Davi Alcolumbre é eleito presidente do Senado

Foto Fabio Pozzebom – Agência Brasil

da Agência Brasil

Davi Alcolumbre é eleito presidente do Senado

Com 42 votos, o senador Davi Alcolumbre (DEM-AP) foi eleito hoje (2) em primeiro turno presidente do Senado para os próximos dois anos. O principal opositor de Alcolumbre, o senador Renan Calheiros (MDB-AL), retirou a candidatura na tarde de hoje.

Renan Calheiros teve 5 votos. Espiridião Amin (PP-SC) ficou com 13 votos, Ângelo Coronel (PSD-BA) teve 8 votos, Reguffe recebeu (sem partido-DF) 6 votos e Fernando Collor (Pros-AL) ficou com 3 votos.

Senador de primeiro mandato, Alcolumbre teve uma atuação discreta nos primeiros quatro anos de mandato no Senado. Na disputa pelo comando da Casa, revelou-se um hábil articulador, congregando os adversários de Renan Calheiros e os aliados do governo federal.

O novo presidente contou com o apoio do ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, também filiado ao DEM.

Aos 41 anos, o senador estreou na política no início deste século. Foi vereador em Macapá, três vezes deputado federal e chegou ao Senado em 2015. Nas eleições de outubro passado, concorreu ao governo do Amapá e ficou em terceiro lugar.

É um dos mais jovens senadores a assumir a presidência da Casa. 

Eleição

A eleição para a presidência do Senado foi marcada por um embate sobre se a votação seria aberta ou secreta. Ontem (1º), após cinco horas de sessão, a maioria dos parlamentares decidiu pelo voto aberto. Mas uma decisão do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli determinou que a votação deveria ser secreta.

A eleição foi feita em cédulas e teve que ser realizada duas vezes, pois na primeira apuração foi encontrada uma cédula a mais na urna. Após ser suspensa ontem, a sessão começou hoje por vota das 12h.

Leia também:  Privatizações sem autorização do Congresso são crime, define novo projeto

Transparência

Em seu discurso ainda como candidato, Alcolumbre prometeu, se eleito, ampliar a transparência dos atos legislativos e de todos os fatos envolvendo o Senado. “O Senado deve se balizar pelos pilares da independência, transparência, austeridade e protagonismo. Os desafios do atual momento brasileiro são imensos. Por um lado, a complexa crise fiscal exige reformas urgentes a fim de corrigirmos as distorções. Por outro, é preciso reverter a profunda crise política que minou a confiança nos políticos”, disse Alcolumbre, acrescentando que o povo clama por um novo modelo de fazer político. “Mais igualitário, mais democrático e com ampla participação cidadão”.

Em nota, a Presidência da República cumprimentou Alcolumbre e o deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), reeleito ontem (1º) presidente da Câmara dos Deputados. 

“A Presidência da República cumprimenta o Dep Rodrigo Maia e o Senador Davi Alcolumbre pelos resultados obtidos nas eleições das presidências da Câmara e do Senado, consolidando nossa tradição democrática e certos do compromisso das duas casas com os anseios do povo e com o melhor interesse do Brasil.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

10 comentários

  1. ?????????????
    QUEM????
    Mais

    ?????????????

    QUEM????

    Mais uma porra de jeca tatu em posicao de poder???

    O Brasil nao se cansa nao?????

  2. #

    Na foto, parece que o “ilustríssimo” desconhecido, nascido das trevas do acordão do Bozo com os golpistas conhecidos e contumazes, está fazendo a “dança do peru”.

     

  3. ora,ora

    Renan Calheiros tem seus defeitos, e coloca defeitos nisso. Porém, perto desse energúmeno bolsonarista é um grande homem e um grande político. O cara eleito mal sabe se expressar, mal conhece o regimento e parece viver em um mundo à parte. Se é que não vive mesmo, e está até inscrito na excursão do “fim do mundo”, aquela, que vai levar as pessoas até a “borda da terra”!!!!! Resta saber se conseguirão voltar, se,cair no abismo!!!

  4. Mais uma eminência parda

    Esse país virou uma Brumadinho tamanho 2000

    nem camara, nem senado, os trabalhadores serão massacrados pelos próximos 4 anos.

    nasci muito tarde, nem vi o melhor momento em que esse país viveu, já cheguei com o barco naufragando.

  5. A estratégia do PT de

    A estratégia do PT de investir todas as energias na via institucional será inócua. Se o partido quiser sobreviver vai ter que mobilizar o povo e retomar o trabalho de base.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome