Fernando Castilho
Fernando Castilho é arquiteto, professor e escritor. Autor de Depois que Descemos das Árvores, Um Humano Num Pálido Ponto Azul e Dilma, a Sangria Estancada.
[email protected]

Após as eleições precisamos de uma faxina geral, por Fernando Castilho

A verdade é que se conseguirmos defenestrar Bolsonaro do poder após as eleições, há que se fazer uma faxina geral nessa turba autoritária, obscurantista e louca por dinheiro que se instalou no poder.

Após as eleições precisamos de uma faxina geral

por Fernando Castilho

Continuando a fugir da guerra que se instaurara, decidimos pular a catraca do Cine Ipiranga e entrar no meio de uma sessão em uma sala quase vazia para nos escondermos agachados no escuro atrás da última fileira. Mas não demora muito tempo para sentir um cano frio me pressionando a nuca.

Estamos saindo em grande número em passeata desde a Cidade Universitária até a Praça Fernando Costa onde haverá uma concentração e um ato público contra a ditadura. Uma das razões para o protesto é a morte do jornalista Vladimir Herzog, assassinado nas dependências do DOI-Codi em 1975. Simularam um suicídio por enforcamento.

Meu pai já tinha me informado que a repressão estaria na praça aguardando os estudantes e que seria violenta. Que eu tomasse muito cuidado.

Ao chegarmos, vejo que ele tinha razão. Há um grande contingente de policiais militares e soldados tomando toda a praça. Começam os lançamentos de bombas de gás lacrimogêneo, tiros e cavalaria perseguindo todos que se encontram no local. Há muita fumaça, barulho e palavras de ordem que não consigo entender. O lugar vira um inferno.

Preciso correr. Atrás de mim, um soldado tenta me alcançar com um chicote e cada vez que a ponta bate no chão, faíscas saem dela. Será um chicote elétrico? Mas nesta época não existem ainda baterias para isso. Provavelmente a ponta é metálica, mas não há tempo para verificar isso.

Logo uma colega da faculdade, a Anne Marie, se junta a mim. Após uns cem metros. o soldado desiste de nós e prefere perseguir outra estudante.

Continuando a fugir da guerra que se instaurara, decidimos pular a catraca do Cine Ipiranga e entrar no meio de uma sessão em uma sala quase vazia para nos escondermos agachados no escuro atrás da última fileira. Mas não demora muito tempo para sentir um cano frio me pressionando a nuca.

Agora levados, Anne Marie e eu, pelo soldado com arma na mão para o camburão, sentamo-nos junto com mais quatro homens que reclamam por terem sido presos. Os bancos inteiriços são dispostos lateralmente na viatura, de forma que três dos homens se sentam à nossa frente e um ao nosso lado. Se dizem operários que passavam pelo local e não sabem o que está acontecendo.

À minha frente o quarto homem, um rapaz com cara de estudante me faz sinais estranhos com os olhos que se dirigem a direção dos que estão ao seu lado. Demoro um pouco a perceber que ele está querendo me dizer para desconfiar e ficar quieto. Os “operários” dizem que não sabem o que está acontecendo, que estavam voltando do trabalho e que os militares safados estão abusando de todo mundo. Percebo agora que eles querem obter informações e me calo.

A viatura roda conosco durante mais de uma hora correndo muito com a sirena ligada e fazendo curvas fechadas que assustam e nos desequilibram. Os pneus “cantam” o tempo todo. O ar começa a ficar rarefeito e o calor se torna insuportável, mas, enquanto Anne Marie e eu estamos apavorados, os dois homens à frente parecem familiarizados com o procedimento.

Permanecemos eu e minha colega o tempo todo calados enquanto os três tentam puxar conversa e fazer com que falemos alguma coisa.

O suor escorre a cântaros, não só pelo calor infernal, mas também pelo medo do que podem fazer conosco quando a corrida terminar.

Enfim o camburão para.

Soldados do lado de fora abrem a porta traseira e formam duas fileiras de homens voltadas de frente uma para a outra. Em seguida nos mandam descer.

Os três “operários” descem primeiro, percorrem o corredor sem serem molestados e desaparecem. Em seguida, eu, Anne Marie e o outro estudante, descemos. Teremos que passar pelo meio das fileiras de soldados. É o chamado “corredor polonês”. Passamos correndo, mas apanhando muito daqueles cassetetes.

Quando, enfim, paramos, vemos que ninguém parece nos seguir.

Ao olhar em volta reconheço o prédio da Faculdade de Direito do Largo São Francisco.

Achamos melhor nos separarmos e nos despedirmos.

Em seguida tomo um ônibus para casa.

Este relato, extraído de meu livro Um Humano Num Pálido Ponto Azul, editora Mondrongo, de forma alguma, tem a pretensão de se equivaler a outros muito mais dolorosos, como o recente de Paulo Coelho que sofreu bárbara tortura e escapou por pouco da morte.

Também não se equivale em gravidade à tortura que a jornalista Míriam Leitão, então com 19 anos e grávida, sofreu nas dependências do Doi-Codi. Logo ao chegar, ela apanhou com socos e chutes e foi colocada nua numa sala escura, a sós com uma cobra jiboia.

Na verdade, meu relato pessoal, muito mais brando do que os de Paulo Coelho e Míriam Leitão, tem o intuito de apenas ser mais um a contribuir para ilustrar que a ditadura militar no Brasil, fruto de um golpe de estado, nunca foi um movimento, nem foi fruto de anseio popular como o general Braga Netto afirmou em sua última ordem do dia de 31 de março de 2022.

Não, general, João Goulart, à época do golpe, tinha, segundo pesquisa Ibope da época, cerca de 70% de aprovação da população, portanto não foi anseio do povo brasileiro, mas sim, do Departamento de Estado norte-americano. E o senhor sabe disso.

Aliás, se a democracia não fosse restaurada, quem garante que o senhor seria hoje membro de um governo eleito –  mesmo que de maneira fraudulenta – e estaria à vontade para falar asneiras e ameaçar mais um golpe, caso seu chefe não vença as eleições de 2022?

A história está registrada e não vai ser a fala de um general saudoso da ditadura que vai modificá-la.

O dia 31 de março de 2022 ficou lá pra trás e quase já estávamos nos esquecendo dele com tanta notícia nova acontecendo todos os dias, quando o deputado Eduardo Bolsonaro, o 03, ou zero nada, se insurgiu no twitter justamente contra uma nota de Míriam Leitão.

A jornalista estava comentando as declarações recentes do presidente que atacavam as instituições democráticas.

Eduardo não se conteve e expôs toda a sua crueldade e falta de empatia ao debochar de Míriam respondendo: “ainda com pena de cobra”.

Vários partidos afirmaram que vão representar contra o zero no conselho de ética da Câmara, o mínimo a ser feito.

A verdade é que se conseguirmos defenestrar Bolsonaro do poder após as eleições, há que se fazer uma faxina geral nessa turba autoritária, obscurantista e louca por dinheiro que se instalou no poder.

É uma pena que tipos como o filhão zero ainda conseguirão se reeleger.

Fernando Castilho é arquiteto, professor e escritor

O texto não representa necessariamente a opinião do Jornal GGN. Concorda ou tem ponto de vista diferente? Mande seu artigo para [email protected].

Leia também:

Um exemplo de resistência ao ódio, por Fernando Castilho

Mamãe, não devia ter falado, mas falei!, por Fernando Castilho

De onde vem a revolta contra o PT?, por Fernando Castilho

Fernando Castilho

Fernando Castilho é arquiteto, professor e escritor. Autor de Depois que Descemos das Árvores, Um Humano Num Pálido Ponto Azul e Dilma, a Sangria Estancada.

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador