Projeto que estipula fim do desmatamento ilegal em quatro anos é aprovado no Senado

O texto altera a Política Nacional sobre Mudança do Clima (PNMC), onde pontua os objetivos para que o Brasil reduza suas emissões de gases do efeito estufa.

Agência Brasil

Jornal GGN – O Senado aprovou nesta quarta, dia 20, o projeto de lei que determina que o governo detalhe as ações para que tenha fim o desmatamento ilegal no país até 2025. Com isso, o compromisso já assumido pelo governo junto à comunidade internacional, é antecipado em cinco anos. O projeto agora vai para a Câmara dos Deputados.

O texto altera a Política Nacional sobre Mudança do Clima (PNMC), onde pontua os objetivos para que o Brasil reduza suas emissões de gases do efeito estufa. Reduzir o desmatamento é uma das maneiras de alcançar o objetivo, e o ilegal precisa ser eliminado.

A meta do país para a contenção de emissões nos próximos quatro anos foi atualizada: 43% até 2025 e 50$ até 2030. Para o cálculo é usado o Inventário Nacional de Emissões e as porcentagens se aplicam tendo como referência o ano de 2005.

A atualização foi necessária pois, sem ela, ia parecer que o Brasil iria emitir 400 milhões de toneladas a mais do que o compromisso assumido. A correção foi de 2,1 bilhões de toneladas para 2,4 bilhões de toneladas.

A meta de redução de emissões é compromisso de todos os países participantes do Acordo de Paris. O Brasil está entre as dez nações mais poluidoras do planeta e o cumprimento da meta, segundo o relator Marcelo Castro, passa pelo combate ao desmatamento.

A senadora Kátia Abreu, autora do projeto, disse que já há acordo para que o texto seja aprovado rapidamente na Câmara dos Deputados, tendo como provável relator o deputado da bancada ruralista Sergio Souza. Ainda segundo ela, o ministro do Meio Ambiente, Joaquim Leite, assumiu o compromisso de apresentar a nova meta brasileira na COP 26 – que é a reunião anual no âmbito da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas -.

Kátia Abreu lamenta a imagem do Brasil nos últimos anos como protetor da Amazônia tenha se deteriorado diante da comunidade internacional. Mas ela acredita que os ventos estão mudando. Além disso, segundo ela, não existe mais acordo comercial sem falar em meio ambiente.

Com informações da Agência Senado

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

2 comentários

  1. Xovê se entendi:
    Estamos discutindo parar crimes daqui a QUATRO anos?
    Salvo erro, cerca de 25% do Pantanal, maior bioma alagável do mundo foi destruído em UM ano (fora o Cerrado e a Amazônia). Em quatro pode não restar nada ou um resquício para a memória.
    Enquanto isso vamos fazer o que?
    Premiar, como estamos premiando, os criminosos com o produto dos seus crimes?
    Crimes que afetam a todos nós e até ao planeta inteiro? Para o benefício de poucos?
    Qual a letra da palavra ILEGAL alguém não está entendendo?

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome