De Drummond a Conceição Evaristo: legado e força dão o tom da terceira edição do Festival Literário de Itabira 

Ana Gabriela Sales
Repórter do GGN há 8 anos. Graduada em Jornalismo pela Universidade de Santo Amaro. Especializada em produção de conteúdo para as redes sociais.
[email protected]

O Festival abre nesta terça-feira seu “circuito cultural”, com uma vasta programação gratuita

Carlos Drummond de Andrade. | Foto: Divulgação

O Festival Literário Internacional de Itabira (Flitabira) dá início, nesta terça-feira (31), a sua terceira edição sob o tema “Arte, Literatura e Correspondências”, no Centro Histórico de Itabira, em Minas Gerais. A programação diversa e gratuita se estende até domingo (5).

Além da obra epistolar do autor itabirano Carlos Drummond de Andrade, que completaria 121 anos neste dia 31, o Festival também presta homenagem à escritora Conceição Evaristo, que recebe, no dia 4, o Prêmio Juca Pato de Intelectual do Ano, outorgado pela União Brasileira de Escritores (UBE).

Em primeiro lugar, é a primeira vez na história que o Juca Pato é entregue fora de São Paulo. E lugar melhor que a terra de Drummond, é difícil. Em segundo, é a primeira mulher negra a receber esta premiação. Resumo: é sinal que os tempos estão mudando. Quem não acompanhar, fica fora do bonde da história”, diz Afonso Borges, curador e presidente do Festival, ao GGN

Vozes de Drummond e Portinari Sintetizadas 

Drummond escreveu cartas durante toda a sua vida. As correspondências trocadas com seus amigos revelam muito sobre sua personalidade, seus pensamentos e suas relações pessoais, por meio das ideias sobre literatura, política, filosofia e assuntos cotidianos.

Hoje, o público poderá conferir algo inédito no Festival: uma leitura de cartas trocadas entre Drummond e o pintor Candido Portinari.

Fruto da pesquisa do professor Júlio Montemor, da Engenharia Eletrônica da Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI), ambas as vozes, mesmo tendo pertencido ao século passado, serão ouvidas ao vivo. 

Ao trazer para o momento atual a pauta das correspondências de Drummond com seus pares, o nosso desejo é despertar as pessoas para a importância de se escrever à mão, novamente. Com o incentivo à caligrafia, vem a vontade de ler e estudar. E sempre lembrando: as cartas falavam de tudo: das coisas mais íntimas à situação geral do País. No fundo, fazemos festivais literários para incentivar o hábito da leitura”, explica Afonso. 

Antes desta ação, acontece a abertura oficial do Festival, às 18h, com falas de Afonso e do curador Sérgio Abranches e de Fabiano Piúba, secretário de Formação, Livro, Leitura, representando a Ministra da Cultura, Margareth Menezes.

O público também poderá conferir a exibição canal no YouTube do Flitabira. 

Circuito 

O evento, que tem o patrocínio do Instituto Cultural Vale, também inaugura na cidade um “circuito cultural”, que começa abaixo da Rua Tiradentes e termina na Casa de Drummond, na Praça do Centenário. 

O trajeto inclui a montagem de estabelecimentos de gastronomia e artesanato, palco de música caipira, livraria com espaço infantil e auditório, todos edificados no meio da Rua Major Lage, lugar em que se localiza a casa onde Drummond morou.

Outras atrações compõem o Festival, como a exposição “Portinari Negro”, já instalada na Praça do Areião, com 42 reproduções de telas do artista expostas em painéis de 3 metros de altura. Além do tradicional Concurso de Redação, desta vez, com o tema “Escreva para o Poeta”, em que os concorrentes entre 8 e 18 anos vão redigir uma carta endereçada a Drummond.

A programação é vasta e contará com mais de 100 escritores, artistas, jornalistas e personalidades nacionais, internacionais, regionais e infantojuvenis que participarão de palestras, debates, aulas-espetáculos e sessões de autógrafos.

Para compor as mesas, entre os autores confirmados estão Aílton Krenak, Alexandre Amaro, Andréa Pachá, Ministra Cármen Lúcia, Conceição Evaristo, Eliana Alves Cruz, Estevão Ribeiro, Eugênio Sávio, Fabrício Carpinejar, Fabrício Conde, Flávia Rocha, Ivan Vilela, Jamil Chade, Jefferson Tenório, João Carrascoza, João Candido Portinari, José-Manuel Diogo, Leo Cunha, Kakay, Lívia Sant’Anna Vaz, Márcia Kambeba, Márcia Tiburi, Marco Lobo, Marcello Dantas, Marcos Assunção, Maria Ribeiro, Mariana Paz, Paloma Jorge Amado, Pasquale Cipro Neto, Paula Pimenta, Pedro Drummond, Raquel Cané, Rejane Dias, Ricardo Prado, Ricardo Ramos Filho, Roberto Corrêa, Rodrigo Lacerda, Rogério Robalinho, Rosa Freire d’Aguiar, Sérgio Abranches, Silvana Gontijo, Simone Paulino, Tino Freitas, Trudruá Dorrico e Wagner Schwartz.

Ana Gabriela Sales

Repórter do GGN há 8 anos. Graduada em Jornalismo pela Universidade de Santo Amaro. Especializada em produção de conteúdo para as redes sociais.

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador