Explicação de Flávio Bolsonaro está prejudicada por dados revelados por jornal

Se as matérias da Folha estão correta, Flávio tomou um empréstimo de R$ 1 milhão da Caixa para quitar um apartamento comprado na planta, em 2014, por R$ 565 mil

Somente a investigação do MP-RJ poderá dizer se Flávio falou a verdade na Record ou se os R$ 96 mil que entraram no seu bolso têm origem nos saques feitos da conta de Queiroz

Jornal GGN – A explicação que Flávio Bolsonaro deu em entrevista à Record, na noite de domingo (20), ficou prejudicada por uma reportagem feita pela Folha de S. Paulo há exatamente 1 ano e por outra matéria, publicada nesta segunda (21), com base em documentos obtidos em cartórios do Rio de Janeiro.

Se as matérias da Folha estão correta, Flávio tomou um empréstimo de R$ 1 milhão da Caixa para quitar um apartamento comprado na planta, em 2014, por R$ 565 mil.

Na entrevista à emissora do Bispo Edir Macedo, Flávio disse que o dinheiro vivo que o ex-motorista Fabrício Queiroz depositou em sua conta bancária – total de R$ 96 mil, fracionado em 48 depósitos de R$ 2 mil – tinha origem na venda de um apartamento que ele havia adquirido com financiamento da Caixa Econômica Federal.

Ele não quis dar detalhes ao jornalista da Record, mas a Folha trouxe à tona números que lançam ainda mais dúvidas sobre a versão de Flávio.

O IMÓVEL NA LARANJEIRAS

O apartamento em questão fica no bairro Laranjeiras, no Rio de Janeiro. Segundo a Folha de 7 de janeiro de 2018, Flávio declarou, em 2014, ter comprado o apartamento por R$ 564 mil. Em 2016, o mesmo imóvel comprado na planta foi declarado por R$ 846 mil, e o ex-deputado afirmou à Justiça Eleitoral que detinha 50% (ou R$ 423 mil) da propriedade na Rua Pereira da Silva, nº 197. A unidade valorizou-se mais duas vezes: terminou registrada por R$ 1,7 milhão e foi vendida por R$ 2,4 milhões.

Leia também:  As mensagens cifradas de Rosangela Moro

A Folha usou este caso para ilustrar uma matéria sobre como Flávio ficou rico no mercado imobiliário, em atividades paralelas ao mandato de deputado estadual. 

Segundo a explicação de Flávio na Record, para comprar o apartamento na plata – que não quis informar endereço nem valor específico – ele recorreu aos “juros mais baixos” da Caixa para financiar cerca de R$ 1 milhão. 

Quando vendeu o apartamento, o pagamento foi feito por meio de uma permuta: ele recebeu uma sala comercial (a Folha não revela o valor mas, para fechar a conta dos R$ 2,4 milhão, a sala deveria custar cerca de R$ 300 mil), um apartamento na Urca de R$ 1,5 milhão e – o dado que Flávio “esqueceu” de contar na Record – mais R$ 600 mil em dinheiro, sendo um cheque de R$ 50 mil e R$ 550 mil em espécie.

É desse montante de meio milhão de reais em dinheiro vivo que Flávio indicou ter tirado os R$ 96 mil que Queiroz depositou, picado, na conta do senador.

É de se perguntar se Flávio pediu para o ex-motorista depositar o total de R$ 550 mil com esse método fracionado, considerado suspeito pelas autoridades por ser um dos métodos de lavagem de dinheiro, ou como guardou ou aplicou a diferença.

O senador diz que a imprensa não é o foro certo para ser totalmente transparente, mas o Ministério Público. Ao mesmo tempo em que se queixa dos vazamentos e da “falta de oportunidade” para se explicar aos promotores, Flávio evita ir aos depoimentos agendados por estratégia de sua defesa. E ainda recorre ao Supremo Tribunal Federal para tentar anular as provas da investigação contra si e contra Queiroz, alegando ocorrência de supostas arbitrariedades.

Leia também:  General volta à carga contra julgamento de prisão em segunda instância

Não é dado menor que Queiroz é investigado pelo Ministério Público do Rio no caso Coaf pela suspeita de operar uma “conta de passagem”, ou seja, ele recebia diversos depósitos em dinheiro, de outros funcionários e ex-funcionários da Assembleia do Rio, em sua conta e, no mesmo dia ou poucos dias depois, sacava o dinheiro no caixa eletrônico da própria Alerj.

Somente a investigação do Ministério Público poderá dizer se Flávio falou a verdade na Record ou se os R$ 96 mil que entraram em seu bolso têm origem nos saques feitos da conta de Queiroz.

Certo é que, em 2017, segundo a Folha desta segunda (21), Flávio vendeu apenas 1 apartamento por R$ 2,4 milhão. Na declaração de bens à Justiça Eleitoral em 2018, seu patrimônio total era de R$ 1,7 milhão. Constam, entre outros ativos, investimentos que somam R$ 558 mil, uma sala comercial por R$ 150 mil e um apartamento na Tijuca (endereço não especificado) por R$ 917 mil. 

Há ainda uma cota de R$ 50 mil numa loja de chocolate (Kopenhagen) que fica num shopping no Rio. Flávio divide a empresa “Bolsotini” (nome jurídico), que tem capital de R$ 200 mil, com apenas mais um sócio, Alexandre Ferreira Dias Santini.

O IMÓVEL NA BARRA

Há ainda outras informações reveladas pela Folha que não batem claramente com o declarado por Flávio à Justiça Eleitoral.

Na declaração de 2016, está registrada a fatia de 50% de um apartamento na Avenida Lúcio Costa, nº 3.600, pelo valor de R$ 851 mil. O total do valor deveria ser, portanto, equivalente a R$ 1,7 milhão, mas a Folha desta segunda (21) aponta que Flávio comprou este imóvel por R$ 2,55 milhões, de acordo com documentos obtidos em cartórios.

Leia também:  Crise do PSL ameaça governabilidade da gestão Bolsonaro e pode travar pautas de reformas

Para essa compra, tomou outro empréstimo, só que do Itaú, no valor de R$ 1,074 milhão.

OUTRAS VENDAS

Entre 2014 e 2017, Flávio vendeu outros dois apartamentos, sendo um em Copacabana e outro também na Urca, e levantou um total de R$ 2 milhões com as duas transações. A esposa dele detém metade do patrimônio. O percentual de Flávio neste ganho não está registrado claramente na declaração à Justiça Eleitoral em 2018.

A Folha ainda lembrou que Flávio já negociou 19 imóveis em 13 anos, sendo 12 deles salas comerciais do edifício Barra Prime.

Todas as 12 salas foram vendidas de uma só vez para a mesma empresa, a MCA Participações, que tem entre os sócios uma firma no Panamá.

As salas foram negociadas em novembro de 2010, numa “transação relâmpago”, pois Flávio havia adquirido 7 das 12 salas apenas 45 dias antes. Segundo o jornal, só com essa venda ele lucrou R$ 300 mil.

O senador pode dizer que é empresário porque tem um loja de chocolates no Rio, mas é nos negócios imobiliários que Flávio precisa se esforçar mais se realmente está tentando ser transparente e se livras das críticas.

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

11 comentários

  1. Da serir me engana que eu aceito
    Ninguém estranhou as notas fiscais da reforma que nao houve no triplex atribuido a Lula em sp que era de uma construtora que nao é do parana serem de empresas de curitiba nem a ligação dessas empresas com os procuradores, doleiros, dirigentes da construtora nem do proprio juiz inquisidor Moro

    Agora a operação abafa vai fabricar justificativas pra blindar Flavio:

    https://www1.folha.uol.com.br/amp/poder/2019/01/comprador-confirma-que-deu-dinheiro-para-compra-de-imovel-de-flavio-bolsonaro.shtml

  2. esse endereço é de prédio residencial

    Bolsonaro Digital LTDA – ME – CNPJ: 27.516.314/0001-06

    Razão Social: Bolsonaro Digital LTDA – MEData de Abertura: 10/04/2017Tipo: MATRIZSituação: ATIVANatureza Jurídica: 206-2 – Sociedade Empresária LimitadaCapital Social: R$ 1.000,00 (Hum mil reais)Atividade Principal: 73.19-0-03 – Marketing direto

    Endereço

    CEP: 20.541-901Logradouro: R Dona Maria 71Complemento: Apt 503 Blc 01Bairro: Vila IsabelMunicípio: Rio de JaneiroUF: RJTelefone: (21) 2275-3522

    Quadro de Sócios

    Sócio: ROGERIA NANTES BRAGA BOLSONARO 49-SócioSócio: FLAVIO NANTES BOLSONARO 22-SócioSócio: JAIR MESSIAS BOLSONARO 22-SócioSócio: CARLOS NANTES BOLSONARO 22-SócioSócio: EDUARDO NANTES BOLSONARO 22-Sócio

     

  3. A empresa que intermediou

    a compra e venda do imovel é, sem brincadeiras por favor; Laranjeiras Empreendimentos Imobiliarios.

    Sediada no interior de SP.    O que ela faz intermediando a compra de imoveis no Rio ?

    Segundo consta, o Laranjal, digo, a Laranjeiras esta fechada faz um bom tempo

  4. Bozo usou viajou a Floripa por conta da viúva
    Tentando justificar 48 depósitos em dinheiro vivo na sua conta bancária, num curto período de tempo, o Flávio Bolsonaro disse:

    “No meu gabinete, no meu gabinete não! E se eu soubesse de alguém que tivesse cometendo isso, eu era o primeiro a denunciar e mandar prender. Porque todo mundo sabe, quem me conhece, quem me acompanha no dia a dia, sabe que não tem sacanagem comigo. Se eu quisesse dinheiro, eu não tinha aceitado (SIC) algumas ofertas, tranquilas, de doação eleitoral pra minha campanha, bonitinhas, de empresários que queriam ajudar ao Brasil. Recusei milhões de doações de campanha. Não quero, e digo mais: em alguns períodos no meu gabinete, cargos ficaram vagos. Se eu tivesse intuito de ganhar dinheiro com isso, acha que eu ia deixar cargo vago?”

    Se o Flávio Rachid Bolsonaro não quisesse dinheiro alheio, ele teria viajado para Floripa, prá cuidar de seus interesses pessoais, com verbas da cota parlamentar?

  5. É mais fácil ele ser condenado por enxugar as lágrimas…

    É mais fácil ele ser condenado por enxugar as lágrimas de crocodilo na bandeira brasileira…

    Tivéssemos generais de verdade esse crime seria punido, com certeza…rs

    (será que assoou o nariz tb?)

  6. Comprador de imóvel confirma versão Flaviana
    O suposto comprador do imóvel do Flávio Bozo confirma pagamento em espécie de CERCA de 100 mil reais ao Flávio Bolsonaro. O Fabrício Queiroz também confirmou que depositou 24 mil na poupança da Dona Micheque a título de pagamento do empréstimo que o Bolsonaro disse que lhe concedeu.
    Tá tudo esclarecido e confirmado. Só faltam as provas dos esclarecimentos e das confirmações. Será que é pedir demais?

  7. Essa estória é bastante prauzíveu
    Durante todos os dias dos depósitos, os quais totalizaram 96 mil reais, a agencia bancária da Alerj estava sempre fechada.
    Falta o Flávio Bolsonaro comprovar o recebimento de 504 mil reais da venda do apartamento.
    A Globo ataca por um lado, a Record escuda por outro.
    Se a Globo for derrotada nesse duelo, os Bozos vão fechar completamente a torneira financeira para o Clã Midiático Marinho

  8. Só o ôme

    Por sorte o Bozo é um Rei Mierdas, tudo que toca, diz ou pensa transmuta-se em bosta. Uma força sobrenatural tá na cagunda (ombro) dele manietando seus movimentos. Prá se livrar do encosto só renegando Mais Cedo & Mala Cheia e procurar um terreiro, vestir saia, ser defumado e ouvir o galo cantar três veis, e dicorar o samba Só o ôme, de Noriel Vilela … reiche, baticumbum, mô Pai!

     

  9. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome