TVGGN: Rogério Andrade é o maior chefe do crime organizado do Brasil, diz jornalista

Apesar da longa lista de acusação de homicídios, bicheiro também é recordista de absolvições e decisões favoráveis da Justiça

Crédito: Reprodução

O advogado André Callegari deixou a defesa do bicheiro Rogério Andrade, que responde por uma série de crimes no Rio de Janeiro, mesmo depois de conseguir uma série de decisões favoráveis na Justiça. 

No comunicado enviado ao Supremo Tribunal Federal (STF), Callegari alegou “motivos éticos” e “divergências estratégicas” para deixar o caso. 

Andrade foi preso em 2022, por ordem da Justiça do Rio de Janeiro, em decorrência da Operação Calígula, do Ministério Público do estado, por chefiar a operação de máquinas de caça-níqueis, bingos e cassinos em bairros da Zona Oeste do Rio de Janeiro. O acusado responde ainda pelo pagamento de propina a policiais para proteger o esquema.

A prisão não durou muito tempo. Quatro meses depois o bicheiro já estava de volta às ruas, porém condicionado ao uso de tornozeleira eletrônica. Mas até desta determinação Andrade foi privado. Na última semana, o ministro Nunes Marques derrubou esta exigência sem ao menos levá-la para apreciação dos demais magistrados. 

Por isso, o programa TVGGN 20H desta segunda-feira (22) contou com a participação do jornalista Chico Otávio, que garante: Rogério Andrade é, segundo suas fontes, o maior chefe do crime organizado no Brasil. 

“Ele era um dos bicheiros que acumula mais acusações de prática de homicídio, embora a gente saiba que essas organizações são esticadas, os assassinatos são terceirizados. Hoje você contrata o escritório do crime para resolver o problema em vez de usar os matadores da sua própria organização. Isso torna a investigação muito mais complicada. Mas ainda assim o Rogério acumula acusações de homicídio e ele também é o recordista de decisões favoraveis”, afirma Otávio. 

Relator

Chico Otávio relata que Andrade recebeu uma série de benefícios do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Agora, conta com decisões do ministro Nunes Marques no sentido de anular provas. “Essa decisão relativa ao uso da tornozeleira, não ter mais essa obrigação, é uma ajuda que parece favorável porque o Rogério solto tem o potencial de constranger testemunhas.”

Como o jornalista lembra, a revogação da obrigatoriedade do uso da tornozeleira eletrônica foi feita de forma curiosa. Relator da ação, Nunes Marques simplesmente determinou a medida, sem consultar os demais ministros do STF para formar maioria. 

Lucros

Além das receitas com máquinas de caça-níqueis, bingos, Andrade teria uma fonte ainda mais lucrativa de receitas. A contravenção atual baseia seus negócios na venda e contrabando de cigarros.

O bicheiro também é patrono da escola de samba Mocidade Independente de Padre Miguel. “É impressionante como eles [bicheiros] precisam das escolas de samba, dessa posição de benfeitores para se legitimar junto à sociedade. Fazem questão de passar pela Sapucaí sob o aplauso popular”, aponta o jornalista. 

Relação com o tráfico

Aparentemente, a relação do bicheiro coexiste com o narcotráfico. “Às vezes eles entram em atrito, às vezes entram em acordo. Sei que existem áreas dominadas pelo narcotráfico onde existe uma rede de caça-níquel. É sabido que essas máquinas são o monopólio da contravenção. Para usá-las tem de ‘pagar chão’ para o bicheiro. Então, se tem maquininha em área dominada pelo tráfico e essas máquinas são dominadas pela contravenção, é de se imaginar que existe um acordo”, acrescenta Otávio.

Em relação ao assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL), o jornalista acredita que haja envolvimento de Andrade no caso, até porque as duas maiores referências no serviço de assassinatos eram os policiais Adriano da Nóbrega e Ronnie Lessa, preso pela acusação de ser o executor do crime. 

Chico Otávio afirma ainda que a terceirização de assassinatos é uma tendência entre os bicheiros, já que dificulta a investigação do caso. 

Confira o programa desta segunda-feira na íntegra:

LEIA TAMBÉM:

Redação

3 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Nassif, não me assusta seu desconhecimento do assunto.

    Mas assusta a exposição que você fez dele.

    Rogério Andrade?

    O maior?

    Nem do Rio.

    7 bilhões é a alegada divida da REFIT junto aos cofres do RJ, como consta no processo de cobrança da PGE.

    Há outras nebulosidades das operações da empresa.

    Resultado?

    Durante a cortina de fumaça da troca do secretário de polícia civil, na encenada queda de braço entre o governador e o presidente da Alerj, trocaram o procurador do Estado.

    O moço teve a empáfia em insistir na cobrança deste e de outros casos, afinal, falta dinheiro, não?

    Rogério Andrade?

    Não fica nem entre os cem Nassif.

    Chefe de crime organizado, digno desse nome, não vai preso, e nem é chamado de criminoso.

    Rogério é mais um bucha …mais uma distração, outro “inimigo número um”.

    Faz isso não Nassif, você é precioso demais para escorregar e cair nessa vala comum de indigências intelectuais.

    PS: isso não quer dizer que o moço da cara deformada por cirurgias não seja perigoso, ele é, claro.

    Mas nem de longe é o verdadeiro perigo.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador