Xadrez de Bolsonaro e o confronto final com as instituições, por Luis Nassif

Jair Bolsonaro se tornou uma jamanta sem freios em uma ladeira. A cada dia que passa vai acelerando, avançando todos os sinais, cometendo todas as impropriedades.

Jair Bolsonaro se tornou uma jamanta sem freios em uma ladeira. A cada dia que passa vai acelerando, avançando todos os sinais, cometendo todas as impropriedades.

Ele assumiu com uma estratégia óbvia de abrir espaço para a zona cinzenta da economia, terreno onde trafegou em todo seu tempo de deputado irrelevante.

A mediocridade com que atua vai expondo cada vez mais essa estratégia, deixando nítido a ameaça que representa.

Ao mesmo tempo, à medida em que é confrontado com o desafio de governar, se enreda nas contradições de seu governo, na falta de discernimento e de respostas, o que com que faz com que recorra cada vez mais ao seu repertório de escatologia e a intervenções indevidas em todos os campos do Estado.

Essa escalada acelerou enormemente a hora do confronto final com as instituições.

O governo Bolsonaro funda-se em três figuras públicas: Paulo Guedes e seu pretenso anarcoliberalismo; Sérgio Moro e a suposta bandeira anticorrupção; e Bolsonaro como avalista dos dois. Os três estão sob fogo cerrado,

É hora das instituições começarem a se preparar para o confronto final, que se dará em prazo muito menor que o previsto. Bolsonaro se transformou definitivamente em um risco para o país.

Peça 1 – o desmanche da economia

Não há a menor possibilidade de a economia se recuperar sob Paulo Guedes. Ele se move exclusivamente por uma ideologia manca, de pretender o fim do Estado em todas as frentes, sem apresentar uma política liberal consistente como alternativa.

A estratégia das expectativas sucessivas, em torno das reformas, já não surte efeito. As projeções de crescimento do PIB estão cada vez mais minguadas. A insistência cega em segurar os investimentos públicos e em acatar ferreamente a Lei do Teto ameaça paralisar o governo a partir do próximo mês. Seu único foco é o desmanche do Estado, a ponto de gastar parte do orçamento na compra de parlamentares, para aprovação da reforma da Previdência.

Leia também:  Um trilhão para o Guedes, por Paulo Kliass

O único setor atendido é o mercado, com a expectativa de entrada de capital externo para fusões e aquisições, não para novos investimentos.

Peça 2 – agravamento da crise internacional

Há nuvens cinzas na economia internacional, com agravamento das guerras comerciais, retraimento das economias centrais, perda de dinamismo do comércio internacional.

De um lado se tem um comando econômico despreparado – Paulo Guedes e Roberto Campos, o Neto. De outro, um presidente desatinado, isolando o país do mundo e ameaçando as exportações brasileiras com o desmanche das políticas ambientais e da preservação da Amazônia.

Não se sabe quem é mais sem noção, se Bolsonaro agredindo os principais parceiros comerciais do Brasil, ou se Paulo Guedes não entendendo a complementariedade da economia argentina com a brasileira.

De qualquer modo, Guedes não conseguiu operar uma política anticíclica sequer com o quadro externo favorável. Em mar encapelado, ficará mais perdido ainda.E essa perda de rumo se acentuará com o isolamento do Brasil de todos os fóruns internacionais, da União Europeia ao Mercosul, e a subordinação cega a Donald Trump.

Peça 3 – a guerra contra as instituições

Bolsonaro abriu guerra contra praticamente todas as instituições, promovendo interferências inéditas especialmente nos órgão de fiscalização e investigação.

Já se indispôs com procuradores, ao desconsiderar a lista tríplice para a Procuradoria Geral da República; com a Polícia Federal, ao pretender intervir na superintendência do Rio de Janeiro e desqualificar um delegado exemplar; com a Receita Federal, com intervenções indevidas; e com o Supremo ao prometer um candidato “terrivelmente evangélico” e expor sua estratégia de sufocamento das instituições.

Leia também:  Minha homenagem ao Comandante Carlos Lamarca, por Ivan Seixas

Nada indica que irá conter o ímpeto. À medida que os problemas se multipliquem, mais descontrolada será sua reação. E cada vez fica mais claro que as intervenções visam não apenas blindar Bolsonaro de operações suspeitas passadas, das ligações com milícias, mas também de operações em andamento, que guardam muito semelhança com as atividades do crime organizado.

Peça 4 – os riscos com o crime organizado

O crime organizado atua em áreas preferenciais para lavagem de dinheiro:

  • Tráfico de drogas.
  • Comércio de armas.
  • Controle territorial e venda de material para construção clandestina.
  • Mercado de lixo.

A área de maior expansão do crime organizado é o comércio ilegal de lixos tóxicos.

A expansão do comércio ilegal de lixo demanda locais com baixa fiscalização para descarte das cargas tóxicas de outros países, submetidos a legislações e fiscalizações mais rígidas. O envolvimento de empresários do lixo com o governo Bolsonaro, e o desmonte da fiscalização ambiental, cai como uma luva nesse acordo, podendo colocar o Brasil como local ideal para descarte de lixo tóxico.

Confira as seguintes matérias sobre o tema, que mostram como o Brasil caminha para se tornar a peça central de descarte de lixo tóxico, na cadeia internacional do lixo:

Empresas do lixo por trás do escândalo do acordo de Itaipu.

O envolvimento do Itamarati no escândalo do Paraguai

Como a Camorra (a máfia Napolitana) atua no mercado internacional do lixo

A indústria do lixo por trás do desmonte ambiental no Brasil

O desmonte do IBAMA

O desmonte da Funai

Por outro lado, tem-se um Ministro da Justiça, Sérgio Moro, subserviente a Bolsonaro, sem conhecimentos básicos sobre política de segurança e cego aos avanços do crime organizado na administração pública.

Além disso, o aprofundamento das analises do dossiê Intercept exporá definitivamente a hipocrisia do arco de abusos da Lava Jato, incluído aí o Ministro Luis Roberto Barroso e autoridades de tribunais superiores.

Leia também:  Documentos e áudios inéditos mostram plano de Bolsonaro para povoar Amazônia

Peça 5 – o embate final

Uma visão míope do papel da regulação fez com que os primeiros movimentos de Bolsonaro fossem aplaudidos, como sinal de combate à burocracia. A cada dia fica mais nítido que a intenção de Guedes e Bolsonaro não é racionalizar os procedimentos burocráticos, mas abrir espaço para a zona cinzenta da economia.

Entende-se ai os embates com a Receita, o COAF, a Polícia Federal e o enquadramento da Procuradoria Geral da República.

Hoje em dia, há os seguintes setores ameaçados pelos desatinos de Bolsonaro-Guedes

  • O sistema científico-tecnológico. A interrupção das bolsas do CNPq provocará o êxodo imediato das principais vocações de cientistas brasileiros para o exterior.
  • A estrutura de universidades públicas, sendo desmontada por propósitos de negócio (Guedes) e ideológicos (o inacreditável Ministro da Educação).
  • As exportações do agronegócio, comprometidas pelas bazófias em relação ao meio ambiente.
  • As intervenções nos sistemas de controle.

E não há sinais de que Bolsonaro irá recuar.Nos próximos meses, casos Marielle, Queiroz, acordo de Itaipu ganharão espaço maior na mídia. Espera-se que, desta vez, não falte coragem e espírito público aos Ministros do Supremo Tribunal Federal.

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

38 comentários

    • O generalato das FFAA brasileiras teria virado um clube de sargentões aposentados, que se reúne pro churrasco e a cervejinha semanal, financiados pela milícia nos botequins do bairro..

      15
    • O Brasil amanhã : presidente da Nigéria da iPhones de ouro a convidados do casamento do filho, enquanto a população passa fome….

      A Nigeria passou pelo mesmo processo pelo qual vem passando o Brasil : teve a infelicidade de descobrir seu pre sal, despertando a cobiça internacional : a Nigeria continua grande produtora de petroleo mas tudo dos gringos…..ha uma casta de 10% de endinheirados, milicianos, militares e a superestritura formada pelos sistemas midiatico, religioso, educacional e judicial para manipular o povo, manter o sistema e dar fim em quem se opoe

      https://www.instagram.com/p/B1JuGgwnVpj/?utm_source=ig_web_copy_link

  1. Só os ESPERTOS e especialistas em MITOs,Os 27 milhões que achavam ou acham,que fazem parte desta ELITE,mas ,só 30 milhões ou mais ou menos ,estão nesta ELITE,que votaram no COLLOR E AERCIO,e viram em qualquer coisa que lhes dão vantagens… viva as senzalas!

  2. A jamanta ladeira abaixo, sem freios, vai levar o motorista ao destino óbvio. Mas esse óbvio não faz renascer a esperança de que teremos algum governo pelo menos melhorzinho. Se um impeachement derrubar a besta, fica a outra besta…e pior, a besta fardada com proteção dos fardados cafajestes que já atemorizaram o STF para que Lula não concorresse e vencesse, como também era óbvio. E só a liderança de Lula daria jeito nessa jamanta lotada de idiotas feitos pela midia golpísta e pelos seus preconceitos mais idiotas ainda, todos já incrustrados anos e anos a fio pela ignorância ideológica incurável. Lamentável, mas o xadrex ora exposto não traz esperança nenhuma. No fundo, só temos duas alternativas: o povo de merda que somos tomar vergonha na cara e derrubar isso tudo no tapa, no pau, na guerra civil se preciso, ou no tal asteroide que um dia vai arrebentar a terra ao meio. Difícil é esperar por qualquer dessas hipóteses.

    34
    1
  3. A jamanta ladeira abaixo, sem freios, vai levar o motorista ao destino óbvio. Mas esse óbvio não faz renascer a esperança de que teremos algum governo pelo menos melhorzinho. Se um impeachement derrubar a besta, fica a outra besta…e pior, a besta fardada com proteção dos fardados cafajestes que já atemorizaram o STF para que Lula não concorresse e vencesse, como também era óbvio. E só a liderança de Lula daria jeito nessa jamanta lotada de idiotas feitos pela midia golpísta e pelos seus preconceitos mais idiotas ainda, todos já incrustrados anos e anos a fio pela ignorância ideológica incurável. Lamentável, mas o xadrex ora exposto não traz esperança nenhuma. No fundo, só temos duas alternativas: o povo de merda que somos tomar vergonha na cara e derrubar isso tudo no tapa, no pau, na guerra civil se preciso, ou no tal asteroide que um dia vai arrebentar a terra ao meio. Difícil é esperar por qualquer dessas hipóteses. MAS SE AO MENOS O TSE TOMASSE VERGONHA NA CARA, INVESTIGASSE A FUNDO OS FAKE NEWS QUE PUSERAM A MERDA NO GOVERNO…E CASSASSEM A CHAPA COMPLETA, COM PSL COM TUDO…MARCANDO NOVA ELEIÇÃO, ONDE LULA PUDESSE CONCORRER, AÍ SIM PODERIA HAVER ALGUMA ESPERANÇA. MAS ESPERAR O QUE DO TSE?

    13
  4. Como cidadã que acompanha a política desde os anos 70, quase sucumbindo a tudo que constato nesse 2019, espero ter saúde física e emocional para suportar o que estará vindo ainda. Sinceramente, tenho quase nenhuma esperança, mesmo ouvindo Lula guerreiro ontem, mesmo assim, infelizmente.

    17
    1
  5. Excelente artigos.um pais com muitos analfabetos políticos medrosos.que vendem votos.que adoram bezerros de ouro..sem noção . mas tudo tem limites quando Moisés quebra a taboa e castiga seu próprio irmão. E o sinal da mudansa..acorda Supremo

  6. Ora……e quem disse que o tchutchuka esquenta a caneça por causa do terremoto economico?

    Os bancos vão muito bem, e é disso que se trata, deixar os abutres do mercado felizes……assim que venderem tudo, aprovarem a capitalização, ele dá no pé e vai curtir a sua aposentadoria no exterior, com as nossas aposentadorias……já disse isso, não é segredo……..

    O trágico, não comprarem os parlamentares para aprovar a destruição da previdencia, é um governo de vale-tudo, absurdo é os parlamentarem se venderem…………demosntrando total falta de sensibiliddade social e uma falta de vergonha na cara sem tamanho…..um congresso desse, apartado do povo? Podem fechar………..

    Não esperem nada das instituições carcomidas……..cairam de podre……e na mãos dos lojistas (faz tempo que não falo deles, né)…..

    È o pau ou o silencio………..

    21
  7. Nassif, o Brasil não têm instituições. A PGR atua exclusivamente em CAUSA PRÓPRIA, o STF idem, o ministério público ditto, o exército também. Não notou o padrão nos eventos? Como as “instituições” no Brasil só se movem quando são diretamente ameaçadas? JAMAIS em defesa da população ou do país?

    O seu país já foi vendido e pago, tudo o que você pode fazer agora é assistir o desmanche.

    20
    9
    • Somebody.. só falta agora o tio Sam no brindar com curso de inglês gratuito. Seremos obrigados a falar inglês fluente. O mito vai dizer: enfiem o português, essa língua horrorosa, no fiofo.. vcs vão falar inglês e aprender a fritar hambúrguer. Tá oquei. Pq quem manda nessa porra sou eu. Alem do mais, vendi essa porra de porteira fechada com o compromisso desta nação falar inglês…

    • Vendido e pago, pode ser. Mas quem pagou fez papel de bobo porque comprou e pagou a quem não era o dono. E os donos, como não (se) venderam, não vão entregar. Se quiser o dinheiro de volta é só mostrar a quem (e como, onde e quanto) pagou. É só mostrar a cópia do cheque, sim? Mas se não quiser, pode deixar que os donos descobrem.

  8. Concordo e acho que tem ainda um detalhe….me parece que um do pilares de apoio do gov Bolsocoiso é o gov do grande irmão do norte….Trump, trocando em miúdos….ano que vem tem eleição nos isteitis…….se Trump perde, Bolsonaro, acho, vira “abobora” sem precisar bater meia noite….tipo vampiro no sol…..vira pó imediatamente…….e os generais “pijamudos” serão os primeiros a tirar o time de campo…..

      • Detestavel filho da puta, isso sim. Espero nunca mais ouvir o nome desse hipocrita: voce sabia que 30 milhoes de dolares foram desviados da bicharada do governo daqui durante a gestao dele… para que nao me beneficiassem?

        So que eu nem queria e nem aceitaria dinheiro de sangue. Eu so queria ter chance de pensar um puto pensamento com comeco, meio, e fim. Nem isso a putada dele deixou. E entao votei no Trump e a coisa piorou. E o que eu quero, realmente, eh contar os mortos deles, a esse ponto. So isso.

      • Tentar submeter outros países é política de estado dos EUA. É algo religioso, até: chama Destino Manifesto, uma entidade etérea, de existência metafísica. Nem Bernie Sanders nem nenhum cidadão daquele país está livre disso.

        “Bernie Sanders”, rs… magina que o sistema de lá deixaria chegar perto do poder institucional alguém que titubeasse me usar armas para submeter outros países. E por “armas” podemos entender desde armas física até “lawfare” passando por “soft power”, cinema, música, bobagens bonitinhas para consumo e mesmo tecnologia.

        A crença de que os EUA devem liderar o mundo – façam o que fizerem para tentar isso – vai muito além de sua racionalidade e está presente nos corações e mentes de todos os estadunidenses, mesmo nos mais pacíficos. Isso está no imaginário popular daqueles cidadãos tão profundamente que até as críticas à beligerância unilateral e terrorista param na segunda página. Depois do Vietnã, o pessoal que ganha dinheiro vendendo armas e segurança caprichou na doutrinação do cidadão de lá. Algo como “não concordamos com a guerra mas apoiamos nossos heróis fardados mesmo quando cometem crimes.”

  9. “Espera-se que, desta vez, não falte coragem e espírito público aos Ministros do Supremo Tribunal Federal.”

    Valeu, Nassif! Valeu mais uma vez a torcida!

    Porém, o outro lado, o do golpe, também tem “expectativas”. Ou seja, não espere você muita coisa de golpistas, ainda mais chantageados e tutelados por mídia, mercado e generais. Também eles já passaram do ponto de retorno ha muito, não foi só o boçalnaro que desembestou.

  10. Brasileiro só vai acordar quando tiver seu suado dinheirinho retido…
    tudo caminha para algo muito parecido, mas dessa vez não será como o Collor fez, alguns serão avisados, os de sempre, os amigos, os milicos, os familiares e os milicianos

  11. Brasileiro só vai acordar quando tiver seu suado dinheirinho retido…
    tudo caminha para algo muito parecido, mas dessa vez não será como o Collor fez, alguns serão avisados, os de sempre, os amigos, os milicos, os familiares e os milicianos

  12. Nassif otimista demais, como sempre.
    Se tem uma coisa que eu aprendi de 2013 pra cá é que das instituições, empresariado, FFAA. mídia tradicional, 90% da classe média et porcaria é tudo m***a formada por imbecis congênitos, crônicos e incuráveis. Não tem jeito, é tudo lixo. Tudo imbecil. Todos IDIOTAS. TODOS.
    Foi esse lixo que elegeu Bolsonaro.
    Desse lixo não se deve esperar nada.
    Não confio mais nessa porcaria toda nem quando estiverem fazendo a coisa certa.

    11
  13. “Jair Bolsonaro se tornou uma jamanta sem freios em uma ladeira”:

    Jamanta nao eh onanista, Bolsonaro eh.

    O exemplo animal mais proximo que achei foi o das baratas cujas crias comem as fezes das maes por nao terem outra maneira de se alimentarem ate adultas.

    4
    1
  14. Como o presidente do stf ja declarou que sustou um impeachment, e que a CF88 deve ser “desidratada”, pode esquecer qualquer ação desse pessoal contra Bozo…

    Eles não tem poder algum, não precisou nem de um cabo e um soldado para que se acovardassem. Cassar a chapa do caixa 2 do whatsapp? Nunquinha. Julgar o merito do golpeachment? Nunquinha. Julgar bozo pelos crimes comuns que vem cometendo? Pode esperar deitado.

    Eles não tem coragem nem de enfrentar Moro com todos os crimes divulgadas pela vaza a jato…

  15. Num regime democrático a maneira de governar é avaliada periodicamente e a continuidade ou não decidida no voto. Se o governo é apenas ruim, paciência, ele foi escolhido, aguarda-se o final do período, todos pagam mas todos (a maioria) são culpados. Se o governo enganou os eleitores de boa fé e se tornou criminoso há o impeachment para encurtar o período, processo traumático mas facilmente absorvível se verdadeiramente motivado. Em linhas gerais essas são as regras. E num regime golpista como é que se muda a maneira de governar ? Só há uma regra: “Golpecraticamente”. Como não deve haver dúvida de que vivemos sob um regime golpista acreditar que as “Instituições”, a “coragem”, o “espírito público”, mesmo que existissem, mude alguma coisa é sonhar acordado. Daria para acreditar se o “véio” da Havan, os generais Heleno e Vilas Boas, viessem a público e dissessem o que o Nassif diz. Neles I “trusteria”, no Nassif não “trusto” (espero que os incautos entendam isso como um elogio ao brilhante editor). A mudança poderá vir sim, golpecraticamente. Para melhor ? No meu infindável desânimo, desalento e covardia, confesso que qualquer coisa que venha será melhor da que veio. Seja Tommaso Buscetta, o cabo Anselmo, o sargento Garcia ou o general Mourão. Mas que acabe com a maneira “bolsonaro” de “governar”. Não consigo crer em nada pior.

  16. AVISO! AVISO!!! AAAAVVVIIIISSSSSSOOOOOOOO!!!!!

    Sobre o lixo plastico no mar, caso 1:

    20 anos atraz a gente saia de casa pra comprar vasos de plantas, comidas, e os grandoes para roupas e velharias de deixar na garagem. Praticamente todos ai da estao firmes e seguros na garagem.

    Eu morria de pena da minha irma no restaurante em 2004, ela tinha os mesmos containers de plastico que tinha comprado 5 anos antes. Discretamente comecei a comprar containers de plastico pras comidas do restaurante, todos de 3 ou 4 dollares (ela ficava puta!).

    O problema desses containers era que eles ja nao eram o que eu costumava comprar antes, e se autodestruiam em poucas semanas.

    Em mais ou menos 2006 a gente foi comprar alguma coisa ou outra de plastico e ela me deu um esporro assim: “O que??? Plasticos da Wallmart?????? Comigo nao, eles terminam quebrados em poucos dias porque as formulas foram intencionalmente modificadas para que eles se quebrem em pouco tempo! Ou eu compro esse plastico aqui que eh maleavel ou eu nao quero nenhum”. O plastico era o Tupperware. Ai eu notei que os pouquissimos Tupperwares que eu tive, todos, duraram mais de 20 anos com a mesma formula, maleaveis, e sem “quebrar” pois nao foram arquitetados pra quebrar em poucos dias!

    Caso 2: eu usei o mesmissimo tenis preto por uns 15 nos, o da PayLess com velcro de amarrar e nao cordoes. O primeiro estava em oferta e so custou 10 dolares, adorei, usei quase dous anos. Praticamente ate cair aos pedacos. Assim que um par acabava eu comprava outro. O tempo passou… o ultimo que eu tive custou 37 dolares: menos de 2 meses depois eu vou no casamento da minha sobrinha, olho pra baixo, e vi o branco da minha meia em cima do dedao do pe! O quitetadosue tinha sido excelente qualidade agora era uma napinha indigna de sofahs de pobres do Brasil; tinha se quebrado em mil pedacinhos em cima do meu dedao do pe!

    Euso estou RESUMINDO. Tem varios outros casos de plasticos arquitetados pra falharem, caso 2, por exemplo:

    A gente saiu pra comprar uma maquininha de cortar grama no homedepot poucos meses atraz. Primeira vez que usei: parafuso solto. Da parte plastica. Bem no lugar que a machina ta suposta a ser suportada, no cabo!

    Se essa profusao de plasticos NAO eh o que esta infectando os oceanos do mundo eu nao sei o que eh.

    Mas que os plasticos do mundo estao sendo intencionalmente arquitetados pra falharem em poucas semanas, isso estao.

    Sabem de uma coisa?

    Eu ja estava vendo sinais disso NO BRASIL. Em 93 e 94.

    Isso tudo pra dizer pra voces o seguinte: TODAS as instituicoea brasileiras foram intencionalmente arquitetadas para falha em curto prazo.

    TO DAS.

    2
    1
  17. Depois que for aprovada a reforma da previdência, o capitão Bozo perde boa parte da utilidade.
    Para ter o impeachment teria que haver outro crápula do nível do Cunha. Tem que comprar os deputados… então tá difícil.
    Por outro lado, o Bozo tem os milicos do lado dele – esses irresponsáveis.
    Além disso, o Guedes tá fazendo um excelente trabalho ( de destruição).
    O projeto colonizador é esse, infelizmente.
    No fundo, o Bozo merece uma facada “de verdade”.

  18. Os objetivos são esses mesmos, derrubar todas as instituições brasileiras: a Política, a Economia, a Soberania, a Justiça, a Democracia, a Imprensa, os empresários nacionais… tudo. Essa turma está cooptada. E tanto à frente dessas instituições quanto nos escalões mais baixos estão pessoas alinhadas com esses objetivos, achando lindo nos submetermos ao pessoal que emite e controla o dólar. Esses inimigos não poderiam ter escolhido melhor os destruidores locais: Moro, Guedes e Bolsonaro.

    Alguém acredita que a indecência de Bolsonaro será suficiente para que as pessoas do Congresso o derrubem? Bolsonaro pode ser tão indecente quanto quiser, Moro pode ser tão criminoso quanto quiser, enquanto os golpistas não privatizarem tudo, não destruírem tudo, através das instituições nada será feito. Nem pelo Congresso, nem pela Imprensa, nem pela iniciativa privada… por nenhuma instituição.

    Opor-se a isso não é uma decisão fácil porque significa negar valores que vem sendo construídos faz tempo em todos nós. Quem prefere a situação atual se a proposta for a mesma independência que está tentando, por exemplo, a Venezuela? Melhor ceder, como fizeram os dirigente da Grécia? Haverá um momento em que os golpistas se conterão e dirão “não, agora chega… o povo do Brasil precisa respirar.”? Quanto dinheiro e poder é o suficiente, o bastante para essa turma?

    Há quem defenda que o melhor para evitarmos a guerra aberta é esperamos que o consórcio sino-russo destrua o consórcio do dólar – cada vez menor, isso é certo, já que não há mais nenhum país no mundo que não tenha sofrido ataques dos EUA – e que somos resilientes o bastante para aguentarmos até essa queda e só então, começarmos a pensar em recuperarmos especificamente a Petrobras, por exemplo, ou generalizando, nossa soberania, independência e prosperidade… Sei não, a ver o Chile, tem destruição cuja reparação pode demorar muito, muito tempo. O pessoal lá rechaça com muito mais energia a ditadura militar que houve. Mas já viu como está a Educação? A Saúde? A Previdência? A iniciativa privada tomou tudo, ali, e ainda por cima com os empresários ombreando o povo no repúdio a Pinochet. Hipocrisia pouca é bobagem…

    Não que a recuperação desses valores – soberania, independência e prosperidade nacionais – não vá acontecer, um dia. Um dia acontecerá, mas a destruição que estamos vendo pode causar sequelas muito profundas, atrasar em muito a evolução do nosso processo civilizatório.

    Talvez a solução fosse parar o Brasil. Mas sempre haverá quem diga que não tem nada de errado em fazer um curso nos EUA, em visitar aquele país e até em apoiar quem ali defende a Democracia. Mas se nem na própria casa essa turma consegue mandar – que estadunidense, por mais democrata e pacifista que seja, admite que só a perda da hegemonia dos EUA permitirá a paz e a ordem democrática no mundo?

    – “Queremos a paz!”
    – “Mas aí seu país não poderá mais ser a potência que quer ser, hein?”
    – “Ah, não… queremos a paz mas queremos que se realize o nosso destino manifesto: que sejamos o mais poderoso país do mundo. Para isso, deixa conosco que a gente leva a paz ao seu país, tá?”

    E toca mandar irmãs missionárias para “ajudarmos esse pobres liderando-os”… E o pior: toca a gente a aceitá-las.

    Tá fogo… não sei se é mais difícil nos livrarmos da Lei de Gerson ou da nossa permeabilidade ao inimigo que aceitamos que nos lidere. E talvez essas duas coisas sejam faces da mesma moeda. 😉

  19. Nassif,
    Tenho uma hipótese sobre o anestesiamento da população, inerte em relação a essas medidas que lhe surrupiam conquistas antigas, civilizatórias, como as muitilacoes trazidas pela MP da “liberdade econômica”, a reforma da previdência, etc. É quase inacreditável não se ver revoltas massivas contra o fim da folga preferencial aos domingos (com reflexo no setor de lazer e turismo), o fim da desconsideração da pessoa jurídica (os empresários desonestos vão nadar de braçada em seus esquemas de irrigação ao próprio bolso, como sócio, ou a empresas coligadas, jogando todo o “podre” na empresa-balão), o fim da exigência de alvarás sanitários, de licenças ambientais, etc, etc, (sem falar nas tungas previdenciárias). Para mim há uma explicação lógica, fundada em 2 fatores. O primeiro, o ambiente tóxico em que circulam as (des)informações. Houve uma incontrolável exponenciação de “fake news” de um ano, um ano e meio, para cá, em paralelo à instrumentalização danosa das redes sociais, que trouxe, como resultante, o descrédito e o desdém a “notícias” impactantes. Ninguém acredita mais cegamente em nada, e a avalanche de informações, sérias e falsas, importantes e inúteis, interdita a análise crítica e aprofundada de qlqr delas, mesmo as realmente relevantes. As notícias, para valerem alguma coisa, terão que passar pelo teste de São Tomé. O segundo fator, imbricado ao primeiro (pq foi neste ambiente que se forjou e que vem surfando), é o perfil do atual chefe do governo. Claramente bravateiro, mitômano e um tanto aparvalhado, o atual mandatário conta com a simpatia de quem o vê como um inofensivo falastrão, incapaz de cumprir os absurdos e impropérios que desfia, mas engraçadinho, pq o personagem que (convenientemente) incorpora, incomoda e dá um tapa na cara da figura do político tradicional, que a maioria da população foi instada, pela avalanche midiática, a repudiar. Alguém inescrupuloso o bastante para apagar seu histórico e vestir uma máscara de Forest Gump…
    Para alterar mais rápido esse estado de coisas, o grande desafio é bem informar, de modo simples e direto, desenhado mesmo, e com credibilidade (parece que o Intercept, com esse material explosivo, é um que vai seguindo por aí).
    De qualquer forma, esse estado de letargia não deve perdurar: quando os destinatários começarem a sentir os danos concretamente na pele a reação virá. É a estória do São Tomé. Talvez um pouco tarde, alguns danos já irreparáveis, mas virá. Virão os incidentes sanitários e ambientais, os planos de lazer e férias frustrados, o acesso a educação e saúde de qualidade inviabilizados, jornadas irracionais de trabalho e – cerejinha do bolo – um salário, rendimento ou aposentadoria em valor reduzido (quando não um posto a menos de trabalho)…

    1
    1
  20. Não só o país não tem instituições, como as cúpulas dessas instituições não pensam no Brasil como seu país. Os filhos de Dodge, de Moro , de Barroso e de outros moram e estudam for do Brasil. Os filhos deles e eles não cairão em penúria.
    O povo está entregue a do mesmo, mas o povo não é povo, é um amontoado de gente. O Brasil não tem povo e não tem elite, é apenas território e língua. Tem uma esquerda nacionalista mas insuficiente.
    The game is over (para usar a língua do nosso presidente Trump).

  21. Há muito tempo que se vem acreditando na possibilidade de as instituições virem a colocar um freio nisso. Desde que o governo Bolsonaro se iniciou, Nassif bate nessa tecla. Há um porém gigantesco no caminho: as instituições são isso aí que vemos no governo. O STF é isso aí. O Congresso é venal, casa com o governo. O MPF patrocinou a chegada desse sujeito ao governo. O que esperar dessa ordem de coisas? Passaremos, sim, por quatro infelizes anos com esse sujeito. E não sei do que ele será capaz quando for rejeitado nas urnas. Duvido muito que aceite a vitória de um petista – ou, melhor ainda, de Flávio Dino (PCdoB). Vamos ver no que dará. Não me sinto nada otimista. Ainda veremos muitas barbaridades pela frente.

  22. As ilusões caíram por terra,está claro q PESSOAS tomaram para si as Instituições públicas brasileiras,as transformaram em seu bibelô,submetidas a interesses privados, cabe a nós do povão sabermos cobrar mudanças/punições e respeito às leis dos comandantes e protagonistas destas Instituições,sugiro a fixação de um local e hora para manifestar nossa insatisfação em todas as semanas até conseguirmos as mudanças e o cumprimento correto das Leis,o dia da luta poderia ser toda Sexta e ninguém nos seguraria,VIVAAA O BRASIL !!!!

  23. Sobre o controle da PF e PGR via milícias cariocas : veja no Instagram @maria_fro que o motivo é abafar Adriano, que mandou matar Mariele: o Miliciano é ligado a famíglia Bozo : a PF estava prestes a prende lo e daí a intervenção na PF

  24. O Luiz Carlos Azenha publicou isso em sua rede social:
    “O MILICIANO

    Como vocês são ingênuos… Bolsonaro não está preocupado com o Queiroz. Queiroz já assumiu o papel de bode expiatório. Bolsonaro se preocupa com o Adriano, miliciano que empregou mãe e esposa no gabinete do Flávio Bolsonaro.
    É suspeito de mandar matar Marielle. Os sigilos das duas foram quebrados. E se o Adriano for preso? E se o Adriano aparecer morto? Por isso é preciso controlar a PF no Rio. Estamos falando de algo muito, muito mais grave do que a “rachadinha””.

    Acho escandaloso o vínculo de Adriano com Flávio Bolsonaro, muito mais que com o Queiroz. Essa ligação pode ser explosiva, mas a mídia finge que não vê!

  25. O silêncio irredutível decorrente da infame
    indignação contra essa cruel
    fascistização permeia
    esse tempo obscuro.
    Se falo, explodo.

  26. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome