Izaias Almada
Izaías Almada é romancista, dramaturgo e roteirista brasileiro nascido em BH. Em 1963 mudou-se para a cidade de São Paulo, onde trabalhou em teatro, jornalismo, publicidade na TV e roteiro. Entre os anos de 1969 e 1971, foi prisioneiro político do golpe militar no Brasil que ocorreu em 1964.
[email protected]

Amigos para sempre (I): Brasil Winston Duarte Almeida, por Izaías Almada

Tínhamos os dois sete anos de idade. Eu nasci em 16 de abril de 42 e Brasil Winston em 20 de agosto do mesmo ano.

Amigos para sempre (I):

Brasil Winston Duarte Almeida

por Izaías Almada

          Se a memória não me trai, Brasil Winston foi o meu primeiro amigo na infância. Os fados nos colocaram juntos no primeiro ano do curso primário no Colégio Izabela Hendrix em Belo Horizonte no ano de 1949.

          Tínhamos os dois sete anos de idade. Eu nasci em 16 de abril de 42 e Brasil Winston em 20 de agosto do mesmo ano.

          Havia uma razão para os fados agirem como agiram, pois nossos pais, Arthur Almada e Afonso Almeida eram membros atuantes da Igreja Metodista Central de Belo Horizonte, situada ainda na Rua Tamoios em um prédio de três andares, entre a Avenida Afonso Pena e o Parque Municipal.

          O Colégio Izabela Hendrix, hoje Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix, era então administrado e propriedade de missionários norte-americanos e na época que lá estudamos a diretora da instituição chamava-se Verda Farrar, miss Verda Farrar…

          O colégio, ao contrário de algumas informações na internet, não era só para mulheres, pois admitia a presença do sexo masculino apenas até o quarto ano primário.

          A turma a que pertencíamos permaneceu junta praticamente até a formatura no ano de 1952, sete anos após o final da guerra.

          O mundo ainda tentava apagar as terríveis feridas provocadas pela Segunda Guerra Mundial e os Estados Unidos da América já afiava as suas garras de dominação e colonização pelo mundo e entidades estudantis encaixavam-se como uma luva nos negócios dos novos colonizadores, substituindo aos poucos o poder hegemônico da Inglaterra mantido durante anos.

          O fenômeno se deu também da cidade de Juiz de Fora com a fundação do Instituto Grambery por um casal de metodistas igualmente de origem estadunidense.

          Não deixa de ser curioso, aliás, que o nome Brasil Winston e também do seu irmão mais velho, Neville Duarte Almeida, naquela altura já cursando o segundo ano primário, fossem uma homenagem a dois dos primeiros ministros ingleses que lutaram contra o nazismo alemão (Neville Chamberlain e Winston Churchill), cuja derrota, apesar de se iniciar com a resistência soviética, foi aos poucos sendo debitada às ações das forças armadas norte-americanas.

          O encontro diário no colégio e semanal nos cultos domingueiros dos metodistas criou uma forte amizade entre os três meninos, que durante os primeiros anos da adolescência permaneceu forte e continuou até o momento em que cada um tomou rumos diferentes na vida.

          O irmão mais velho foi para os Estados Unidos e se tornou cineasta, autor de um dos filmes mais badalados do cinema brasileiro: “A Dama do Lotação”, com a atriz Sonia Braga.

          Pouco antes de eu deixar Belo Horizonte em janeiro de 1963, ainda encontrei o Brasil Winston, cuja a amizade perdurou nas minhas lembranças apenas, pois não tivemos mais encontros presenciais, mas com certeza criou a imagem e o sentimento do primeiro amigo, imagem que fica para sempre.

          Se por acaso, caro Brasil Winston, tomar conhecimento dessa crônica, receba um forte abraço meu.

Izaías Almada é romancista, dramaturgo e roteirista brasileiro nascido em BH. Em 1963 mudou-se para a cidade de São Paulo, onde trabalhou em teatro, jornalismo, publicidade na TV e roteiro. Entre os anos de 1969 e 1971, foi prisioneiro político do golpe militar no Brasil que ocorreu em 1964.

Izaias Almada

Izaías Almada é romancista, dramaturgo e roteirista brasileiro nascido em BH. Em 1963 mudou-se para a cidade de São Paulo, onde trabalhou em teatro, jornalismo, publicidade na TV e roteiro. Entre os anos de 1969 e 1971, foi prisioneiro político do golpe militar no Brasil que ocorreu em 1964.

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador