Lideranças indígenas: “É Bolsonaro quem ainda parece viver nas cavernas”

Representantes de comunidades indígenas de todo o Brasil afirmaram que Bolsonaro foi ofensivo, racista e que os indígenas não querem exploração. Jovem levada na comitiva só tem o apoio de sua própria família, disseram

O-é Kayapó é líder na Associação Floresta Protegida (AFP), no Pará, disse que indígena levada por Bolsonaro à ONU 'só tem o apoio da própria família' entre comunidades do Xingu - Foto: BBC/Arquivo

Jornal GGN – Lideranças indígenas reconhecidas por toda a comunidade indígena do Brasil repudiaram o discurso do presidente Jair Bolsonaro, na Assembleia Geral das Nações Unidas, nesta terça-feira (24), na qual adotou o teor de exploração e desenvolvimento da Amazônia e das reservas indígenas: “ofensivo”, “racista” e “paranoico”, descreveram os líderes.

Os autores desta reação são os líderes da Associação do Território Indígena do Xingu (Atix), da Federação das Organizações Indígenas do Rio Negro (FOIRN), da Associação Floresta Protegida (AFP) e da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib). A primeira destas, inclusive, não reconhece Ysani Kalapalo, a jovem indígena que integrou a comitiva de Bolsonaro na ONU e que teria escrito a carta lida pelo mandatário.

Kapalo integra uma comunidade do Xingu, e não somente as lideranças da própria região Norte do país não a reconhecem como representante dos povos indígenas, como todas lideranças espalhadas pelo Brasil, que mantêm o respeito ao cacique Raoni Metaktire. Os líderes ouvidos pela BBC Brasil relataram outra realidade, muito distante da narrada por Bolsonaro no palco da ONU ontem.

Eles afirmaram, por exemplo, que o mandatário brasileiro usou dados que destoam das informações oficiais. Ele citou, por exemplo, 225 povos indígenas e 70 tribos isoladas. Mas segundo o IBGE e a Funai, há 305 povos indígenas no Brasil e o registro de 107 povos isolados.

A revolta maior entre as lideranças indígenas foi a crítica a Raoni, líder do povo caiapó, reconhecido por sua atuação e luta em defesa dos povos indígenas no Brasil e no mundo, chegando a ser indicado pelas comunidades brasileiras e ativistas ambientais como sugestão ao Nobel da Paz. Bolsonaro, em seu discurso, disse que “acabou o monopólio de Raoni” e que ele teria sido usado “como peça de manobra por governos estrangeiros na sua guerra informacional para avançar seus interesses na Amazônia”.

Leia também:  Primeiro dia de reunião dos BRICs tem cooperação econômica como foco

Para a presidente da Associação Terra Indígena do Xingu (Atix), Yanukula Kaiabi Suiá, Bolsonaro ofendeu não somente Raoni, como todos os povos indígenas. “Ofende o reconhecimento e o trabalho que Raoni vem fazendo durante mais de 40 anos na defesa de direitos dos indígenas”, disse. A Atix representa 16 povos do território indígena do Xingu, incluindo a etnia kalapalo, levada por Bolsonaro na comitiva, e que não a reconhecem como representante.

“O governo brasileiro ofende as lideranças indígenas do Xingu e do Brasil ao dar destaque a uma indígena que vem atuando constantemente em redes sociais com objetivo único de ofender e desmoralizar as lideranças e o movimento indígena do Brasil”, já havia escrito em carta a Atix, após o anúncio de que Ysani seria levada à ONU.

Ainda, dos mais de 300 povos indígenas brasileiros, somente um, o Grupo Indígenas Agricultores defende Bolsonaro e suas políticas de Estado. A carta lida, inclusive, não foi de Ysani, mas por “supostos líderes de comunidades favoráveis a mudanças na legislação sobre terras indígenas e a abertura dos territórios para a exploração econômica em larga escala”, revelou a BBC.

De acordo com o representante da Associação Floresta Protegida (AFP), na bacia do Xingu, O-é Kayapó, Ysani só tem o apoio de sua própria família. “Ysani tem um pensamento muito ao contrário da maioria do povo que vive nas aldeias. Por ela ter crescido na cidade, acabou confundindo ou se perdendo entre as duas culturas branca e indígena”, disse à reportagem.

Leia também:  Uma crítica ao modelo primário exportador brasileiro como estratégia de inserção global, por Heldo Siqueira

A menção de Bolsonaro aos homens das cavernas também foi mal vista entre os indígenas. Para a Coordenadora da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib), Sônia Guajajara, com a comparação, o presidente brasileiro foi “racista e revela seu desrespeito quanto aos diferentes modos de vida dos povos indígenas”.

“É Bolsonaro quem ainda parece viver nas cavernas”, retrucou Marivelton Baré, presidente da Federação das Organizações Indígenas do Rio Negro (FOIRN). “Ele diz que nós queremos ingressar na sociedade, mas a gente já faz parte da sociedade, mas sem esquecer nossa cultura e sem buscar uma integração total. Nós lutamos pelo nosso modo de ser”, disse.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

1 comentário

  1. Na fala do Presidente ontem na ONU chamou muita atenção quando ele falou em Terras Raras. É uma peça importante no Xadrez, talvez explique muitos movimentos na política, militar etc.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome