A pedido do PSL, Maia descarta apoio do PT na Câmara

“O PSL disse que não toparia bloco com PT apenas reafirmei isso”, declarou presidente e candidato à reeleição na Câmara 
 
Foto: Wilson Dias/Agência Brasil
 
Jornal GGN – O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ) rejeitou o apoio do PT. A decisão aconteceu a pedido do PSL, partido do presidente Jair Bolsonaro, e o PT faz oposição ao novo governo.
 
Segundo informações da Folha de S.Paulo, Maia pegou de surpresa parlamentares petistas que estavam dispostos a apoiar sua reeleição na Casa. “O PSL disse que não toparia bloco com PT apenas reafirmei isso”, disse Maia à Folha.
 
O PT conta com 56 parlamentares, a maior bancada, atrás apenas do PSL, com 52, e a falta de apoio do partido pode prejudicar a manutenção de Maia na direção da Câmara. O total de membros da Casa é 513. 
 
“Queremos discutir uma agenda, que é a independência do Poder Legislativo em relação ao Poder Executivo”, declarou o líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (RS), à Folha de S.Paulo.
 
A colunista do G1, Andréia Sadi, confirmou que o PSL foi o pivô da ruptura. O apoio do partido de Bolsonaro à reeleição do deputado do DEM, firmado há uma semana, gerou críticas da presidente do PT, senadora e deputada eleita, Gleisi Hoffmann, que declarou que o partido não apoiaria mais a reeleição de Maia em fevereiro. 
 
“Eu não posso tratar do apoio com a presidente de um partido que não quer meu apoio. Eu acho que a constituição da Casa é a governabilidade de todos. A outra coisa que eu disse é que, no bloco com o PSL, o PT não vai fazer parte”, disse Maia. 
 
Até esta quarta-feira (09), o presidente da Câmara contabilizava o apoio de 12 partidos no seu bloco. Juntos, todos os partidos contam com 262 deputados. O Avante, que reúne sete parlamentares, foi o último a aderir a reeleição de Maia. Mas, o apoio oficial dos partidos não é garantia de que todos os parlamentares do bloco votarão em Maia.  
 
A eleição para decidir a nova composição da Mesa Diretora na Câmara dos Deputados está prevista para 1º de fevereiro, e será em votação secreta. Ontem (09), o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, rejeitou o mandado de segurança, protocolado um dia antes pelo deputado federal eleito Kim Kataguiri (DEM-SP), para que a votação fosse aberta. 
 
 
Ao aceitar o apoio do PSL, Maia também desagradou o MDB e o PP, que estavam reivindicando o mesmo espaço que Maia ofertou ao PSL caso seja reeleito: a presidência na Comissão de Constituição e Justiça e da Comissão de Finanças e Tributação, e a segunda vice-presidência na Mesa Diretora. 
 
Em retaliação, a lideranças desses partidos devem apoiar o principal adversário de Maia na disputa, Fábio Ramalho (MDB-MG). Há três dias, o deputado se reuniu com Bolsonaro para falar de apoio às reformas defendidas pelo novo governo. 
 
O cenário preocupa os partidos de esquerda na casa. Integrantes do PCdoB falam da necessidade de trazer o PT para perto, enquanto parte dos parlamentares do PT estuda lançar uma candidatura de oposição à Maia. O PSOL irá apresentar Marcelo Freixo (RJ) para a disputa.
 

4 comentários

  1. O P$L tá agindo como oposição, ao recusar apoio do PT

    O PSL disse que não toparia bloco com PT. O Maia apenas reafirmou isso. E se o P$L disser que o Maia tem que comer bosta?

  2. Inacreditável

    Não acredito que deputados do PT estejam querendo apoiar esse sujeito. Isso é virar o traseiro para o povo da direita… Parece que os caras do PSL tem mais convicção que os caras do PT…. Inaceitável isso… com gente da direita não tem acordo. Fazem acordo com a direita dividindo a esquerda? O que é isso??? Alguém me explica? 

    Coitado do Lula… Foi-se o Brasil. E sem Lula porque não sai mais da PF com os deputados do PT desse jeito… Lula é refém do sistema.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome