ser a rainha da Inglaterra, dá murro na mesa na base do quem manda sou eu, ou seja, não manda, e, de acordo com o seu preparo intelectual, traço, agride quem quer que passe em sua frente, vendo conspiração até no ritmo das ondas do mar. É um louco.

  2. A menina de vida nada fácil sobre o valor da prestação, a questionar a moralidade quando de uma oferta extremamente aviltante, alegre e de acordo sem mais pudor da sua profissão com uma vultosa e não esperada quantia.
    Lá é assim, cá sei lá.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome