Do Botucatú ao Guarani, por Heraldo Campos

Com relação ao uso do Aquífero Guarani, há mais de quatro décadas se conhece uma superexplotação do aquífero na região de Ribeirão Preto

Recorte da localização do Aquífero Guarani no Cone Sul. Fonte: CAMPOS, H.C.N.S. 2003a. O Guarani das águas e dos índios. Revista Ciência Hoje. SBPC, vol. 32, nº 190.

Do Botucatú ao Guarani

por Heraldo Campos

Mais ou menos no final do curso de graduação em Geologia no ano de 1976, na então Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Rio Claro, que ao final desse mesmo ano viria a fazer parte da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, hoje UNESP, juntamente com outros institutos isolados do Estado de São Paulo, foi quando cursei a disciplina de Hidrogeologia.

A vaga lembrança dessa época é que existia muito cáculo no conteúdo da disciplina. Não que isso causasse qualquer tipo de medo ou distanciamento da matéria que vinha sendo ministrada mas, digamos, que passou meio batido e confesso que só fui entender o que era um aquífero, ou reservatório de água subterrânea, alguns anos depois, em meados do ano de 1978, quando fui trabalhar no Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAEE), autarquia do Estado de São Paulo e órgão gestor das águas.

Foi durante o trabalho de campo, cadastrando poços tubulares nas então regiões administrativas 10 e 11 – Presidente Prudente e Marília (DAEE, 1979) e, em seguida, nas regiões 5 – Campinas  (DAEE, 1981a ) e 4 – Sorocaba (DAEE, 1981b ), que convivendo e aprendendo com colegas geólogos mais experientes e que haviam trabalhado em estudos hidrogeólogicos anteriores como nas regiões 6 – Ribeirão Preto (DAEE, 1974) e 7, 8 e 9  – Bauru, São José do Rio Preto e Araçatuba (DAEE, 1976), que ouvi pela primeira vez se falar sobre o Aquífero Botucatú e sua área de ocorrência em território brasileiro. Desse modo, o relato aqui apresentado deve-se aos dados coletados por eles, entre outros profissionais atuantes na área de hidrogeologia no Brasil e em países vizinhos.

Posteriormente, tendo em vista a magnitude e abrangência desse reservatório de águas subterrâneas, localizado no Cone Sul, em uma região constituída pelos territórios da Argentina, Brasil (oito estados), Paraguai e Uruguai, perfazendo uma área de 1,2 milhão km2 de extensão, o atualmente conhecido Aquífero Guarani, incluindo o Aquífero Botucatu e outras denominações regionais, acabou sendo batizado com esse nome pelo geólogo uruguaio Danilo Anton, como uma homenagem à população indígena que dominava a bacia platina na época do descobrimento da América (CAMPOS, 2003a).

O Brasil, por ter 70% da área do Aquífero Guarani em seu território, vem acumulando ao longo desses últimos 40 anos e, particularmente, o município de Ribeirão Preto que é 100% abastecido pelas águas subterrâneas desse reservatório, sempre teve uma atenção especial.

Desse modo, pode-se dizer que o marco da investigação hidrogeológica e hidrogeoquímica nessa área específica iniciou-se no fim da década de 60 com os seguintes trabalhos pioneiros: SINELLI & GARLA (1969), DAEE (1974, 1976, 1979, 1981a e 1981b), SINELLI (1979), GALLO & SINELLI (1980), SINELLI & SOUZA (1982), SILVA (1983) e WENDLAND et al. (2007). Merece também uma citação o termo de referência elaborado pelo DAEE (1985),no qual se propõe uma ação conjunta com o então Departamento de Águas de Ribeirão Preto (DAERP) para o “Desenvolvimento de um modelo para o aproveitamento das águas subterrâneas em Ribeirão Preto”.

Com relação ao uso do Aquífero Guarani, há mais de quatro décadas se conhece uma superexplotação do aquífero na região de Ribeirão Preto com valores na ordem de 45 x 106 m3/ano (GILBOA et al., 1976). Baseado em estudo geoestatístico de 160 poços distribuídos no sítio urbano de Ribeirão Preto, STURARO & LANDIM (1988) identificaram uma zona mais rebaixada, perto do centro da área, na qual está localizada uma maior concentração urbana e de poços com superexplotação de água subterrânea.

Em função do intenso bombeamento de poços na região de Ribeirão Preto, MONTENEGRO et al. (1988) também já haviam observado que: a) o rebaixamento de 15 a 25 metros dos níveis da água em comparação com os níveis originais; b) a precariedade na determinação dos níveis estáticos na área em função das interferências de poços vizinhos em bombeamento e c) os níveis dinâmicos na porção urbana apresentam sensível rebaixamento a partir da década de 60. Estes autores concluem que a respeito dos estudos desenvolvidos sobre a hidrogeologia de Ribeirão Preto, os dados disponíveis são insuficientes para o modelo hidrogeológico. 

Para o município de Ribeirão Preto, com uma população aproximada de 570.000 habitantes, segundo dados da FIPAI (1996) a retirada de água do Aquífero Guarani é de 95.700.000 m3, 13 vezes superior à recarga direta de chuva (7.168.127 m3). Ainda de acordo com este estudo, a evolução da superfície piezométrica para 20 anos apontou a formação de um cone de abatimento com o vértice localizado na região central do perímetro urbano.

MONTEIRO (2003, p.159) observou que, a partir da análise de tendências, existem anomalias negativas nas superfícies piezométricas do Aquífero Guarani na área municipal como conseqüência do rebaixamento de níveis pela superexplotação do reservatório.

No que diz respeito à qualidade química natural das águas do Aquífero Guarani na região de Ribeirão Preto, o conteúdo de sólidos totais dissolvidos varia de 22 a 150 mg/l, têm pH entre 4,3 e 8,0 aumentando de Leste para Oeste e são predominantemente bicarbonatadas cálcicas (DAEE, 1974). A vulnerabilidade natural do Aquífero Guarani para a área Noroeste de Ribeirão Preto é classificada como alta, sem considerar as partes inferiores do reservatório (porção confinada), e as cargas poluentes de saneamento in situ no meio urbano do município são elevadas (IPT, 2000).

Na época desses últimos estudos citados destacou-se, ainda, o trabalho de um sistema de informação regional e os antecedentes relacionados com a Fase 1 do “Projeto Baviera”, uma cooperação técnica efetivada entre a Secretaria de Meio Ambiente do Estado de São Paulo e o Governo da Baviera (Alemanha) para a transferência de tecnologia, conhecimentos e capacitação técnica em questões relacionadas com a gestão e a proteção dos recursos hídricos subterrâneos. Neste Projeto participam, entre outras entidades, as seguintes instituições da Secretaria: Instituto Geológico, Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (CETESB) e Instituto Florestal.

Neste contexto apresentado, a região de Ribeirão Preto foi escolhida como uma área-piloto para estudo mais detalhado, como parte integrante do “Projeto de Proteção Ambiental e Desenvolvimento Sustentável do Sistema Aqüífero Guarani”, sob o auspício da Organização dos Estados Americanos (OEA), por estar ocorrendo nessa região um importante processo de crescimento urbano, com intensificação das atividades agrícolas e industriais que demanda uma crescente retirada de água subterrânea do Aquífero Guarani. Os estudos nesta área-piloto foram iniciados em Outubro de 2005 e foram representados pelos territórios de Ribeirão Preto e de mais 12 municípios (total ou parcialmente), perfazendo uma área com 2.500 km2 de extensão.

Na região de Ribeirão Preto ocorreram, ainda, importantes projetos de pesquisas, com suporte financeiro próprio e de outras agências de fomento. A Universidade de Ribeirão Preto estudou o emprego de métodos para a remoção da água (superficial e/ou subterrânea) de herbicidas utilizados na cultura da cana de açúcar, no qual o Aquífero Guarani foi contemplado no processo de investigação. O então Instituto Geológico do Estado de São Paulo desenvolveu o estudo da recarga vertical pelos basaltos, através de fraturas, em uma faixa próxima da área de afloramento do Aquífero Guarani. O Instituto de Geociências da Universidade Estadual de Campinas desenvolveu o projeto de ensino de Ciência do Sistema Terra na formação continuada de professores, com subprojeto que envolveu o tema do Aquífero Guarani. O Centro Universitário Barão de Mauá trabalhou com Educação Ambiental, na sensibilização do público envolvido na área-piloto, nesse mesmo período.

Assim, nesse cenário apresentado, podem ser citados, complementarmente, os trabalhos de CAVICCHIA (2007) e da FIPAI (2007), no desenvolvimento de um modelo numérico pelo “Método de Elementos Finitos” para auxiliar no gerenciamento de recursos hídricos subterrâneos na área. Posteriormente, na área do município de Ribeirão Preto e dos seus entornos mais próximos, podem ser citados, também, os estudos de CAMPOS & CANESIN (2008), CAMPOS et. al. (2010), GOULART et. al. (2012) e CAMPOS (2013).

Nesse contexto, pode-se dizer que os trabalhos mais recentes na área do município de Ribeirão Preto são os da GEOWATER (2019 e 2021) que, respectivamente, tiveram como objetivos (p.1) “[…] analisar e interpretar os dados e informações gerados pelo contrato FEHIDRO-348/2010-FUNDAG-819, durante o período de 2014-2016, relativos ao projeto “Piezometria e Qualidade da Água: Desenvolvimento Sustentável do Sistema Aquífero Guarani – Área Piloto de Ribeirão Preto.” e (p.2) “[…] prosseguir com o detalhamento e aprofundamento do conhecimento do Aquífero Guarani no município de Ribeirão Preto, com ênfase na proteção e desenvolvimento sustentável dos recursos hídricos subterrâneos. […]”.

Para encerrar, ressalta-se que a sistemática de trabalho que envolve este tipo de levantamento de dados e estudos hidrogeológicos, relatado nesse breve histórico, serviu de base para os trabalhos desenvolvidos pelo autor ao longo desses 47 anos de vida profissional (CAMPOS 1987, 1993, 2000a, 2000b, 2003a, 2003b e 2013) e, portanto, dedica-se, modestamente, esse texto “Do Botucatú ao Guarani” aos vários profissionais atuantes na área de hidrogeologia na Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai, na área de ocorrência do Aquífero Guarani.

A água de boa qualidade é como a saúde ou a liberdade: só tem valor quando acaba.” (Guimarães Rosa).

Referências bibliográficas

CAMPOS, H.C.N.S. 1987. Contribuição ao estudo hidrogeoquímico do Grupo Bauru no Estado de São Paulo. São Paulo, SP, 160p., 2 pranchas. Dissertação de Mestrado, Instituto de Geociências da Universidade de São Paulo.

CAMPOS, H.C.N.S. 1993. Caracterização e cartografia das províncias hidrogeoquímicas do Estado de São Paulo. São Paulo, SP, 177p., 1 mapa na escala 1:1.000.000. Tese de Doutorado, Instituto de Geociências da Universidade de São Paulo.

CAMPOS, H.C.N.S. 2000a. Mapa hidrogeológico do Aqüífero Guarani. Acta Geologica Leopoldensia. São Leopoldo, v.4.

CAMPOS, H.C.N.S. 2000b. Modelación conceptual y matemática del Acuífero Guaraní, CONO SUR. Acta Geologica Leopoldensia. São Leopoldo, v.4, p.3-50.

CAMPOS, H.C.N.S. 2003a. O Guarani das águas e dos índios. Revista Ciência Hoje. SBPC, vol. 32, nº 190.

CAMPOS, H.C.N.S. 2003b. Termos de Referência Para o Apoio Técnico ao Projeto Piloto Ribeirão Preto (São Paulo, Brasil). Projeto Proteção Ambiental e Desenvolvimento Sustentável do Sistema Aqüífero Guarani. Argentina – Brasil – Paraguai – Uruguai. GEF – BIRF – OEA. (Relatório Final). http://www.sg-guarani.org

CAMPOS, H.C.N.S. 2013. Metodologia para estudos da qualidade das águas subterrâneas e sua aplicação para a caracterização hidrogeoquímica do Aquífero Guarani. Terræ Didatica, 9(2):114-131. http://www.ige.unicamp.br/terraedidatica/

CAMPOS, H.C.N.S. & CANESIN, M.B.S. 2008. Aqüífero Guarani: um retrato 3×4 de gestão e da experiência com estudantes em Ribeirão Preto (SP). Terræ Didatica, 3(1):74-85. http://www.ige.unicamp.br/terraedidatica/

CAMPOS, H.C.N.S.; GUANABARA, R.C.; WENDLAND, E. 2010. Mapa Hidrogeoquímico do Aquífero Guarani – Região de Ribeirão Preto (SP): Resultados Preliminares. In: Anais do XVI Congresso Brasileiro de Águas Subterrâneas. São Luis. https://aguassubterraneas.abas.org/asubterraneas/article/view/22871

CAVICCHIA, M.E. 2007. Desenvolvimento de modelo numérico para gerenciamento de recursos hídricos subterrâneos na área do Projeto Piloto Ribeirão Preto. 169 p. Dissertação de Mestrado, Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo.

DAEE (Departamento de Águas e Energia Elétrica). 1974. Estudo de águas subterrâneas da região administrativa 6 (Ribeirão Preto). São Paulo, GEOPESQUISADORA & TAHAL, 2v.

DAEE (Departamento de Águas e Energia Elétrica). 1976. Estudo de águas subterrâneas da regiões administrativas 7, 8 e 9 (Bauru, São José do Rio Preto e Araçatuba). São Paulo, ENCO, 4v.

DAEE (Departamento de Águas e Energia Elétrica). 1979. Estudo de águas subterrâneas da regiões administrativas 10 e 11 (Presidente Prudente e Marília). São Paulo, DAEE, 3v.

DAEE (Departamento de Águas e Energia Elétrica). 1981a. Estudo de águas subterrâneas da região administrativa 5 (Campinas). São Paulo, DAEE, 2v.

DAEE (Departamento de Águas e Energia Elétrica). 1981b. Estudo de águas subterrâneas da região administrativa 4 (Sorocaba). São Paulo, DAEE, 2v.

DAEE (Departamento de Águas e Energia Elétrica). 1985. Autuação Provisória n0 100, 3554-DAEE, 11 de Fevereiro de 1985, Interessado: Assessoria de Planejamento Geral e Câmara Municipal de Ribeirão Preto. Assunto: Estudos de Águas Subterrâneas em Convênio com a FAPESP (p. 76-84 dos autos do processo).

FIPAI (Fundação Para o Incremento da Pesquisa e Aperfeiçoamento Industrial). 1996. Relatório técnico do Projeto de Gestão da Quantidade de Águas Subterrâneas. Ribeirão Preto, SP, 43 p.

FIPAI (Fundação Para o Incremento da Pesquisa e Aperfeiçoamento Industrial). 2007. Desenvolvimento de modelo numérico para gerenciamento de recursos hídricos subterrâneos na área do Projeto Piloto de Ribeirão Preto. Projeto 2007-Pardo-135, SECOFEHIDRO 322/2007.

GALLO, G. & SINELLI, O. 1980. Estudo hidroquímico e isotópico das águas subterrâneas na Região de Ribeirão Preto, SP. Rev. Bras. Geoc., SBG, 10 (2):129-140.

GEOWATER (GeoWater – Assessoria, Projetos e Comércio Ltda. EPP). 2019. Piezometria e Qualidade da Água: “Desenvolvimento Sustentável do Aquífero Guarani Área Piloto de Ribeirão Preto”. Carta-Contrato nº 37. CBH-Pardo-FEHIDRO-348/2010-FUNDAG-89. Relatório Final.

GEOWATER (GeoWater – Assessoria, Projetos e Comércio Ltda. EPP). 2021. Gerenciamento da Explotação do Aquífero Guarani em Ribeirão Preto – SP. Contrato FEHIDRO nº 213/2019. Relatório Final.

GILBOA, Y.; MERO, F.; MARIANO, I.B. 1976. The Botucatu aquifer of South America, Model of an untapped continental aquifer. Journal of Hydrology, 29 (1976): 165-179.

GOULART, M.P; CAMPOS, H.C.N.S.; NEPOMUCENO, O. 2012. Tutela jurídica do Aquífero Guarani em Ribeirão Preto (Estado de São Paulo, Brasil). Boletín Geológico y Minero, 123(3):389-399. https://www.igme.es/Boletin/2012/123_3/18_ARTICULO%2014.pdf

IPT (Instituto de Pesquisas Tecnológicas). 2000. Diagnóstico da situação atual dos recursos hídricos e estabelecimento de diretrizes técnicas para a elaboração do Plano da Bacia Hidrográfica do Rio Pardo. São Paulo, p. 231 e 235 do Relatório no 40.670 do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT).

MONTENEGRO, A.A.A.; RIGHETTO, A.M.; SINELLI, O. 1988. Modelação do manancial subterrâneo de Ribeirão Preto. 1. Descrição do domínio. In: 5º Congresso Brasileiro de Águas Subterrâneas, São Paulo, SP. Anais…ABAS, São Paulo, 32-41.

MONTEIRO, R.C. 2003. Estimativa espaço-temporal da superfície potenciométrica do Sistema Aqüífero Guarani na Cidade de Ribeirão Preto (SP), Brasil. 212p. Tese de Doutorado, Instituto de Geociências e Ciências Exatas da Universidade Estadual Paulista.

SILVA, R.B.G. 1983. Estudo hidroquímico e isotópico das águas subterrâneas do aqüífero Botucatu no Estado de São Paulo. 133p., 9 pranchas. Tese de Doutorado, Instituto de Geociências da Universidade de São Paulo.

SINELLI, O. 1979. Química das águas subterrâneas: aplicação às águas subterrâneas do Brasil Meridional. 130p. Tese de Livre Docência. Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo.

SINELLI, O. & GARLA, L.C. 1969. Estudo geoquímico do ferro na água subterrânea do município de Ribeirão Preto, SP. Ciência e Cultura, São Paulo, SP, 21 (2):18.

SINELLI, O. & SOUZA, A. de. 1982. Estudo hidroquímico no ciclo hidrológico. In: 2º Congresso Brasileiro de Águas Subterrâneas, Salvador, BA. Anais…ABAS, Salvador, 317-333.

STURARO, J.R. & LANDIM, P.M.B. 1988. Estudo do nível piezométrico por análise geoestatística. Geociências, São Paulo, 7:201-210.

WENDLAND, E.; BARRETO, C.E.A.G.; GOMES, L.H. 2007. Water balance in the Guarani Aquifer outcrop zone based on hydrogeologic monitoring. Journal of Hydrology (Amsterdam), v. 342, p. 261-269.

Heraldo Campos é geólogo (Instituto de Geociências e Ciências Exatas da UNESP, 1976), mestre em Geologia Geral e de Aplicação e doutor em Ciências (Instituto de Geociências da USP, 1987 e 1993) e pós-doutor em hidrogeologia (Universidad Politécnica de Cataluña e Escola de Engenharia de São Carlos da USP, 2000 e 2010).

O texto não representa necessariamente a opinião do Jornal GGN. Concorda ou tem ponto de vista diferente? Mande seu artigo para [email protected]. O artigo será publicado se atender aos critérios do Jornal GGN.

“Democracia é coisa frágil. Defendê-la requer um jornalismo corajoso e contundente. Junte-se a nós: www.catarse.me/jornalggn

1 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Maravilhoso este artigo. Seria interessante registrar a agressão que o aquífero está sofrendo no Alto Paranaíba, com o irrigação desenfreada. São mais de mil e quinhentos pivôs somando 81 ha mil, com uma lâmina d’água de 12 mm, numa média de 8 h/dia, o que resulta numa retirada de 247,12 m³ milhões ao ano, só que para irrigar cenoura, cebola, alho, batata e café.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador