Joaquim Silvério dos Reis, o Patrono dos delatores, por Motta Araújo

Por Motta Araújo

JOAQUIM SILVÉRIO DOS REIS,  PATRONO DOS DELATORES – Em 15 de março de 1789, 4 meses antes da Revolução Francesa, o fazendeiro e contratador Joaquim Silverio dos Reis entrega ao Visconde de Barbacena o nome dos Inconfidentes que conhecia porque era ele um dos Inconfidentes.

Em troca, pois era uma delação premiada, a primeira registrada no território, Silvério dos Reis recebeu a promessa de recomepensas, quais seriam, uma certa quantidade de ouro, o perdão das dívidas fiscais, a nomeação para o cargo de Tesoureiro das províncias de Minas Gerais, Goias e Rio de Janeiro, uma mansão para moradia, pensão vitalícia, título de Fidalgo da Casa Real, fardão e hábito da Ordem de Cristo, um encontro em Lisboa com o Príncipe Regente Dom João. Não se sabe se as promessas foram cumpridas.

Silvério dos Reis sofreu atentados no Brasil porque sua fama de traidor correu rápida, com o que fugiu para Lisboa, voltando ao Brasil com a comitiva do Rei Dom João VI em 1815. Foi para o Maranhão, onde sua mulher tinha raízes e lá faleceu em fevereiro de 1819, seu nome ficou para a História como o maior dos traidores,

A delação é um veneno corrosivo que mina a sociedade, destrói a confiança nos negócios, quebra o indispensável clima de boa fé que possibilita empreendimentos, gera custos econômicos, sociais e politicos que se depositam no solo, qual mercúrio em águas de lagoas, é um ato essencialmente mau, do qual nada de bom decorre.

A delação é a base da Operação Lava Jato, cruzada que levará o Brasil à sua maior recessão desde 1929, com desemprego em massa nos estaleiros, nos portos e cidades que atendem à Petrobras, nas demais obras das empreiteiras não relacionadas a petróleo, nos bancos onde as empreiteiras devem 100 bilhões de Reais, faz lembrar das confissões dramáticas que foram extraídas pelo Senador Joseph MacCarthy sob tortura psicológica na Comissão de Atividades Anti-Americanas do Senado, que quase liquidam com a democracia americana, não fosse o Senador desmascarado como um falso moralista, na realidade um carrasco vulgar vingativo e sem escrúpulos.

Se a corrupção é indiscutivelmente um mal a ser combatido com boa governança e  sistemas de controle, a escandalização dessa corrupção destruiu o crédito nacional e internacional da empresa, seu rating, sua imagem, expectativa de futuro, o valor de suas ações e sua capacidade de levantar recursos para investimento.

Os danos que esses venenos trazem ao País superam largamente qualquer suposta vantagem para processar e encarcerar gente,  o malefício do remédio é infinitamente maior que os danos da doença.

59 comentários

  1. O texto é bom, só discordei

    O texto é bom, só discordei do ” …destrói a confiança nos negócios, quebra o indispensável clima de boa fé”.

    Imagino a negociação de dois bandidos fazendo um negócio de boa fé(sem contrato), aí um dele fraqueja e sente uma dúvida: “será que ele vai me entregar?”…ele para, pensa e diz “melhor não fazer negócio”…isto gera desemprego na bandidagem, freia a distribuição de recursos e o pagamento dos impostos de branqueamento, penaliza o doleiro e o banqueiro, acaba com o diretor da empreiteira e gera danos morais aos familiares que não podem mais viajar para Paris sem serem reconhecidos.

    O problema gerado pela delação premiada é enorme.

    • Não discordo, pois dedo duro é dedo duro!

      Há uma reação natural contra indivíduos corruptos e ladrões, ninguém gosta de negociar com quem não é confiável, porém uma delação premiada não exime a culpa perante a população em geral, somente os deputados do PSDB na câmara que tiveram a péssima ideia de elogiar o Barusco pela sua “coragem”. O cara rouba milhões, é pego com a mão na botija e para não pegar uns trinta anos de cana entrega até a mãe. A noção de indivíduo corajoso que os deputados do PSDB tem é algo fantástico.

      Agora voltando ao assunto central, um empresário que se reúne com outro para assuntos legais, mas com o objetivo de, por exemplo, ferrar um outro concorrente, pode olhar para o outro e não confiar muito na capacidade do mesmo em guardar segredo.

      O que vai ocorrer é que daqui por diante é que o sigilo em operações fraudulentas vai ser garantido por pactos mafiosos mesmos, e para garantir estes pactos estes carteis vão se tornar organizações realmente mafiosas. Isto é uma questão de tempo, é só acharem “operadores” confiáveis, que até se presos com as armas na mão não entregam. Vai ser a versão 2.0 substituindo a versão 1.0 da corrupção.

  2. uma correção histórica

    Ótimo artigo. Só uma correção. D.João VI veio com a sua comitiva para o Brasil, fugindo das tropas de Napoleão Bonaparte, em 1808 e não em 1815.

  3. a delação premiada é a prova

    a delação premiada é a prova da incompetencia na iinvestigação

    que deveria ser feita pelo  polícia e até pelo mpf….

    mas aí juntam-se abomináveis conluios para politizar a questão da corrupção…

    os mesmos conluiados que sabem que a corrupção

    tb é privada, paradoxalmente,, não querem que seja

    aprovado o financiamento público de campanha.

  4. Silverio dos Reis

    Nada como um dia depois do outro. Comunistas adoravam a delação. Em Moscou existia a estátua do menino herói que delatou o seu pai para as autoridades. 

  5. Delaçao premiada – Joaquim Silvério dos Reis

    Quem não sabia da Inconfidencia mineira na epoca? 

    Mas aquele governo necessitava de um BODE.

    Então o mais pobre do bando foi enforcado pra dar exemplo e virar heroi.

    Enquanto os outros que eram os fazendeiros donos de ouro e sonegadores de imposto se safaram. 

    Moral: O poder economico sempre dominou o BR.

  6. Ação deliberada opinião de Artur Marques

    Meu Caro,

    Não podemos acreditar no pior, espero que reste algo de bom nesta depuração de praticas politicas já ha muito

    vigente no pais. Eu sou uma petista otimista. Abcs.

+ comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome