Servidores públicos são perseguidos por criticarem governo Bolsonaro

Levantamento mostra que mais de 650 episódios de assédio institucional contra servidores públicos foram identificados em apenas dois anos

Jornal GGN – Servidores públicos tem sido alvo de enquadramento institucional por apresentarem um posicionamento crítico contra o presidente Jair Bolsonaro ou a sua gestão. Na maioria das vezes, as denúncias partem de apoiadores vigilantes do bolsonarismo.

Dados da Articulação Nacional das Carreiras Públicas para o Desenvolvimento Sustentável (Arca), coalizão que engloba entidades do setor público, apontam mais de 650 episódios de assédio institucional apenas nos últimos dois anos.

Segundo informações do jornal O Globo, a pressão acaba resultando em processos administrativos, judiciais ou mesmo em demissões. Os registros mais frequentes envolvem agentes das forças de segurança e professores universitários.

Um exemplo disso foi o processo que a Controladoria-Geral da União (CGU) moveu contra dois professores da Universidade Federal de Pelotas (Ufpel) apenas por criticarem a atuação de Bolsonaro contra a Covid-19.

Para não serem punidos, os docentes assinaram um termo onde se comprometiam a não repetir falas de teor semelhante pelos próximos dois anos. Embora o documento tenha sido anulado por conta da repercussão, ele é um alerta claro de que, para o bolsonarismo, as opiniões divergentes não são bem vindas dentro das instituições públicas.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora