A crise do neoliberalismo, por Henrique Matthiesen

O desmonte dos Estados Nacionais, apregoado pelos “gênios” escravos do dito mercado, estão agora em pânico, afinal não será o mercado que salvará a humanidade do Covid-19

A crise do neoliberalismo

por Henrique Matthiesen*

Quando Ronald Reagan e Margaret Thatcher idealizaram o neoliberalismo não imaginavam que gerariam tantas desigualdades sociais, e que décadas depois, seria fator primordial para a catástrofe que vivenciamos.

Evidentemente que o discurso embusteiro do neoliberalismo não condiz com as ações, tanto dos EUA como do Reino Unido dentre outros; países ricos e que mantêm o Estado forte para suas realizações.

O desmonte dos Estados Nacionais, apregoado pelos “gênios” escravos do dito mercado, estão agora em pânico, afinal não será o mercado que salvará a humanidade do Covid-19.

Diante do cenário que se apresenta enfrentamos duas dramáticas crises: uma de saúde pública e outra de ordem econômica.

Neste momento agudo não temos os instrumentos vitais para a crise, a começar pelo desmonte irresponsável das Universidades e Centros de Pesquisas – órgãos essenciais para a formação de profissionais de saúde -, para o desenvolvimento de tecnologia de equipamentos, e para o desenvolvimento de vacina ou remédio contra o Covid-19.

Somente as pesquisas científicas, através destes locais desprezados pelo atual Governo, são capazes de livrar a humanidade desta catástrofe. Como diz o ditado popular do mercado: “Não existe almoço grátis”. Verdade soberana.

Sucateadas, sabotadas e negligenciadas como nossas Universidades e Centros de Pesquisa podem ajudar?

Cadê o investimento na inteligência pátria? Os cultuadores da ignorância nacional, sugerem o quê?

Não há desenvolvimento e nem afirmação soberana sem ciência e tecnologia; fato inconteste este.

Agora, os subservientes escravos do neoliberalismo ficam à mercê de os países desenvolvidos que ditam as regras do Estado Mínimo aos outros, mas conservam seus investimentos e seu poderio estatal. Afinal, faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço.

Leia também:  "Novo normal": a nova expressão da reengenharia social do coronavírus, por Wilson Ferreira

Outro fator imperativo a observar é que o sistema privado de saúde visa lucros, e diante de uma pandemia dessas, somente o Estado é capaz de combater com alguma eficiência tamanha crise. Entretanto ressalva-se que agora, não resolverá seu CPF pois a calamidade atinge, inexoravelmente, todos os hospitais. Simplesmente não terão vagas.

Imagine o povo Brasileiro sem o SUS agora! Mas também não podemos nos esquecer dos cortes orçamentários, do baixíssimo investimento e do desmonte do mesmo, tudo em nome do mercado, e do neoliberalismo o qual nos escravizamos.

Na questão econômica então, nada absolutamente nada, podem fazer os estados mínimos. O dito mercado funciona assim com o Covid-19: usa o Estado como hospedeiro de suas ambições, contaminando e enfermando brutalmente a sociedade. E não duvide, os donos do dinheiro grosso são parasitas e vivem da especulação.

Quem poderá refinanciar as empresas, o comércio e a indústria, senão o Estado?

A história das crises econômicas e cíclica: seja da Depressão de 1929, seja nas crises econômicas posteriores, somente o Estado acudiu as nações, em qualquer país do mundo.

Será que a escola de Chicago seguida pelo nosso ministro da Fazenda tem alguma sugestão melhor? Ou, os seguidores de Ronald Reagan e Margaret Thatcher têm outra solução?

O que o neoliberalismo fará diante da crise?

O que os estados mínimos ou micros podem auxiliar?

*Henrique Matthiesen é bacharel em Direito e pós-graduando em Sociologia.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

3 comentários

  1. Muito bom o artigo, mas o certo é “a Covid-19” e não “o Covid-19”. SARS Covid-19 é o nome da doença, enquanto coronavírus é o nomes do vírus.

  2. Concordo e acho uma boa ideia e alternativa justa, até porque, governos da EU, também se mobilizam para fazer isso, por segurança de suas economias. No entanto, tudo isso, é mais grave ainda, porque, resulta da vontade de um povo alienado e sem noção do perigo que sempre rondou e ronda, a democracia e o estado de direito e, que sequer, medita sobre a sua condição de cidadão livre e responsável, à luz do Parágrafo único do Artigo 1º da CF diz “ Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição”. Urge que todos acordem para a necessidade de conhecer pelo menos, os 07 primeiros Artigos da Constituição Federal, da Constituição Estadual e da Lei Orgânica do Município, aliados ao Inciso X do Artigo 49; aos Artigos 70 a 75 e; ao §1º do Artigo 166 da Constituição Federal, dentre outros.
    E então o que se vê é um Congresso Nacional temeroso e assustado e, os Poderes Legislativos estaduais e municipais que representam o povo e o Estado brasileiro ao que parecem, infelizmente, subjugados e alinhados aos Poderes Executivos, num confronto desrespeito ao Artigo 2º da Constituição Federal, cuja maioria dos parlamentares se sujeitam a isso por vaidade do poder e, para satisfazerem-se politicamente e, terem algumas vantagens pessoais em tudo isso, daí, aprovam essas Políticas Públicas, estratégias várias e projetos nocivos ao país e prejudiciais ao povo, à revelia, ao que parece, do Artigo 3º da CF.
    E pior ainda, por serem eles, os Poderes Legislativos também, fiscais constitucionais do povo, são por isso, tão culpados por esses resultados nacionais insatisfatórios, por se omitirem dessa responsabilidade e, por permitirem essas desconformidades constitucionais acontecerem, tanto quanto os Poderes Executivos, que executam as Políticas Públicas e seus desdobramentos, com desconformidades e prejuízos de recursos, de obras e serviços públicos sem qualidade e sem boa funcionalidade, para todos os cidadãos, os seus patrões..
    Essas verdades do nosso dia-a-dia e constitucionais, para os cidadãos, é tabu, porque a maioria acha mesmo, que o funcionamento institucional correto seria esse mas não é (vide a Constituição Federal) e para os cristão deslumbrados e desviados da fé, abram os olhos para a Verdade e, atentem para o que Paulo aconselha Timóteo: “Estas coisas te escrevo, mas espero ir visitar-te muito em breve. Todavia, se eu tardar, quero que saibas como deves portar-te na casa de Deus, que é a Igreja de Deus vivo, coluna e sustentáculo da verdade.” (1Tm 3,14-15).
    têm que conhecerem, têm que saberem e têm que delas se lembrarem sempre, para que não só aprendam a avaliar e a votarem conscientes, em candidatos de sua confiança e comprometidos com a casa do povo e da nação mas, principalmente, para que na hora de pedirem conta mensalmente de todos os membros dos poderes executivos locais, das obras contratadas/executadas e dos serviços públicos prestados e executadas com recursos do povo, para o seu bem-comum e melhoria de vida.
    Essas verdades constitucionais servem também, para que na hora de responsabilizarem os criminosos dos interesses públicos, do povo e do Estado, não esquecerem de incluir os membros responsáveis do Congresso Nacional, dos poderes legislativos estaduais e/ou municipais quando for o caso e, dos tribunais de contas competentes e coniventes, com essas desconformidades, como coautores desses malfeitos e dos crimes constitucionais efetivados, nos competentes processos investigativos e corretivos, de acordo com as leis e as normas específicas para cada caso.
    São atos com esses que os homens públicos infiéis ao povo, nos mostram, segundo a Bíblia Sagrada, as ações e obras do anticristo, obras essas más, iníquas e que promovem o aumento das desigualdades quando, deveriam ser voltadas para o bem-comum, promoção da vida, do direito, da justiça e da fraternidade dos cidadãos e que, tudo isso, fosse de pleno conhecimento de todos os cidadãos em nosso país e no mundo e, principalmente, pelos políticos, autoridades competentes e religiosos alinhados e desviados da verdadeira fé em Deus (São Mateus 28, 18-20).
    Que a verdade, o amor ao próximo e a justiça imparcial inspirada por Nosso Senhor e Nosso salvador, toquem os corações dessas pessoas más dos 03 Poderes do Brasil e, transformem-nas, em pessoas boas, éticas, corretas e comprometidas com o bem-estar do povo que nelas confiou e, faça com que seus atos de hora endiante, se realizem e se transformem em boas obras e atos justos e corretos e, que sejam positivos, construtivos e, voltados sim, plenamente, para o bem-estar comum, à paz social, à justiça social e fiscal, à geração de emprego, de renda e de segurança das famílias brasileiras.
    Da mesma forma, que seus atos e ações, sejam voltadas à eliminação da pobreza, da miséria e da desigualdade e através de investimentos produtivos estratégicos, de acordo com as necessidades/potencialidades e peculiaridades regionais e também, que o fortalecimento do mercado interno do país tenha prioridade em relação às imposições e vontades do mercado internacional, tendo em vista que as necessidades do povo brasileiro são prioridades que, não devem se sujeitarem a nada de fora do Brasil, etc, pois esse, é o segredo para a nação vencer essa crise e seguir sua vocação natural de potência econômica sustentável, independente, soberana e não alinhada ideologicamente, para satisfação e segurança da sua população e, para o pleno desenvolvimento do Brasil (2Tm 3,1-17) e da América Latina.
    Essa sabedoria que a Bíblia nos proporciona e nos mostra também, como identificarmos o anticristo nos dias atuais, pois São João em sua profecia de advertência aos cristãos primitivos, nos deixa sinais indicativos sobre isso, na atualidade e até o final dos tempos, pois a Igreja de Jesus Cristo (Mt 16, 13-19) que é eterna e, como Jesus garantiu: “nunca o mal prevalecerá sobre ela”.
    És o que ela diz:“Filhinhos, esta é a última hora; e, assim como vocês ouviram que o anticristo está vindo, já agora muitos anticristos têm surgido. Por isso sabemos que esta é a última hora. Eles saíram do nosso meio, mas na realidade não eram dos nossos, pois, se fossem dos nossos, teriam permanecido conosco; o fato de terem saído mostra que nenhum deles era dos nossos.”(1 João 2, 18-19 ).
    São Pedro confirma o que S. João advertiu sobre o anticristo: “Assim como houve entre o povo falsos profetas, assim também haverá entre vós falsos doutores que introduzirão disfarçadamente seitas perniciosas. Eles, renegando assim o Senhor que os resgatou, atrairão sobre si uma ruína repentina. Muitos os seguirão nas suas desordens e serão deste modo a causa de o caminho da verdade ser caluniado. Movidos por cobiça, eles vos hão de explorar por palavras cheias de astúcia. Há muito tempo a condenação os ameaça, e a sua ruína não dorme.” ( Pedro II 2, 1-3).
    Está feito, os males que se abatem contra as pessoas na atualidade, em todo o planeta e, que obrigam as pessoas, independente de idade, raça, credo, status social, etc, a fazerem uma parada para meditarem e, na provação, lembrarem que Deus existe e que, neste momento, todos estamos em suas mãos e dependentes de Sua imensa misericórdia. Humilhem-nos, peçamos perdão pelos nossos pecados e, reconheçamos que todos somos iguais e irmãos, cujo Pai e Senhor é Deus.
    São as nossas sugestões ao assunto
    Paz e bem.
    Sebastião Farias
    Um brasileiro Nordestinamazônida

  3. bolso… será apoiado por tru*p, aí vem o golpe. é por isso que não se derruba bolso… tem apoio capitalista forte demais.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome