Conspiração Lava Jato, por Luis Felipe Miguel

O nome com que a operação passará à história é “Conspiração Lava Jato”. Documentos publicados até agora indicam com clareza que conspiraram – no sentido preciso da palavra – para prender Lula e influenciar a eleição

no Blog da Boitempo

Conspiração Lava Jato

por Luis Felipe Miguel

Para quem tem acompanhado com um pouco de atenção a política brasileira dos últimos anos, os documentos divulgados ontem por The Intercept Brasil têm mais sabor de confirmação do que de revelação. Restavam poucas dúvidas sobre a motivação política da Lava Jato ou sobre o comportamento anti-ético do juiz Sérgio Moro. Vendida pela mídia e pela direita em geral como a maior operação de combate à corrupção da história, a Lava Jato é, ela própria, profundamente corrupta. Seu objetivo nunca foi combater desvios, mas sim retirar o Partido dos Trabalhadores do poder pelos meios que fossem necessários, interrompendo suas tímidas políticas sociais compensatórias. Agora, essa conclusão não é mais uma mera especulação, ainda que sustentada em evidências. Está comprovada.

A Lava Jato não foi capaz de garantir a eleição de Aécio Neves em 2014, mas permitiu a deflagração do golpe de 2016, abriu as portas para a criminalização do PT e da esquerda, colocou Lula na prisão e fez do miliciano ou amigo de milicianos Jair Bolsonaro o novo presidente da República. Seu saldo líquido é o recuo das instituições democráticas e do império da lei, a obsolescência da Constituição de 1988, a degradação dos três poderes, a maior vulnerabilidade da república a grupos criminosos, a retirada de direitos, a perda da soberania nacional e o aumento da vulnerabilidade social.

O nome com que a operação passará à história, não resta mais dúvida, é “Conspiração Lava Jato”. Os documentos publicados até agora indicam com clareza que Moro e os procuradores conspiraram – no sentido preciso da palavra – para prender Lula e para influenciar resultados eleitorais. Não tardará a ficar evidente a participação de outros agentes, como a mídia corporativa ou os Estados Unidos.

Para o campo democrático, as novas informações redimensionam a campanha pela libertação de Lula. A rigor, todas as sentenças oriundas da Lava Jato precisariam ser anuladas. A vinculação da corrupção do Judiciário com os demais retrocessos que ocorreram no país tornou-se ainda mais gritante. E a ilegitimidade da eleição de 2018 também não tem mais como ser escondida. Entendido como bandeira que sintetiza a denúncia do ataque às instituições democráticas, o “Lula livre” deve representar não só a defesa da liberdade do ex-presidente e de todos os outros presos políticos, como também a oposição ao golpe e às políticas que ele implementou – e mesmo, na medida em que as condições permitirem, a exigência de anulação do pleito do ano passado.

Leia também:  Considerações sobre o ocaso do CEO genérico, por Rodrigo Godoy

Para a extrema-direita, pouco muda. O cinismo, que ela se habituou a praticar no debate público, já está a pleno vapor. Nas mídias sociais, robôs e robotizados reagiram às reportagens do The Intercept Brasil com frases como “Lula tá preso, babaca”. No contexto, a frase é uma confissão de culpa e revela o universo mental deste grupo: a política é um vale-tudo e, se Moro e Dallagnol desrespeitaram as regras básicas da ética e da lei para prejudicar seus adversários, ainda mais “heróis” eles são.

Quem fica em maus lençóis mesmo é o amplo setor do lavajatismo que se quer “civilizado” – aqueles que não desejavam se confundir com Bolsonaro, que não queriam se comprometer com o desmonte da democracia brasileira, mas ficavam satisfeitos com a criminalização do petismo e incorporaram a versão do “combate sem tréguas à corrupção” como justificativa. É um amplo grupo, que inclui parte da cúpula do Judiciário e parte da grande imprensa; políticos conservadores que se projetam como respeitáveis, como Fernando Henrique Cardoso e Marina Silva, e também o udenismo de ultraesquerda. Para estes, chegou a hora da verdade. Ou mandam publicamente os escrúpulos às favas ou terão que romper sua conivência com a conspiração.

***

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

6 comentários

  1. Foi preciso um jornalista americano e um hacker desconhecido, para mostrar a faceta desta operação lava jato, endeusada pela mídia, eram os paladinos da justiça, mas tudo feito ilicitamente, sem provas, o jornalismo do Brasil deveria ter vergonha, pois se dependesse dele, nada seria esclarecido, ainda tem muita sujeira por baixo deste tapete da política, principalmente, Cadê o Farbício Queiroz e família, aonde está escondido, onde está o MP para não intimá-lo, alguém está protegendo-o.

  2. FHC já mandou os escrúpulos dele às favas. Já disse que estão fazendo “tempestade em copo dágua”. Precisa dizer mais?

  3. 1- O PIG fala que o caso será apreciado dia 25
    2- Até lá Carmem e Fachin podem ganhar tempo e pedir vistas
    3- com este STF eu não fico otimista

    Pare e pense ..com MP, 1a instância, TRF, STJ, STF, TSE, STM, até a OAB
    ..com todos contaminados, quem daria autorização pra escuta sigilosa envolvendo estes golpistas famosos ??

    ISSO é um caso grave aonde as provas precisam ser consideradas.

    em tempo – a JUSTIÇA é a vingança formal ..quero VINGANÇA contra esta dupla animal que destruiu a nossa democracia !!

  4. “3- com este STF eu não fico otimista”:

    Nao seja tao otimista com eles: o supreminho brasileiro “consta” nos documentos que ainda nao estao revelados.

    1
    1
  5. Luis Felipe Miguel usou o termo exato para referir-se à operação golpista que articulou políticos, juízes, promotores, policiais e, o principal, Cartel da Midia, todos imbuídos de um só propósito político.
    Conspiração — plano secreto de tomada do poder; ação concertada de várias pessoas contra algo ou alguém; conluio; conjuração.
    Então, é “teoria da conspiração”?!…
    Não, não é teoria. Estamos vendo a conspiração na PRÁTICA. Um crime contra o Estado, contra a soberania, contra o povo brasileiro, danos imensos e irreparáveis que não podem ser simplesmente perdoados, muito menos abafados por um Cartel da Mídia que participou ativamente da sucessão de crimes.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome