Temer diz que não interfere, mas janta com senadores indecisos

Jornal GGN – Apesar de ter dito em entrevista para a GloboNews que não está se envolvendo no processo de impeachment no Senado, o presidente interino, Michel Temer, está recebendo senadores indecisos e pedindo votos para se manter no poder.

Na última terça-feira (21), Temer se encontrou com o senador Eduardo Braga, que se ausentou da primeira votação, em 11 de maio.

Depois, à noite, ele participou de um jantar na casa do senador Zezé Perrella, cujo filho acabou de ser nomeado para um cargo no Ministério do Esporte.

Lá, o interino confraternizou com vários senadores da República e buscou convencer os indecisos. Entre eles, Omar Aziz, do PSD, José Hélio, do PMDB, Wellington Fagundes, do PR, Romário e Roberto Rocha, do PSB.

Além deles, Temer tenta conquistar Cristovam Buarque, do PPS, com quem já jantou em particular.

Na avaliação do PMDB, 19 parlamentares que ajudaram a provar o impeachment e agora podem mudar de voto. Esse número é diferente da contagem feita pelo PT, que tem garantidos os 22 votos contrários e estima que outros dez podem mudar de posição.

Da Rede Brasil Atual

Temer janta com senadores indecisos, pede votos e nega tratar de impeachment

Por Hylda Cavalcanti

Comentários de bastidores no Senado são que presidente interino e equipe se articulam para convencer os que estariam em dúvida a manter o voto pelo afastamento de Dilma

Brasília – O assunto mais destacado do Congresso hoje (22) não foi a comissão especial do impeachment, tampouco a sessão de ontem do Senado Federal, que aprovou projetos polêmicos. Foi a divulgação de entrevista concedida pelo presidente interino, Michel Temer, ontem, na qual ele afirmou que não está se metendo no processo do impeachment e tem evitado conversar a respeito com senadores.

A afirmação foi vista como, no mínimo, contraditória. Ontem mesmo, o Palácio do Planalto recebeu para uma conversa o senador Eduardo Braga (PMDB-AM) – que se ausentou na votação de 11 de maio. À noite, Temer participou de um jantar realizado em sua homenagem ao lado de vários senadores. Circulou de mesa em mesa e conversou, principalmente, com parlamentares tidos como indecisos sobre a forma como se posicionarão na votação final do processo.

O jantar foi realizado na casa do senador Zezé Perrella (PTB-MG), ex-integrante do PSDB, cujo filho, Gustavo Perrella, foi nomeado na última semana para um cargo estratégico no Ministério do Esporte. O nome dos Perrella entrou para o folclore político associado ao helicóptero apreendido em 2013 pela Polícia Federal, transportando meia tonelada de cocaína. A PF concluiu que ele não tem envolvimento com o tráfico de drogas e a culpa pelo transporte foi atribuída ao piloto da aeronave.

O objetivo declarado do jantar foi confraternizar com senadores e integrantes da nova equipe do governo. Mas o evento soma esforços ao trabalho de convencer o grupo de senadores que votaram pelo impeachment e podem mudar o voto, em desfavor do governo provisório.

Entre esses senadores tidos como indecisos, estiveram presentes Omar Aziz (PSD-AM), José Hélio (PMDB-DF), Wellington Fagundes (PR-MT), Romário (PSB-RJ) – este último, ora dá depoimento dizendo que votará pelo impeachment, ora diz que continua avaliando o processo – e Roberto Rocha (PSB-MA). Todos já afirmaram que vão “aguardar os desdobramentos dos acontecimentos”.

O senador Cristovam Buarque (PPS-DF), cuja presença no jantar de ontem ainda não foi confirmada, é outro indeciso, e seu “caso” está sendo tratado em separado. Buarque fez muitas críticas ao governo Dilma Rousseff nos últimos anos e admite ter votado pela admissibilidade do impeachment não por eventual crime de responsabilidade, mas “pelo conjunto da obra” da presidenta – o que não é objeto legal para impedimento.

‘Grande responsabilidade’

Buarque foi chamado para um jantar a sós com o presidente interino no Palácio do Jaburu na semana passada. Seu discurso, porém, continua sendo de que votou em maio pela admissibilidade do impeachment e agora não será assim, terá de analisar bem o processo, antes de formar opinião sobre o mérito e a comprovação de crime por parte da presidenta afastada. “Isto não é votar, é julgar. E precisamos ter consciência da grande responsabilidade que temos pela frente”, costuma afirmar.

Na avaliação dos peemedebistas, existem no Senado 19 parlamentares que ajudaram a provar o impeachment e agora podem mudar de voto, dando acenos de que podem votar contra o processo e pelo retorno de Dilma Rousseff ao Palácio do Planalto.

Esse número é diferente da contagem feita pelos petistas, que têm garantidos os 22 votos contrários ao impeachment e calculam em aproximadamente 10 o número dos que estavam entre 55 votos a favor do afastamento que podem mudar de posição.

O líder do PMDB, senador Eunício Oliveira (CE), negou essas estimativas. Segundo ele, a conta mais pessimista do partido é de que conseguirão 58 votos favoráveis ao impeachment. E na mais otimista, 62. Temer precisa de 54.

Eduardo Braga

Outra disputa acirrada tem sido em relação ao senador Eduardo Braga (PMDB-AM). Ministro de Minas e Energia do governo Dilma Rousseff, Braga foi um dos últimos peemedebistas a deixar o cargo e até cogitou permanecer até o fim com Dilma, licenciando-se do partido. No final, cedeu e entregou o cargo por pressões políticas do seu estado, Amazonas.

O senador, no entanto, deu várias declarações criticando a postura da legenda que integra de romper com o governo e se ausentou da votação do impeachment, apresentando na véspera um pedido de licença médica. Desta vez, o senador tem dito que pretende votar. Mas, da mesma forma que seu voto tem sido computado como certo por colegas do PT e do PCdoB, agora ele começa a ser sondado por caciques do PMDB.

Braga se reuniu ontem com o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha. Não comentou o teor da conversa, mas ficou óbvio que Temer, ao contrário do que afirmou, está se mexendo e muito se manter no governo.

Uma estratégia que tem sido observada e mantém os olhos e ouvidos atentos por parte dos senadores pró e contra impeachment, reside no acordo firmado no início da semana entre Executivo e governadores, pelo meio do qual o Executivo garantiu uma moratória de seis meses para o pagamento das dívidas dos estados e reinício de pagamento das parcelas – com generosos descontos escalonados.

O acordo, que terá um impacto de R$ 50 bilhões nas contas públicas, está sendo visto como mais uma forma de pleitear o apoio dos governadores junto aos senadores dos seus estados. O discurso do presidente em exercício, no entanto, foi outro: de que a busca do apoio dos governantes é legítima, mas diz respeito, apenas, à aprovação das medidas de ajuste fiscal.

Mas está cada vez mais forte, no Congresso, o entendimento de que o próprio Temer está disposto a deixar a votação das matérias referentes ao ajuste para depois. A intenção, agora, é centrar esforços nos aliados, avaliar quem vota e quem não vota pela manutenção do seu governo e evitar mudanças.

Por essas indicações todas é que causou, no mínimo, estranheza, entre os senadores contrários ao impeachment, a declaração do presidente interino durante a entrevista concedida ao jornalista Roberto D’Avila.

5 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

jcordeiroj

- 2016-06-24 07:57:05

Lição do Príncipe

Nassif: tire uma dúvida. Esse Perrella é o mesmo do “helicoca”? Aquele do ES, com 445kg de pasta base? Se sim, parece que a familia, em adiantamento, já recebeu algum. Romário e Buarque, estes já se convenceram pelo impedimento. Romário levará o governo do Rio, em 2018. E Buarque ganhará uma Universidade só pra ele. Restam os demais 17, cujos “mimos” ainda não ficaram decididos. Ao mais durão a presidência do Senado. A dúvida mesmo é Eduardo Braga, que Padilha (ainda) não conseguiu dobrar e que pode arrastar Rocha e Azis. Mandaram cavar alguma “noticia” sobre parentes ou amigos dos senadores, para “sensibilizá-los” pelo impedimento. A grande mídia esta afoita, porque o pagamento será gordo, diretinho do BNDES a fundo perdido. O inelegível do Jaburu está totalmente empenhado em garantir novo governo do PMDB, agora que fez aliança com o grupo PSDB/DEM/PPS...

Audicéa

- 2016-06-24 03:10:16

Alguém,  por acaso,  acredita

Alguém,  por acaso,  acredita no que diz ese sacripanta?  

Jair Fonseca

- 2016-06-24 02:54:08

Temer janta os senadores

Temer janta os senadores indecisos, e ainda os alimenta.

lenita

- 2016-06-24 00:06:24

Temer

Bastidores ; neste terreno, Temer é imbatível ! conchavos, acertos e conspiração é com ele mesmo. Até acredito que aceitou ser vice de Dilma, pq o esquema já estava bolado bem antes, pois pelo jeito, ele detesta o PT e principalmente a Presidente Dilma. Não quer deixar pedra s/ pedra do legado de Lula/Dilma.

S.Bernardelli

- 2016-06-23 23:50:59

SE OS INDECISOS

SE OS INDECISOS TIVEREM PERSONALIDADE SE TIVEREM CARÁTER NÃO IRÃO SE VENDER, EU PENSO QUE OS INDECISOS DEVEM VOTAR COM JUSTIÇA E NÃO POR CHANTAGEM. EU JAMAIS IREI ESQUECER-ME DAQUELE JOVEM DEPUTADO ALIEL MACHADO QUE DISSE NÃO A ADMISSIBILIDADE DO IMPEACHMENT E CONTINUOU COM MESMA OPINIÃO NA CÂMARA, UMA RARIDADE E ESPERO QUE ESSES INDECISOS FAÇA PARTE DA MESMA RARIDADE.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador