Jeff Bezos e a irracionalidade do capitalismo, por Régis Richael Primo da Silva

A organização econômico-social capitalista é irracional porque, apesar de ser capaz de produzir uma enorme quantidade de riqueza a partir do trabalho de bilhões de trabalhadores, a maior parte dessa riqueza vai parar nos bolsos de poucos.

Jeff Bezos e a irracionalidade do capitalismo

por Régis Richael Primo da Silva

Jeff Bezos é um dos 2.755 bilionários que existem no mundo, em um planeta habitado por 7,6 bilhões de seres humanos. No início de 2020, quando o número de bilionários era um pouco menor (2.153), esses imperadores dos tempos modernos já possuíam riqueza superior à riqueza somada de 4,6 bilhões de pessoas. Enquanto isso, os 60% mais pobres do mundo continuam vivendo com até US$ 7,40 por dia.

A fortuna de Bezos é estimada em 211 bilhões de dólares. Mas apesar disso, é fato conhecido que ele não pagou nada de imposto de renda nos anos de 2007 a 2011 (uma pesquisa rápida no Google mostra isso), e sua empresa, a Amazon, também nada pagou de imposto de renda em 2018, apesar de ter lucrado 11 bilhões de dólares naquele ano.

Também não é segredo que a Amazon emprega centenas de milhares de trabalhadores precarizados, submetidos a  baixos salários e péssimas condições de trabalho. Reportagem de um jornal inglês relatou que os empregados da Amazon sofrem penalizações pelo “desperdício de tempo” para ir ao banheiro. A reportagem mostrou que, em um depósito enorme, que abrigava 1.200 trabalhadores, havia apenas 2 banheiros. A matéria estampava uma foto da degradação humana capitalista: trabalhadores urinando em garrafas para não sofrer sanções. Não é à toa que a Confederação Internacional dos Sindicatos considerou Bezos o pior empregador do mundo. Ao invés de posar de filantropo, como costuma fazer, Bezos deveria tratar melhor seus “colaboradores”, dos quais extrai até a última gota de suor.

Jeff Bezos não tem nenhum talento extraordinário. Não é um grande cientista, professor, médico, engenheiro, escritor, músico, esportista ou estadista. É apenas um dos poderosos que ajuda a manter e aperfeiçoar as regras de um sistema irracional que serve para beneficiar alguns poucos, enquanto condena a maioria à exploração. Com a posição dominante da Amazon no mercado, prejudica a economia, ao destruir empresas e empregos.

A organização econômico-social capitalista é irracional porque, apesar de ser capaz de produzir uma enorme quantidade de riqueza a partir do trabalho de bilhões de trabalhadores, a maior parte dessa riqueza vai parar nos bolsos de poucos. Mas não pensem que essa extrema concentração de renda  é uma deformação do capitalismo que pode ser corrigida. Ela é, na verdade, de sua essência, como advertia o velho Marx.

O capitalismo, contudo, não é eterno. Foi inventado pelo homem há poucas centenas de anos e pode ser substituído por algo melhor. Se foi útil para desenvolver as forças produtivas, já não o é mais. Nunca na história se produziu tanta riqueza quanto agora. Nunca na história tantos trabalhadores ajudaram a produzir essa riqueza (há, hoje, mais de 3,5 bilhões de trabalhadores no mundo). No entanto, nunca na história houve tanta concentração de renda quanto agora.

Definitivamente, o capitalismo não é uma forma aceitável de organização social, pois deixa a maioria da população entregue à sua própria sorte, numa competição entre vencedores e vencidos,  enquanto beneficia apenas aqueles que já estão no topo. Isso não é sustentável ao longo prazo, e, cedo ou tarde, esse sistema ruirá e será substituído por um outro sistema, cooperativo, humano e que atenda às expectativas de auto realização de todos e não apenas de alguns poucos. Com toda a ciência e a tecnologia de que dispomos hoje, esse outro sistema não só é desejável: é também possível.

*Régis Richael Primo da Silva é Procurador da República e ex-Defensor Público do Estado do Ceará. Como membro do Ministério Público Federal, exerceu as funções de Procurador Regional dos Direitos do Cidadão no Pará e no Maranhão, e de Procurador Regional Eleitoral no Maranhão. Atualmente é titular do 15º Ofício da Procuradoria da República no Ceará, com atribuição para matéria criminal.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

1 comentário

  1. Jeff Bezos não só não tem nenhum talento extraordinário, como é de uma mediocridade a toda prova.
    Capacidade predatória para enriquecer não é talento, é uma camada pré-histórica da mente que permanece no inconsciente da espécie que evoluiu, e avançou para além do instinto de sobrevivência.
    Em algum momento da história da humanidade, um de nós, por algum motivo, se julgou proprietário de alguma coisa. É nessa fase da evolução da mente humana que Jeff Bezos parou.
    Desconfio, como leigo, que isso se deu concomitantemente com a descoberta, pelo homem, de que ele tinha algo a ver com o que acontecia com uma mulher de sua tribo, nove meses após os dois terem se “conhecido”, como diz a Bíblia. E a natureza da recém instaurada noção de “propriedade” mudou de rumo, e começou sua evolução para o que é, hoje.
    Isso porque não consigo conceber que haja alguma motivação subconsciente para enriquecer, outra que não seja legar fortuna aos descendentes – em alguns lugares do mundo, como nos EUA, é necessário alguma habilidade para driblar certas leis e regulamentações, mas, como diria o Fux, essa a gente mata no peito.
    Tenho para mim, também, que a tomada de consciência, por parte do ser humano, de que a Imortalidade da alma também tem parte na evolução do desejo individual de enriquecer. Uma grande fortuna é um bom sucedâneo para a imortalidade.
    Mas esses, como se diz, são um outro assunto.
    Nem Bezos, nem qualquer um dos outros bilionários deste mundo, é um grande cientista, professor, médico, engenheiro, escritor, músico, esportista ou estadista.
    São seres unicelulares, cuja única função é enriquecer.
    Como? Não importa. Só possuo uma célula, e sua única função é enriquecer.
    Mas há um grande problema nisso, além do caos no mundo, e da degradação das relações sociais.
    Coloque um jovem, um adolescente, diante de Pasteur, Anísio Teixeira, Vital Brasil, Prestes Maia, Graciliano Ramos, Tom Jobim, Neymar, Getúlio Vargas, e Jeff Bezos.
    E pergunte: Quem você queria ser?

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome