Imprensa francesa: “Lava Jato gate” mancha ainda mais a imagem de Moro

“Lava Jato gate” é destaque na imprensa francesa nesta terça-feira, 11 de junho de 2019

Fotomontagem RFI/ José Cruz/Agência Brasil

da RFI

Imprensa francesa: “Lava Jato gate” mancha ainda mais a imagem de Moro

A “Lava Jato gate” é destaque na imprensa francesa nesta terça-feira (11). Para Le Monde, a revelação de conversas entre o ex-juiz Sérgio Moro e o procurador Daltan Dellagnol “mancham um pouco mais” a imagem de Moro.

O diário ressalta que a reputação do ex-juiz é cada vez mais contestada “desde que ele entrou para o governo de extrema direita de Jair Bolsonaro”, após ser o “xerife” que protagonizou a “queda” do ex-presidente Lula em pleno período eleitoral. A troca de mensagens, divulgada pelo site Intercept, sugere que as investigações se orientaram para impedir o retorno ao poder do “herói” da esquerda, escreve Le Monde.

Os conselhos diretos de Moro aos investigadores afrontam a Constituição. Além disso, as conversas reveladas entre os procuradores da mais importante operação contra a corrupção já realizada no Brasil indicam que eles queriam impedir a volta do PT ao Planalto.

Imparcialidade questionada

“Lula foi vítima de uma armação?”, questiona o jornal Libération, que fala em caso “explosivo” e nota que a imparcialidade de Moro sempre foi questionada, assim como os seus métodos de atuação e seus “abusos”.

“A cruzada anticorrupção do juiz interiorano suscitou, em um primeiro momento, a empatia da opinião pública. Mas, logo, percebeu-se que o seu alvo privilegiado era o Partido dos Trabalhadores, embora todas as forças políticas do Brasil pareçam ter se beneficiado da generosidade da Odebrecht”, assinala Libération.

O diário observa ainda que “a máscara caiu” quando, entre os dois turnos da eleição presidencial, o ex-juiz foi anunciado como futuro ministro da Justiça de Bolsonaro.

Leia também:  "Por que Moro não tinha interesse nos telefones de Cunha, mas no iPad do neto de Lula?"

Os dois jornais ressaltam que as conversas não provam que Lula é inocente, embora atestem a fragilidade das provas utilizadas para a condenação do ex-presidente.

Caso de estudo

Já L’Humanité vai além e diz na manchete que “a Justiça está em cruzada contra Lula”, e as revelações provam o caráter político da investigação que resultou na prisão do petista. “A Operação Lava Jato vai continuar a ser um caso de estudo assustador para os estudantes brasileiros nas próximas décadas, sobre a desintegração democrática da nona potência mundial e a transformação do Judiciário em ator político de primeiro plano”, afirma L’Humanité.

“Bolha midiática ou bomba-relógio para a Justiça e o governo? Ninguém pode avaliar o potencial do caso, (…) mas poucos duvidam dos estragos que ele terá na carreira de Sergio Moro, que corteja um posto na Corte Suprema”, frisa Le Monde.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. Eu já sabia!… Quando, em 2014, suspendeu as atividades das grandes construtoras envolvidas no esquema de corrupção, provocando e iniciando o crescimento do desemprego no país, eu já sabia !… Quando foi descoberto que recebia auxílio-moradia indevidamente (já era proprietário de imóveis residenciais), eu já sabia!… Quando, em férias, voltou de Portugal para tentar anular a decisão de um juiz de Instância superior em favor de Lula, eu já sabia? Tem tanta coisa que eu já sabia ! . . .

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome