Afaste de mim este cale-se, por Luiz Inácio Lula da Silva

Foto Ricardo Stuckert

Jornal GGN – O ex-presidente Lula, preso há mais de cem dias na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, enviou artigo hoje publicado na Folha de S.Paulo. No artigo, Lula questiona não somente a prisão, mas o medo que se tem que ele dispute a presidência e sua experiência com este país.

Lula aponta que saiu da presidência com uma taxa de aprovação altíssima, resultado de uma política econômica e social correta. Critica o que se tem feito no Brasil atualmente, de entrega das riquezas ao achatamento do poder aquisitivo do povo, que padece.

Questiona, ainda, a sua prisão sem crimes e sem provas, passo seguinte ao golpe de 2016, quando Dilma foi apeada do poder nas mesmas condições. Ele continua candidato, e como candidato tem o direito e o dever de falar ao povo brasileiro, de qualquer jeito, mesmo que o tentem calar.

Leia o artigo a seguir.

Artigo do Lula na Folha de S.Paulo: Afaste de mim este cale-se

Querem impedir que o povo escolha em quem votar?

Estou preso há mais de cem dias. Lá fora o desemprego aumenta, mais pais e mães não têm como sustentar suas famílias, e uma política absurda de preço dos combustíveis causou uma greve de caminhoneiros que desabasteceu as cidades brasileiras. Aumenta o número de pessoas queimadas ao cozinhar com álcool devido ao preço alto do gás de cozinha para as famílias pobres. A pobreza cresce, e as perspectivas econômicas do país pioram a cada dia.

 
Crianças brasileiras são presas separadas de suas famílias nos EUA, enquanto nosso governo se humilha para o vice-presidente americano. A Embraer, empresa de alta tecnologia construída ao longo de décadas, é vendida por um valor tão baixo que espanta até o mercado. 

Leia também:  Em entrevista no Roda Viva, Temer admite que Dilma sofreu golpe e diz que Lula evitaria impeachment

Um governo ilegítimo corre nos seus últimos meses para liquidar o máximo possível do patrimônio e soberania nacional que conseguir —reservas do pré-sal, gasodutos, distribuidoras de energia, petroquímica—, além de abrir a Amazônia para tropas estrangeiras. Enquanto a fome volta, a vacinação de crianças cai, parte do Judiciário luta para manter seu auxílio-moradia e, quem sabe, ganhar um aumento salarial.

Semana passada, a juíza Carolina Lebbos decidiu que não posso dar entrevistas ou gravar vídeos como pré-candidato do Partido dos Trabalhadores, o maior deste país, que me indicou para ser seu candidato à Presidência. Parece que não bastou me prender. Querem me calar.

Aqueles que não querem que eu fale, o que vocês temem que eu diga? O que está acontecendo hoje com o povo? Não querem que eu discuta soluções para este país? Depois de anos me caluniando, não querem que eu tenha o direito de falar em minha defesa?

É para isso que vocês, os poderosos sem votos e sem ideias, derrubaram uma presidente eleita, humilharam o país internacionalmente e me prenderam com uma condenação sem provas, em uma sentença que me envia para a prisão por “atos indeterminados”, após quatro anos de investigação contra mim e minha família? Fizeram tudo isso porque têm medo de eu dar entrevistas?

Lembro-me da presidente do Supremo Tribunal Federal que dizia “cala boca já morreu”. Lembro-me do Grupo Globo, que não está preocupado com esse impedimento à liberdade de imprensa —ao contrário, o comemora.

Juristas, ex-chefes de Estado de vários países do mundo e até adversários políticos reconhecem o absurdo do processo que me condenou. Eu posso estar fisicamente em uma cela, mas são os que me condenaram que estão presos à mentira que armaram. Interesses poderosos querem transformar essa situação absurda em um fato político consumado, me impedindo de disputar as eleições, contra a recomendação do Comitê de Direitos Humanos das Nações Unidas.

Leia também:  Desespero, como separar as sílabas e aprender a desenvolver em tempos de treva, por Mariana Nassif

Eu já perdi três disputas presidenciais —em 1989, 1994 e 1998— e sempre respeitei os resultados, me preparando para a próxima eleição.
 
Eu sou candidato porque não cometi nenhum crime. Desafio os que me acusam a mostrar provas do que foi que eu fiz para estar nesta cela. Por que falam em “atos de ofício indeterminados” no lugar de apontar o que eu fiz de errado? Por que falam em apartamento “atribuído” em vez de apresentar provas de propriedade do apartamento de Guarujá, que era de uma empresa, dado como garantia bancária? Vão impedir o curso da democracia no Brasil com absurdos como esse?

Falo isso com a mesma seriedade com que disse para Michel Temer que ele não deveria embarcar em uma aventura para derrubar a presidente Dilma Rousseff, que ele iria se arrepender disso. Os maiores interessados em que eu dispute as eleições deveriam ser aqueles que não querem que eu seja presidente.

Querem me derrotar? Façam isso de forma limpa, nas urnas. Discutam propostas para o país e tenham responsabilidade, ainda mais neste momento em que as elites brasileiras namoram propostas autoritárias de gente que defende a céu aberto assassinato de seres humanos.

Todos sabem que, como presidente, exerci o diálogo. Não busquei um terceiro mandato quando tinha de rejeição só o que Temer tem hoje de aprovação. Trabalhei para que a inclusão social fosse o motor da economia e para que todos os brasileiros tivessem direito real, não só no papel, de comer, estudar e ter moradia.

Leia também:  CNDH vai ouvir Lula e Glenn Greenwald sobre violações e ilegalidades

Querem que as pessoas se esqueçam de que o Brasil já teve dias melhores? Querem impedir que o povo brasileiro —de quem todo o poder emana, segundo a Constituição— possa escolher em quem quer votar nas eleições de 7 de outubro?
 
O que temem? A volta do diálogo, do desenvolvimento, do tempo em que menos teve conflito social neste país? Quando a inclusão dos pobres fez as empresas brasileiras crescerem?

O Brasil precisa restaurar sua democracia e se libertar dos ódios que plantaram para tirar o PT do governo, implantar uma agenda de retirada dos direitos dos trabalhadores e dos aposentados e trazer de volta a exploração desenfreada dos mais pobres. O Brasil precisa se reencontrar consigo mesmo e ser feliz de novo.

Podem me prender. Podem tentar me calar. Mas eu não vou mudar esta minha fé nos brasileiros, na esperança de milhões em um futuro melhor. E eu tenho certeza de que esta fé em nós mesmos contra o complexo de vira-lata é a solução para a crise que vivemos.

Luiz Inácio Lula da Silva – Ex-presidente da República (2003-2010)

Originalmente publicado pelo jornal Folha de S.Paulo

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

10 comentários

  1. Pois é, a ingenuidade levou à

    Pois é, a ingenuidade levou à crença de que a direita latino americana vale o papel que usou para se limpar. Lula e um monte de gente acreditaram que os entreguistas e traidores do brazil tinham algum apreço pela democracia e o mínimo de respeito pela nação. (e a gente sabe que teria um preço) 

    • Só não generalizaria como vc

      Só não generalizaria como vc fez  ..Claudio Lembo (ex reitor da Mackenzie) e Bresser Pereira, são exemplos ainda vivos duma direita que nos afiança que a FALTA DE CARATER não é total

      Problema é que, como acontece com a esquerda tb, algumas minorias MAIS ARROJADAS acabam por DINAMITAR o diálogo ao se transformarem, inclusive pela apatia ou COVARDIA dos opositores, em ícones de toda uma corrente de pensamento

      ..e cá entre nós, tentarmos rotular as Forças Armadas, o PODER JUDICIÀRIO – de nababos vitalícios concursados – como se sendo de esquerda ou de direita, é um desafio ainda não vencido pela academia  ..estes lacaios, somados aos servidores permanentes do legislativo e executivo, são o que de pior a HUMANIDADE pode produzir  ..e deles o BRASIL esta infestado e impregnado, do maior ao menor dos seus quase 5,7 mil municípios

  2. Esqueçam os que ainda guardam

    Esqueçam os que ainda guardam esperanças ..LULA, duma ou doutra forma, NÃO deverá ser candidato ..a não ser se pra ser BARRADO em definitivo por um processo farsesco jurídico pré definido ..o recado esta dado.

    O povo, em maioria covarde, desconfiado ou ressabiado, não compareceu pra exigir seus direitos, preferindo assim ser vassalo ao abrir mão de anseios e vontades usurpados por uma minoria de ordinários que tiveram o desplante de sequestrarem pra si o Estado brasileiro.

    Aos golpistas resta um problema: o que fazer com Bolssonaro ? Partidos, de crentes a tenentes, já o deixam pelo caminho, prometendo entregarem ao tal “mito” 10 segundos de horário político.

    Pros GOLPISTAS resta apostarem nos títeres Marina, Alckimin ou CIRO, este que se contorce como pode pra chegar ao 2o turno.

    O segundo turno promete ser plebiscitário sem LULA, qual seja, BOLSSONARO ou qualquer OUTRO ..e durma com este barulho

    em tempo – no meu íntimo trago a certeza de que do revanchismo, inaptidão, omissão ou inapetência pro diálogo, liderança e convívio de DILMA, derivam – internamente – muitas das mágoas hoje despejadas pra cima de LULA.

     

    nota – externa e geopoliticamente, evidente, a administração de LULA CELSO AMORIM feriu interesses muito mais profundos, complexos e SECULARES, como o da tal eterna dependência para com uma coroa, ou da submissão – instabilidade estrutural – colonialista (antes, dada pela falta dum mercado interno, depois, de DIVISAS-FMI, e hoje, criam-nos, a explosão e não financiamento da dívida publica, por exemplo)

    • Lula está travando luta política.

      Concordo com muito do que você diz. Só faço algumas observações.

      Não se trata de ter esperanças em um judiciário golpista, se trata de travar a luta política, e isso Lula está fazendo a seu modo.

      Especulando um pouco, pois não tenho dados de pesqusa, acredito que a massa do povo brasileiro vê rebelião popular resultando em derrota e não em vitória. Isso é consequência de TODAS as instituições ARMADAS e JURÍDICAS serem aparelhadas para proteger as elites e reprimir descontentes. Rebeldes dentro das forças armadas que começaram com os tenentistas no começo do século XX e existiram até 1964, foram todos expurgados. Não existe mais um Siqueira Campos, sequer um Marechal Lott, ou um coronel Hugo Chaves brasileiro dentro das forças armadas. Então o brasileiro comum é maioria silenciosa que se manifesta nas urnas: como votou no MDB contra a ditadura de 1974 em diante, como votou em Lula em 2002 em diante.

      Acredito que os partidos de direita não embarcam no Bolsonaro porque as eleições continuam girando em torno de Lula. Os profissionais da política já veem maior expectativa de poder em um candidato indicado por Lula do que em Bolsonaro. Daí estar todo mundo se realinhando em função deste cenário, até atasando decisões. 

      A maioria fisiológica que quer se eleger deputado, senador, e depois adere a qualquer governo, não quer sair candidato com o carimbo anti-Lula na testa nem a tatuagem do Temer no peito, salvo quem já se elege só com voto coxinha e reacionário. Bolsonaro é o maior anti-Lula de todos os candidatos, além de seus próprios deméritos pessoais, por isso ele não é bom cabeça de chapa para a maioria dos candidatos ao parlamento colocarem em seu santinho. Eles buscam votos pulverizados e não de nicho. Bolsonaro é bom só para os lulófobos, para a bancada da bala e só. Até o fiel evangélico mais sincero em sua fé identifica-se mais com Marina Silva do que com Bolsonaro, que tem uma imagem de quem não tem verdadeiros sentimentos cristãos (de bondade, amor ao próximo, de boa vontade com a redenção de pecadores – e muitos evangélicos tem seus “pecadores” na família ou já foram). Bolsonaro só passa imagem de castigo e não de quem é capaz de estender a mão a quem cai em desgraça, a quem fraqueja. Note que mulheres rejeitam mais ele.

      Os golpistas parecem já contar com a probabilidade (mais do que possibilidade) de derrota para algum candidato do PT, senão tivessem absorvido essa possibilidade já estariam melando as eleições para não acontecerem. Claro que vão tentar ganhar com Marina, Bolsonaro, Alckmin, Ciro ou Cacareco, mas parecem ter como plano B eleger maioria de direita no Congresso e repetir a correlação de forças do PMDB com Lula, sobretudo de Eduardo Cunha contra Dilma, para conter o poder de um presidente petista se vencer, obrigando-a governar com a direita. Resta ao povo votar em bancadas maiores de esquerda se quiser outra realidade.

      Concordo totalmente com você sobre a política externa de Lula e Amorim. A volta de Lula à presidência mexe em toda a América Latina, nos Brics, no G-20. Se for outro do PT sem a dimensão de Lula, já mexerá menos, terá de rearticular muita coisa. Já é, no mínimo, redução de danos para o império. Trump não se importou com a vitória de Obrador no México (e ele fez maioria no Congresso). Seu discurso de humilhar o México até ajudou a eleger Obrador, enfraquecendo o atual presidente. No seu estilo protecionista ao imperialismo, Trump talvez não se importe de negociar com “inimigos” para ter de ceder menos, do que negociar com “amigos” a quem teria de apoiar e fazer maiores concessões.

      • Parlamentarismo ainda não saiu porque a direita perderia

        o parlamento. É o que eu acredito. Hoje há como fazer simulação tanto pela série histórica, como por projeções de como seria o provável perfil do Congresso se houvesse parlamentarismo, seja distrital, distrital misto, etc. Devem ter avaliado que não valeria a pena atualmente.

        Imagina Lula falando: agora se vocês quiserem que eu (ou o candidato dele) governe igual eu governei quando era presidente, não adianta votar mais só no presidente. Tem de votar em deputados do número 13, senão não adianta nada pois vocês terão o governo do Temer de novo se votar naqueles deputados que colocaram Temer na presidência. A esquerda poderia ganhar o parlamento e ficar com o primeiro ministro. Teria o controle do executivo e do legislativo.

        Hoje, para a direita, é melhor deixar os operadores da política como Eduardo Cunha elegerem as bancadas de direita do Centrão e controlar o presidente via Congresso e judiciário se for eleito um de esquerda.

  3. Na ferida
    Lula, com a maestria de sempre, introduz o seu dedo ausente, no centro do âmago dos golpistas e simpatizantes da dita dura.

  4. Afaste de mim este cale-se!

    So esse titulo ja valeu por todo o artigo de Lula. Também poderia ter usado “podem me prender podem me bater, que eu não mudo de opinião.” O presente aritgo é claro, lucido e, ao contrario do ja li em outros canais, Lula não radicalizou. Não ainda! Lula continua apelando para o dabate de ideias, pelo racionalismo, por democracia e por justiça. Quem radicalizou foram esses que levaram Lula à essa situação. Como muito bem pontua Lula: eles estão presos às suas mentiras. Mentiras que muito mais cedo do que pensam cairão uma a uma por terra. 

    Dia 15 de agosto todos nas ruas pela candidatura e pela liberdade de Lula!

  5. Força a todos
    Força a todos.

    Daqui ate o final do ano serão dias tensos e dificeis.Que consigamos ter paz, serenidade e força para os momentos que iremos ainda passar de mais perseguições e injustiças.

    Estamos vivendo momentos unicos e históricos.

    Que estejamos cientes e coesos dentro de uma ideia que nunca sera aprisionada.

    Força a todos e ate a Vitória.

  6. Por favor não permitam que o
    Por favor não permitam que o melhor presidente q tivemos não possa disputar as eleições pois teremos novamente um governo q se identifica com o povo. Tudo não passa de uma tentativa de calar a voz do povo pois lula provavelmente ganhará as eleições tendo em vista a sua capacidade e suas propostas para o crescimento do BRASIL

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome