Como passar o pano para conspiração judiciária – manual prático em manchetes, por Letícia Sallorenzo, a Madrasta do Texto Ruim

Aceito sugestões do que pode acompanhar a leitura das próximas reportagens do Intercept. Comi tanta pipoca que enjoei.

Como passar o pano para conspiração judiciária – manual prático em manchetes

por Letícia Sallorenzo, a Madrasta do Texto Ruim

Depois que o Intercept (Beijo, Glenn! <3 ) transformou em provas todas as nossas convicções a respeito de Moro et al, vamos acompanhar o que e como a velha e tradicional imprensa está falando do caso, porque esse formato diz mais sobre o enunciador do que o enunciado propriamente dito.

Pra começo de conversa, o maior escândalo do planeta não tem o destaque devido nos jornalões de hoje. A passação de pano é tanta (uma amiga disse ontem que o Fantástico passou tanto pano pro povo da Lava Jato que a sala dela ficou limpinha!) que você começa a pensar por que a imprensa precisa corroborar o discurso do MP e do Moro (spoiler mais abaixo). Então, vamos listar as manchetes sobre o #lavajatogate

Site publica mensagens que mostram colaboração entre Moro e Dallagnol – Folha, interna

Site diz que Lava-Jato e Moro atuaram em conjunto – Globo, capa

Site diz que Moro e Deltan combinavam operações – Globo, interna

Moro discutiu Lava Jato com Dallagnol, diz site – Folha, capa

PF apura ação de hackers contra Lava Jato – Estadão, interna

 

Pra começo de conversa, os sujeitos das manchetes. Se numa voz passiva um dos objetivos é mocozar responsabilidades sobre o agente da frase, quem comandou o verbo, aqui temos o direcionamento e terceirização de responsabilidade. Temos a escolha deliberada do agente: foi um site (e não a imprensa eletrônica) que afirmou / disse / publicou, a gente tá só reproduzindo, temo nada a ver com isso!

O Estadão, que não ousou dar a notícia na capa (guardem este comportamento, tenho uma teoria a respeito) saiu do padrão, jogou a PF pra sujeito/agente e colocou a dita já correndo atrás dos culpados por terem cometido essa coisa horrorosa. A Linguística Funcional baseada no uso chama isso de perspectivação, eu vou chamar de autocrítica subliminar.

Leia também:  Cármen Lúcia impede investigação contra Moro por obstruir operação hacker

Em segundo lugar, not today, Aécio os verbos.

Temos aqui o clássico diz que (Diz que o Moro fez uns atos indeterminados aí…), além dos seguintes frames:

–  Moro e Dallagnol atuaram em conjunto

– Moro e Deltan combinavam operações

– Moro discutiu Lava Jato com Dallagnol

O que o Intercept enquadrou como conspiração e atuação com forte viés ideológico e parcialidade judiciária foi transformado pela imprensa em “atuação em conjunto” (frame = parceria), ou combinação de operações (frame = equipe unida, coesão, coerência, parceria) ou, pior ainda, uma insípida, incolor e inodora “discussão sobre Lava Jato” (frames = parceria, crítica, razão, diálogo, debate, consciência).

 

Referências sobre a atitude ser reprovada pela legislação (vamos deixar as coisas nesses termos, hoje estou poliana) não passam nem perto da manchete. Não li as reportagens de hoje, mas o que eu li ontem só citava a ilegalidade dos atos lá no finzinho do texto (coisa que deveria vir, se considerarmos o gênero pirâmide invertida, no segundo parágrafo da notícia).

Quanto ao Estadão, vou dar um spoiler sobre uma possível futura revelação do Intercept, que muita gente que monitora notícia havia percebido no período 2016-2018:

A movimentação se dava na seguinte sequência:

1- Estadão joga uma notinha apócrifa e sem fonte sobre Lula/Petrobrás/PT etc.

2- Geral na imprensa replica a notinha apócrifa, desta vez com uma fonte citada: “Segundo o jornal o Estado de SPaulo (…)”

3- MPF corria atrás da nota como se a nota apócrifa do Estadão fosse um vaticínio.

Leia também:  Recusa do PT em entrar na ‘nova era’ do diálogo prejudica democracia, avalia Mathias de Alencastro

Mal posso aguardar pelos próximos capítulos do Intercept.

(Sério que vcs querem que a grande imprensa reconheça a merda do Moro? Gente, eles foram parte do crime!!!)

No mais, aceito sugestões do que pode acompanhar a leitura das próximas reportagens do Intercept. Comi tanta pipoca que enjoei.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

11 comentários

  1. “Sério que vcs querem que a grande imprensa reconheça a merda do Moro? Gente, eles foram parte do crime!!!” (Letícia Sallorenzo).
    PERFEITO.
    A Globo, para esconder o nome MORO, refere-se ao Ministro da Justiça !!!
    Fico mordido de raiva ao lembrar que os governos Lula e Dilma despejaram BILHÕES de reais de dinheiro público nos cofres da Globo, Veja, Estadão, Band etc…

    • Exato. Impossível ver uma cobertura minimamente decente do assunto já que a velha midiazona (principalmente Globo e Estadão) foi parte indispensável desse esquema lavajateiro. Devem ligar o cérebro a alguma máquina de ativar neurônios, a cada cinco segundos, pra ver se descobrem uma maneira de fugir da raia. E não dá pra fugir porque o Glenn arrasou! Moro vai voltar a pé para o Paraná…rsrsrs

    • Exato. Impossível ver uma cobertura minimamente decente do assunto já que a velha midiazona (principalmente Globo e Estadão) foi parte indispensável desse esquema lavajateiro. Devem ligar o cérebro a alguma máquina de ativar neurônios, a cada cinco segundos, pra ver se descobrem uma maneira de fugir da raia. E não dá pra fugir porque o Glenn arrasou! Moro vai voltar a pé para o Paraná…rsrsrs

      Sugiro preparar uma boa panela de pinhão quente, até em homenagem ao estado do Paraná. Afinal de contas, lá também tem muita gente boa…

    • Exato. Impossível ver uma cobertura minimamente decente do assunto já que a velha midiazona (principalmente Globo e Estadão) foi parte indispensável desse esquema lavajateiro.

      Sugiro preparar uma boa panela de pinhão quente, até em homenagem ao estado do Paraná. Afinal de contas, lá também tem muita gente boa…

  2. Fosse outro o assunto, amendoim seria uma opção, óbvio, não em excesso. Porém, devido ao teor da leitura, o melhor seria pizza, com um vinhozinho cabernet para acompanhar. Óbvio, principalmente no caso do vinho, não em excesso.

  3. Letícia, altamente relevante o seu artigo. Mas faltou um tempero: Comparar as manchetes desses mesmos “veículos jornalísticos” quando do vazamento da conversa entre Dilma e Lula, quando a primeira era nossa Chefe de Estado…

    • Veesh! Minzifio, eu só analisei as manchetes da segunda-feira num tapa, em uma hora. Fazer essa comparação requer pesquisa, análise, metodologia de comparação… É uma ótima ideia, mas não é viável em final de semestre com a aluna que vos fala repleta de trabalhos e provas e seminários… 😀

  4. Eu não conhecia este site (Jornalggn) até então, por isso li com bastante cautela este artigo e me surpreendi pois era exatamente isso que eu tinha sentido ao ler as manchetes, porém não sabia explicar porquê de eu estar sentindo este incômodo. Fico muito feliz que este artigo tenha sido feito, ajudou muito a elucidar as minhas dúvidas.

    • Então, acho que meu livro vai te interessar:
      Gramática da manipulação.
      À venda em
      Loja.quintaledicoes.com.br

      Gracta! 😬

    • Então, acho que meu livro vai te interessar:
      Gramática da manipulação.
      À venda em
      Loja.quintaledicoes.com.br

      Gracta! 😬

  5. Essas são as famosas revelações do todo mundo sabia que todo mundo sabia que todo… 🙂
    E estão todos espantadissimos! Eu não dava razão a tal frase atribuida a de Gaulle, mas que em verdade saiu de dentro da embaixada brasileira de Paris de que “O Brasil não é um Pais sério”. Agora aceito.

    1
    1
  6. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome