Coronavírus: pesquisa apura nível de propagação do vírus no Brasil

Projeto piloto estruturado pela UFPel teve início em 06 de abril, no Rio Grande do Sul; objetivo é medir imunização da população

Projeto piloto estruturado pela UFPel teve início em 06 de abril, no Rio Grande do Sul; objetivo é medir imunização da população. Foto: Sayonara Moreno/Agência Brasil

Jornal GGN – O Centro de Epidemiologia da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) deu início a um projeto que mensura o nível de imunização da população brasileira ao coronavírus, para identificar de que forma o vírus está se propagando pelo país.

A pesquisa tem o apoio do Ministério da Saúde, que disponibilizará testes rápidos de coronavírus para a instituição, além de apoio para contratação de uma empresa de pesquisa que fará as entrevistas.

Cerca de 33 mil pessoas de 133 municípios brasileiros serão submetidas ao teste rápido que detecta a presença de anticorpos IgM (de infecção mais recente) e IgC (de infecção mais antiga) a partir de amostras de sangue coletadas. De acordo com o ministério, o trabalho deve esclarecer três questões sobre o vírus no Brasil: o número de infectados, a velocidade com que o vírus tem se espalhado e a taxa de letalidade da covid-19 na região.

O projeto piloto teve início no dia 6 de abril, no Rio Grande do Sul. Os pesquisadores dividiram o território gaúcho em oito regiões intermediárias definidas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE): Porto Alegre e Região Metropolitana, Pelotas, Santa Maria, Uruguaiana, Ijuí, Passo Fundo, Caxias e Santa Cruz do Sul/Lajeado.

Segundo informações da Agência Brasil, o ministério acredita que o resultado do estudo vai viabilizar a criação de políticas públicas mais eficientes e baseadas em critérios científicos sobre o comportamento do coronavírus no território brasileiro.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Governadores não querem "guerra na Federação", mas vão garantir a vacina, reage Flávio Dino

1 comentário

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome