Cancelamento do debate da Globo e isolamento social: o Circuit Braker político da pandemia, por Wilson Ferreira

No campo da Comunicação, esse "circuit braker" esvazia a própria alma das transformações políticas: o “acontecimento comunicacional”.

Cancelamento do debate da Globo e isolamento social: o Circuit Braker político da pandemia

 por Wilson Ferreira

O cancelamento no último instante, por razões sanitárias, do debate na TV Globo com os candidatos às eleições de São Paulo no segundo turno e a imagem de Boulos, em isolamento social, segurando uma cartolina estampada “Vamos Virar!” são emblemáticas. São instantâneos de mais uma janela de oportunidades que a pandemia Covid-19 está proporcionando ao “Estado de Segurança”: o “Circuit Braker” social e político – campanhas eleitorais frias e engessadas, desde as regras dos debates televisivos que evitam confrontos ao esvaziamento das ruas por razões sanitárias e que favorecem a continuidade do “status quo”. Com as ruas vazias, como reverter cenários eleitorais adversos? No campo da Comunicação, esse “circuit braker” esvazia a própria alma das transformações políticas: o “acontecimento comunicacional”.

Uma gag famosa do cinema mudo de pastelão (“slapstick”) é a chamada “The Last Minute Rescue”: a mocinha foi amarrada e amordaçada nos trilhos do trem pelo vilão com longos bigodes e uma capa escura… a locomotiva aproxima-se velozmente enquanto a mocinha se debate aterrorizada… eis que, no último instante, do nada, surge o mocinho que com uma incrível agilidade desamarra as cordas e tira a garota dos trilhos no exato instante em que a locomotiva passa. A salvação no último instante!

O cancelamento na última hora do último debate entre os candidatos à prefeitura de São Paulo, a 48 horas das eleições, na TV Globo traz à mente desse cinéfilo blogueiro essa célebre gag do velho cinema slapstick dos primórdios do cinema: a salvação no último instante!

Leia também:  Defensor da tortura é pessoa desumana, por Rogério Marques

Nos últimas dias da reta final da campanha, diante da ascensão de Guilherme Boulos nas pesquisas, Bruno Covas já dava sinais de que estava descendo das “sandálias da humildade” daqueles que acreditam que a vitória está garantida: numa entrevista no estúdio da rádio CBN perde a compostura e agressivamente acusa os jornalistas de serem pautados pelo PSOL ao serem levantadas questões sobre o vice Ricardo Nunes; em vídeo foram flagrados aliados de Covas distribuindo cestas básicas configurando compra de votos; em meio a essas denúncias, Bruno Covas demite a diretora de promoção de ética, Jaqueline de Oliveira (acompanhado pelo silêncio da grande mídia – como sempre, sem querer ligar lé com cré); de forma canhestra, Covas denuncia uma suposta “mostra de radicalismo” no adversário ao tentar atrelar o PSOL a Cuba e Venezuela – “não estou concorrendo à prefeitura de Caracas”, ironizou Boulos.

O contágio de Boulos pelo novo coronavírus e o maroto cancelamento do debate pela Globo (a emissora se justificou pelo cumprimento de acordo de regras padrão acertada com os dois partidos que previa um debate unicamente presencial – as vinhetas motivacionais da emissora que falam tanto em “reinventar-se” nesse momento de pandemia parece não se aplicar à própria Globo…) cobraram um alto preço: interromper o arranque final da campanha psolista.

De imediato, os analistas de canais como Globo News e CNN já falavam em “perda de gás” de Boulos nas últimas pesquisas e que ele seria o maior prejudicado pelo cancelamento do último debate.

Leia também:  Conquista e Reconquista, por Paulo Nogueira Batista Jr.

Pelo menos nisso esses analistas da grande mídia tinham razão: Boulos teria finalmente a primeira oportunidade em debater no quintal do monopólio midiático global, e ser visto e ouvido por grandes audiências. Sua munição já estava bem acondicionada e Covas já sentia os golpes e os flancos ficavam vulneráveis.

O debate seria certamente tenso, o que talvez furasse a estratégia deliberada do TSE em manter baixa a temperatura das campanhas eleitorais, com regras que engessam o debate político – oportunamente reforçado pelo agravamento da pandemia, tornando manifestações de rua, carreatas e comícios como atos contrários às medidas sanitárias. Sem ir as ruas, como reverter cenários adversos?

Além de superar o formato de debates televisivos também deliberados que tentam evitar a todo custo os confrontos.

O “demasiado humano” como acontecimento comunicacional

A imagem de Guilherme Boulos, cumprindo isolamento social aparecendo na sacada da sua casa segurando uma cartolina onde lia-se “Vamos Virar!” é emblemática e cheia de sentidos.

Primeiro: o oportuno (para Bruno Covas) isolamento social de Guilherme Boulos impediu a possibilidade de ser criada condições daquilo que é o mais importante na comunicação: o acontecimento comunicacional, o imponderável, aquilo que para a semiologia estóica (escola da filosofia helenística grega) chama-se “o incorpóreo” – fenômeno efêmero, mas capaz de produzir grande efeitos – sobre isso leia MARCONDES FILHO, Ciro, O Escavador de Silêncios: Formas de construir e desconstruir sentidos na Comunicação, Paulus, 2004.

Continue lendo no Cinegnose.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome