Uma crítica consistente a Thomas Piketty e a revisão econômica pós-pandemia

Para Piketti, uma das justificativas para o colonialismo era a ideia da “missão civilizadora” do seu trabalho. Mas a motivação predominante foi sem dúvida a vasta riqueza a ser adquirida.

Entenda – Thomas Piketty foi fundamental para a discussão sobre a concentração de riqueza na história. Neste artigo, porém, há uma crítica fundada contra suas explicações.

Segundo o autor, Piketty vê as ideologias como construções sociais com vida própria, independentemente do que as partes interessadas possam ganhar ou perder. Os exemplos históricos mostram, porém, que o que move os atores são interesses próprios. As construções conceituais vêm a reboque.

Assim foi com a crise da social-democracia, na qual o pacto entre capitalistas, trabalhadores e Estado se rompe pela queda da lucratividade.

Piketti levanta o argumento de que uma das justificativas para o colonialismo era a ideia da “missão civilizadora” do seu trabalho. Mas a motivação predominante foi sem dúvida a vasta riqueza a ser adquirida.

Por exemplo, em vez de questionar como nós, como sociedade, trabalhamos, produzimos e consumimos, suas soluções são direcionadas para a redistribuição sem alterar o núcleo do sistema, diz o autor.

Aliás, a discussão econômica no Brasil seria um caso exemplar para comprovar as teses do autor.

Da Nature

A revisão econômica pós-pandemia terá mais do que ajustes

Como o COVID-19 exacerba as desigualdades, a análise de Thomas Piketty parece oportuna, mas inadequada. Por Ingrid Harvold Kvangraven.

Ingrid Harvold Kvangraven

Capital e ideologia Thomas Piketty Harvard Univ. Imprensa (2020)

A pandemia do COVID-19 está expondo e exacerbando as desigualdades em todo o mundo. Lido contra esse pano de fundo, o último livro do economista Thomas Piketty é oportuno, mas parcial.

Em Capital and Ideology (publicado pela primeira vez como Capital et ideologie em 2019), Piketty documenta o aumento global da desigualdade e critica idéias que a legitimam. Ele constrói seu best-seller de 2013, Le Capital au XXIe siècle ( Capital no século XXI ), que estimulou um debate público sobre as crescentes lacunas entre os que têm e os que não têm na Europa e nos Estados Unidos. Seu último trabalho é importante, especialmente porque – antes da pandemia – a revista londrina The Economist levantou dúvidas sobre até que ponto a desigualdade realmente está aumentando. Mas, ao subestimar os papéis dos interesses materiais, estruturas de produção e dinâmica capitalista, a análise de Piketty é preocupante.

Seu argumento é que as sociedades sempre tentam justificar seus desequilíbrios e que a justificativa predominante repousa em fundações instáveis. Ele argumenta que as diferenças salariais hoje são frequentemente justificadas por um “conto de fadas meritocrático”, no qual as pessoas acreditam que o empreendedor ganha riqueza e os que vivem na pobreza simplesmente precisam trabalhar mais. Mas, é claro, as sociedades ocidentais não são meritocráticas. Como Piketty demonstra, a discriminação é comum – baseada em status, raça, gênero e religião. Na pandemia do COVID-19, poderia nossa óbvia dependência do trabalho subvalorizado em setores como enfermagem, assistência a crianças e idosos, oferta de mantimentos e percepção da mudança de parto na medida em que esses trabalhadores merecem os baixos salários de seus empregos, que são frequentemente precário? Acredito que sim.

Piketty discute o que ele vê como o sucesso do período da social-democracia na Europa e nos Estados Unidos nas décadas de 1950 a 1970, quando a diferença entre os mais ricos e os mais pobres era menor. Ele observa que a maioria das pessoas que votaram nos partidos social-democratas entre 1950 e 1980 eram trabalhadores, mas que o voto mudou para a classe educada e a classe média. Trabalhadores sem instrução foram assim largamente deixados para trás, abrindo caminho para fenômenos como a eleição do presidente dos EUA Donald Trump e o referendo do Reino Unido ao deixar a União Europeia.

No entanto, como apontou o economista Michael Roberts, o período social-democrata repousava em compromissos entre capitalistas, trabalho organizado e Estado, e não em um conjunto coerente de crenças. Além disso, diz Roberts, o colapso dessas alianças pode ter tido mais a ver com a queda na lucratividade na década de 1970, o que dificultou o apoio dos trabalhadores aos políticos social-democratas.

Guerra de palavras

Surpreendentemente, Piketty não reconhece a batalha política sobre as idéias na academia, embora isso possa ajudá-lo a explicar mudanças desde a década de 1970, incluindo departamentos de economia que pressionam as perspectivas keynesiana e marxista. Em vez disso, Piketty simplesmente traça uma linha nítida entre produção de conhecimento e política. Ele rotula seu próprio trabalho empírico de “racional” e “imparcial”, mas suas recomendações políticas “ideológicas”.

Isso é problemático. As percepções dos economistas de suas próprias análises como livres de ideologia muitas vezes impedem o debate aberto e democrático. O trabalho de economia comportamental sugerindo que o Reino Unido não deveria entrar em confinamento, o que pode ter guiado o governo do Reino Unido no início de sua resposta ao COVID-19, é apenas um exemplo. Nesse caso, uma maneira particular de ver a economia – composta por indivíduos separados, respondendo racionalmente a incentivos – foi apresentada como uma base objetiva para políticas baseadas em evidências que legitimavam atrasos no distanciamento social. No entanto, essas evidências não podem ser consideradas puramente objetivas e, neste caso, contradizem as recomendações da Organização Mundial da Saúde.

Piketty faz declarações abrangentes: ele vê as ideologias como construções sociais com vida própria, independentemente do que as partes interessadas possam ganhar ou perder. Por exemplo, ele argumenta que uma das justificativas declaradas para o colonialismo era a idéia dos colonizadores de ter uma “missão civilizadora”; isso é verdade, mas a motivação predominante foi sem dúvida a vasta riqueza a ser adquirida. A clareza aqui é essencial para entender a geração de injustiça global maciça. Da mesma forma, Piketty não fornece evidências convincentes de que, como ele afirma, a desigualdade em países pós-coloniais, como a África do Sul, é impulsionada por idéias que legitimam abismos na oportunidade, e não, por exemplo, pela persistência persistente de instituições racistas.

É irônico que Piketty acene com frequência a Karl Marx, ignorando simultaneamente os principais insights marxistas sobre dinâmicas como a motivação do lucro, o acesso desigual e a capacidade de desenvolver tecnologia e a redução de custos. Às vezes, parece que Piketty simplesmente iguala capital e riqueza, porque ele concentra sua análise e suas recomendações políticas em grande parte nas transferências de riqueza. Por exemplo, em vez de questionar como nós, como sociedade, trabalhamos, produzimos e consumimos, suas soluções são direcionadas para a redistribuição sem alterar o núcleo do sistema.

Isso limita sua capacidade de explicar fenômenos globais. Isso fica claro em seus pontos de vista sobre os efeitos da liberalização do comércio: em vez de explorar como a remoção de barreiras às importações na década de 1980 levou ao colapso da indústria no sul global, Piketty se concentra na perda de receita com tarifas. Na mesma linha, suas propostas evitam discutir o reequilíbrio maciço de finanças e produção globais que é necessário; em vez disso, ele se concentra nas transferências de ajuda aos governos e na tributação.

Suas propostas políticas não desafiam nossa confiança no crescimento capitalista. Em vez disso, envolvem ajustes no pedido existente, como redistribuição e inclusão de funcionários nos conselhos da empresa. Portanto, a preocupação articulada no jornal de qualidade mais correto do Reino Unido, The Daily Telegraph , de que Piketty está de volta “mais perigosa do que nunca”, por causa de sua difamação de empresários e bilionários, é infundada.

Apesar de suas deficiências, este livro tem o potencial de iniciar um debate importante sobre como reestruturar a sociedade de uma maneira mais igualitária e ecologicamente sustentável. Se quisermos sair da depressão global provocada pela pandemia atual com um sistema definido para emissões líquidas de zero, isso será mais importante do que nunca. Mas esses debates também devem envolver uma análise mais cuidadosa da dinâmica capitalista e das relações sociais de produção.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

9 comentários

  1. Piketty nunca me enganou.
    A massa de informações estatísticas de seu livro mais famoso jamais escondeu a real natureza de sua visão.
    Enquanto o “comunismo”, ou as sociedades autodenominadas comunistas, são abertamente tratadas como aleijões, frutos de ideologia cega, entendida a Ideologia, por ele, quase como um ser autônomo, uma entidade (dis)funcional praticamente autogerada – um monstro de Frankenstein que se rebela contra sua célula-mater, o regime burguês – o capitalismo aparece como um sistema “natural”, consequência necessária e virtuosa das interações entre seres humanos, destinado a prover a satisfação de ambas as partes envolvidas, e, posteriormente, vítima de disfuncionalidades – a principal delas, a reação da parte explorada às ondições de vida que lhe são impostas, e que é apropriada pelo bicho-papão ideológico, o que torna o regime alternativo proposto, a posse e/ou controle dos meios de produção por seus reais operadores, uma disfuncionalidade que se deforma a si mesmo, progressivamente.
    O único real perigo que o homem pode representar para seu semelhante não é, como imaginava Joseph Conrad, uma paixão humana posta à solta. É a passionalização do Interesse individual, que deixa de ser a sobrevivência e passa a ser a acumulação, entendida como a única forma de proteger o instinto de sobrevivência. O homem vive em grupo, mas existe a sós (Aldous Huxley), e o interesse individual inevitavelmente se sobrepõe ao interesse coletivo quando encontra terreno fértil para isso: a competição.
    O aumentativo de competição: Capitalismo.
    A consequência: Desigualdade.
    Há que se matar o Capitalismo, mas para isso é preciso que o homem emascule a si mesmo no que ele tem de mais precioso dentro de um sistema competitivo: a ambição. Ambição de tudo: viver mais que os outros, viver melhor que os outros, viver acima dos outros, viver com mais do que os outros.
    Marx explicou como funciona a acumulação, mas Marx não se preocupava com o Indivíduo, apenas com o grupo, a classe. Hoje ela se expõe de forma tão ostensiva, que se torna fácil entendê-la.
    É preciso descobrir como a acumulação opera no homem. Na sua alma, espírito, ou que melhor nome se queira dar à sua ambição.

  2. O economist, voz nada envergonhada daquele 1%, sai rapidinho com o lema de Tommasi di Lampedusa: “cambiare per non cambiare”.
    O grande medo que agora não somente os anéis mas dedos e pescoços sejam dizimados.

  3. Qualquer analise materialista pressupõe duas fases, a infraestrutura econômica e a superestrutura ideologica. Duvido que o Piketty tenha desvinculado o alegado “fardo do homem branco” dos interesses materiais concretos. Meu palpite é no sentido contrário: muita gente acha wue as pessoas agem só pelo bolso ou pelo estômago e negligenciam o papel do símbolo o, das formas de pensar que justificam as ações. Daí a importância de resgatar o papel da ideologia, inclusive pra entender as ações daqueles que agem CONTRA o próprio interesse.

  4. E o que o outro lado tem a oferecer.
    Nas décadas de 1940 a 1970 o contraponto do “mundo socialista de matiz soviética”.
    Hoje o fantasma é o contraponto do “mundo socialista de matiz chinesa”.
    A confiança (infundada) no crescimento capitalista bem como a certeza absurda na capacidade tecnológica de resolver todos os problemas existentes move o caminhar suicida a um abismo evitável.
    Enquanto não houver uma constatação de que até o desenvolvimento sustentável tem limites não se vislumbra um caminho viável.

  5. Ele argumenta que as diferenças salariais hoje são frequentemente justificadas por um “conto de fadas meritocrático”, no qual as pessoas acreditam que o empreendedor ganha riqueza e os que vivem na pobreza simplesmente precisam trabalhar mais.
    Será que ele estava pensando no surtado empreendedor Guedes? O mesmo que viajou na maionese sobre o funcionalismo público, ao dizer: “Eles vão colaborar, vão ficar sem pedir aumento por um tempo”

    • Meu caro amigo, não sei se tens idade para te lembrar do acendedor Piezoelétrico Magiclick, foi um produto inventado por um argentino que foi vendido em todo mundo para acender fogões, usava o efeito piezoelétrico que com um pequeno aperto no seu gatilho ele criava uma faísca. Como o efeito piezoelétrico é algo que não termina e enquanto a estrutura física do aparelhinho não se deteriorava ele continuava criando a faísca e acendendo o fogão.
      O anúncio dizia que ele durava 104 anos e na realidade tem pessoas que tem esse acendedor há mais de 40 anos e ele continua funcionando. O que aconteceu com esse produto, a BIC comprou o nome e fez uma combinação com seus isqueiros a gás que quando termina o gás tens que jogar fora o isqueiro e comprar outro.
      Ou seja, o problema ecológico não é um problema técnico, pois se fosse um mero problema técnico ainda teriam acendedores magiclick piezoelétricos a venda, mas tinham dois problemas sérios, eram baratos e nunca estragavam.

    • Paulo F.
      Não sei se tens idade para te lembrar do acendedor Piezoelétrico Magiclick, foi um produto inventado por um argentino que foi vendido em todo mundo para acender fogões, usava o efeito piezoelétrico que com um pequeno aperto no seu gatilho ele criava uma faísca. Como o efeito piezoelétrico é algo que não termina e enquanto a estrutura física do aparelhinho não se deteriorava ele continuava criando a faísca e acendendo o fogão.
      O anúncio dizia que ele durava 104 anos e na realidade tem pessoas que tem esse acendedor há mais de 40 anos e ele continua funcionando. O que aconteceu com esse produto, a BIC comprou o nome e fez uma combinação com seus isqueiros a gás que quando termina o gás tens que jogar fora o isqueiro e comprar outro.
      Ou seja, o problema ecológico não é um problema técnico, pois se fosse um mero problema técnico ainda teriam acendedores magiclick piezoelétricos a venda, mas tinham dois problemas sérios, eram baratos e nunca estragavam.

      • Obsolescência programada. Ou como criar uma demanda crescente em uma população quase-estável. Torna-se um problema técnico na medida que para ser “ecologicamente correto” necessita sempre atender um anseio por uma nova tecnologia melhor (?) , que mitigue a culpa do consumidor.
        Aconselho a leitura de Limites do Desenvolvimento Sustentável , de Guillermo Foladori , Ed. Unicamp.
        Conheço o Magiclick. Acendo uma lareira a gás ( quanta incongruência) com ele!
        Quanto ao contraponto. Ainda persisto nele. Sem o quintal do vizinho como saber que minhas rosas são as mais belas?
        Sds
        Paulo

  6. Posso estar enganadíssimo, mas duvido que o Piketty tenha caracterizado as práticas predatórias coloniais apenas como “missão civilizatória” na mente dos países que a praticaram…
    Farei questão de reler o livro dele para sacar isto melhor!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome