Terceiro no mundo em casos de Covid-19, Brasil caminha para catástrofe

País avança para se tornar o epicentro global da doença, enquanto presidente se esquiva de responsabilidade. E, ao que tudo indica, o pior ainda não passou. Por Thomas Milz

Foto Reprodução

Brasil constrói a própria catástrofe na pandemia

Por Thomas Milz

Da DW Brasil

No fim de semana, viu-se novamente um clima de festa entre os jovens na Lapa, bairro boêmio do Rio de Janeiro. E ao longo das famosas avenidas litorâneas da cidade, muitos apreciavam o drinque noturno, muitos sem a máscara de proteção determinada pela prefeitura. Depois de dois meses cheios de restrições, muitas pessoas em bairros mais abastados parecem se se comportar relaxadamente.

Por outro lado, muitos vivem com medo nas favelas, onde o vírus é galopante. “Colocando a proteção facial e sempre limpando as mãos com desinfetante, não acontece nada”, afirma o funcionário de uma pequena mercearia que faz entregas de bicicleta aos clientes em quarentena. Sua esposa, que trabalhava fazendo faxina para famílias com melhores condições, está em casa há meses por medo. “Mal se consegue sobreviver”, diz o marido.

O coronavírus atinge particularmente os pobres que, apesar do perigo, não podem simplesmente ficar em casa e não podem contar com nenhuma clínica particular bem equipada no caso de uma emergência. Com 256 mil casos confirmados e mais de 16,8 mil mortes, o Brasil estava em terceiro lugar nas estatísticas globais de coronavírus nesta terça-feira (19/05).

Mas é provável que o número real de mortes seja mais que o dobro, e o número de casos não relatados de infecção pode ser até 15 vezes maior. Sem testes, os especialistas ficam no escuro. E como os hospitais públicos estão superlotados em muitas localidades, cada vez mais pessoas morrem em casa sem serem testadas.

Leia também:  Bolsonaro retira obrigação do uso de máscara em locais fechados com aglomeração

Os números oficiais já são, por si só, suficientemente assustadores. Atualmente, até 15 mil novas infecções e mais de 800 mortes são relatadas todos os dias. As curvas apontam acentuadamente para cima, não há achatamento à vista. Imagens de valas comuns em Manaus e São Paulo rodam o mundo. No centro da cobertura da mídia está o presidente Jair Bolsonaro, que parece estar pouco preocupado com o sofrimento dos cidadãos.

De “gripezinha” a foco da epidemia

Bolsonaro ainda acha que o vírus causa uma “gripezinha” e ele suspeita que, por trás dessa “histeria”, esteja a China. Ele acredita que alguém quer prejudicar a ele e ao presidente dos EUA, Donald Trump. No início de março, Bolsonaro visitou o líder americano na Flórida. Ao retornar, mais de 20 membros da delegação brasileira testaram positivo para o coronavírus, um desastre de relações públicas para Bolsonaro.

Ele desrespeita deliberadamente as regras de distanciamento social recomendadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e seu próprio Ministério da Saúde. De forma demonstrativa, ele tira selfies e aperta as mãos de seus seguidores, que protestam todos os domingos em frente ao Palácio do Planalto pelo fim das medidas de combate à pandemia. O ex-paraquedista disse que, por seu “histórico de atleta”, ele não precisaria se preocupar e “nada sentiria”, caso fosse contaminado pelo vírus.

Além disso, nas grandes cidades do país, há caravanas de carros de apoiadores de Bolsonaro. Eles criticam abertamente os governadores e prefeitos que fecharam shopping centers e lojas, atividades que não são consideradas essenciais na pandemia. Enquanto seus adversários atribuíam a Jair Messias Bolsonaro o número crescente de mortes, ele comentou com escárnio: “E daí? Eu sou Messias, mas não faço milagres.”

Orações e remédio para malária

Leia também:  Mais pessoas voltaram ao trabalho na segunda semana de junho

Mesmo assim, ele pediu aos seus compatriotas que orassem contra o vírus. Além disso, da mesma forma que Trump, ele está exigindo o uso de cloroquina, um medicamento contra a malária. Bolsonaro instruiu os laboratórios das Forças Armadas a fabricar milhões de comprimidos do remédio.

Depois que recusou-se a aprovar o uso da controversa droga, o médico Luiz Henrique Mandetta teve que deixar o cargo de ministro da Saúde em meados de abril. Seu sucessor, o oncologista Nelson Teich, também se recusou a prescrever cloroquina para pacientes com covid-19. Após 28 dias no cargo, Teich jogou a toalha na última sexta-feira.

Até o momento, não foi possível comprovar a eficácia do medicamento contra a covid-19. Em vez disso, em muitos pacientes, ele leva à arritmia cardíaca. Os médicos suspeitam que centenas de brasileiros tenham morrido em casa nas últimas semanas porque se trataram com cloroquina sem supervisão médica.

No entanto, o Ministério da Saúde deverá mudar esta semana o protocolo para o uso da cloroquina: Bolsonaro quer que o medicamento seja usado de forma ampla e, não somente em casos graves com orientação médica, mas também no início do tratamento.

Bolsonaro contra governadores

Os ex-ministros da saúde Mandetta e Teich também caíram em desgraça por apoiarem as medidas de distanciamento social ordenadas por governadores e prefeitos. Bolsonaro, por outro lado, quer reabrir “quase tudo” para salvar a economia brasileira. “Espero que não venham me culpar lá na frente pela quantidade de milhões e milhões de desempregados”, disse o presidente, apontando que os culpados são os governos locais.

Leia também:  Indígenas Xavante morrem em 24h com sintomas de Covid-19

Mas Bolsonaro está de mãos atadas. Porque os governadores e prefeitos são responsáveis por decidir sobre medidas de confinamento. Como os hospitais em algumas regiões já estão sobrecarregados, cada vez mais governos locais estão anunciando medidas drásticas. O bloqueio total já foi anunciado em alguns municípios do Rio de Janeiro, e o governo estadual está prestes a fazê-lo em São Paulo, unidade mais populosa da federação e que já tem mais mortes do que a China. A situação é ainda mais dramática no Norte e Nordeste, onde as cidades de Belém, Manaus e Fortaleza não têm mais leitos hospitalares livres.

Por insistência do Congresso, o governo iniciou pagamentos de ajuda a trabalhadores informais e mães solteiras. O auxílio emergencial de 600 reais será pago durante três meses. Até 50 milhões de pessoas, cerca de um quarto dos brasileiros, têm direito ao benefício. A procura é enorme. Em todo o país, o pagamento caótico da primeira parcela vem causando filas em frente às agências bancárias há semanas ‒ e provocando provavelmente muitas novas infecções.

Mas a recessão iminente pode salvar Bolsonaro, cuja aprovação está caindo nas pesquisas. Para tal, ele tem que conseguir culpar os governos locais pela miséria econômica.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

6 comentários

  1. Quanto ao governo Bolsonaro, está irremediavelmente fracassado. Tudo que resta ao Presidente é negar uma crise avassaladora que se avizinha. Criar tumultos nas searas dos Gestores Públicos que querem empreender quaisquer esforços que signifiquem trabalho, palavra pela qual o clã Bolsonaro tem tanta aversão. Não há possibilidade de entrega de qualquer resultado econômico. O que já era ruim por si só, dada a incompetência de Bolsonaro, virou um desafio logicamente impossível, dada a crise do vírus. Diante disso, resta a ele se valer dos seus jagunços virtuais, seus filhos versados em internet, para aprontar todo tipo de baderna. Aguardemos. A cassação do filhote Senador vem aí. Antes ainda da do Presidente. Que vive seus últimos momentos de utilidade. Do ano que vem Bolsonaro não passa. Não chegará a 2022 na cadeira que de forma lamentável ocupa.

  2. Pior do que já ser o terceiro em total de casos é o braZil ser o SEGUNDO em CRESCIMENTO de MORTES E CASOS diários.
    Ou seja, mesmo com evidente subnotificação, somos o país onde a doença cresce mais rapidamente no MUNDO, atrás apenas dos EUA de Trump e seu “America First”, promessa de campanha…
    Parabéns portanto ao sucesso da dupla “Sócio & Pata”!

  3. Por pior que seja, acredito que o Brasil nao vai passar dos EUA.
    Acho inimaginavel termos mais mortes do que um pais que nao possui saude publica.
    Por pior que seja, o SUS ainda eh melhor do que nada.

  4. Depois que a doença se disseminou pelo país, da doença dos ricos passou a ser comunavírus. Entre uma guerra de narrativa e outra,, sobrou o grupo da direita alucinada.
    Interessante, mas não menor (e um alerta), é o artigo do The Economist sobre o comportamento da extrema-direita nos Estados Unidos: https://www.economist.com/united-states/2020/05/17/americas-far-right-is-energised-by-covid-19-lockdowns?fsrc=newsletter&utm_campaign=the-economist-today&utm_medium=newsletter&utm_source=salesforce-marketing-cloud&utm_term=2020-05-19&utm_content=article-link-1 – “America’s far right is energised by covid-19 lockdowns”.
    Não duvido que Bolsonaro tenha feito uma estratégia tensa, baseada numa contraposição de medidas contra a pandemia e equilibrando isto com a crise econômica (o que já vinha acontecendo se acelerou). A culpa recairá sobre os prefeitos e governadores. Incapaz, por esforço próprio, de conseguir votos, permanecerá no discurso de vítima. Está ameaçado não pela esquerda, mas pelos nomes da direita (como Doria).
    E esqueçam: a esquerda não possui nome forte. Não fará presidente. Mesmo que faça, não terá parlamento. Isto se ainda houver alguma destas coisas. Se eu errar, serei muito grato.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome