Veto de desoneração corrige distorções, diz Haddad

Tatiane Correia
Repórter do GGN desde 2019. Graduada em Comunicação Social - Habilitação em Jornalismo pela Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS), MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Com passagens pela revista Executivos Financeiros e Agência Dinheiro Vivo.
[email protected]

Ministro da Fazenda destacou importância da decisão tomada pelo presidente Lula sobre folha de pagamento de 17 setores

Fernando Haddad, ministro da Fazenda. Foto: Kelly Fersan/Ministério da Fazenda

A decisão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva em vetar a prorrogação da desoneração da folha de pagamento foi considerada “crucial” pelo ministro da Fazenda, Fernando Haddad, para correção de distorções econômicas e reestruturação do orçamento público.

O veto à matéria, que propunha a extensão do benefício até 2027 com contrapartida orçamentária sem lastro, atendeu a pareceres técnicos da Fazenda, do Ministério do Planejamento e Orçamento e da Advocacia-Geral da União (AGU).

Entre outros pontos, o argumento central é de que a nova lei era inconstitucional, uma vez que criava renúncia de receita sem apresentar demonstrativo de impacto orçamentário-financeiro e sem indicar as medidas de compensação, o que fere a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

De acordo com Haddad, a política pública foi implementada como algo temporário há mais de uma década, e vinha sendo anualmente prorrogada desde então. Contudo, o retorno obtido não atendia às expectativas.

“Vamos apresentar para o Congresso o que nos parece uma solução adequada do ponto de vista constitucional e do ponto de vista econômico. Inclusive enfrentando outras matérias que padecem do mesmo vício de não gerar oportunidades econômicas a não ser distorções no sistema econômico de uma maneira geral”, explicou Haddad.

Esse conjunto de medidas deve ser apresentado pelo governo federal após a Conferência das Nações Unidas para o Clima (COP28), em Dubai, de forma a propor discussões para equacionar o problema dos setores afetados pelo veto, sem perder o horizonte da justiça social e da qualidade no gasto público.

Crédito fiscal

Outra medida que está em debate é a medida provisória que disciplina o crédito fiscal decorrente de subvenção para implantação ou expansão de empreendimento econômico.

De acordo com Haddad, a MP 1185 corrige uma falha que representa cerca de 0,4% do PIB, ou aproximadamente R$ 40 bilhões, relacionada à subvenção de custeio, uma prática que já foi declarada ilegal pelo Superior Tribunal de Justiça.

O ministro enfatizou a necessidade de regularizar o fluxo tributário e oferecer uma solução para o estoque da dívida do contribuinte frente à Fazenda Nacional, sem prejudicar as empresas. Os créditos relativos às subvenções do ICMS que foram abatidas da base de cálculo de IRPJ e CSLL têm um volume aproximado de R$ 90 bilhões.

Essa medida, segundo o ministro, é essencial para atingir a meta do governo de zerar o rombo nas contas públicas até 2024, um objetivo que se alinha com a visão de crescimento econômico sustentável e responsável do governo.

Tatiane Correia

Repórter do GGN desde 2019. Graduada em Comunicação Social - Habilitação em Jornalismo pela Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS), MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Com passagens pela revista Executivos Financeiros e Agência Dinheiro Vivo.

2 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador