Taxação dos super-ricos: 7 de cada 10 brasileiros apoiam medida de Lula

Patricia Faermann
Jornalista, pós-graduada em Estudos Internacionais pela Universidade do Chile, repórter de Política, Justiça e América Latina do GGN há 10 anos.
[email protected]

A proposta, que é bandeira de Lula na Presidência do G20, foi aprovada pela maioria dos brasileiros e da população destes países, mostra pesquisa

Foto: Arquivo/Levante Popular da Juventude

7 de cada 10 brasileiros são favoráveis à taxação das grandes fortunas, mostra a pesquisa Ipsos, divulgada nesta segunda-feira (24). A proposta é fortemente defendida pelo ministro da Fazenda, Fernando Haddad, e tem sido bandeira do presidente Lula em encontros mundiais.

Em suas viagens internacionais, o presidente tem defendido a medida como meta global para reduzir as desigualdades. O Brasil é presidente temporário do G20, bloco das 20 maiores economias do mundo, e levantou a pauta novamente em discurso no G7, na semana passada.

Além de reduzir as desigualdades, a taxação permitiria uma arrecadação ao governo federal que poderia reduzir o déficit da União. No Brasil, por exemplo, o projeto de elevar as taxas sobre fundos de investimentos ou aplicações em offshores e empresas no exterior que investem em mercado financeiro traria ao país um estimado de R$ 30 bilhões até 2025.

Mas a pesquisa mostrou que a defesa não é só do presidente brasileiro. Isso porque 69% da população é favorável a uma taxação maior das grandes fortunas, nos chamados “super-ricos”. E nos demais países do G20, a proposta é também defendida por 68%.

A Ipsos traçou as estimativas junto ao Brasil e uma média de 22 países, incluindo 18 do G20 e outros 4 de fora: Áustria, Dinamarca, Quênia e Suécia. O levantamento foi feito entre março e abril deste ano.

Ao todo, 22 mil pessoas foram ouvidas. Na lista de todos os países, o Brasil foi o 7º maior defensor da taxação dos super-ricos. Os três primeiros foram Indonésia, com 86%; Turquia com 78%; e Reino Unido com 77% de apoio.

Já os que ficaram “por último” na defesa desse imposto aos mais ricos foram Japão, com 58% e Arábia Saudita e Argentina, ambos com 54%.

Leia mais:

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador