Morogueite: quando o “jogo político” invade os tribunais

Revelações do Intercept evidenciam a meta da Lava Jato: governar sem a “chatice” do voto. No “vale tudo contra eles”, ilegalidades e perseguições a inimigos. Hora é de denunciar crimes de Moro – e exigir revisões de suas sentenças

Por Arthur Araujo

Em Outras Palavras

I) o material divulgado até agora confirma o sobejamente conhecido: as sentenças de Curitiba são redigidas e assinadas antes de que seja “juntado aos autos” (como se diz em língua esotérica) qualquer outro documento enviado pela acusação ou pela defesa;

II) esse fato já era conhecido por dois significativos grupos de brasileiros: o dos que avaliam que isso é um absurdo e o dos que acham que “vale-tudo ‘contra eles’ é válido”. Os vazamentos só documentam o fato, dificilmente alteram convicções do segundo time;

III) abre-se, a partir das revelações do Intercept, uma grande disputa entre esses dois grupos: quem conquistará a maioria dos brasileiros para sua interpretação das ilegalidades e imoralidades praticadas por Moro, Dallagnol & Co.?

IV) a grande maioria do povo sabe perfeitamente – e há séculos – que pré-julgamento é o padrão quando o réu é pobre. O Morogueite demonstra que o mesmo pode se aplicar no jogo da política sórdida invadindo tribunais. Há boa possibilidade de associação;

V) fica evidente que toda a operação LJ tem meta única: governar o Brasil sem ter que passar pela “chatice” do voto. Além da obsessiva atuação antipetista e antilulista, os “tenentes de toga” candidamente lamentam que será “um pouco mais difícil limpar o Congresso”;

VI) fica claríssimo para o “mundo da política”, de qualquer orientação político-ideológica, que deixar impunes os golpistas da LJ é garantia de faca afiada em seu pescoço, per omnia saecula saeculorum [pelos śeculos dos séculos] e empunhada por protoditadores;

Leia também:  Demitido por Bolsonaro, Santos Cruz será substituído por outro general na Secretaria de Governo

VII) a incidência “jurídico-processual” do escândalo no destino de Lula é próxima de zero, porque a corporação se fechará qual cágados frente a onça. Só a conquista de forte maioria de opinião de massas poderá fazer das revelações um instrumento real de alteração do quadro;

VIII) para os que prezam a democracia, o estado de direito, o império da lei, a civilização, não há outro caminho que não seja se associar à denúncia diuturna do golpismo da LJ e à exigência de revogação de todos os seus “produtos”, porque são todos frutos de golpe contra a Constituição, contra as leis, contra o voto e contra a verdade.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

8 comentários

  1. vai ficar realmente divertido quando as grandes empreiteiras quebradas pela farsa jato derem entrada na justiça de pedidos de indenizações de bilhões e bilhões de reais por conta da irresponsabilidade, canalhice, estupida, escrota comportamentos e atitudes dos dois criminosos, DD e o Marreco de Maringá.

    e depois do pedido de indenização do LULA pelo mesmo motivo

  2. Outra coisa que eu não descarto é a hipótese de essa LJ estar sendo monitorada DESDE O INÍCIO. Diz ele, Moro, que foi “hackeado” na semana passada, mas esse foi o momento que esfregaram na cara dele.

    Não descarto também a hipótese de ele estar sendo mobilizado, posto em ação pelas “forças do mercado” pra passar o trator por cima dos obstáculos à reforma da previdência, uma “batalha final” contra “o sistema corrupto”. Ou vai ou racha. Se a LJ passar dessa, ninguém segura mais.

  3. Ajustem o nome é congegate, ou o caso conje. Tanto faz se com j ou com g, está sempre errado mesmo. E o conje vai para um mergulho profundo na lata de lixo da história, ele e seu menino prodígio carola, daninhol.

  4. O jogo político invade os tribunais quando a idiotia alcança grande parte da população, que prefere acreditar em heróis, do que resolver os problemas racionalmente.
    Isso se dá devido aos isentões, apolíticos e ignorantes que acreditam em qualquer coisa.

  5. Parece que o Brasil vive numa dimensão temporal fora da realidade.
    Somos um conto do Borges…
    É um bom momento para podermos aprender a separar o legal do moralmente ilegal!
    Se as provas são ilegais, as consequências não!
    Não existe o domínio do fato?
    Que tal um domínio da consequência?
    São milhões os desempregados…
    São milhões os desesperançados…
    São milhões que serão surrupiados…
    E serão bilhões para uns poucos…

  6. o tempo pós manifestações infames de 2013
    (que enganou muita gente boa )
    até as consesequencias nefastas da lava jato
    deveria ser abolido do calendário
    PARA ASSEGURAR a sanidade nacional
    obscurecida por essa elite golpista que
    naufraga o país mas não perde a pose
    de bastardo do iluminismo retrógrado….

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome