A narrativa mais lógica do caso Ronaldinho: lavagem de dinheiro 

Malu Aires tem a melhor explicação sobre o caso Ronaldinho 

Foto G1

Por Malu Aires, pelo Facebook

Caso Ronaldinho:

Os irmãos Assis já são velhos conhecidos de trambiques, evasão de divisas, fraudes fiscais maquiadas de filantropia e essas maravilhas que só craques da bola fazem e nunca pagam pelos crimes.

Por isso, a “paixão nacional”. Apaixonados, os brasileiros nem percebem que, a cada lance e drible, são feitos de IDIOTAS. Cada passe milionários de clube a clube, é equivalente a milhões de dólares em lavagem de dinheiro do crime organizado. 

Novidade? Nenhuma. Mas a paixão é cega.

Pois bem.

Os irmãos pilantras foram ao Paraguai onde abririam nova ONG de fachada. Mandaram fazer documentos falsos pra abertura da ONG fantasma. Marcaram encontro com a quadrilha especializada, num hotel de luxo ligado a um cassino (onde malas de dinheiro entram e saem). Foram recepcionados por uma agente pilantra que encomendou até evento de fachada, com crianças paraguaias, pra disfarçar o movimento. 

Já estava tudo armado. O trio abriria uma “fundação” no Paraguai, para LAVAR DINHEIRO. Usando a pilantropia como disfarce, clubes, TVs (fábrica de ídolos de araque) e credenciais do governo brasileiro (Ronaldinho é embaixador do esporte, caso perguntem o que ele tanto conversa com o Bolso). 

A quadrilha especializada em lavagem de dinheiro, opera com um Cassino (Il Palazzo) de um brasileiro (Nelson Luiz Belotti dos Santos), lavador de dinheiro conhecido do seu Moro, desde Banestado, passando por Farsa Jato. 

O dinheiro entra no cassino, vira “sorte” no jogo e sai limpo – truque velhíssimo que ninguém contesta (muito menos seu Moro). 

Seu Moro quis acompanhar o caso dos pilantras que apoiam o traste que todos os pilantras ajudaram a eleger (inclusive, o traste anda falando de cassinos, no Brasil). Seu interesse, na certa, é saber até onde essa história vai respingar na sua cara (de paisagem), com doleiros e lavagem de dinheiro, desde tenra idade no crime da super-toga. 

Então, meus queridos, aquelas cenas dum craque se fodendo com algemas, não é só sobre falsificação de documentos. É sobre lavagem de dinheiro, crime organizado, golpe financeiro, uso de filantropia pra bandidagem milionária e participação de “empresários” na evasão de divisas.

Agora é torcer pelo Paraguai, para que a justiça de lá faça 7×0 no time de golpistas brasileiros. 

E que os irmãos pilantras padrão FIFA, depois desse péssimo lance, passem a bola pra gente descobrir quem é o juiz Moro na história dos crimes de lavagem de dinheiro no Brasil. 

Ué, o que Moro tem a ver com isso?

Desde que vestiu a toga, o juiz malandro opera numa Vara que atende aos crimes da tríplice fronteira. Em todas as investigações sobre crimes financeiros, passando dinheiro (através de doleiros) pelo Paraguai, Moro atuou nos casos, embaralhando toda a investigação e mantendo os peixes graúdos longe dos holofotes e da justiça. 

Moro foi chamado por Bolsonaro, por sua maior especialidade: lavagem de dinheiro. 

Isso não é um governo. É crime organizado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Integrantes da Economia recebem acima do teto do funcionalismo

10 comentários

  1. Banestado, d.messer, a.youseff, farsa a jato … E o marreco fazendo o papel que o Itamaraty deveria fazer…
    Aí tem…

  2. Precisão cirurgica!

    “Eu fui fazer um samba em homenagem
    À nata da malandragem
    Que conheço de outros carnavais
    Eu fui à Lapa e perdi a viagem
    Que aquela tal malandragem
    Não existe mais

    Agora já não é normal
    O que dá de malandro regular, profissional
    Malandro com aparato de malandro oficial
    Malandro candidato a malandro federal
    Malandro com retrato na coluna social
    Malandro com contrato, com gravata e capital
    Que nunca se dá mal

    Mas o malandro pra valer
    – Não espalha
    Aposentou a navalha
    Tem mulher e filho e tralha e tal
    Dizem as más línguas que ele até trabalha
    Mora lá longe e chacoalha
    Num trem da Central…”

  3. Pois é, até agora ninguém se espantou com a jogatina estatal acumulando sempre, chegando a centenas de milhões em prêmios….. estranho.

  4. Certo, mas tem um porém.

    Para toda lavagem de dinheiro existe o CRIME ANTECEDENTE, que é o crima com o qual se ganhou o dinheiro que será posteriormente lavado.

    Qual é o CRIME ANTECEDENTE do Ronaldinho Gaúcho e seu irmão ?

    Alguma sugestão ?

  5. Gostaria tanto de ver essa corja toda pagando todos os seus crimes atrás das grades o mais rápido possível…
    Ainda tenho esperança de ter essa alegria!!!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome