Tema “sensível”: Fake News de Paulo Guedes sobre carga tributária, por Luis Nassif

Publicação "Os fakenews de Paulo Guedes em relação à carga tributária, por Luis Nassif" foi descrita como "sensível" pelo Ministério da Economia. Releia aqui

Jornal GGN – A publicação “Os fakenews de Paulo Guedes em relação à carga tributária, por Luis Nassif” foi descrita como “assunto sensível” pelo Ministério da Economia em relatório do governo que sugere monitorar as reportagens de Luis Nassif no Jornal GGN (entenda aqui).

A matéria foi publicada, originalmente, no dia 23 de junho de 2020 e reproduzimos abaixo:

Os fakenews de Paulo Guedes em relação à carga tributária, por Luis Nassif

O discurso do Ministro da Economia Paulo Guedes está despregando cada vez mais de qualquer veleidade de lógica econômica.

Há alguns meses, seu Secretário Executivo comemorou a queda do PIB com um argumento delirante. A queda foi maior no setor público. O que significa que o Estado está perdendo participação, permitindo um crescimento maior do PIB privado.

Trata-se de uma forma de analisar o PIB inedita na história da economia. Na medição do PIB, gastos do governo equivalem a receita do setor privado. Ou seja, os salários pagos a funcionários, a fornecedores, os investimentos públicos servem para irrigar a economia, através da compra de produtos do setor privado. Portanto, não há a menor lógica em separar PIB público de PIB privado.

Tempos depois, com a economia desbando, Guedes exercitava um discurso otimista sustentando que, quando passasse a pandemia, o Brasil seria o país que mais rapidamente recuperaria o crescimento, por ter sido menos afetado que os demais países. Todos os indicadores internacionais colocam o Brasil como a economia mais afetada e de pior desempenho no combate ao Covid-19.

Leia também:  Setor de serviços avança pelo sexto mês consecutivo

Ontem, outra afirmação de Paulo Guedes chocou economistas em geral.

Em uma apresentação, Guedes inovou no cálculo da carga tributária. A conta correta consiste em comparar o volume de impostos arrecadados como proporção do PIB. Guedes resolveu somar a carga tributária com o déficit fiscal, resultando em um novo conceito de carga tributária inédita no mundo.

Com essa conta, o Brasil passou a ter a 8ª carga tributária do mundo.

Os dados de Guedes foram desmontados por David Dacache, economista e integrante da Rede MMT Brasil – os economistas que defendem o novo conceito de política monetária, com flexibilização da emissão de moedas pelo Banco Central.

Primeiro, Dacache mostrou os levantamentos da OCDE (o grupo de países desenvolvidos). Nele, o Brasil registra uma carga tributária abaixo da média, menor do que a de 22 países e acima de 9 países.

Quando se analisa a distribuição da carga, aparecem as iniquidades fiscais. Em relação à carga tributária sobre renda, lucros e ganhos de capital, por exemplo, a da Dinamarca é quatro vezes maior que a brasileira.

Para os ricos pagarem pouco, obviamente os pobres têm que pagar muito.

Dacache e Lucas Dicandia montaram uma tabela sobre as principais formas de arrecadação e o percentual da receita fiscal no Brasil, comparada com outros países.

Entre os 34 países analisados, o Brasil tem a 24ª carga tributária, como proporção do PIB.

Em relação a tributação sobre Renda, lucro e ganhos de capital, ocupa a 34ª posição, com apenas 6,5% do PIB, contra uma média de 11,4%.

Leia também:  Xadrez da entrada do país na era da ebulição, por Luis Nassif

Em relação à folha de salários, responde por 8,5% do PIB, contra média de 4,8%. E não é maior devido ao aumento da informalidade, com o desemprego e com a flexibilização da legislação trabalhista.

Nos impostos sobre a propriedade, o Brasil ocupa o 18º lugar, com 1,5% do PIB.

E em Bens e Serviços, a tributação indireta que incide maciçamente sobre a baixa renda, o Brasil tem a 3ª carga mais elevada, com 15,4%, contra a média da OCDE de 11,2%.

O trabalho de Dacache e Dicandi é um elemento precioso para espantar fake News frequentemente espalhados por Guedes e sua equipe.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

1 comentário

  1. Fake News, Fake Justice, Fake Diplomacy e agora Fake Economy. Não existe nada que não seja Fake nesse governo. A pórvora de guerra do vagabundo Jair Bolsonaro também é Fake? Se chutarem um pilar do covil da milícia de generais do mito ele vai desmoronar como uma pilha de bosta?

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome