Na tela terrorismos e atentados: Meu Deus do Céu!!!

Por Frederico Firmo

Em frente a uma tela de computador, ou de televisão eu vejo passar dias sombrios, com alguns lampejos de luz . Talvez seja a estação do ano , ou quem sabe a estação da TV. De um lado as cenas dos atentados suicidas ao longo do mundo em nome de Deus e aqui a jihad é contra a corrupção. Mas de fato nem os de lá podem falar em nome de Deus, nem os de cá podem falar da corrupção.

Nesta semana , bem no meio da tela eu vejo aquela cena onde uma dúzia ou mais de homens condenáveis, ( mas não condenados) cometeram um atentado suicida contra um partido histórico. (Como disse um certo Juiz,: Meu Deus do céu!!! )Embora seja verdade que o partido já está em coma há muitos anos. Das diretas já de Ulysses, foi passando por Sarneys, Renans e agora Cunha. Afinal de Temer, nada temos a temer, ele é daquelas figuras decorativas cujo ego , narcisismo e obtusidade não permitem que sequer tenha consciência do ato destrutivo cometido contra o seu partido. Mas, fraco como é, Temer foi apenas aquele que foi convencido a se tornar um homem-bomba.

Enquanto isto a televisão e seu conjunto de agitadores disfarçados de jornalistas, ou melhor de apresentadores distorciam , retorciam , manipulavam dados, criando um clima de apocalipse e terror para o governo e prometendo o paraíso com 100 virgens ( não sei se o número está correto) para os políticos que aderirem ao pelotão suicida.

Leia também:  Crise argentina: greve geral e visita de Bolsonaro nos jornais brasileiros

Do outro lado um juiz que viola claramente leis, é acompanhado por um Ministério Público, que de público não tem nada . Juntos e com um discurso messiânico vão cometendo atentados e mais atentados contra a justiça. A cada operação, a cada nome sugestivo, a cada manifestação, emitem juizos baseados em objetivos e premissas escusas. Afinal o que falar de um juiz que usa claramente de subterfúgios e manipulações para trazer para sua jurisdição um caso já fechado em outra. Criando ligações espúrias entre os dois casos, afirma ter fortes indícios. Mas ultimamente anda mais cuidadoso, e numa peça de pura propaganda afirma sem se comprometer – que possivelmente existe uma ligação entre o caso a e b. Mas com certeza ele sabe como suas palavras serão ecoadas nos jornais. Não mostrou indícios, apenas recuperou notícias e versões de muitos e muitos anos atras e tenta recuperar uma delação que não foi anteriormente aceita pela justiça. E assim agindo contra a própria justiça ele encena mais um a ato deste suicídio lento da instituição.

Voltando à mídia , os jornais ecoam, dizendo que juiz cristão, ou talvez seja Moro, afirma ter provas da ligação. Num súbito e insuspeito ato, um escritório de advocacia se incendeia, jogando na fumaça as ilações de que provas talvez tenha sido queimadas. Deixando no ar a suspeita de crime. Apesar de afirmar que são só suspeitas a notícia coloca no mesmo texto , a prisão de Delubio Soares, criando subliminarmente um culpado do incêndio. Este é mais um atentado contra o jornalismo perpetrado por uma das brigadas globais. Em mais este ato suicida o jornalismo resolve amplificar o ruido criando mais e mais suspeições. Em seguida a brigada suicida do jornalismo, com roupas de analistas vão ao ar, fazendo coro, criando mais suspeições. Um deles vive dizendo da sua intimidade com o planalto, e ousa até a colocar palavras e significados na boca de outros.

Leia também:  O 22 de Julho norueguês e o interdito do Não Matarás, por Arnaldo Cardoso

O juiz neste ato tresloucado, desafia a Justiça e o Supremo, promovendo mais uma vez prisões coercitivas de forma ilegal. Imaginando que a sua famosa truculência seja suficiente, e usando a ameaça de prisão eterna, o juiz ataca um jornalista, ( este de verdade) que no entanto resolve retrucar a altura. Imagino o que não deve se estar urdindo nos porões de Curitiba contra o destemido, Breno Altman.

Enquanto isto no legislativo, comandado por uma figura diabólica, (que até colocou o nome de Jesus em uma das suas firmas ) , se acelera um processo da maior gravidade, como é o impedimento de um presidente da República, enquanto se desacelera o processo de sua própria cassação, este sim, com provas contundentes. E na tela, após uma demonstração factual da ausência de provas e de crimes nas apresentações de Nelson Barbosa, e do Dr. Lodi, vemos o descalabro das intervenções patéticas de deputados, num atentado contra a razão, a factualidade e principalmente contra a instituição legislativa. Mais um ato de aniquilamento da política, isto é mais um ato suicida.

Assim temos hoje no país um verdadeiro exército de suicidas, que de atentado em atentado, vão minando e destruindo tantas coisas que foram tão duramente construídas ao longo da história. Como na Síria destroem Palmira aqui destroem a nossa democracia. Por aqui buscam o paraíso fiscal e não se importam se as 100 são virgens ou não.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Bolsonaro: Quando o fogo é prisioneiro da fogueira, por Milton Hatoum

4 comentários

  1. Hipocrisia?

    Seria hipocrisia falar , analisar , criticar, acusar os atores da crise política que  querem destruir um partido, e não falar nada a respeito da crise econômica que está deixando o país “atolado”?

    Publique-se, please!

    • Mil desculpas!!!

      Prezado João,

      Mil desculpas, de fato eu também esqueci de falar da Zika, da dengue etc….. Ah e tambem esquecdi de falar da  chicungunya , mas é que este virus tem um nome muito dificil

       

  2. texto tão bom que merece ser

    texto tão bom que merece ser tratado como expressiva den=uncia

    do momento político atual, principalmente dos opositores ao governo popular,

    cujas infamias sucessivas criminalizam a política e criam perigosas  crises  …

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome