Uma escolha difícil parte 3. Ou: a mídia nunca vai perdoar o “presidente Luís”, por Eliara Santana

Para dar autoridade ao dito - polarização e equivalência de biografias - o jornal usa a referência a Maquiavel, que é formulada em bases calcadas no senso comum

Uma escolha difícil parte 3
Ou: a mídia nunca vai perdoar o “presidente Luís”

por Eliara Santana

“Não há dúvidas: Jair Bolsonaro e Lula nasceram um para o outro”. Assim começa o editorial do Estadão de hoje, 26 de maio, mais um vaticínio para corroborar a ideia da polarização, da equivalência entre Lula e Bolsonaro.
Já no primeiro parágrafo, percebemos, na forma de referenciação a um e a outro, que as preferências do jornal se inclinaram em outros tempos mais para um deles. Diz o parágrafo:

“Tanto o presidente da República como o chefão petista se associam na mais absoluta falta de escrúpulos, em níveis que fariam até Maquiavel corar”. Ora, se um dos sujeitos retratados é presidente da República, e se trata de elencar equivalências, o outro sujeito é ex-presidente do maior partido de esquerda da América Latina, e talvez pudesse ser assim apresentado.

Para dar autoridade ao dito – polarização e equivalência de biografias – o jornal usa a referência a Maquiavel, que é formulada em bases calcadas no senso comum (não me lembro, nas aulas de Ciência Política, de discutir qualquer abordagem de Maquiavel sobre “retidão moral absoluta como fator essencial para o bom governo”), mas importante para dar o verniz de domínio conceitual político de que o jornal precisa para se colocar como uma voz a estabelecer a equivalência entre um ex-presidente que tirou 40 milhões de brasileiros da miséria e um que chama governadores de “estrume” e nega a ciência.

Prosseguindo, o editorial abandona Maquiavel e recorre à ciência biológica para dizer que: “Jair Bolsonaro e Lula da Silva unem-se como siameses. Enxergam o mundo e seu papel nele da mesmíssima perspectiva. Tudo o que fazem diz respeito exclusivamente a seus projetos de poder, nos quais o Estado e o povo deixam de ser o fim último da atividade política e passam a ser meros veículos de suas aspirações totalitárias”. Não sei se minha leitura está equivocada, mas me parece que essa predicação não é adequada para explicar por que são siameses. Enfim, mas isso também não vem muito ao caso.

Leia também:  A dolorosa verdade sobre Covid e economia: Trump é o culpado

O que vem mesmo ao caso é a desfaçatez do jornal, que elenca como crime inexpugnável a fala infeliz e equivocada de Lula sobre a Covid – frase pela qual ele já pediu desculpas, tendo emitido nota e gravado um vídeo. E cita apenas as frases idiotas de Bolsonaro, sem expor seus atos e sua beligerância, como se as falas infelizes fossem suficientes para dizer que se equivalem. Durante a campanha eleitoral, Jair Bolsonaro já dizia frases “polêmicas”, segundo a mídia. Algumas eram realmente idiotas, outras, no entanto, denotavam sua postura racista, machista, homofóbica, de extrema-direita, beligerante. Mas elas nunca foram rechaçadas, expostas, questionadas. Na verdade, eram muito pouco citadas, talvez para que o conjunto da obra não se mostrasse antes da eleição.

Segundo o editorial, “Lula trabalha desde sempre para cindir o País – e sua recente celebração do coronavírus pode ser vista como uma espécie de corolário macabro da concepção doentia segundo a qual os brasileiros recalcitrantes, que ainda não aceitam o projeto de Estado autoritário idealizado pelo lulopetismo, devem ser castigados pela natureza para que aprendam de uma vez por todas que Lula sempre tem razão. Bolsonaro faz exatamente o mesmo, e ainda enxovalha publicamente quem se recusa a aceitá-lo como salvador”.

Talvez o Estadão tenha se esquecido, mas no “projeto de Estado autoritário do lulopetismo”, a PF tinha plena autonomia, não havia gabinete de fake news com recurso público, as pessoas tinham acesso a atendimento médico com o fortalecimento do programa Saúde da Família, os presidentes em questão nunca mandaram a imprensa calar a boca e nem ousaram dizer que iam retirar anúncios de determinados veículos, âncoras famosos e outros jornalistas não eram perseguidos, o judiciário não sofria intimidação, Lula e o Brasil eram reconhecidos internacionalmente, os povos indígenas eram respeitados e tinham espaço de proteção (apesar da agressividade do garimpo), as empregadas domésticas passaram a ter direitos, todo mundo podia viajar de avião (aeroporto virou rodoviária, diziam os piadistas). Hoje, bem, nem é preciso dizer muita coisa, basta lembrar que o presidente atual critica a OMS e renega a ciência – demitiu dois ministros da Saúde em meio a uma pandemia -, libera a Amazônia para garimpeiros e grileiros, insiste num medicamento que o mundo inteiro já disse que não é eficaz contra a Covid-19, diz em reunião ministerial que tem um sistema particular de informação.

Leia também:  Como as falhas de uma conferência de paz, há um século, prepararam o terreno para as revoltas anti-racistas de hoje

Por fim, diz o editorial:
“O bolsonarismo é um monstrengo antidemocrático que só ganhou vida e ribalta por obra e graça do lulopetismo”.

Não. Bolsonaro e o bolsonarismo são monstrengos criados em grande medida pelo conjunto de atitudes covardes e negligentes da mídia corporativa, que, entre outras coisas, contribuiu para a criminalização da política, fez vistas grossas a atitudes e falas racistas e homofóbicas e negligenciou denúncias crescentes do uso de fake news na eleição de 2018. Toma que o filho é de vocês, e comparações idiotas não vão adiantar.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

5 comentários

  1. O Estadão esta querendo, ao mesmo tempo, agradar os militares e passar a ideia para a parte mais culta da direita (se é que ela existe), que é um jornal isento.
    O desgoverno é cria da mídia porca da que faz parte.

  2. Os ratos estão abandonando o navio, há uma gorda de canalhas arrependidos….errado!! Que morram afogados junto com o estrume que criaram…….

  3. A estratégia da casa grande e de seus porta vozes midiáticos será exatamente esta. Equiparar Bolsonaro e Lula e se apresentar, hipocritamente, como o centro de virtude, equilíbrio e isenção. Que Bozo fique até 2022 fazendo com que essa imprensa “lixo” beba do veneno que destilou.

  4. Opinião é como pizza: só é boa quando a gente pede.
    Mas não se pode impedir que alguém tenha opinião, pode-se, quando muito, lamenta-la quando exposta.
    Esse editorialista será feliz enquanto puder expor suas opiniões sem represálias.
    Por outro lado, em alguma medida ele pode ter razão, se não, vejamos:
    O lulismo fez seguidores tão fiéis que seguiram Lula na graça e na desgraça, arriscaram suas vidas e liberdade por ele e sempre compraram brigas para defendê-lo. Bozo também conseguiu capturar esse fanatismo, se não pelas suas virtudes, pelos seus defeitos, que encontrou nos seus fãs pessoas tão compatíveis com o seu modo de ser.
    Se o editorialista não conseguiu perceber qualquer benefício que o Lula possa ter trazido ao seu povo é pelo motivo único que ele não se considera do povo.Ele, com certeza, não faz parte dessa “gentalha” que é o brasileiro.
    Lula não o representa porque Lula é um homem que chora pelo seu povo.
    Bozo sim, é mais a cara do editorialista, bozo só chora de ódio e medo, mas nunca de “frescura” pela sorte do povo.

  5. É de se notar o “apito de cachorro” – na verdade, tá mais pra megafone pela sutileza paquiderne – na citação ao ‘Napoleão tem sempre razão’ do Revolução dos Bichos.

    A fábula orwelliana é o “Pequeno Príncipe” dos ditos liberais brasileiros, em geral num pastiche com a outra obra famosa do inglês.

    Talvez fosse o caso de chamar de volta os comunistas portugueses para se evitar mais de O MESMO mas, moralmente o Estadão está além da salvação.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome