Morre Henry Sobel, um ativista pelo fim da ditadura no Brasil

Sobel, como Rabino emérito na Congregação, foi figura importante na defesa dos direitos humanos no Brasil. Marcante foi sua atuação na morte do jornalista Vladimir Herzog

Jornal GGN – Henry Sobel, rabino na Congregação Israelita Paulista nos duros anos da ditadura, morreu na manhã desta sexta, dia 22, em Miami, nos EUA. Sobel estava com 75 anos. De acordo com sua assessoria, ele não resistiu a complicações associadas a um câncer no pulmão. Deixa mulher e uma filha.

Sobel, como Rabino emérito na Congregação, foi figura importante na defesa dos direitos humanos no Brasil. Marcante foi sua atuação na morte do jornalista Vladimir Herzog, que foi assassinado em 25 de outubro de 1975, pela ditadura. Sobel, um jovem rabino, não aceitou a versão oficial e se recusou a enterrar Herzog em ala de suicidas. Isso foi feito em meio a muitas pressões, e Sobel enfrentou.

Ao lado de Dom Paulo Evaristo Arns e do pastor presbiteriano Jaime Wright, realizou o ato ecumênico em homenagem a Herzog na Catedral da Sé. A Catedral ficou lotada, bem como a Praça da Sé, num ato emocionante e silencioso de protesto contra a ditadura. A atuação dos três religiosos marcaria toda uma geração que viveu os anos de chumbo.

Sobel nasceu em Lisboa (Portugal) e, na infância, se mudou com a família para Nova York. Foi nos anos 1970 que aceitou o convite para se tornar rabino na Congregação Israelita Paulista, em São Paulo, onde ficou até 2013, quando mudou para Miami.

Ivo Herzog, filho de Vladimir Herzog, foi um dos que foram tocados pela força de Sobel. Em nota, Ivo conta a importância do rabino em suas vidas.

Leia também:  “Não existe um avanço pleno no combate ao tráfico de pessoas”, diz presidente da Asbrad

Nota

Henry Sobel foi a 1a pessoa, representando uma instituição, que denunciou o assassinato do meu pai, poucas horas depois do ocorrido.

Junto com dom Paulo Evaristo Arns e James Wright, corajosamente, promoveu e esteve presente no ato ecumênico em memória de meu pai na Catedral da Sé.

Quebrando protocolos do judaísmo, enfrentando resistência dentro da comunidade judaica, foi um dos protagonistas que abriram caminho para o fim da ditadura no Brasil.

Se meu pai foi uma das vítimas daquele período, Henry Sobel foi um dos grandes heróis.

Registro aqui minha homenagem e saudades desta pessoa que faz parte da minha vida.

Ivo Herzog

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome