Aumenta a dependência comercial do Brasil em relação à China

Os dados de novembro da balança comercial mostram uma ampliação das relações comerciais entre Brasil e China.

No acumulado de 12 meses, a participação da China nas exportações brasileiras passou de 29,6% em janeiro para 33,88% em novembro. Houve um aumento também nas importações brasileiras, passando de 20,6% para 22,22% no mesmo período.

Ja a participação no superávit comercial passou de 66,58% para 65,22%.

A comparação com o segundo maior parceiro comercial -a União Europeia – mostra melhor o avanço chinês.

A participação nas exportações caiu de 14,5% para 13,61%, das importações de 17,6% para 17,39%; A participação no saldo comercial aumentou de 2,4% para 3,5%, mas ainda assim continuou irrelevante,

Os gráficos de exportações dos 3 maiores destinos comprovam a vitalidade das exportações para a China, em contraposição à perda de dinamismo para Estados Unidos e União Europeia.

De janeiro a novembro, o saldo comercial acumulado de 12 meses aumentou US $12,2 bilhões. A composição desse aumento mostra a influência chinesa.

Sozinha, a China respondeu por US $7,4 bilhões desse saldo, enquanto a Associação das Nações do Sudeste Asiático respondeu por outros US $2 bi.

Os gráficos abaixo mostram o comportamento da balança comercial desses três parceiros.

Com a China, há um aumento consistente das exportações e do saldo, ao contrário dos dois demais parceiros.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  The Economist: A mídia digital de extrema direita abriu caminho para a revolta em Washington

6 comentários

  1. Na guerra biologica que a China vem travando com USA e Europa é melhor manter um bom relacionamento com os chineses!!!

  2. Coitadismo, Fatalismo, ViraLatismo. 90 anos de AntiCapitalismo de Estado. A Dependêrncia não é do Brasil em relação à China. É exatamente o contrário. É a absoluta dependência da China em relação ao Brasil. Sua Segurança Alimentar depende do Brasil. Sua Segurança em Matérias Primas depende do Brasil. Precisamos da China para que? Alimentos? Água? Energia? Combustíveis? Minerais? Enxergamos a Degeneração dos Neurônios que estes 90 anos produziram. Pobre país rico. Mas de muito fácil explicação.

    • Quanta ignorância (e papo repetitivo)! A China, maior economia do planeta em PPP e segunda maior em nominal, caminhando para ser a primeira, é também a maior potência agropecuária do mundo, estando entre os “top” em carne bovina, suína, avícola, soja, milho, trigo, algodão, laranja, cana de açúcar, petróleo, ferro e praticamente absoluta em terras raras (90% do mundo). Isso tudo sendo o 3° maior país em área e primeiro em população.
      A diferença em relação a nós é que não vivem de exportar estas commodities (preferem inclu$ive importar). Vivem de produtos de valor (cada vez mais) agregado, criação de conhecimento, tecnologia de ponta e insumos que o Ocidente precisa até para produzir suas vacinas.
      Ao contrário deste nosso país que produz comentaristas chatos e obsessivamente repetitivos e vazios que acham que um presidente retardado é o máximo tornando seu país cada vez mais dependente de predação, exploração e exportação de materiais naturais de 2 merréis, que depois importamos por milhões de dólares.
      E ainda acha que tem mais de um neurônio (saudável).

  3. Xa…: ‘…seu país cada vez mais dependente de predação, exploração e exportação de materiais naturais de 2 merréis, que depois importamos por milhões de dólares.
    E ainda acha que tem mais de um neurônio (saudável)…’ AntiCapitalismo de Estado. “Indústrias são para a Bélgica”. Eugênio Gudin no Governo Ditatorial Fascista de Getúlio Vargas. E a partir daí. Mas a culpa, esta, deve ser do Presidente que governa há 2 anos. A Doutrinação deve ter aniquilado até aquele Neurônio que ainda funcionava. abs.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome