The Guardian: É o começo do fim para Jair Bolsonaro?

O presidente brasileiro queria um levante popular contra a suprema corte, mas a resposta desanimadora foi reveladora

Fotografia: Agência Anadolu / Getty Images

Por Andre Pagliarini

No The Guardian

Taqui está algo patético sobre um líder que não consegue reconhecer suas limitações. Durante meses, o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, insistiu que poderia dobrar a democracia na maior nação da América Latina à sua vontade, se assim desejasse. O dia da independência do Brasil, 7 de setembro, deveria ser um divisor de águas, já que o presidente mobilizou seus apoiadores para irem às ruas . Em vez disso, revelou a distância entre a percepção de Bolsonaro do apoio popular de que goza e a realidade. Afundando nas pesquisas e com os obstáculos crescentes no caminho de ampliar suas alianças políticas, o presidente aposta que conseguirá obter apoio popular o suficiente para intimidar o establishment político, e a Suprema Corte em particular. Sem surpresa, para citar o romance O general em seu labirinto, de Gabriel García Márquez, o presidente “não podia renunciar à sua capacidade infinita de ilusão no momento em que mais precisava”.

Apoiadores do Bolsonaro e analistas desapaixonados previram uma massiva manifestação pública de apoio aos esforços contínuos do presidente para minar os processos democráticos. Pensou-se que 7 de setembro poderia até culminar com a aquisição do prédio da Suprema Corte, semelhante à invasão ruidosa do Capitólio dos Estados Unidos em 6 de janeiro. Dias antes do dia da independência, Bolsonaro chamou a manifestação planejada de “ultimato” para os juízes da Suprema Corte e declarou ameaçadoramente que “se você quer paz, prepare-se para a guerra”. Chegou a sugerir uma “ruptura constitucional que nem eu nem o povo queremos”.

Por que Bolsonaro direcionou sua ira ao judiciário e não ao legislativo, como fez Donald Trump? Porque o Supremo Tribunal, em especial os juízes Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso, está a investigar o presidente e pessoas próximas por palavras e atos antidemocráticos, incluindo a participação numa vasta conspiração para divulgar notícias falsas durante as eleições presidenciais de 2018 . O tribunal também se recusou a proteger os filhos de Bolsonaro, quase todos envolvidos na política, da investigação . Em comparação, o Congresso é um território amigável para Bolsonaro.

Leia também: Eu sei o que vocês fizeram num 7 de setembro passado

Mas o suposto confronto marcado para 7 de setembro deixou Bolsonaro e seus seguidores mais ardentes em falta. Milhares foram às ruas em Brasília, São Paulo, Rio de Janeiro e outros lugares, mas muito menos do que o esperado e, certamente, longe da massa crítica necessária para convencer outros atores políticos mais cautelosos a embarcar em uma escapadela radical liderada por Bolsonaro. A história não é um guia para o futuro, mas pode ser instrutiva da mesma forma. O único chefe de estado brasileiro que realizou com sucesso um “autogolpe” para aumentar seu poder foi Getúlio Vargas, o estadista autoritário a quem se atribui o lançamento das bases institucionais do Brasil moderno. Não estamos nos anos 1930 e Bolsonaro não é Vargas .

Por um lado, Vargas astutamente se apresentou como o único ator racional em um sistema dividido por extremistas de direita e esquerda. Em contraste, Bolsonaro é aquele que prega as ideias mais radicais da extrema direita, enquadrando seu agressivo antiinstitucionalismo como a única forma de romper uma cultura política esclerosada e egoísta. Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, entretanto, está se reunindo com figuras influentes de todo o espectro político, buscando embotar qualquer equivalência entre ele e o presidente. Lula, um ex-sindicalista moderado que governou habilmente por oito anos, lidera o grupo por uma ampla margem em todas as pesquisas – embora insista que ainda não se decidiu a buscar um terceiro mandato no ano que vem. Como favorito para vencer as eleições presidenciais do próximo ano, Lula fala em reconciliação e boa governança. Bolsonaro e seus aliados apontam o espectro da volta de Lula como o principal motivo de sua contínua relevância política. Um grande problema para Bolsonaro, no entanto, é que sua campanha retórica contra o status quo simplesmente não é tão potente como era em 2018, quando ele enfrentou uma onda de histeria anti-esquerdista e angústia anti-política ao poder.

Agora, Bolsonaro (e seus filhos) estão no auge da autoridade e, ainda assim, dificilmente podem ser vistos como governando em tudo, desde a pandemia até o meio ambiente, economia e relações exteriores. Nesse contexto, suas queixas parecem mais pessoais do que políticas. A participação no dia 7 de setembro foi bem menor do que o esperado, em parte porque a maioria dos brasileiros não está investindo nas lutas que o presidente está escolhendo. Eles simplesmente não compartilham do ressentimento do presidente contra membros individuais de outros ramos do governo.

Dito isso, deve haver alguma cautela contra a previsão do fim político de Bolsonaro. Afinal, ele ainda conseguiu estimular milhares de pessoas a deixarem suas casas e irem às ruas durante uma pandemia. Na verdade, muitos de seus apoiadores estavam supostamente ansiosos para levar seus protestos adiante e cair na violência como a multidão trumpista. Essas pessoas não vão embora e quase certamente estão fora do alcance dos outros candidatos que competem para substituir Bolsonaro no próximo ano. As réplicas populares persistentes das exortações antidemocráticas de Bolsonaro são o verdadeiro motivo de preocupação. Mas também não devemos pensar demais: em relação às expectativas estabelecidas pelo próprio presidente e seus seguidores, o 7 de setembro foi um fracasso.

Nos dias que se seguiram às manifestações de rua desanimadoras, Bolsonaro pareceu voltar atrás, insistindo que não tinha intenção de desconsiderar a separação de poderes do Brasil. O amplamente insultado ex-presidente Michel Temer, ansioso por um retorno à proeminência política, ajudou a mediar uma conversa entre o presidente e De Moraes. Por enquanto, a temperatura política foi reduzida, embora isso tenha sido às custas de Bolsonaro enfrentar quaisquer consequências por seu comportamento. Ele certamente continuará a alimentar os impulsos mais perigosos do corpo político brasileiro, mas é difícil ver o 7 de setembro como algo além de uma derrota para o presidente – e um sinal de esperança de que ele tem mais dias no poder do que pela frente.

Andre Pagliarini é professor assistente de história no Hampden-Sydney College, na Virgínia. Ele está trabalhando em um livro sobre as políticas do nacionalismo na história brasileira moderna.

RECOMENDADO:

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador