Ficha difícil de cair, por Manuel Domingos Neto

Custear exército para que atue na segurança pública é jogar dinheiro fora e expor a cidadania à truculência

Ministro da Defesa, general Paulo Sergio Nogueira de Oliveira, em reunião com oficiais do Exército (Foto: Ministério da Defesa).
Ministro da Defesa, general Paulo Sergio Nogueira de Oliveira, em reunião com oficiais do Exército (Foto: Ministério da Defesa).

por Manuel Domingos Neto

Incomoda-me ouvir recriminações ao Exército por sua “inoperância” no de Bruno e Dom. Isso é assunto de polícia, não de militares. Há mil motivos para repudiar o Exército, não esse.

Custear exército para que atue na segurança pública é jogar dinheiro fora e expor a cidadania à truculência.

Exércitos devem servir para dissuadir ou abater agressores estrangeiros; preparar-se para lidar com inimigos, não para disciplinar cidadãos e perseguir criminosos. Excepcionalmente acodem a sociedade em calamidades extremas.

O Constituinte vergou quando admitiu que as Forças Armadas atuassem para garantir a Lei e a Ordem. Lula errou ao sancionar, em 2004, a Lei Complementar que garantiu poder de polícia às Forças Armadas na faixa de fronteira. Agravou o distúrbio de personalidade das fileiras e deixou de fazer o necessário preparar a segurança pública nas áreas remotas.

Nas diretrizes da frente partidária que o apoia, lançadas esta semana, não vi nada a esse respeito.

Até quando o Exército será confundido com polícia de fronteira? Persistindo tal confusão, os problemas serão agravados.

O envolvimento de militares em assuntos de segurança pública resulta em desastre, notadamente tratando-se de casos que envolvam os povos originários. Oficiais aprendem desde a juventude que índio é estorvo e que seus protetores e ambientalistas são inimigos da pátria a soldo do interesse estrangeiro. Repetem essa ladainha de formas variadas. Uma delas afirma que há muita terra para pouco índio.

Também fico intrigado com as reclamações diante do fato de o ocupante da cadeira presidencial não manifestar solidariedade com os familiares de Bruno e Dom. O homem já provou não se comover com a dor alheia e mostrou incapacidade de se comportar como chefe de Estado. Seus eleitores sabiam disso. Não esqueço de como silenciou na morte de Nelson Freire enquanto o presidente francês mandava condolências ao povo brasileiro pela perda de seu gênio.

“Democracia é coisa frágil. Defendê-la requer um jornalismo corajoso e contundente. Junte-se a nós: www.catarse.me/jornalggn

Na tragédia de Bruno e Dom, se este indivíduo expressasse sentimento, seria de alegria: dois inimigos abatidos! O sujeito se formou em escolas militares, cabe lembrar.

Para os democratas, está difícil cair a ficha sobre a função que cabe aos braços armados do Estado. Ao reclamar o envolvimento do Exército em atividades policiais, os brasileiros reconhecem inadvertidamente legitimidade no desvio da missão militar. De quebra, agradam os comandantes, oferecendo-lhes pretexto adicional para pedir ampliação de orçamento.

Passa da hora de compreender que a sociedade mantém corporações militares para dissuadir estrangeiro hostil, não para atuar como polícia.

Alguns imaginam que a dissuasão possa ocorrer com a presença na fronteira. Ledo engano. Vigiar fronteira em tempo de paz é tarefa para polícia especializada. O mesmo quanto à defesa de reservas florestais.

Quem vigia fronteira, coibi desmatamento, persegue bandidos e garante a lei e ordem não pode se preparar para guerrear. As tarefas são incompatíveis. Quando os militares as assumem sofregamente, prejudicam a construção da segurança pública de que precisamos e fracassam como força dissuasiva.

Precisamos de Exército que detenha armas próprias, capazes de sustentar uma política externa altiva e ativa, como disse Celso Amorim. Exército equipado por fábricas estrangeiras não presta para defender o Brasil.

Pagamos caro para não termos defesa militar e vivermos sobressaltados com ameaças à democracia.

O texto não representa necessariamente a opinião do Jornal GGN. Concorda ou tem ponto de vista diferente? Mande seu artigo para [email protected]

Leia também:

Jornal GGN produzirá documentário sobre esquemas da ultradireita mundial e ameaça eleitoral. Saiba como apoiar

Jornal GGN abre inscrições para curso sobre Desinformação, Letramento Midiático e Democracia

3 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Ocator

- 2022-06-23 14:46:28

Na reunião da foto, eles estão com essas roupas para tratar dos problemas da selva amazônica ou simplesmente porque são idiotas?

Aracy Balbani

- 2022-06-23 13:49:18

Parabéns pela análise com precisão cirúrgica. Chega de financiarmos ações militares equivocadas.

Júlio

- 2022-06-23 11:34:57

Bom dia, meus parabéns ao autor do texto, irretocável e de clareza quase óbvia, mas com profundidade e poder de síntese exemplares. Merecia melhor título.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador