Dois livros e dois poetas em Olinda, por Urariano Mota

Dois livros e dois poetas em Olinda, por Urariano Mota

Hoje tem noite de duplo lançamento na Casa Azul, em Olinda. O editor e poeta Gustavo Felicíssimo lança o seu livro de crônicas  “Carta a Rubem Braga”, e Ñasaindy Barrett lança o seu de poesia “Do que foi pra ser agora”. Será uma festa de literatura e direitos humanos a partir das 20 horas.

Sobre o livro de crônicas de Gustavo Felicíssimo anoto: são textos de leitura agradável, mas nada superficiais ou passageiros. Ele, que é bom editor e ótimo poeta, lampeja em  textos da sua prosa. Quero dizer, o subterrâneo do seu íntimo é mesmo território da poesia, onde ele trabalha soberano. Mas a boa pessoa que ele é – pessoa dotada de atos bons – aparece em mais de um texto, ou para ser mais preciso, em linhas que são um convite para o poema que virá adiante.

Das crônicas destaco “Até sempre, companheiro!”, mais a bela “A casa em que nasci”, à qual se segue “Passeio sentimental”, que fez o compositor Sergio Ricardo ter vontade de pegar de volta o violão para cantar Marília, terra natal de ambos. E não posso esquecer a filosófica “O valor das coisas”, mais a companheira “Eu também vou por aí!” em que o poeta Gustavo saúda o livro de Hildeberto Barbosa Filho, que deixa na gente o gosto da terra paraibana.

Mas a que eu vou reler mais vezes será “Outras boas coisas da vida”, porque é inspiradora, estímulo para um texto que fez adivinhar um outro em mim, que ainda está amadurecendo.

Leia também:  A culpa é de quem? É claro que é do Ali!

Sinto que ainda não é possível escrever agora algo semelhante a “boas coisas da vida”. Assim me conformo em deixar estas tempestades de Temer e fascismo nacional passarem. Por enquanto, agradeço a leitura com que o poeta e editor me presenteou.

Sobre Ñasaindy Barrett,  autora do livro “Do que foi pra ser agora”, anoto: ela é poeta por opção, e filha de guerreira Soledad Barrett executada no Recife em 1973, por opção e genética.

A respeito dela já escrevi que é impossível não falar que Ñasaindy Barrett de Araújo é a única filha de Soledad Barrett. Filha amada pela guerreira de quatro povos, como a chamava o grande poeta Mario Benedetti. O caráter literário e político da sua poesia se dá não só pelas condições de vida e morte da guerreira paraguaia, assassinada pela ditadura no Recife. Mas pela própria vida de sua filha poetisa.  

Deixo com vocês estas breves luzes:

 

“Pressinto a felicidade

e me embriago com o seu perfume,

confrontando o meu  redor confuso,

contrariando toda a infelicidade

que rodeia o mundo….

 

Está bem que estejamos vivos, mas

o que é um pássaro sem voar?

Entoa o desejo, canta,

apenas se faz ouvir!”

 

Hoje, na Casa Azul, em Olinda, teremos afinal  o encontro da poesia em prosa de  Gustavo Felicíssimo e da poesia de Ñasaindy Barrett. Como profetizou Ñasaindy Barrett em um verso do seu livro:

 

“A chuva caiu tão bela quanto foi a sua espera”.

*Vermelho

http://www.vermelho.org.br/coluna.php?id_coluna_texto=8782&id_coluna=93

 

1 comentário

  1. Nassif: nem vou dizer nada,

    Nassif: nem vou dizer nada, além de um obrigado ao Urariano pelo belo e preciso indicativo literário. E esperar a oportunidade de folear tais preciosidades, carinhosamente idicados.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome