Telegramas mostram que Pazuello ofereceu ‘tratamento precoce’ à OMS

Oferta foi feita em setembro, segundo documentos enviados à CPI da Covid; em outubro, OMS divulgou estudos descartando uso da cloroquina

O ex-ministro Eduardo Pazuello. Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

Jornal GGN – Em meio aos debates de adesão ao consórcio Covax Facility, o então ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, ofereceu ao diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom, o compartilhamento do protocolo de tratamento precoce desenvolvido pelo Brasil.

A proposta consta de telegrama do Itamaraty enviado à CPI da Pandemia e publicado pelo jornal O Globo. Em resposta, Tedros mostrou interesse diplomático no protocolo mencionado por Pazuello, mas a OMS reiterou em meados de outubro, por meio de estudos científicos, que o tratamento com medicamentos como cloroquina e remdesivir não era recomendado contra a covid-19.

Embora diversos estudos tenham descartado o uso de cloroquina e hidroxicloroquina no combate ao vírus, o governo brasileiro insistiu em tais remédios como um “kit Covid”, também denominado “tratamento precoce” – defendido inclusive pelo presidente Jair Bolsonaro desde o começo da pandemia.

O presidente brasileiro também criticou as medidas recomendadas pela OMS em diversas oportunidades, principalmente a defesa do isolamento social, ao ponto de dizer que a Organização Mundial de Saúde é “o que menos tem de ciência”, e que a organização “não acerta nada”.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome