Ataques contra jornalistas aumentaram 23% em 2022

Tatiane Correia
Repórter do GGN desde 2019. Graduada em Comunicação Social - Habilitação em Jornalismo pela Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS), MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Com passagens pela revista Executivos Financeiros e Agência Dinheiro Vivo.
[email protected]

Em pelo menos 41,6% dos casos um dos integrantes da família Bolsonaro estava envolvido, segundo relatório da Abraji

Os ataques contra jornalistas registrados em 2022 aumentaram 23%, chegando a um total de 557 casos – sendo que pelo menos um integrante da família Bolsonaro esteve envolvido em 41,6% deles.

Os dados são de relatório anual divulgado pela Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji), a partir do monitoramento dos casos de violência e de violência de gênero contra jornalistas.

Dos 557 ataques registrados contra trabalhadores da mídia de modo geral, em 145 registros foram vistos traços de violência de gênero e/ou vitimaram mulheres jornalistas.

Os ataques mais comuns foram os chamados discursos estigmatizantes, um tipo de violência verbal que busca minar a credibilidade de profissionais e veículos midiáticos, que somou 61,2% dos alertas em 2022.

A pesquisa destaca ainda o aumento dos episódios de agressões físicas, intimidação, ameaças e/ou destruição de equipamentos, que atingiram 31,2% do total de ataques registrados no último ano – um crescimento de 102,3% em relação a 2021.

Em 56,7% dos casos gerais, os agressores foram agentes estatais, como políticos e/ou funcionários públicos. Quase dois terços (63,4%) dos alertas de 2022 tiveram origem ou repercussão na internet.

A política foi ponto central na violência contra os profissionais de mídia uma vez que 31,6% dos ataques de 2022 estiveram ligados à cobertura eleitoral e 41,6% de todas as agressões monitoradas tiveram envolvimento de ao menos um membro da família Bolsonaro.

“Em suma, o combo política e mídias digitais tem criado um ambiente de insegurança para os profissionais de imprensa no Brasil”, destaca a associação.

Veja mais detalhes na íntegra da pesquisa divulgada pela Abraji, que pode ser acessada clicando aqui

Leia Também

Tatiane Correia

Repórter do GGN desde 2019. Graduada em Comunicação Social - Habilitação em Jornalismo pela Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS), MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Com passagens pela revista Executivos Financeiros e Agência Dinheiro Vivo.

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador