Inabilidade de Bolsonaro é culpada por parte da queda do PIB, diz Kennedy Alencar

"O governo perdeu a confiança dos agentes econômicos. Isso deve ser debitado na conta de Bolsonaro"

Jornal GGN – Jair Bolsonaro é pessoalmente culpado por parte da queda do PIB, por causa de sua inabilidade em fazer avançar uma agenda de reformas no Congresso. O presidente desperdiçou a lua de mel com o Parlamento e “caiu da prancha” por não saber como surfar na onda de otimismo que o mercado cria na virada de um novo governo. É o que avalia o jornalista Kennedy Alencar, em artigo divulgado nesta sexta (31).

“O governo perdeu a confiança dos agentes econômicos. Isso deve ser debitado na conta de Bolsonaro”, disparou Kennedy.

O PIB brasileiro caiu 0,2% neste primeiro trimestre, em comparação com o quatro trimestre de 2018. O economista do governo, Paulo Guedes, admite que a “economia está parada à espera das reformas.” Mas, “ora, cabe ao governo organizar a aprovação da sua agenda de reforma. O despreparo de Bolsonaro levou os agentes econômicos a um estado de decepção que afeta investimentos e cria um clima pessimismo.”

Kennedy lembra que há fatores externos ao governo que impactaram no PIB, como a crise da mineradora Vale com os desastres ambientais em Minas Gerais, e a Argentina reduzindo importações do Brasil. “Mas é inegável que Bolsonaro caiu da prancha e não conseguiu surfar onda que sinalizava para uma retomada do crescimento econômico, ainda que de forma de moderada.”

“No começo do ano, o mercado previa crescimento de até 2,5% do PIB em 2019. Agora, há quem ache que 1% será um milagre.”

Leia também:  Ciência e tecnologia são as áreas mais afetadas no corte orçamentário do governo Bolsonaro

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

3 comentários

  1. Vale a pena ouvir o comentário de Kennedy Alencar feito na ultima segunda-feira, 27/5 (ver site da CBN). Kennedy deu uma lacrada no bolsomínion Nonato, quando este pretendeu defender Bolsonaro dizendo que o presidente Lula também estimulou o confronto, quando disse que a eleição de 2010 era “nós contra eles”.

  2. A economia não está esperando as reformas para crescer. Isso é conversa fiada.
    A economia está esperando por políticas econômicas do governo e o governo não tem nenhuma além das reformas que nada farão para tirar o país do atoleiro.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome