CPI quebra sigilo de membros do gabinete paralelo, Pazuello e Ernesto Araújo

Senadores pretendem encontrar provas sobre o grau de envolvimento de Jair Bolsonaro em decisões que culminaram no fracasso ao enfrentamento à pandemia

Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

Jornal GGN – A CPI da Covid aprovou nesta quinta-feira (10) a quebra de sigilo telemático dos ex-ministros Eduardo Pazuello (Saúde) e Ernesto Araújo (Relações Exteriores), além de nomes envolvidos no chamado “gabinete paralelo”, como a médica Nise Yamagushi, o empresário Carlos Wizard, a médica conhecida como “capitã cloroquina, Mayra Pinheiro, e o assessor especial Filipe Martins.

Francieli Francinato, coordenadora do Plano Nacional de Imunização, Elcio Franco, ex-secretário-executivo do Ministério da Saúde (braço direito de Pazuello), além das empresas PPR, Calia, e Artplan (todas com trabalhos junto à SECOM), também entraram na lista de sigilos quebrados.

Com a quebra de sigilo, os senadores pretendem encontrar provas sobre o grau de envolvimento de Jair Bolsonaro em decisões que culminaram no fracasso ao enfrentamento à pandemia. Para a CPI, o gabinete paralelo instruiu o presidente a apostar na imunidade de rebanho, adiar compra de vacinas duvidando da eficácia e segurança dos imunizantes em desenvolvimento, além dos investimentos em produção e distribuição de hidroxicloroquina.

A CPI estava programada para ouvir o governador do Amazonas nesta quinta, mas amparado por um habeas corpus concedido pelo Supremo Tribunal Federal, Wilson Lima decidiu não comparecer. Seu governo é investigado pela Polícia Federal por supostos desvios na Saúde durante a pandemia.

Leia também: “CPI não quer chegar na corrupção. Continua focada no espetáculo”, diz Helena Chagas

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome