O novo cenário político, com a ascensão de Marina

Algumas considerações sobre o fenômeno Marina Silva.

Fato 1 – Marina cresceu por ela, não por Campos.

Dada a enorme rejeição aos dois favoritos, Dilma Rousseff e Aécio Neves, era previsível um crescimento da chamada terceira via, Eduardo Campos. Cantei essa bola aqui.

Acontece que Marina sempre teve maior presença que Campos e, em todas as pesquisas, muito mais intenções de voto que ele.

Ela disparou por ter se tornado candidata à presidente, não pela comoção em torno da morte de Campos.

Fato 2 – Marina não é um Russomano.

Em toda eleição, em algum momento as ondas da opinião pública contemplam um outsider. Foi assim com Garotinho e Ciro Gomes, para presidente; ou com Celso Russomano para prefeito de São Paulo.

Marina é mais que isso. De um lado por ter plantado em 2010 as sementes do discurso do “novo”. Enquanto o cético Serra rezava a Biblia e clamava pelos céus (especialmente pelo inferno contra o aborto), a evangélica Marina discursava sobre o novo. Hoje, ambos colhem o que plantaram. E apenas o plantio de marina floresceu.

Mas, em parte também, por ser politicamente um papel em branco. Ao acenar para os “homens de bem” de todos os partidos – e, com suas alianças iniciais, poder quebrar a resistência dos “homens de bens” – cria uma utopia formidável.

O PSB acredita que, através dela, conquistará o poder. É o chamado auto-engano. Os operadores de mercado tem certeza. Pois não convocaram o mais esperto e deletério dos operadores de mercado: André Lara Rezende? Os cansados da polarização PT x PSDB caem de cabeça.

Leia também:  Candidatos na área da saúde aumentam quase 20% nestas eleições

Eleita, pelo que se conhece de sua personalidade, Marina será ela, apenas ela.

Fato 3 – Marina não é um Lula.

O voluntarismo faz com que parte da opinião pública acredite piamente que essa frente de homens de bem tornará o país governável. Como se, após a posse, não houvesse um Congresso que aprova as leis e uma terrível disputa pela ocupação do espaço político, tanto de partidos políticos como do Judiciário, do Ministério Público, dos grupos de mídia, do mercado, de setores sociais, empresariais.

É esse o pepino que o próximo presidente terá que administrar.

A ideia de que, como a opinião pública desconfiava de Lula em 2002, e ele deu certo, logo Marina dará, esbarra em uma questão fundamental: Marina não é Lula; e a Rede não é o PT.

Havia uma estrutura de comando no PT, a aproximação com as forças econômicas, o apoio dos movimentos sociais. E, acima de tudo, a intuição e o carisma de Lula e, no primeiro tempo, dois operadores de peso atuando de forma sincronizada: José Dirceu e Antonio Pallocci.

Mesmo assim, o primeiro governo Lula deu no que deu.

Imagine-se, agora, esse mar de interesses, de egos, de situações complexas sendo administrado por Marina.

Ontem ela foi certeira ao dizer que o papel do presidente é ser o planejador, o que aponta rumos e não o mero gerente. Faltou dizer que é papel do Estadista a administração de conflitos e das forças políticas. E ela não parece ter nenhuma das características que se exige desse presidente estadista.

Leia também:  Republicanos partem para ataque contra Facebook e Twitter

Fato 4 – o fim do PSDB.

Seja qual for o resultado final das eleições, o PSDB desaparece definitivamente como força hegemônica da oposição. Paga, agora, a mediocrização a que se entregou desde 2006, quando indiciou Geraldo Alckmin como candidato a presidente; e, principalmente, em 2010, com a inacreditável campanha de José Serra. Morreu ao se afastar da academia, abrir mão de qualquer nova ideia ou conceito em nome de um oportunismo míope, e deixar-se conduzir por economistas de mercado, grupos de mídia e pela extrema-direita.

O partido perderá a presidência, o bandeira de maior partido de oposição, o governo de Minas e restará – se não acontecer nenhuma novidade – o controle de São Paulo por aquele que, provavelmente, é o mais despreparado governador da história do Estado.

Cumpre-se a sina de José Sarney que, em 2009, já prognosticava: o DEM acaba, o PSDB será o novo DEM e a nova oposição sairá das entranhas do governo.

Fato 5 – a nova correlação de forças.

Nem de longe Marina será uma líder de massas, uma representante dos desassistidos. Continuará com prestígio enquanto papel em branco. Quando começarem as definições, perderá parte da aura.

No plano social, seu discurso não avança além da ecologia. No plano econômico e fiscal, seus porta-vozes praticarão o liberalismo à la Eduardo Gianetti. Para ele, todos os desequilíbrios sociais, os abusos de preços, de juros, decorrem da falta de educação do povo brasileiro. Sendo assim, nenhuma política pública é eficaz para coibir abusos de mercado.

A esse liberalismo de proveta some-se o liberalismo ecológico de Marina, suas restrições ao crescimento, à ampliação das  hidrelétricas, ao próprio agronegócios.

Leia também:  Um terço dos candidatos no Rio querem arma de fogo para guardas municipais

Na oposição, Marina exerce um papel único, de grilo falante dos abusos ecológicos e do centralismo administrativo. No governo, poderá ser enorme fator de risco.

Sua eleição colocará em risco o estoque de políticas sociais existentes. E, com o liberalismo econômico na Fazenda e no Banco Central, não se espere nenhuma estratégia de desenvolvimento amarrada ou não a políticas sociais.

A imagem do bom selvagem é mais forte do que essas complexidades. O grande desafio será Dilma mostrar que a folha em branco poderá acabar com o avanço do estado de bem estar.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

136 comentários

  1. Pois é…

    Bom, o PT paga a conta de não ter peitado a mídia quando devia. O ódio ao PT levará Marina a presidência, e sim, haverá o esfacelamento das política sociais, óbvio, tripé econômico dá nisso.

    Vai ser quase hilário observar o declínio do país e a decepção dos novos “ativistas” que foram enganados pela salvadora Marina.

     

    • Grazie

      Grazie, não vai ser “hilário” não, vai ser muito triste para as conquistas democráticas e principalmente para os da base da pirâmide..é um retrocesso monumental em todos os sentidos.UMA AVENTURA!

      Abraços

      • sim..

        Com todo o lamento da drástica situação Celso, não posso deixar de confessar que acharei hilário sim ver os novos marinistas choramingando por aí, lamentando a decepção do governo da messiânica Marina; um choro típico do clássico: “político é tudo igual mesmo”. Mas é trágico, óbvio.

      • Concordo com você, Celso, não

        Concordo com você, Celso, não tem nada de hilário nessa situação. Eu perco o sono só de pensar na Marina no poder. Vai ser um catastrófe para o Brasil. Mesmo que ela saia após 4 anos de governo, o Brasil vai demorar para voltar á situção que hoje vivemos. Deus nos livre disso!

  2. Ao contrário do que dizem, Dilma está muito bem encaminhada

    CONJECTURAS, OU, VIVA A MATEMÁTICA – Suponhamos que o PSDB se esfarele de tal forma que faça a sua pior votação desde a volta das eleições em 1989 (não acredito em tamanho esfacelamento, mas é só para imaginar). 

    Aécio Neves faria então cerca de 11 por cento dos votos válidos, repetindo o percentual de Mário Covas em 1989.

    Suponhamos que os 08 candidatos nanicos cheguem ao final do pleito, somados, com cerca de 05 por cento dos votos válidos (algo bastante razoável, pode ser um percentual até maior). 

    Suponhamos que Dilma repita no primeiro turno de 2014 a pior votação em primeiros turnos desde que o PT venceu a eleição presidencial, em 2002. 

    Ficaria ela então com 46 por cento dos votos válidos, igual a Lula em 2002. 

    Teríamos então o seguinte quadro (notem que estou fazendo as previsões mais pessimistas e catastróficas possíveis tanto para Dilma quanto para Aécio e os 08 nanicos):

    -Dilma: 46 por cento;
    -Marina: 38 por cento;
    -Aécio: 11 por cento;
    -Os 08 nanicos somados: 05 por cento.

    Estou sendo ampla, geral e irrestritamente generoso, otimista e benevolente com a candidatura de Marina, não é mesmo? 

    Mas a ideia é justamente esta: ser catastrófico ao extremo com os outros e generoso até não poder mais com a moça lá do Acre. 

    Mesmo fazendo isso, o quadro que emergiria no primeiro turno não seria ruim para Dilma (diferença de 08 pontos percentuais para Marina). 

    Lembrem quem em 2006, no primeiro turno, Lula ficou apenas 07 pontos percentuais à frente de Alckmin (48 a 41 por cento). 

    Se o quadro desenhado, o mais otimista do universo para Marina e o mais pessimista de todas as galáxias para as outras candidaturas, se confirmar, mesmo assim Dilma entraria muito forte no segundo turno, com chances reais de emplacar a reeleição. 

    Como sempre digo, não existe transferência automática de votos de A para B num segundo turno (as eleições de 1989, 2002, 2006 e 2010 comprovam isso). 

    Falta quase um mês e meio para a eleição e não acredito em tamanho esfarelamento do PSDB, tampouco que Dilma tenha a pior votação no primeiro turno desde que o PT chegou ao poder em 2002. 

    Logo, por mais que uns e outros tentem insistir, o quadro para a oposição não é o melhor possível. 

    E para Dilma, mesmo que quase tudo dê errado, há uma gigantesca possibilidade de reeleição.

    • Finalmente um numero que eu

      Finalmente um numero que eu acredito para Aecio!

      11 por cento parece ser o que ele tem agora.  A pesquisa que saiu outro dia me quer convencer que apos a entrada de Marina, Aecio so perdeu 20 por cento dos seus eleitores mas Dilma perdeu 10 por cento!

      Isso nao faz uma goticula de sentido e nao eh acreditavel nem com chantili e cereja.

      • Caro colega

        Na pesquisa Ibope de ontem Dilma marcou 40 por cento dos votos válidos.

         

        Na pesquisa CNT de hoje, Dilma emplacou 42,4 por cento dos votos válidos.

         

        Se outras pessoas imaginam que estes índices são ruins, faltando 01 mês e 10 dias para a votação, se equivocam.

         

        A tendência é de um crescimento importante de Dilma até 05 de outubro. Quanto à Marina e Aécio, vão lutar entre si pelos votos oposicionistas.

        • Se você considera as

          Se você considera as pesquisas, não pode ignorar que elas já estão com os resultados para o segundo turno, o que acha deles?

          • O que eu acho das pesquisas de segundo turno agora?

            Faltando 01 mês e 10 dias para o primeiro turno, pesquisas de segundo turno são absolutamente irrelevantes.

    • Diogo é um otimista.
      Não dá

      Diogo é um otimista.

      Não dá pra analisar sem contar que já temos pesquisas de segunto turno, se acreditamos nelas, temos que levar em conta que elas ja apontam para a captura de apenas 4% do eleitores por Dilma e muito mais por Marina.

      Vamos tentar trabalhar com a realidade, Marina está na frente, abriu 9 pontos no segundo turno segundo o Ibope e o PT precisa trabalhar com esse cenário.

      A Dilma terá que ir para um ataque calculado no segundo turno e onde penso que esse ataque deve focar?

      Emprego e renda. O discuros ambientalista e o da nova política já levaram muitos votos para Marina e não devem ser contestados. Na área ambiental, Marina é referência, demagogia pura, mas não adianta atacá-la nesse ponto. O discurso da nova política é uma baboseira só, tem flancos abertos (caso do avião), mas não dá pra se defeder dizendo que temos que nos aliar aos dinossauros como Sarney e Renan, é melhor deixar pra lá.

      Mas quado falar de economia, o discurso tem que focar nos quadros neoliberais da equipe de Marina e o que isso vai acarretar para a população em termos de desemprego e valorização dos salários. Esse é um debate que pode-se pegar diversas falas do Eduardo Gianetti e do Lara Rezende e distrinchar, explicar direitinho o que essas políticas representarão para a classe trabalhadora. 

      Não adianta querer pegar votos ant-petistas, esse vão para a Marina, mas tem que se deixar claro que o neoliberalismo vem aí, e vem o desemprego, a diminuição de salários, os jutos altos, o fim das políticas sociais. É esse o discuros principal.

      Não subestime Marina como candidata porque ela leva todo ódio ao PT com ela, incluindo mídia e mercado financeiro.

      • Acho que não

        Eu sou uma das pessoas mais pessimistas que conheço em toda a face da Terra. E sempre fui assim.

         

        E justamente por ser assim é que me cerco de dados, de fatos e de estatísticas para embasar os meus posicionamentos.

         

        No caso em questão, não se trata de ser pessimista ou otimista, mas sim de antecipar tendências.

         

        Falta um mês e dez dias para a eleição e as pesquisas atuais são apenas um retrato do momento. Muita, mas muita água ainda vai passar embaixo desta ponte chamada eleição.

    •  
      Não entendi nada. Não sei

       

      Não entendi nada. Não sei se você viu, mas existe uma pesquisa de segunda turno: Marina 45% x Dilma 36%, como que o quadro não é bom para oposição?

  3. Marina surfa na

    Marina surfa na despolitização do eleitorado. Pois este mesmo eleitorado que foi fortemente influenciado pela mídia em direção a ela pode, também, ser facilmente jogado contra ela. Será triste, mas será muito engraçado ve-la enfrentando o PMDB fisiologista de sempre. Por enquanto é um problema cuja solução ainda vai demorar. Alguém governa sem o “centrão”, sem acordos? O que veremos? Um governo paralisado, os oportunistas comendo pelas beiradas e sabe-se la onde isto vai acabar. Versão piorada do governo Collor.

    Não queria mesmo entrar por um tipo de conversa porque ela não me agrada nem um pouco, mas se a elite sudestina ofende e despreza Lula por ele ser nordestino, imagina o que farão com Marina na hora em que ela cair em desgraça, sendo ela acreana.

  4. O mais interessante neste momento é que são

    os eleitores mais convencidos da Marina que pagarão primeiro os “resultados” mais “concretos” da aventura Marina Silva na presidência Brasil.

    Depois vão fazer discursos de coitadinhos e culpar os políticos que mandaram para Brasília.

  5. Ela não tem resposta para

    Ela não tem resposta para perguntas específicas, se perde. Isso ficou claro em sua participação no programa roda viva.

    Quando uma jornalista da área econômica citou números e valores específicos e perguntou  como pretendia aumentar investimentos sociais e cortar gastos ao mesmo tempo, ela fez rodeios, tentou fugir. Com a insistência da repórter, ela disse que esses assuntos ainda não haviam sido definidos pela sua equipe econômica. Ficou claro que ela pretendia realizar o impossível.

    Nos debates, os candidatos não podem  é ficar dando espaços para ela ficar no seu discurso abstrato, dizendo que vai continuar e aperfeiçoar tudo que é  bom  e acabar com tudo que ruim. Tem que tirá-la da zona de conforto, agarrá-la pelos pês e fazer ela pisar no mesmo chão que os outros estão pisando, inclusive sujar os pés na lama em que o partido pelo qual ela se lançou candidata está gerando com “os laranjas” por trás do avião. 

  6. Brilhante texto, Nassif

    Uma análise perfeita do esqueleto que se esconde atrás da máscara.

    Marina captura os jovens e são eles que sempre procuram líderes carismáticos, com propostas diretas, curtas e imediatas nas soluções dos problemas.

    Isso é o que representa Marina Silva e é o que o Brasil não precisa.

    A projeção que Marina ganhou não está lastreada em propostas de governo e em apresentar algo novo.

    Se a ideia de analistas sérios é procurar ou apresentar o novo, a análise baseada no personalismo se mostra falha e insuficiente, pois a própria história está recheada de exemplos de líderes que surgiram descolados da política tradicional e as consequências de retrocessos.

    Novo é algo que nunca foi tentado, e o que Marina apresenta, seus apoiadores, e suas propostas, em nada difere do que se vê no Brasil.

    Para ir direto ao assunto, o que seria o novo repetiria a velha “reforma de base” proposta e não realizada por vários líderes e que derrubou Jango.

    Nada que fuja da quebra da estrutura arcaica da sociedade brasileira pode ser defendida como novo.

    A estrutura arcaica não está na formação dos partidos políticos, esse é apenas uma das consequências do modelo.

    Não é Marina Silva com seu estilo centralizador, avesso a negociações e sem apoio político amplo que conseguirá levar à aprovação os projetos de reforma tributária, política, fiscal e outras que tramitam há décadas no congresso e que seriam a condição essencial para continuar a se quebrar o modelo que engessa e atrasa o desenvolvimento do país.

    Os primeiros passos da reforma estrutural foram dados pelos planos vitoriosos de inserção social da população nos governos Lula e Dilma, e pelo avanço na área da educação.

    O passo seguinte seriam as reformas tributária/fiscal e a política.

    Mas, quem fará tais reformas se a representatividade brasileira, mesmo os eleitores mudando em mais de 50% os seus representantes no congresso em todas as últimas eleições, continuam a sub-representar a população e acolher interesses de setores muito específicos?

    Reforma tributária e fiscal que não se inicie com a mudança da forma de cobrança de alíquotas, que passe a onerar a renda e patrimônio, será infrutífera. Renda e patrimônio são considerados “imexíveis” pelos parlamentares que temem tocar em qualquer coisa que abale o “status quo” da elite brasileira.

    Reforma política séria terá que modificar toda a estrutura de acesso ao parlamento que sem amplo apoio partidário se torna impossível.

    Como Marina Silva poderia apresentar o novo, dentro do exposto acima, se tem em Maria Alice Setúbal do Banco Itaú sua principal conselheira?

    Essa já definiu, atendendo as interesses do grupo a que pertence, a equipe econômica e os princípios de um provável governo Marina:

    “O mercado visualizando as pessoas que estão ao lado dela vai ter muito mais segurança. Ela já tem vários economistas. Terá outras, mais operadoras. Tem [Eduardo] Giannetti, André Lara Rezende, Eliana Cardoso, José Eli da Veiga. São economistas que têm um olhar mais acadêmico. Eles já dão um certo aval para o mercado -embora eu entenda que não seja suficiente porque eles são mais teóricos. Acredito que ao longo da campanha nós vamos ter outras pessoas que estarão se aproximando, que são mais, vamos dizer, operadores.”

    Como imaginar uma candidatura que se preocupe com as reforma estruturantes em um país tão carente defendendo a autonomia do Banco Central, enaltecendo operadores de mercado que submetem os interesses da população à sanha do mercado?

    Afinal não é o mercado financeiro e os pregadores da austeridade que se agrupam em torno da candidatura de Marina?

    Em que difere a candidatura de Marina da de Aécio quando ambos professam o “ajuste”, que incluiria um “choque fiscal”, redução de tributos e a diminuição da presença do Estado?

    Giannetti, guru econômico de Marina, já afirmou que intervenção do estado “mina a confiança do setor privado”, repetindo os mesmos mantras do neoliberalismo.

    O Brasil ainda demanda de gastos com saúde, saneamento, educação, cultura, trabalho, assistência e previdência social, como se imaginar “ajustes dolorosos”?

    Marina e a ideologia ambiental propõem a reforma do modelo econômico com restrições ao crescimento pela ecologia, exigem uma “freada” na economia similar à proposta pelos economistas ortodoxos.

    Nada de novo para os analistas que enxergam com profundidade, apenas para os jovens que curtem propostas diretas, curtas e imediatas nas soluções dos problemas.

    • Quantos?

      Assis, tua análise é excelente, mas destina-se a uma fração ínfima da população. Ninguém faz análise profunda antes de votar, quase ninguém analisa plataforma de candidatos para depois definir seu voto. Isso só acontece com uma pequena minoria.

      Em regra geral o povo quer comprar um sonho, o povo não está interessado em eleger o melhor gestor para o país, mas vai escolher quem tem o sonho mais lindo para vender.

      Foi o caso com Lula em 2002, em 2006 e com Lula ainda em 2010 – a Dilma como vendedora de qualquer coisa sempre foi um desastre, não conseguiria sequer vender uma garrafa de água para alguém perdido no deserto. Quem colocou a Dilma na presidência foi o Lula e só ele, a Dilma sozinha não chegava nem morta.

      Acontece que hoje exsite um descontentamento grande com relação à maneira de fazer política no país. Não estou sequer entrando na análise dos motivos – imprensa, mudança da sociedade, derrapadas do PT, acomodação no poder,… O fato é que esse descontentamento existe. Quais são as opções que o eleitor tem?

      (1) Mais do mesmo modelo (PT), que pode ter trazido benefícios mas que não agrada hoje em vários aspectos, entre outros a comunicação com a população.;

      (2) Volta ao passado, sem nenhuma proposta que não seja um retorno a um modelo onde grande parte da população estava muito pior que hoje;

      (3) O sonho de uma “nova política”, com pinceladas de ecologia, um discurso acima dos partidos, de trabalho com “as pessoas do bem”.

      Nesse momento não importa nada se o discurso é realista, se é hipócrita, se um governo Marina é factível (concordo com Nassif que seria muito perigoso em função da falta de conhecimento técnico, da ausência de estrutura partidária sólida e da personalidade complicada da candidata),… Ela conseguiu entrar em sintonia com uma parcela enorme da população, e não acho que críticas racionais sobre falta de programa ou proximidade com banqueiros e outros vá ter o menor efeito sobre o eleitor dela.

      Não sou nem um pouco favorável a ela, mas acho que de alguma forma ela conseguiu traduzir os anseios de uma grande parte da população. Chegando no segundo turno, entra o fator “tudo menos o PT”, com provável transferência de boa parte dos votos tanto do PSDB quanto de vários nanicos.

      Como a Dilma pretende reverter isso? Não sei, mas o que tenho absoluta certeza é que não é com base em monte de estatísticas e números, nem batendo na Marina, que ela vai fazer sonhar e atrair esse eleitor.

  7. Eu sou uma pessoa prática.

    Eu sou uma pessoa prática. Por isso, quando critico a política de juros para combater a inflação, não apenas faço a crítica, mas aponto alternativas. Pode até ser que minhas sugestões sejam piores do que o aumento dos juros (duvido), mas pelo menos não é apenas uma crítica vazia.

    Assim, me identifico muito mais com a Dilma, não só porque ela também é uma pessoa prática, mas porque quem está no governo pode dizer que construiu, por exemplo, X moradias e em um novo mandado, construirá mais X. Ela nunca iria prometer que no segundo mandato, em vez de fazer X, faria 1000 X, o que seria absurdo e irrealizável.

    Quem está no governo tem obrigação de prometer o que pode ser feito e não mundo e fundos, sem explicar como fará e de onde virá o dinheiro.

    É por isso que meu alerta de lorota acende a luz quando alguém diz que vai governar com “os bons” de todos os partidos, como se houvesse alguma mágica que faria o congresso, governadores e prefeitos esquecerem os seus interesses e pensarem apenas na governabilidade da esfera federal.

  8. No Brasil de hoje há um

    No Brasil de hoje há um imenso contingente de jovens perdidos sem boa instrução e sem perspectivas de futuro, vegetando em trabalho precario ou simplsmente desempregados. Esse enorme grupo despontou nas manifestações.

    São os que não tem nada a perder na vida. Boa parte é mantida pela familia mais velha, pais e avós aposentados.

    Eles não tem nada a esperar de governos convencionais do “mainstream” politico, que não tem projeto para eles.

    Essa massa aflora em todos os tempos dos fim de ciclos politicos, é o material combustivel das revoluções, primaveras,

    revoltas tipo geração de 68, na Alemanha dos anos 30 dela saiu o nazismo, é a turma fora do lugar no espaço e no tempo que procura uma porta de saida de sua crise existencial. Marina, com todo sua notória insignificancia politica como

    lider de um Pais entre os grandes do planeta, captou esse filão e surfa nele, pode durar muito ou pouco, é uma tendencia-onda forte porque tem raizes na realidade social, enquanto os petistas se perdem procurando o inimigo em outro lugar, não enxergam de onde vem as investidas que podem atingir a continuidade de seu projeto.

    Na politica entender os ciclos é crucial, os ciclos são ligados a processos demograficos e sociais profundos, normalmente o que vale numa década não vale na seguinte, um jovem de 18 anos pensa completamente diferente com 28 anos, sua vida mudou para um lado ou par outro, não é o mesmo ser politico. Casar o personagem com o ciclo é algo raro, a persona politica encaixada no ciclo, parece ser esse o caso de Marina, ai é irrelevante o ser real, o fato de ela ser inadequada para dirigir uma creche por falta de competencia não faz os eleitores entenderem ela ser uma tragedia para dirigir um Pais.

    • O problema é que muitas

      O problema é que muitas críticas caem no colo do governo federal e consequentemente no colo da Dilma e do PT, mas deveriam ser muito mais direcionadas aos governos estaduais e municipais.

      O “estopim” das manifestações, ou seja, o preço da passagem de ônibus, é responsabilidade dos prefeitos. Metrô é responsabilidade dos governos estaduais.

      Críticas contra a saúde sempre esquecem que a maioria dos hospitais são municipais ou estaduais. Ao governo federal cabe muito mais o papel de financiador do sistema. Quem deve fazer a gestão local é o prefeito ou o governador.

      É o mesmo caso das obras do PAC. O governo federal não sabe que precisa fazer uma adutora em determinada cidade litorânea para que não falte água na temporada turística no verão. O governo federal não sabe que falta uma creche em determinado bairro. Quem deve fazer os projetos é o município ou o estado. Quem deve fiscalizar as obras em primeiro nível são as esferas estaduais e municipais. Mas quem sempre leva a culpa por atrasos ou irregularidades é o governo federal.

      Mas é muito mais fácil culpar o governo federal por tudo em vez de se informar sobre as reais responsabilidade. Não, na verdade, governo federal é ainda algo muito amplo. Vamos restringir um pouco mais. Que tal culpar o partido que ganhou a eleição? Já está de bom tamanho, mas acho que podemos avançar um pouco mais. Que tal culpar a presidente? Ah! Agora sim! Achamos UMA ÚNICA PESSOA que é a culpada por todos os problemas do país. Agora posso voltar para o Facebook e descer o sarrafo na Dilma.

      • Nada a ver. As manifestações

        Nada a ver. As manifestações não foram dirigidas especificamente a determinados governos e sim ao sistema politico que é considerado uma farsa por esse grande grupo de brasileiros. Os temas alegados “passe livre”, “Copa”, etc. são meras capas para a magnitude dos protestos, que tem um carater muito mais difuso voltado ao conjunto das instituições politicas.

        Marina é vista por esse grupo como uma outsider, uma personalidade de “fora do sistema politico”, embora quem conhece politica sabe que isso é falacioso, ela é politica como todos os demais, mas vesta essa capa de “carmelita descalça”.

        É impressionante como os fenomenos Janio e Collor se repetem ciclicamente, mais Janio ainda do que Collor.

        Janio se apresentava como “contra os partidos”, Janio realmente nunca teve partido, era mero passageiro de alguns partidos, era “contra os politicos”, era do começo ao fim uma mera encenação, como é hoje Marina e sua trupe, é impossivel governar sem politica, pode ser um sistema mais ou menos ruim, mas ele é inevitavel em qualquer regime.

        Conheci Janio de perto, na sua ultima gestão na Prefeitura de São Paulo um dos seus principais Secretarios municipáis era

        um grande amigo e companheiro meu e eu ia praticamente todo fim de expediente ao gabinete do Prefeito no Ibirapuera encontra-lo e via o Prefeito em seu gabinete, um mega ator de primeira classe.

        A recorrente repetição do “outsider” que vai purificar a politica  faz parte da nossa historia, que deveria ser usada como mestra da vida para que não se repitam os mesmissimos erros do “salvador da patria” que custa muito mais do que o pecador e seus pecados.

        • Na veia

          A comparação com Jânio é para mim a melhor que existe. Marina soube captar a insatisfação geral e apresentar-se como o salvador da pátria, pairando acima dos reles mortais e dos políticos corruptos.

          Ela se coloca acima da política, então qualquer crítica de falta de coerência, ausência de programa, etc. não a atinge. Acredito realmente que ela pode ser eleita, o que será um desastre absoluto para o país, infinitamente pior do que a eleição do Aécio.

      • GENI

        Tem razão, Dilma virou uma espécie de Geni , em quem todo mundo joga pedras e transfere culpas até pelo mal estar existencial !!! Ai, quebrei uma unha…culpa da Dilma.

        Isso começou devargazinho, através da mídia principalmente, mas infelizmente se espalhou e cristalizou-se. Acho injusto com Dilma, mas o erro do Governo foi não ter reagido  logo no início. Faltou comunicação e talvez até humildade. Agora o tempo é curto para uma reação. Torço para que seja possível reverter isso, mas sem muita esperança.

      • Eu acho até que deveríamos

        Eu acho até que deveríamos abolir os governos estaduais. Para que eles existem, afinal ? Os prefeitos sim, são mt cobrados pela população, mas o restante é tudo obra e graça do governo. E governo, para a mídia e quem a lê é Governo Federal. Mas parece que está começando a ser pecado culpar a mídia, não é? Ela faz lavagem cerebral por muitos anos, acho que uns 500, e mt forte nos últimos 12 anos. Mas estou achando que “não é politicamente correto” culpá-la por nada mais, tudo culpa do PT e seus “imensos” erros, que os teóricos jogam diariamente no Blog.

  9. E o Boris Casoy no debate

    E o Boris Casoy no debate ontem, com suas perguntinhas no velho estilo CCC? Meu Deus, que lixo…

  10. pensar ….livre pensar …..( millor )

    Nassif:

    Sua boal de cristal esa suja .

    Sua visão é deturpada pelo retrovisor.

     

    Marina é carne fresca, é novidade.

    Se tivesse  sido lançada junto com a corrida eleitoral teria desaparecido na sua medicricidade.

     

    Marina não tem conteudo. O que nãoi quer dizer nada porque não é percebido pelo eleitor.

    PSB   não existe. Voltará a ser  acessório.

    Caso marina vença  discordo de seu conceito sobre o PSDB.

     

    O PT é que vai desaparecer  como força principal. das esquerdas, voltará a ser coadjuvante.

    A ideologia de esquerda que foi cooptada  pelo PT será dividida entre outras agremiações.

    Com isso  as  esquerdas  ficarão sem representante forte. ( o que corresponde ao eleitor brasileiro ).

     

    O pensamento liberal  sempre existirá por que tem representatividade no eleitorado.

    Com isso  o PMDB voltará a ser o  mais representativo do eleitorado brasileiro : de direita,  liberal.

     

    O perigo de se eleger Marina é sua semelhança com Collor : sem definição ideologica,  sem programa, sem vinculo.

    O perigo é ter uma AVENTURA.

     

    Como é errando qeu se apreende, vamos passar por outra catarse.

     

     

     

  11. Legitimidade emanda do povo!

    A presidenta Dilma tem um dificuldade de se expressar.  Com isso, ela passa uma ideia de insegurança para o telespectador.

    Ontem no debate eu percebi isso. Ela vai falando e, de repente, parece que dá um branco e trava a voz momentaneamente, voltando a falar em seguida com uma preposição, um artigo, enfim, criando um frase meio que  truncada.  Isso, certamente, não é bom para ela.

    O Aécio fala muito melhor.Com muito mais fluidez e isso é bom para ele.

    Marina também se expressou melhor do que a presidenta.

    Os outros estão ali , tive essa impressão, para capturar votos aos três concorrentes: Dilma, Marina e Aécio( mais para este, com todos aqueles clichês de redução da maioridade penal, venda de patrimonio publico etc)

    Talvez, estas também façam parte das “medidas impopulares”.

    Enfim, a presidenta, com o devido respeito, precisa treinar  mais . Não me refiro ao conteúdo porque certamente ela sabe mais do que todos os adversários juntos.  Refiro-me à força de expressão.

    Aliás, ela deixou  passar algumas bobagens ditas pelos adversários. Por exemplo, quando um dos candidatos disse que o Brasil não pode levar o dinheiro dos brasileiros, o “sangue” dos trabalhadores brasileiros,  para outros países como Cuba etc( foi mais ou menos assim).

    E a presidenta não atacou este ponto! Já começou explincando a situação do Brasil como majoritário na américa latina etc. Ora, deveria ter dito que o Brasil não leva  SANGUE  de trabalhador, traduzido ou não em dinheiro,  para onde quer que seja. Isso parece coisa de países em estado de guerra que não ocorre por aqui.   Ela deveria ter ironizado o advesário nessa fala infeliz. Mas não o fez. E num debate, onde NÃO HÁ DEBATE ALGUM, cujo úinico objetivo é angariar votos, ela deveria se preocupar mais com isso. Precisa ficar mais atenta a isso!

    Bom, este , pra mim, seria o risco do Brasil quando vemos um debate “de votos”.  

    O resto, como já sabemos, são conversas de economistas que criam espantalhos aqui , ali, acolá, tudo em prol dos seus  investidores. 

    É liberalismo pra cá e remessas de lucros pra lá, passando , é claro por Hong Kong,( saudando aqui o a inteligencia para o “bem” de Roberto Campos)  Líbano, Cingapura, Suiça ( essa meio que tá de fora por enquanto , kkk) Emirados Árabes, Mônaco, Ilhas Cayman( essa é mais famosa), e que tal  essas: ilhas virgens americanas ou virgens britânicas ( será que são virgens mesmo?)

    Eu fico me perguntando: como um poder que é uno e emana do povo pode eleger um representante que promete ir contra ao poder que lhe dá legitimidade para agir? Como? Alguém pode me explicar?

    • O Aecio na fala melnhor, pois

      O Aecio na fala melhor, pois nao eh falar melhor ter ares de deboche toda vez que se fala, parece ateh alguns que discutem politica em boteco com a profunidade de uma lamina de barbear deiada.

    • A Marina sempre responde com

      A Marina sempre responde com um samba de duas notas. Desfazer a polarização e unir os brasileiros de boa vontade.

      Já a Dilma está meio automatizada. Falta um pouco de naturalidade.

  12.  boa análise.
    essa imagem do

     boa análise.

    essa imagem do papel em brancio da marinba é ampla e permite desobramentos.

    o debate para dilma deveria ser mesmo desconstruir essa imagem do neonliberalismo de marina e sei entorno notoriamnte vinculadoi a interesses contraitórios – banqueiros e econmistas neoliberais de um lado e o tal do liberalismo ambiental que acabam se juntando .numa iprovável salada mista que certamente implodirá os programas sociais tão duramente onquistados nestes últimos doze anos.

    o grilo falante certamente calará diante desa grande mídia avassaladora e se debater´diante da maplitude e complexidade do congressoo nacional – qualquer que seja a formação futura dele .

    e este exatoo momento me vem uma frase do millor tipo assim

    – o brasil não é para amadores.

     marina não tem memória do passado ou faz que não tem ao comparar chico mendes com  a neca do  itau no debate da band , dizendo que ambos são da elite, um contra-senso, pois ambos estariam obviamente em lados opostos da luta política.

    nem memória do que seja o futuro, adquirida só por quem tem esse senso do passado com o presente.  

    na minha opinião é meio disléxica, mas isso é muito pessoal e não gostaria de entrar nessa – é só rever o vídeo do debate que para bom entendedor, uma ou duas frases repetidas bastam.  

    o que no meu pobre entendim]ento linguístico pode explicar a disfunção de linguagem que a faz perder a noção do contexto da realidade e utilizar-se do tal messianismo.

     

    • Eu tbm acho, mas eh aquilo,

      Eu tbm acho, mas eh aquilo, os jovens que querem mais direitos e menos impostos (?) nao estao nem ai para coerencia. Nao importa que isso jah tenh acontecido (Collar), a historia pode se repetir.

      Nassif, vcoe poderia externar as suas perspectivas para o setor Naval com Marina presidente. Para eu estas nao sao nada boas. O que serah do Pre-sal. Dilma deve insistir nisso e toda vez que  Marina enrolar (que serah sempre) mandar o recado, gente, ela nao responde. Colocar o bode na sala eh o mlehor modo de mostra a louca vazia. Eu gostaria muito de saber a opinia de Marina Silva para os investimentos em educacao previstos com o Pre-Sal. Como fara para continuar o financiamento de pesquisa de pos graduacao, de fomento a inovacao, vai usar a Lei aprovada pela Dilma ou vai na moita pedir pro pessoal que faz aquiolo que ela nao gosta (fazer politica) tentar derrubar a Lei?

      Eu penso, Pres-Sal = Petroleo = mal ao mei ambeinte = tem que ser revisto. Ai vem = BR cai de preco, encomenda de navios e plataformas e de conteudo nacional vai pro saco, e ai os jovenzinhos marineiros vao ver o que eh bom pra tosse.

  13. PSDB paga pela terceirização da oposição à mídia

    A dêbàcle do PSDB se deve também à terceirização do serviço de oposição à mídia.

    Sem ideias, viveram, nestes últimos anos, dos factoides de Veja, Folha etc.

    Gente como Alvaro Dias e Carlos Sampaio teriam sido mais úteis se tivessem lido menos revistas e jornais e dado menos entrevistas indignados pra Globo, e tivessem buscado mais conversar com as pessoas.

    Poderiam até afundar do mesmo jeito. Seria, pelo menos, com dignidade.

    Em suma, são verdadeiros maridos traídos nessa história. A mídia tá saindo com a Marina!

  14. Que mineiro é esse?

     

    Depois de anos no blog, eu não devia mais  me espantar, pq quase sempre é assim.

    Eu começo a pensa, ih esse Nassif sei não, tem subido uns posts, escrevendo umas coisas… sei que, como todo mineiro, sente-se confortável em cima do muro,  mas daí do nada ele vem dá uma dessas. 

    Que Marina é um perigo  é do conhecimento do mundo mineral, tem que se fazer um esforço muito grande para cair na inocência de acreditar na farsa Marina.

     

  15. Discordo Nassif. O cenário

    Discordo Nassif. O cenário político brasileiro não mudou. Na verdade o cenário político tem sido o mesmo há quase duas décadas: os bancos privados querem controlar tudo, inclusive o Estado brasileiro. Dois candidato nesta disputa presidencial representam os interesses político-financeiros dos bancos privados (Aécio e Marina Silva). Do outro lado do espectro político, está o PT (e seus aliados) que acredita que o Estado deve ter poder regulatório, pode empregar recursos públicos para fomentar a economia e usar os bancos públicos para reduzir ou controlar a juros do mercado. O cenário político é o mesmo que existia  em 2002. Mudaram apenas os avatares  na urna eletrônica. Como Marina não representa uma mudança e a mudança pretendida por Aécio Neves é um retorno ao desesperador passado FHCiano ficarei com Dilma Rousseff. 

     

     

  16. Dilma

    Apesar de todo o falatório ouvido e ainda a ouvir, acho que a presidente Dilma leva esta contenda novamente. Pouco a pouco, creio eu, a população irá parar, pensar e ver que muito se fez e claro muito se há de fazer para pôr nos eixos um país com a complexidade do Brasil. Estamos no caminho certo. Uma vitória da Marina jogaria no lixo enormes avanços que até a eleição a população irá perceber.

  17. Grandes verdades:

    “Morreu (o PSDB) ao se afastar da academia, abrir mão de qualquer nova ideia ou conceito em nome de um oportunismo míope, e deixar-se conduzir por economistas de mercado, grupos de mídia e pela extrema-direita.”

    “O PSB acredita que, através dela (Marina), conquistará o poder. É o chamado auto-engano. Os operadores de mercado tem certeza. Pois não convocaram o mais esperto e deletério dos operadores de mercado: André Lara Rezende? Os cansados da polarização PT x PSDB caem de cabeça.”

    “Eleita, pelo que se conhece de sua personalidade, Marina será ela, apenas ela.”

    “…uma questão fundamental: Marina não é Lula; e a Rede não é o PT.”

  18. Oh 61% ainda nao viram o

    Oh 61% ainda nao viram o horario eleitoral. Eh impossivel que esse numero nao diminua. Quem nao ve o horario eleitoral por se despoliizado eh o eleitor de Marina, pois mesmo os PSDbistas tem mais disposicao mpara. Sao os jovens que vao salvar o planeta. Jah conheci muitos que foram tirar o peh da Universidade para se aprumarem e verem que a vida eh a vera.

    http://www.ocafezinho.com/2014/08/27/cntmda-61-dos-brasileiros-ainda-nao-assistiu-horario-eleitoral/

  19. “…Enquanto o cético Serra

    “…Enquanto o cético Serra rezava a Biblia e clamava pelos céus, a evangélica Marina discursava sobre o novo…”

    E a Dilma pregava continuidade oferecendo benefícios a conta-gotas e pagando juros aos rentistas?

    O que surpreende a facilidade com que se aponta para os tucanos e a vista grossa em relação ao trabalho do PT.

    Não há uma única linha a respeito.

    .

    Quem disse o melhor nesse sentido foi o jornalista Maurcío Dias, um lulista. O fácil descuido do PT em relação aos compromissos assumidos não passam em branco… Principalmente para a juventude.

    Assim, enquanto os ufanistas brotavam do chão tecendo loas a conquistas fantásticas, a ridícula ausência de senso crítico não dizia sobre o ÔNUS, o lado omitido e deixado de lado pelo governo.

    .

    Enfim, A DESILUÇÃO e o DESENCANTAMENTO em relação ao PT explicam muito mais que o Serra.

    Rola um sentimento de enganação, de que se essa história tão decantada de “governabilidade” significa no final um aperto de mão no Maluf estamos fudidos.

    .

    Mesmo assim este é um argumento que explica pouco o avanço da Marina.

    • olha o mineirinho

      olha o mineirinho intelectualmente desonesto. Nos últimos dias tem até me irritado a quantidade de críticas feita pelo blogueiro ao governo Dilma, ao PT. Pelo fato das críticas não constarem de TODOS os posts, o mineirinho diz que elas não existem.

      Você precisa ser mais sério, Chico. Digo que, dentre todos os comentaristas, você é aquele intelectualmente mais desonesto. 

  20. Sinceramente eu não acho que

    Sinceramente eu não acho que o PSDB vai acabar. Principalmente o PSDB de São Paulo.

    O PSDB já é muito próximo do PSB, principalmente no sul-sudeste, e vai facilmente se integrar à base aliada. Os “operadores” de mercado também vão aceitar de muito bom grado esse apoio, pois também são próximos e irão precisar deles para aprovar e implementar as tais medidas impopulares.

    Não vejo toda essa imprevisibilidade num governo Marina não.
    Apesar de ser bem convicta em suas idéias, nas idéias que não são suas ela é bem influenciável. Ela aceitou muito bem essa história de tripé e todo esse mercadismo que seus gurus lhe tem vendido. Não creio que ela vá criar problemas pra eles quando eles quiserem implantar o liberalismo que sonham.

    Terão uma base confortável, pois além do PSB e PSDB terão também o PMDB e os penduricá-lhos (PTB, PR, PP, etc) pois estes vão apoiar qualquer que ganhe, desde que lhes sejam dadas as “migalhas” de sempre. Ou alguém aí acredita que ela vá sustentar esse papo de nova política e desdenhar desse apoio. Claro que não. Será explicado a ela, por aqueles em quem ela confia, que isso é necessário.
    Qualquer divergência que por ventura venha a ocorrer entre alguma posição firme de Marina e o interesse de algum grupo empresarial ou segmento de mercado que tenha força econômica/política/midiática será resolvido politicamente pelos mesmos políticos de sempre. Se de tudo Marina começar a dar muito trabalho (o que eu não acredito) eles dao um “jeito” nisso, travando o governo e o país de tal forma que ela seja forçada a renunciar.

    No fim das contas os poucos do PSB que ainda se atém às posições históricas do partido vão ter sua influência diminuída. Um governo Maria, pelo que tem sido apresentado até agora, teria muito mais a cara de PSDB de São Paulo do que a de qualquer outro partido.
    Aos poucos eles vão tomando as rédeas e poderão até pleitear em 2018 ou 2022 a vaga de candidado da situação (resta saber com que nome).

    Isso tudo “turbinado” pela falácia de que se deve impedir o crescimento do consumo dos mais pobres para salvar o meio ambiente (enquanto os ricos continuam esturricando o planeta e mantendo seu padrão de vida).

  21. Marina formará sua base de

    Marina formará sua base de apoio com a bancada evangélica.

    Esses são os políticos bons que se encontram em cada um dos partidos.

    Isso é o que ela pensa.

    •   Se a Marina, caso eleita,

        Se a Marina, caso eleita, vai ter ou não base de apoio Congresso não me parece ser o problema. Como já foi dito aqui neste site, os arranjos serão os de praxe. Não há como ser diferente. E ela sabe disso. Esse discurso de buscar apoio entre  os  bons parlamentares (da bancada da “providência divina “?) esgota-se na eleição.

        A questão é a tropa de choque da elite financeira, que botou a faixa presidencial no peito e na maior desenvoltura  já convoca seus pares para detalhar o pacote de medidas. Enquanto a candidata, em programas eleitorais e debates engessados, repete o seu rosário de generalidades (cativante para muitos), a turma da “bufunfa” não perde tempo. Sem qq escrutínio, trata dos temas fundamentais ao país. Isso é o que assusta. 

  22. E resta saber se ela ainda

    E resta saber se ela ainda será capaz de fazer uma maioria no congresso. Pois só PSB (com os aliados pequenos), PT, PSDB e os “bons” do PMDB/PDT (e outros partidos) não devem fazer nem metade do congresso.

    A “tábua de salvação” dela vai acabar sendo logo a bancada evangélica, que atualmente conta com +/- 70 deputados e possivelmente crescerá nas eleições.

    E ainda fica a dúvida do que o PT fará em casa de um governo Marina. Como alguém que compartilha, em parte, da visão levantada por alguns comentaristas de que o partido “perdeu o rumo”, acho que a melhor maneira de tentar recuperar tal rumo ou se reinventar é na oposição, até para chegar em 2018 com o discurso afinado.

  23. Repetindo…

    Meu irmão tem um amigo que faz medicina nos EUA pelo Ciência sem Fronteiras, e o mesmo só faz xingar Dilma. Quando indagado que se não fosse o Governo dela ele não estaria lá, o mesmo responde: ” Estou aqui pelo meu esforço, não devo nada a essa vac***!” Quero ver como ficará essa moçada no governo de Marina, só tenho pena dos pais que pagarão a conta.

    • Esse é o mantra comum de

      Esse é o mantra comum de todos. É só ver as “Histórias Brasileiras” da Globonews, que acompanhou cidadãos desde 2010. Em geral, todos melhoraram de vida, mas creditam isso ao proprio esforço.Nenhum mérito para o governo. 

    •   Isso é o resultado de uma

        Isso é o resultado de uma outra frente de ataque muito eficiente: a campanha do ódio que gerou um clima extremamente pesado, agressivo que se infiltrou na sociedade brasileira, arranhando até relações pessoais e familiares. Trabalho profissional competentíssimo de exploração das fragilidades humanas. Com invejável determinação e constância, provocou-se o  emocional das pessoas, usando seletivamente o discurso da ética, corrompida pelos atuais ocupantes do governo federal, os inventores da corrupção. De tanto bater, essa “água mole” acabou por furar a pedra, despertando “instintos primitivos”. Nesse ponto,  equilíbrio, discernimento e racionalidade vão pro ralo. Nenhuma reflexão é possível. Abre-se, então, uma avenida de oportunidades, conforme planejado.

  24. No debate Marina revelou-se

    No debate Marina revelou-se como uma demagoga, populista e oportunista. Surfa na onda do terror anti-PT criada pela mídia ligada ao circuito financeiro, a mesma que vem derrubando governos desenvolvimentistas desde Getulio Vargas. Sabe que o mensalão foi uma farsa, sabe que o governo do PT não é dominado pela corrupção, e sabe que jogar a responsabilidade pela precariedade das políticas públicas no colo da Dilma, eximindo estados e municípios, é errado. Tinha Marina como uma política decente. Mas definitivamente ela está fazendo uma política rasa, sem princípios. Talvez um dia voltará a ser decente. Hoje, oposição decente so Eduardo Jorge e Luciana Genro.

  25. E o cenário econômico como é

    E o cenário econômico como é que  fica? O Itaú a gente já sabe que nada de braçada. E o Bradesco, que trabalha no varejão onde se espera desemprego na economia de tripé da Marina Silva, como é que fica? Num cenário de desemprego como ficam as financiadoras que aproveitaram o boom da classe C?

    Será que teremos aquela cantilena: vamos privatizar a Caixa e o BB porque o PT deixou a economia em frangalhos . Vamos privatizar a Petrobrás porque o governo precisa de caixa para pagar as dívidas do governo petista. Vamos parar a obra de transposição do Rio São Francisco porque acabou o dinheiro do governo pois a Dilma gastou tudo. Vamos mandar os cubanos de volta porque Marina não concorda com planos “paliativos”.

    O Eduardo Gianetti disse ontem que é a favor que se cobre mensalidade nas universidades públicas. Não vai ser divertido ver a classe média wtnc que ofendeu a presidente pagar mensalidade nas universidades públicas através de um governo escolhido por eles?

     

  26. O avesso do avesso.

    “Marina não é Lula, Marina não é Russomano”.

    Realmente, Marina é o Collor de Mello da vez. Só falta o brado “não me deixem só”.

    “O grande desafio será Dilma mostrar que a folha em branco poderá acabar com o avanço do estado de bem estar”.

    Grande?

    Luciana Genro e Eduardo Jorge contrangeram de Marina lembrando a ela os seus antigos compromissos, agora abandonados para adotar o neo-eco-liberalismo-evangélico.

    PS.: no debate de ontem, Marina fazia o papel de viúva de quem? De Eduardo Campos, de Lula ou dos dois?

  27. Marina eh Lula sim
    Provo assim.
    Somente o Lula nestes 39 dias que faltam tem capacidade politica para reviver a candidatura da Dilma.
    Sem ele Dilma nao tem esta capacidade politica nem jogo. Quanto mais credito.
    Ontem Dilma so se referiu a Lula uma vez.
    Nao tem e nem tera foco.
    Se lula, por falar nisso onde esta tambem, nao reverter esta situacao ate a primeira eleicao Dilma perde no segundo turno. Ou Marina perde o tempo da onda nao surf e cai por si mesmo.
    So dois fatores e fatos existem para esta tsunami. Lula entrar na briga e o tempo. Lula pode reviver a militancia petista, pode, chama para rua, pode e criar outra onda, pode.
    O tempo pode ser um fator de apagar e ate queimar o filme.

    • caldo de galinha

      joão :

       

      Lula não se renovou.

      Quando podia marcar historia, não fez nada.( 2o   mandato )

       

      tudo acaba um dia.

      Sua fala é a mesma de 30 anos atras.

      O publico é mais estudado, mais maduro e sabe de sua limitações.

      Não tem a mesma repercussão.

      Triste fim para um lider  que podia entar para a historia do brasil.

      vai ser lembrado pelo mensalão.

      • eh galinha da bom caldo.

        mais caldo de galo velho da maior.

        sabe em politica temos carisma, temos o que a pessoa passa de confiança, o que queremos escutar e gostaria de falar.

        junta tudo isto e de a profissão esperança ao brasileiro

        prometa que vai trabalhar duro.

        prove que você não eh diferente e igual  ele e a qualquer brasileiro

        mostre suas ideias e uma visão maior que a comum da politica e do Brasil

        demostre sua liderança compartilhando ideias, fala grosso sem se mostra agressivo.

        A ciência, a dança, a musica enfim as artes, ciências, os lideres, teorias filosofias estadistas, alquimistas não envelhecem viram padrão e referencias. Escutar o noturno em determinada hora ou qualquer musica de muitos séculos passados que seja um padrão ou referencia não tem tempo linear, são outros tempos. Não sei se o Lula vai entrar para historia mais com certeza vai ficar nas mentes, nos corações e será repassado ao futuro como a voz do popular e será um padrão politico. Não conheci Getúlio Vargas mais as leis trabalhistas e seguridade está ai. Eh por ai. A visão e sua forma de agregar politicamente não tem nada com o nosso tempo linear e nem com estudo escolar.

        Ele provou.

        Não podemos nivelar certos aspectos como o vegetal e animal em maior e menor escalas é um sistema que tem seu equilíbrio próprio, variáveis. Um produtor da agricultura familiar nao eh menor que um grande cientista. as necessidades de controle e o sistema para funcionar estao interligados.

    • Ontem Dilma so se referiu a

      Ontem Dilma so se referiu a Lula uma vez.
      Nao tem e nem tera foco.

      E a Marina só se referiu ao PT e ao PSDB. Os Marineiros acusam a gente de fanático, mas tá duro viu

       

      • equivocado novamente.

        . tem uma hora que ela fala de como o lula recebeu o governo do FHC para pegar o Aecio.

        . outra marcante eh quando fala do lula e as melhorias sociais, para afirmar que as conquistas continuaram no seu governo.

        que mais?

  28. O ocaso do PSDB

    A tragicomédia do nosso pós-redemocratização começou quando o PSDB deixou a social-democracia na saudade. Com FHC, o partido passou a ser social-democrata no papel, social-liberal no discurso e conservador na prática.

    Engraçado foi essa tentativa dos tucanos de emular Reagan e Thatcher. Lá no Hemisfério Norte, existia ou um Welfare State ou um sistema de proteção social vindo dos tempos do New Deal, um ambiente de presença constante do Estado na vida do cidadão, onde os neo-liberais exploraram alguns excessos para atacar todo o modelo.

    O mantra, correto ou não, era oferecer maior liberdade econômica para uma população que já tinha padrão de vida altíssimo, colorindo-o com alguns toques de xenofobia/racismo (“vamos desmantelar o Welfare e acabar com a leniência dos imigrantes/negros/latinos”).

    Era óbvio o suicídio programático dos tucanos, ao importar estas teses para um país em que milhões figuravam abaixo da linha da pobreza, e cuja maior necessidade era a implementação do Estado Social da Constituição de 88, e não o seu desmantelamento.

    Parece que não aprenderam a lição com os liberais clássicos do período pré-Crash de 29/2ª Guerra Mundial, condenados por décadas ao ostracismo político e intelectual, depois do advento das políticas keynesianas. Será que que foi leitura demasiada do “Fim da História” de Fukuyama?

    Assim, com o slogan social-democrata em aberto, o PT conseguiu espaço para se re-orientar, e empunhar a bandeira da inclusão sem precisar defender a ruptura necessária com o establishment, já que o cenário em que o PSDB comandava a centro-esquerda deixou de existir com o governo FHC.

    Ora, com a consolidação da bandeira inclusiva, era óbvio que o PSDB precisava fazer um recuo tático em seu avanço à direita, reconhecer as conquistas sociais, abraçar alguns conceitos e apostar no bipartidarismo, igual fez o Partido Republicano dos EEUU nas décadas em que se seguiram ao New Deal.

    Mostra disso é a eleição de um Eisenhower mais à esquerda, no plano interno, do que o mais esquerdista dos Democratas de hoje, fazendo uma sucessão segura em que preservava o legado de Roosevelt. É como se Aécio sucedesse Dilma, sem melindrar os “lulistas” e com votos de vários deles. Dá pra imaginar?

    Essa campanha insossa do ex-governador de MG agora em 2014, insistindo na herança de FHC e calcada no discurso liberal da eficiência, é o hara-kiri final do partido como opção nacional.

    O discurso liberal puro só adquirirá proeminância na eventualidade de o país consolidar um Estado de Bem-Estar, época em que novos atores já terão tomado o protagonismo dos tucanos. Insistir em menos Estado um ano depois de jovens irem às ruas pedindo mais educação e mais saúde, mostra bem o porque o mineiro só consegue votos entre o antipetismo mais fanático.

    Símbolo deste mastodonte que virou o PSDB é a diferença gritante que existe entre o sociólogo FHC – um grande quadro intelectual, a primeira personalidade de peso a prever que a “nova” classe média é que decidiria as atuais eleições -, e o lider partidário FHC, que assistiu e assiste inerte Marina Silva seduzir esta parcela do eleitorado, postar-se como favorita, e enterrar de vez as pretensões nacionais de seu partido.

    • O PSDB

      Faltou acrescentar que o PSDB adotou o discurso da mídia conservadora, assim não necessitava do trabalho intelectual e de

      propaganda e marketing.

    • Esse comentário deve virar post

      Parabenizo ao Tagutti e recomendo que o comentário dele vire post na área principal.

  29. O que desenvolvimento sustentável?

    Muitos ficam pensando que o forte de Marina é a luta pelo meio ambiente, entretanto poucos se dão conta que este é exatamente o ponto fraco de Marina.

    A definição de desenvolvimento sustentável e até a discussão teórica se existe ou não existe este tipo de desenvolvimento ao nível que é discutido ninguém sabe nada.

    Marina Silva faz a discussão de desenvolvimento sustentável com a mesma intensidade que blogs e discussões via feicebuque fazem, ou seja, provavelmente ela nem saiba do que e da onde sai tudo que ela responde de maneira leviana.

    O discurso do desenvolvimento sustentável, nasce em duas pontas, através do Clube de Roma e com os trabalhos de Georgescu-Roegen, a discussão principal a ser travada com Marina é a sua concepção de desenvolvimento sustentável, que para a maioria das pessoas é uma definição clara e científica, quando na verdade ela não é clara e talvez também não seja científica! 

    Sugeriria que lessem o seguinte artigo técnico extremamente recente denominado: Squaring the Circle: In Quest for Sustainability. Infelizmente o artigo é pago, mas quem tem acesso ao Portal da Capes pode conseguir o texto integral. Para quem não o tem, coloco simplesmente o abstract traduzido para o português via google translation, com algumas correções.

    “Desenvolvimento tem sido a principal estratégia para enfrentar o problema da sustentabilidade, pelo menos desde meados dos anos 1980. Os resultados desta estratégia foram mistos, se não decepcionante. Em suas objeções a essa abordagem, os críticos frequentemente invocam restrições impostas pela realidade física dos quais o mais importante é a produção de entropia. Eles questionam a crença de que as inovações tecnológicas são capazes de resolver o problema da sustentabilidade. O desenvolvimento é a resposta certa para este problema e é o curso atual capaz de alcançar a sustentabilidade? O artigo examina de perto e critica a principal objeção teórica para o desenvolvimento sustentável, que enfatiza restrições físicas, e mais especificamente a produção de entropia. Ele também oferece uma crítica da abordagem atual para o desenvolvimento sustentável. O artigo defende uma abordagem de sistemas, como forma de ancorar um amplo consenso nos debates de sustentabilidade em curso.”

    O artigo apresenta uma crítica à teoria de Georgescu-Roegen que procura num uso, totalmente questionável, de visões termodinâmicas da economia. Georgescu-Roegen baseado na terceira lei da termodinâmica (uma lei qualitativa) tenta criar uma chamada quarta lei da termodinâmica que mostra que é inviável o crescimento baseado na tecnologia. Fisicamente em outro artigo, “Entropy and economic processes — physics perspectives”, prova-se que as hipóteses de Georgescu-Roegen estão falhas.

    O que estou querendo demonstrar que até os dias atuais os políticos ditos “desenvolvimentistas” estão deixando de lado uma discussão séria que ocorre nos meios acadêmicos, achando que o discurso da sustentabilidade é algo para ser ministrado em aulas de biologia do segundo (ou primeiro) grau até que se veem atropelados por fantasiosas visões apocalípticas e religiosas dos ambientalistas dos dias atuais.

    • Se o desenvolvimento não ampara a sustentabilidade

      O que você e os críticos sugerem? Que quem quer se desenvolver não tem que se preocupar com o meio ambiente, pois desenvolvimento e tal preocupação, inclusive para fins de amparar a sustentabilidade, são incompatíveis?

      Isso aponta para o quê? Algo como “vocês, ambientalistas, pregam algo cientificamente impossível. Contentem-se com as depredações ambientais proporcionadas pelo desenvolvimento (científico, tecnológico, dos meios de produção etc). Não dá para querer as duas coisas, desenvolvimento e preservação do meio ambiente, permitindo a ideia de sustentabilidade. Vocês acreditam em algo que não tem base científica”.

      É isso? Esse discurso dá muito votos hoje em dia, como se observa….

      Se o desenvolvimento não é compatível com sustentabilidade, qual a proposta? Não se desenvolver? Ou aceitar o desenvolvimento sabendo que não haverá como manter isso no longo prazo?

      O capital eleitoral desse discurso é zero. Sem entrar no mérito da impossibilidade científica indicada pelos críticos da ideia de desenvolvimento sustentável, o fato é que a preservação do meio ambiente, da qualidade do meio ambiente, é um valor que as pessoas não estão dispostas a abrir mão.

      Se os críticos estiverem certos, os desenvolvimentistas são os pricipais vilões da humanidade. Ou seja, esse argumento não ajuda em nada candidaturas como a de Dilma Rousseff, desenvolvimentista por excelência. Ao contrário, é um tiro no pé. Defende o desenvolvimento sabendo que ele é incompatível com a ideia de preservação dos recursos e do meio ambiente, pilar da ideia de sustentatibilidade.

      • Argolo, mesmo com as mais

        Argolo, mesmo com as mais avanaças tecnologias a pressão sobre os recursos vai continuar. E outra Marina NÂO tem a primazia na questão da preservação ambiental e do desenvolvimento. Várias ações estãos endo feitas e não aparecem pq parece que a aura verde foi patenteada pela Marina. De fato não há como suprir qualidade de vida com bases ca´pitalistas sem pressão sobre os recursos. Ou a Marina arruma um esquema de implantar um chip em todos os brasileiros e assim transforma-los em extrativista ou será cobrada assim como o PT para melhorar a vida do povo que não quer saber se a caatinga vai ou nao se F*.

      • Não simplifique!

        Representations are not a reflection of “reality” but constitutive of it. There is no materiality that is not mediated by discourse, as there is no discourse that is unrelated to materialities’ (Escobar)

        Argolo, não simplifique, estou trazendo simplesmente uma tentativa de discussão científica do que pode ser sustentabilidade.

        Por mais que as pessoas desejem a política regida por um mero refrão “eu desejo uma economia sustentável”, passa por uma definição precisa do que é SUSTENTABILIDADE. É uma definição difícil, pois para que ela exista tem que haver a prova da possibilidade de uma economia sustentável, ou seja, é quase um raciocínio circular.

        Se não há uma possibilidade de uma política sustentável, não há definição, pois não se pode definir algo que não existe. Por outro lado, se a sustentabilidade é algo autorregulável, com maior ou menor sofrimento da humanidade e meio ambiente, tem-se que definirem quais são os limites da sustentabilidade.

        Os indígenas que habitavam o Brasil, dentro da visão simplista da sustentabilidade eles viviam uma economia sustentável, porém a sua sustentabilidade era paga com a autorregulação da população por fome, doenças e outra privações, poucos procuram saber por que numa área que hoje em dia vivem 200 milhões de habitantes viviam 10 milhões.

        A discussão racional que deve ser feita é qual o nível de intervenção do Estado necessária para manter as condições de vida da população com incremento de sua qualidade.

        O desenvolvimentismo capitalista, assim como um desenvolvimentismo com intervenção estatal, podem segundo alguns resolver por mercado ou por legislação reguladora, se estas hipóteses são possíveis, se pode começar a discutir.

  30. Uma coisa é certa, ou Marina

    Uma coisa é certa, ou Marina procura outros partidos para governar com ela (PT, PSDB, etc) ou abre a Rede para quem quiser entrar …se quiser ter alguma base mínima de sustentação.

    Dos atuais 24 deputados federais do PSB, 3 não concorrem. Beto (vice dela), Márcio França (vice em SP) e Romário (saiu senador). E a saída do Beto da disputa ainda deve sacrificar os outros 2 do RS que sozinhos não devem ter “bala na agulha” para buscar a reeleição. O saldo inicial negativo já seria de 5 deputados.

    Considerando que em 2010 o partido fez 34 deputados (uns 10 teriam debandado em função da candidatura do Campos), me parece puco provável que o partido tenha condições de sair maior em 2014, até porque o eleitor brasileiro não é de “vincular” votos. E ainda é capaz de ter entre os eleitos pessoal que depois debande para a Rede.

    Não esquecendo que a Marina em 2010 só rendeu mais 2 deputados extras para o PV, que saiu de 13 para 15. Então não faz sentido esperar que ela sozinha turbine a bancada do partido agora.

  31. O problema maior do PT foi

    O problema maior do PT foi perder a política estudantil, o setor de maior disseminação de opinião.

    É nesse setor que Marina encontrou a lacuna aberta e os dados das pesquisas indicam seus votos majoritariamente entre esses jovens.

    Incrível é que é exatamente a educação foi um dos setores que o governo Dilma mais avançou.

    Dilma na área de educação

    Os avanços na área da educação, igualmente, são inegáveis. O governo Dilma manteve e ampliou os programas iniciados no governo Lula e criou outros, cabendo mencionar:

    1 – Aprovação e sanção do Plano Nacional da Educação, que estabelece como meta 10% do PIB para gasto com educação ao longo de dez anos;

    2 – Reservou recursos do pré-sal para financiar a educação;

    3 – O Sistema de Seleção Unificado (SISU), que já conta com mais de um milhão de inscritos, permite que alunos do Acre, por exemplo, possam concorrer a vagas em universidade pública em qualquer unidade da federação;

    4 – O Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) já beneficiou 1,6 milhões de alunos e o Programa Universidade para Todos (ProUni) garantiram bolsas integrais ou parciais para 1,4 milhões de alunos;

    5 – O Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) forma anualmente milhões de estudantes e garante empregabilidade. Já matriculou mais de 7,5 milhões em cursos técnicos e de qualificação em mais de 400 áreas de conhecimento;

    6 – Para apoiar os municípios no atendimento à educação infantil, o Governo Federal contratou 8.294 creches e pré-escolas, das quais 2.056 foram concluídas, dentro do Programa Nacional de Reestruturação e Aquisição de Equipamentos para a Rede Escolar Pública de Educação Infantil (Proinfância). Com todas as creches em funcionamento, cerca de 1,6 milhão de crianças serão atendidas em todo o País;

    7 – Foram criadas quatro novas universidades federais: Universidade Federal do Cariri (UFCA), no Ceará, Universidade Federal do Sul Sudeste do Pará (Unifesspa), Universidade Federal do Oeste da Bahia (Ufob) e a Universidade Federal do Sul da Bahia (Ufesba). Até 2018, as novas universidades atenderão mais de 38 mil estudantes em 145 cursos de graduação. Serão contratados 1.677 professores e 2.156 técnicos administrativos, levando o ensino superior a cinco municípios do Pará, oito da Bahia e três do Ceará;

    8 – O Programa Ciência Sem Fronteiras já beneficiou 85 mil estudantes, que receberam bolsa para estudar em 40 países. Desse total, 1.540 bolsas de pós-graduação foram concedidas para estrangeiros atuarem no Brasil como “pesquisador visitante” e “jovem talento”. A meta até o final do governo é conceder 101 mil bolsas para estudantes e pesquisadores e, na segunda fase do Programa, mais de 100 mil bolsas serão concedidas.

    http://jornalggn.com.br/noticia/o-avancos-do-pac-2

    • Assis,
      O problema é que até

      Assis,

      O problema é que até pelos 12 anos de poder, a referência política e de realidade do jovem é o governo do PT. O que é percebido e o que falam dele. Aí entra toda questão da comunicação do governo, mídia, redes sociais, etc.

      No geral, o estudante brasileiro não gosta de estudar a história do país. Estudar FHC hoje em dia deve ser tão chato quanto estudar o período do Dom Pedro para a grande maioria.

      E seguindo aquela ideia de que a juventude é uma fase de rebeldia e de confronto com as autoridades, sobra para as atuais pagar o pato, até porque parte do pessoal que no passado buscaria o PT como partido, hoje tá indo para o PSOL, PSTU ou em grupos anarquistas, que foi o que deu para perceber do “núcleo base” de manifestantes aqui de Porto Alegre, que se formou de fato devido ao transporte urbano e lá por março ou abril, até onde lembro, ou seja, bem antes de toda comoção nacional que inflou e mudou o rumo dos protestos em junho.

      Acho que é ainda cedo pra procurar culpados ou causas, até porque o jogo ainda não acabou, mas essa história (mesmo com uma derrota) pode ter (pelo menos) um aspecto positivo, de deixar fluir naturalmente críticas necessárias que eram represadas ou abafadas por serem consideradas fogo amigo.

    • A extrema-direita histórica

      A extrema-direita histórica que comanda o poder neste País e os rentistas associados já marcaram sua posição: é tudo contra o PT. E na base do CQC – custe o que custar. E essa tática da retórica-taruíra adotada pela ex-ministra do Meio Ambiente do governo do ex-presidente Lula é tudo que por ora interessa aos CQCs que levaram Getúlio Vargas ao suicídio e Jango a abandonar o Brasil no golpe empresarial-militar de 64. Como não tẽm mais a IV Frota norte-americana vão de Marina mesmo. 

    • Errata

      Peço a todas as pessoas deste blog que desconsiderem esse post. Eu recebi a informação de uma pessoa nas redes sociais, mas a informação é falsa. Deletem, apaguem e desconsiderem essa postagem que fiz. Ela NÃO corresponde à verdade. Peço desculpas a todos e todas e vou deletar essa porcaria de post que fiz.

  32. “Ontem ela foi certeira ao

    “Ontem ela foi certeira ao dizer que o papel do presidente é ser o planejador, o que aponta rumos e não o mero gerente. Faltou dizer que é papel do Estadista a administração de conflitos e das forças políticas. E ele não parece ter nenhuma das características que se exige desse presidente estadista.”

    1) Correção: ela.

    2) Faltou acrescentar que no frigir dos ovos [que ainda não seriam os da serpente] a única saída possível pra ela seria a privatização/entrega do Pré-sal, da CEF e do Banco do Brasil.

  33. Acho Marina Silva ruim, mas melhor do que a descrevem

     

    Luis Nassif,

    Você faz agora 44 anos de jornalismo profissional trabalhando nos maiores (Ia dizer melhores, mas para não dar margens às críticas, fico só nos maiores) jornais e revistas do pais, fazendo mil e uma atividades diferentes e todas com capacidade excepcional, não teria dificuldade em fazer um texto sobre a campanha presidencial que excele. Foi o que você fez.

    Ontem pela discussão entre Francy Lisboa e alguns comentaristas junto ao post “Marina come do fruto da demonização da política, por Francy Lisboa” de terça-feira, 26/08/2014 às 08:26, aqui no seu blog, parece que um texto depois que se transforma em post não comporta alteração. Talvez no seu caso como dono do blog, algumas mudanças podem ser realizadas.

    Se for este o caso, eu recomendaria tirar do texto deste post “O novo cenário político, com a ascensão de Marina” de quarta-feira, 27/08/2014 às 11:18, algumas passagens.

    Não há necessidade de fazer a referência a Garotinho e Ciro Gomes. Basta dizer: “foi assim com Celso Russomano para prefeito de São Paulo”.

    Se não, você há que entrar em detalhe para explicar que Ciro Gomes, no mês de agosto de 2010, tinha mais de 10 pontos de vantagens sobre José Serra e que José Serra teve que ficar por mais de um mês fazendo campanha contra Ciro Gomes e com isso desconstruir Ciro Gomes e como consequência perdeu todos os votos de Ciro Gomes no segundo turno.

    Também é não é adequado dizer que o PSB pratica o auto-engano ao achar que com Marina o partido conquistará o poder. Marina não tem alternativa ao PSB. E há a miscelânea de PSB com operadores de mercado em uma sequência que, depois de dizer que o PSB pratica o auto-engano, parece indicar que os operadores de mercado vão chegar ao poder para finalizar dizendo que “Marina será ele, apenas ela”.

    Marina não é um Lula é redundância, ou pleonasmo, ou truísmo. Também não dá para comparar a Rede com o PT, mas o PSB, que reconheço tem muita gente da direita já tem mais governadores do que o PT quando chegou ao poder.

    A referência a José Dirceu e a Antonio Pallocci é correta, mas o que os distingue é que não só tinham competência para assumir cargos públicos como tinham carisma eleitoral, principalmente o Antonio Pallocci que tinha tudo para ser o candidato do PT em 2010. Só que um Antonio Pallocci sem carisma eleitoral existe às dúzias.

    Dizer que Geraldo Alckmin é o mais despreparado governador da história do Estado, faria sentido quando ele assumiu como vice de Mario Covas. Hoje depois de praticamente três mandatos como governador de São Paulo a sua afirmação só cola pelo argumento de autoridade de quem tem 44 anos de jornalismo. Duvido, entretanto, que você consiga apresentar uma maquininha que meça o despreparo de um governante e que mostre o Geraldo Alckmin como o mais despreparado.

    E é impossível Marina Silva acabar com o avanço do estado de bem estar social. Pode haver aumento de desemprego. Nada diferente de um Aécio Neves, mas a maioria das conquistas seriam preservadas.

    Para quem como eu aqui acusa Marina Silva de defender idéias atrasadas, ou como eu digo: o PT de antigamente, Marina Silva de sempre e as manifestações de junho de 2013 defendem idéias atrasadas, e mais ainda para quem como eu defende a manutenção de Guido Mantega no Ministério da Fazenda, a possibilidade de vitória de Marina Silva é danosa, mas não significa bem o que você e muitos comentaristas colorem.

    Clever Mendes de Oliveira

    BH, 27/08/2014

  34. iNada mais parecido com FHC

    iNada mais parecido com FHC do que o primeiro e segundo governos do PT/ Lula. Algo como a social democracia de inspiração espanhola/italiana/francesa. Assim, passaram-se 16 anos. Não discuto aqui as inegaveis melhorias sociais ocorridas, mas a necessidade de correção de desvios economicos oriundos deste periodo. Dilma, ao inves de corrigi-los, aprofundou as distorções geradas pelo modelo, e  o resultado está aí: contas governamentais e inflação fora de controle, inchamento do estado, insegurança jurídica, desconfiança no capitalismo e capitalistas,culto a personalidade, arrogancia política e por aí vai. O lumpezinato intelectual, representado tão bem neste espaço pelos comentaristas/militantes venceu. 

  35. Há 12 anos, Ciro seria eleito presidente do Brasil

    Nassif e amigos do blog: alguém se lembra desta notícia? abraços!

    Ciro Gomes passa Lula em última pesquisa 

    16p1 – 02/08/2002 

    BRASILIA, 2 ago (AFP) – O candidato da Frente Trabalhista, Ciro Gomes, passou ao primeiro lugar das pesquisas, desbancando o líder do PT, Luiz Inácio Lula da Silva, segundo uma pesquisa feita pela Toledo&Associados para a revista Istoé. 

    Esta é a primeira vez que Lula, com 33,6% das intenções de voto, perde sua liderança mantida durante os últimos meses para ser superado por Ciro, com 34,4%, o que lhes dá um empate técnico. 

    Ciro subiu em um mês 22 pontos em relação à última pesquisa feita pelo mesmo instituto, enquanto Lula (com 40,5%) perdeu quase sete. 

    O candidato do governo, José Serra, aparece em terceiro lugar com 13,8%, seguido pelo ex-governador do Rio de Janeiro, Anthony Garotinho, com 9%. 

    Em um segundo turno, Ciro também ganharia amplamente, com 52,8% das intenções de voto sobre 39,2% de Lula. 

    A margem de erro desta pesquisa com 3.108 pessoas de 25 a 28 de julho é de 1,8%. 

    http://noticias.uol.com.br/inter/afp/2002/08/02/ult34u46700.jhtm

  36. A discurssão tem que evoluir

    A discurssão tem que evoluir para um patamar mais sério,a questão não e mais se o PT vai permanecer no governo federal.A quetão é se as conquistas realizadas por nois da geração Chaves(SBT)v de inclusão social realizadas pelo Estado,após termos sofrido à era da Idade Média neoliberal,vai ser entregue pela turminha do Liceu Facebook.

    O que está ocorrendo já tinha sido tramado desde 2010,nos dividiram,entre quem rouba mais PT/PSDB nas redes sociais,enquanto a Midia entreguista diarimente demonizava a imagem do PT,Tecnicas de Colonização!.

    já se deram ao trabalho de ler os textos da turminha do Liceu facebook,cheios de chavões como ética e gestão,com a profundidade de um pires! jovens pregando que querem,mandar na propia vida,que tudo se deve ao seu esforço,não precisam de Bolsas,sem reonhecer o papel de Estado em suas vidas,de onde tiraram essas ideias do grande Capital!

    THATCHER na veia.Outros falando dos protestos mundo afora sem ao menos se informar quais eram a bandeiras deste protestos,na europa se exigiu de volta as conquista já realizadas a anos LUZ na frente do Brasil,e o mercado financeiro surrupiou em 2008,juventude do velho mundo quer de volta, E a nossa ta querendo entregar de Bandeja.

    Me expliquem a aberração que vão cometer em SÂO PAULO,todos querendo mudança,transporte publico de qualidade,mais não vão trocar o governador Responsavel por essa promoção e já estão aqui a 20 anos.

    Querem Picar a Mão No PRE- SAL e meter a caneta no trabalhismo.

    Geração Chaves não Pode deixar.

    • Discurssão??? A geração

      Discurssão??? A geração Chaves faria bem em voltar aos bancos escolares imediatamente! De quem foi a culpa pela semi-alfabetização dessa gente?

  37. Nassif, por favor, não

    Nassif, por favor, não confunda jornalismo econômico (êle existe?) com especulação política. Certo que a Casa Grande, abdicando dos Aécios e Eduardo Campos da época, elegeu Janio e Collor, figuras políticas alternativas. Na época, isto era possível.  Hoje, com o auxílio da eletrônica, é relativamente fácil vê o que está escondido.

    A Marina que a Casa Grande nos quer fazer engolir  só existe nas pesquisas patrocinadas pela mesma Casa Grande. Afinal, quem é ela? O que sempre foi: um nada político, sem referências – ecologia? só isto? Nem o Green Peace a aceitaria, até porque a ecologia, nela, sempre foi um engodo político para ambições pessoa i- até porque sem uma postura tipicamente política e capaz de estimular os eternos inocentes (como o Janio e o Collor). E lendo o post tem-se a impressão que aquela criatura é um novo  fenômeno político.. Desculpe-me, mas a sua especulação é uma aventura jornalística. Julio Verne não faria melhor.

    Enfim, se vivos fossem, Hitler e Mussolini, aventureiros com passado político, estilo e dogmas aparentemente cativantes para os eternos  inocentes – características que ela nunca teve nem terá –  dariam boas risadas.. E o que estou fazendo agora. Rindo.

    • Araujo não seja pretensioso,

      Araujo 

      não seja pretensioso, meu caro. Nem o PT nem o PSDB estão rindo. Provavelmente porque não tem ninguém com seu tirocínio para infdormá-los de que Marina é uma mera miragem. Esse tom superior que você assume, quando não acompanhado de conteúdo similar, torna ridículo o autor.

      • Não, Nascif, não sou

        Não, Nascif, não sou pretensioso. O pretensioso, no caso, é você, pela via da especulação política, Fácil, muito fácil, no jornalismo econômico fazer especulação e, talvez, o único  lugar adequado seja o Valor – leitura própria e exclusiva de especuladores.  Outra coisa é a especulação política. Sim, porque a especulação política, se possível,  é diferente e carece de maiores suportes culturais  – histórico, doutrinário, sociológico,  etc, etc. Coisa de academicos e estudiosos, cujo raciocínio depende e está vinculado àqueles suportes. Mais:o raciocínio  especulativo, se possível e portanto, deve ser demonstrado pela via da comparação, com referências assentadadas naqueles suportes.

        E não foi este o caso do seu post. Um sopro ao vento. Para quê e para quem? Para os incautos e inocentes de sempre. E, quem assim faz, isto sim, é que é ridículo e não quem evidencia, numa mera e rápida leitura, a simples e desnuda especulação.  Então, meu caro, se houve ridículo o ridículo é seu e não meu. E não esqueça que nem a música de um simples bandolim comporta especulação musical – afinal, uma simples  improvisação musical é diferente.

         

  38. Vixe. Arrepiou

    Esse post do Nassif foi bom demais. Marina não é Lula e a Rede não é o PT. A Rede nem sequer existe.  Esqueçam Lula. Ele agora pertence a Historia. Dilma tem que vencer por sua proprias qualidades, pelas qualidades de um projeto politico, não por que Lula apareceu ou deixou de aparecer.  Por que esse clima de derrota? Ainda faltam 40 dias para as aleições, vamos catar os votos. Se Janio Quadros, digo, Marina vencer ( vade retro) o PT e metade do país vai para oposição. E não me venham com conversa de corte de gastos por que agora é que eles vão ver o que é manifestação de verdade, comandada pelo movimento sindical … E não aquela porralouquice de facebook cheia de rebeldes sem causa, e facinoras pagos para depredar a  cidade.     

    • Torço para que uma das

      Torço para que uma das primeiras leis do novo Congresso seja tornar o imposto sindical opcional
      , Como os maiores Sindicatos são apenas braços de um ou outro partido, e a tempos não contribui de verdade para o trabalhador, eles terão pular fora do barco governista ou sufocarem sem grana!

  39. Dilma é conhecida por 100 %

    Dilma é conhecida por 100 % dos eleitores e mesmo assim está com 34% dos votos. Percentual histórico do PT.

    Dilma tem 36% de rejeição, pessoas que NÃO votam nela de jeito nenhum. 

    Havendo segundo turno, a coisa estará muito complicada para Dilma,  a conta não fecha para o PT.

    No segundo turno a grande mídia virá com tudo para derrotar Dilma, esta mesma grande mídia que foi cortejada e protegida por Dilma nestes quase 4 anos de seu governo.

    Hoje, a eleição está para MARINA, disto não tenho dúvida alguma.

    A candidatura petista está no caixão, só o Lula pode ressucitá-la faltando 39 dias do pleito. O desespero é grande.

     

     

  40. Terrorismo eleitoral

    Não voto em Marina. Considero-a uma candidata à direita de Dilma (e nem considero Dilma uma candidata de esquerda). Mas não concordo com terrorismo eleitoral. Acho tolo vender a ideia de uma hecatombe política ou econômica com sua chegada ao poder. Marina é ruim por ser mais do mesmo. Não por ser uma “ameaça” a uma suposta estabilidade. 

    Também acho questionável sugerir a existência de um “estado de bem estar” cujo avanço seria comprometido. Não vejo estado de bem estar algum no Brasil. Não estamos sequer nos aproximando disso. Vivemos sob hegemonia neoliberal. O momento histórico atual é de desconstrução do welfare state na Europa. O Brasil não está na contramão desse processo, mas segue a doutrina neoliberal ao oferecer compensação social àqueles sem perspectivas de verdadeira inclusão. Basta ler os relatórios do Banco Mundial para constatar que o governo petista não contrariou o dogma em nenhum momento.

  41. O fim do mundo é hoje!

    Não em 2015! Até o  mercado pensa assim e pela primeira vez na história, a continuidade de um governo é que gera insegurança.

    O 1º mandato de Lula foi o melhor, e com as microreformas de Palocci no crédito e na burocracia (consignado, facilitação de retomada de bens, cadastro positivo) plantou as bases do crescimento do mercado interno no 2º mandato, que porém foi péssimo por colocar em posições chave despreparados como Dilma, Mantega e Arno Augustin.

    Quem fez campanha religiosa em 2010 foi o depoimento de Dilma à Folha a favor do aborto, negado em cultos da Assembléia de Deus. Serra só navegou na onda.

     

  42. DIlma

    A bola está com ela depois do “Fenômeno Marina”. Se quiser reverter uma tendencia de queda cada vez evidente nas suas chances de reeleição, ele deve retomar a iniciativa e assumir a agenda transformadora que se espera dela.

    Sua única chance agora é denunciar o oportunismo e as alianças de Marina com o capital financeiro, o terrorismo midiático, o fisiologismo do Congresso, as forças ocultas que governam o pais das sombras há pelo menos 50 anos.

    Poderia começar por explicar por que foi obrigada a reverter a utilização das medidas macroprudenciais como instrumento prioritario da politica monetaria.

    Cabe a ela denunciar o golpe branco eterno que bloqueia o avanço de qualquer reforma nesse pais.

    Cabe a ela o papel de Estadista, mesmo que não tenha esse perfil. A população sabe reconhecer a virtude da coragem sobre as limitações da personalidade.

    Cabe a ela deter a entrega final do que resta de nossa democracia para o capital financeiro, denunciando o primarismo equivocado e traidor da “autonomia do Banco Central”.

    Ela deve topar o desafio da Marina por uma nova politica, retirá-lo do terreno do mero marketing eleitoral. Se querem uma Nova Politica, é que vão ter de agora em diante, esse o unico compromisso capaz de salvar sua candidatura e o futuro do pais. Não se enganem, Marina fará a Entrega Final em troca de uma imagem de Mandela de saias nos livros escolares do futuro.

    A malfadada Carta aos Brasileiros deve ser substituida por uma nova e autentica, e o momento é esse. Os patrocinadores da primeira já tiveram que queriam e agora vão jogar fora o bagaço em que se lambuzaram.

     

    • a hora passou

      Nâo da mais. A hora passou. Essa postura era pra ser tomada quando essas coisas estavam  acontecendo. Agora, sera lida como desespero. Too late…

    • a hora passou

      Nâo da mais. A hora passou. Essa postura era pra ser tomada quando essas coisas estavam  acontecendo. Agora, sera lida como desespero. Too late…

    • DILMA

      Tom, não sei sua idade. Eu sou tão velha que já vi muito.Não aguento mais essa idéia  que a DILMA deve fazer isto ou aquilo para afastar esse vendaval chamado MARINA. Esta é uma luta da esquerda contra o reacionarismo da DIREITA e pasme, de parte da EXTREMA ESQUERDA. Todos nós temos que fazer  uma parte desse dever de casa. Dilma vem de 4 anos de intenso trabalho , mesmo assim ela ainda sorri! Convenhamos, nós é que temos que barrar essa ousadia dos rentistas que nada produzem e querem cada vez mais. Tenho dito.

  43. Dilmistas, coloquem as

    Dilmistas, coloquem as fraldas….Marina chegou para ficar…..

    Dps que Dilma apareceu ao lado , almoçando com Garotinho, a barca vai afundar ainda mais!!!

    Garotinho, fora do Rio é um dos candidatos com maior rejeição no Brasil!!! Um erro atrás do outro!!

    Dps de 12 anos no poder já está mais que na hora de mudar o discurso, parar de comparar o governo do PT com o do PSDB!

     O povo quer saber do futuro, o que vai ser feito ,como vamos melhorar da situação atual, quais as mudanças necessárias!!

    Dilma tem uma total falta de tato político, carisma e simpatia, e a economia está patinando…….e não adianta falar ao contrário!

    Venda de imóveis em SP cairam 40%…..

    Um tiro no pé atrá do outro!!

    Se fosse com o Aécio Dilma levava, mas com a Marina, ela perde fácil no 2.o turno, pois quem vota no Aécio não vota no PT de jeito nenhum!!!

    Nem Lula salva essa!!!

     

     

  44. Ok, Nassif, só que o Aécio

    Ok, Nassif, só que o Aécio não desistiu e não é certo que o PSDB abrirá mão de ser a alternativa ao PT de Lula. Não ir ao segundo turno é fatal para os tucanos. Se Marina ganha, seu governo será um desastre e Lula volta em 2018. Se Dilma ganha, Marina, Rede e PSB comandarão a oposição.

    A direita mais irracionalmente antipetista se emplogou com Osmarina. Mas a mais racional vai querer recuperar o protagonismo dos tucanos na oposição. Porque será que o pig inteiro está tratando do jatinho “fantasma”?

    Osmarina pode se preparar porque os tucanos não vão cair sem lutar.

    • Eleições 2014

      Perguntas que ainda estão na leveza do ar, sem respostas:

      01 – O agronegócio nacional e internacional confiam na Marina? Sabedores que são dos humores da ambientalista, depositarão seu cacife e financiamentos para quem – sabidamente – tem uma postura messiânica acerca de e do governo, e do setor agropecuário, como um todo?

      02 – O PSDB, de viés liberal e tendo esta eleição para senadores, deputados federais, governadores, deputados estaduais e presidente da república, como sua tábua de salvação, politicamente falando, ficará a mercê do “processo de ascensão” – que tenho do seu acontecer – do “novo”, a candidatura de Marina Silva?

      03 – A elite paulistana (de todos os matizes: seja financeiro; industrial; agribusiness; comercial e serviços, dentre outros) ficará subjugada a interesses que não aos de São Paulo?

      04 – A mídia e seus afiliados (rádio, televisão, jornais, revistas, web) apostarão suas fichas em alguem que – ela mesma mídia alega, nas entrelinhas, não ser confiável?

      A meu ver existem outras duvidas que revelam a precariedade do momento eleitoral para se dizer taxativamente que Aécio e o PSDB jogaram a toalha. Seria a mais cabal prova de covardia política e pessoal do partido, de seus aliados, de seus dirigentes e, principalmente, e de seu candidato, passarem a condição de mero coadjuvante num começo de embate político nacional.  

       

  45. Ontem conversei com alguns

    Ontem conversei com alguns colegas que afirmaram que vão votar na marina, são pessoa com nivel superior e se acham informadas, não souberam me responder qual o projeto de governo dela, não sabem que no meio dos financiadores da campanha dela está o que há de pior na sociedade para a classe trabalhadora, só querem votar em alguem que sja novidade, é aí que a coisa engrossa e depois não sabem por que; do lado dela só querem saber se o bc vai ser independente, se for tá tudo certo, o resto é o resto….

    • Quando diziam que 60% dos

      Quando diziam que 60% dos eleitores queriam mudança, os PTistas não levaram a sério, agora marina está quase chegand lá no segundo turno!!

      Não que marina seja algo novo, mas foi lido como novo, e como Dilma não faz  nada.

  46. IDEOLOGIA ULTRAPASSADA

    Prezados, venho a tempos alertando o pessoal , que essa ideologia utilizada pelo PT, é muito ultrapassada, e que um dia o povo iria enxergar. Pois é, não bastou tanto tempo assim, e viro em Marina, um candidato novo, más a meu gosto genérico demais. Pois bem, esse tiro no escuro, está sendo provido por pura incompetência do PT. Acredite que quiser! Estamos à deriva em alto mar.

  47. Queria saber qual a relação

    Queria saber qual a relação entre Neca Setúbal e a ideia de Marina, como prioridade política, de tornar o BC independente. 

    • Pra mim é o seguinte …

      1- Alice Setubal é coordenadora  do programa de governo de Marina. Repito. Coordenadora do programa de governo ( que na verdade ninguem viu ainda esse programa)

      2- Até pouco tempo atras, Marina era contra a independencia do Banco Central ( achava que devia ficar como está)

      3- Depois mudou de ideia. E agora fala em independencia, seguindo a linha de Alice Setubal e Eduardo Gianetti

      4- Não pode ser coincidencia  essa mudança. Ela foi influenciada pelos Setubal que, certamente, tem interesse na independencia do Banco Central.

      5- Por fim, independencia significa  não ser controlado pelo governo. Significa adotar medidas em separado, com ou sem o aval do governo. Todavia, alguem deve controlar essas decisões. Quem seria? Influenciados por quais interesses? Ou algue acredita que Papai Noel vai assumir o Banco Central?

  48. Precisamos saber avaliar a

    Precisamos saber avaliar a forma das pesquisas promoverem o aparecimento que se constitui o ideal estatístico dos institutos: no centro a mídia em volta da qual se coloca as representações dos candidatos, partidos e pensamentos dos interessados.

    No caso da Marina, a força de sua particularidade para definir a harmonia pesquisada, pode-se afirmar que: A morte de Eduardo Campos deu uma reabsorvição positiva na campanha do PSB, devido à comoção plástica do acidente, porque a candidata, herdeira dos financiadores de campanha, ainda não tem um programa de governo.

    Isso foi decisivo. O mercado financeiro, como procura criar cada vez mais a condução da realidade, se deparou com uma oportunidade única, visto que Aécio não é tão confiável sobre os objetivos especulativos de entregar o BC para eles; e, como demonstra ser uma figura bem dotada de impulsos próprios, no futuro poderia minar os interesses dos banqueiros de se apropriarem da Petrobras, CEF, BB, e BNDES, e eles não os possam tirar da esfera de poder do Estado.

    Eu, sinceramente não acredito nessa infidelidade de Aécio, e acho que o mercado financeiro se enganou redondamente ao trocar de repente o seu candidato preferencial nas pesquisas, porque Marina era evangélica, e Deus também “não desiste nunca” daqueles que se converteram a Ele.

  49. a ascensão de marina

    Perguntar não ofende: depois de ler seu artigo, diga-me, Nassif, você não teria se equivocado com o significado da palavra novo? 

  50. Estados pesquisados. Ibope não havia divulgado. Veja isso.
    Acabo de verificar no site do TSE a informação que ainda não havia sido revelada pelo último Ibope (protocolo BR-00428/2014): quantidade de pessoas entrevistadas por estado. Fica claro que o Ibope priorizou os estados onde Dilma tem menos votação. Só para se ter uma ideia, no Paraná, onde o PSDB sempre tem uma excelente votação, foram entrevistadas 451 pessoas, em Minas 620 e em São Paulo 1260. Em Alagoas foram entrevistadas 54 pessoas, no Rio Grande do Norte 72, na Paraíba 100 e no Tocantins 17. Então, a pesquisa foi ou não foi manipulada?

    • Dependendo do numero de
      Dependendo do numero de habitantes do estado, a pesquisa eh realizada com a quantidade de pessoas igualmeente proporcional. Nao foi manipulacao. Geralmente eh o partido mais corrupto q engana.

  51. Armínio Fraga : mitos do

    Armínio Fraga : mitos do PT.

    Não é de hoje que o PT adota uma retórica agressiva e populista para marcar suas posições. Em tempos de campanha, esta prática se radicaliza, adquirindo tons cada vez mais berrantes, e chegando frequentemente a se desentender com os fatos. Abaixo alguns exemplos.

    O primeiro mito, mencionado em entrevista na televisão pela própria presidente Dilma, é que a culpa do baixo crescimento é da economia internacional. Não é verdade. Nos governos FHC e Lula, o Brasil cresceu a taxas médias muito próximas das da América Latina. Para os anos Dilma, o crescimento projetado está 2% ao ano inferior ao da região, o que demonstra que não foi problema externo, foi interno mesmo.

    O segundo diz que “basta estimular a demanda e o resto se resolve”. Não tem sido bem assim. Falta investimento, vítima de preconceitos ideológicos e má gestão. A produção e a importação de bens de capital afundaram nos últimos meses. A infraestrutura virou uma barreira ao crescimento. O investimento está flutuando em torno de 18% do PIB há anos, valor insuficiente para acelerar o ritmo de crescimento. É preciso elevar este porcentual a 24% até 2018, que é a nossa meta.

    O terceiro é que os problemas da indústria serão resolvidos com medidas pontuais. Na verdade, a indústria nunca esteve tão mal. As taxas de juros estão para cima e o câmbio para baixo. O complexo sistema tributário é custoso e cumulativo, prejudicando as exportações e o investimento. A logística não está à altura das necessidades do país.

    O quarto é o “querem fazer um arrocho”, em resposta à posição honesta de que (para voltar a crescer) o país necessita corrigir muitas de suas políticas. A verdade é que a economia está devagar quase parando, amarrada por uma enorme e crescente incerteza sobre seu futuro. As perspectivas para o ano que vem são sombrias, como indicam todos os indicadores de confiança disponíveis. O arrocho, com dispensas e suspensões de contrato de trabalho, já chegou, vamos cair na real.

    O quinto é o estridente “vão fazer um tarifaço”. Aqui cabe, antes de mais nada, perguntar que situação é essa e como chegamos nela. Falo do irresponsável represamento dos preços de combustíveis e de energia, e da taxa de câmbio. No campo dos combustíveis, sofre a Petrobras asfixiada em seu fluxo de caixa, sofre o setor de etanol, onde as falências crescem, e sofre o meio ambiente, com o absurdo subsídio implícito a combustíveis fósseis. No setor elétrico, um movimento voluntarista de redução de tarifas saiu pela culatra, e vem gerando uma dívida bilionária com as distribuidoras de energia. Por último, a repressão da taxa de câmbio desestimula as exportações e pressiona ainda mais o deficit em conta corrente, hoje em 3,5% do PIB.

    Em sexto lugar, há a acusação de que “o governo FHC sempre cortou o gasto social”. Acusação falsa, como demonstra Samuel Pessôa em artigo recente nesta Folha. Medido como a soma de INSS, Lei Orgânica da Assistência Social, abono salarial, seguro desemprego e bolsas, o gasto social cresceu cerca de 1,5 pontos do PIB em cada um dos governos Itamar/Collor, FHC, Lula e Dilma (esta em cerca de 1 ponto até agora). Na verdade, o governo FHC representou uma guinada no foco do gasto público na direção da educação e da saúde, ponto nunca reconhecido pelo PT.

    Finalmente, o governo diz que “quebraram o país e nós pagamos o FMI”. Em 2002, o Brasil quase quebrou, sim, em função do medo do que faria o PT no poder (e que Lula resolveu, para seu eterno mérito). No segundo semestre de 2002 o governo FHC (com anuência da oposição) tomou um empréstimo com o FMI de US$ 30 bilhões. Cerca de 80% do empréstimo foram reservados para o próximo governo, sendo 20% desembolsados (e não gastos) em dezembro de 2002 e o restante já durante o governo Lula. Portanto os recursos ficaram, na prática, à disposição do governo Lula.

    O populismo e a mentira são inimigos da democracia e da boa política. Temos que melhorar a qualidade do debate público, que deve ser baseado em fatos e dados.

    http://www1.folha.uol.com.br/opiniao/2014/08/1506912-arminio-fraga-mitos-do-pt.shtml

    • Não creio que o Armínio Fraga valha um transcrição

       

      Aliancaliberal (quinta-feira, 28/08/2014 às 18:56),

      Não sou o único a discordar de você. Veja no post “Armínio Fraga e a retórica do espantalho, por Mattoso e Rossi” de segunda-feira, 01/09/2014 às 11:47, aqui no blog de Luis Nassif, o que Jorge Mattoso e Pedro Rossi afirmaram sobre este texto de Armínio Fraga que você transcreveu.

      O endereço do post “Armínio Fraga e a retórica do espantalho, por Mattoso e Rossi” é:

      http://jornalggn.com.br/blog/brasil-debate/arminio-fraga-e-a-retorica-do-espantalho-por-mattoso-e-rossi

      E você precisa assumir como defensor ou dos austríacos ou dos PSDBistas. Não dá para ficar em cima de dois muros que estão bem afastados. De todo modo, por pior que o PSDB seja entre eles e os austríacos eu aconselho você a ficar em cima do muro dos tucanos.

      Clever Mendes de Oliveira

      BH, 01/09/2014

  52. Melhorou Nassif

    Como você quero ver estes ditos “homens de bem” e “homens de bens” que englobam todas as camadas da politica e da sociedade, passando pelo Ministério Publico, Judiciário e todos os órgãos públicos entre outros do setor privado. Promoverem esta utopia que questionei no post anterior e citada neste seu post.

    Se Eduardo Campos era um fantoche, Marina é a expressão mais ampla da marionete na mão do poder. Concordo com você PSB irá quebrar a cara, porem, se tudo continuar segundo a cartilha que já citei por diversas vezes. Dilma receberá 14% votos e Marina é eleita em primeiro turno. Assim era o planejado com uma manifestação de 20 milhões nas ruas em setembro. Hoje não vejo como eles conseguirão levar 20 milhões as ruas para protestar. Dilma descendo a 14% só com fraude eleitoral!

    Mediante a tudo que conseguiram até agora, não duvido que eles sejam capazes de fraudar as eleições e ainda por cima dar ar de legitimidade.

    Mas uma coisa é certa… As informações que me chegam é que “homens de bem” se infiltraram em todos os partidos e controlam os bastidores da politica, do judiciário, da economia, da industria e da informação. Assim, pobres mortais como nós,  assistiremos de camarote para ver o que acontece!

    De repente “Deus” resolve fazer uma visita a Terra e salva a humanidade. 

     

  53. O novo cenário político com a ascensão de Marina.

    Respeitosamente, Nassif tem cultura e sensibilidade suficientes, mantenho minha visão e definitiva posição, de que, independentemente do ITAÚ de NECA, o Neoliberalismo chega a seu final, tendo como epitáfio, em seu jazigo, justamente, o aforismo de que ” Aqui, inicia-se, no Brasil, a consolidação Trabalhista do avanço irreversível do Estado Desenvolvimentista Keynesiano do Bem Estar Social à moda Escandinava e Nórdica “.  Saudações do Planta do Deserto, a quem, basta, tão somente, o orvalho do alvorecer

  54. parabéns

    Inteligência, sensibilidade rara na compreensão da realidade brasileira, lucidez que nos possibilita refletir sobre o fenônemo marina e as responsabilidades de cada brasileiro nesse momento de questionamentos sobre nossa frágil institucionalidade. obrigada por fazer jornalismo, revelando o quanto o jornalismo é essencial para a democracia.

  55. Bruno Torturra
    Insisto… se
    Bruno Torturra

    Insisto… se o PT não for capaz de discutir política e sofisticar seus argumentos na hora de disputar com Marina Silva, vai criar uma narrativa implosiva de acusações que para muita gente, eu incluso, cola muito bem em Dilma.

    “Governa com bancos”, “acha que dá pra compor com a direita e a esquerda”, “fazendo o jogo dos ruralistas”, “apóia transgênicos”, “fecha com os evangélicos”… meio triste escutar tanto eleitor do PT berrando contra Marina os mesmos predicados que me causaram tanta decepção na atual presidenta.

    E mais: apelar para o “medo da aventura”, “o incerto pelo certo”, “o caos virá com Marina” é bancar a Regina Duarte. Memes sujos, desqualificações chulas e ridicularização do ambientalismo? Chamar declarações articuladas e perfeitamente compreensíveis de blablabla? Lamento pelo eleitor que responde a esse tipo de campanha.

    Sobre meu voto, vou declará-lo em breve. E já adianto: no primeiro turno não será em nenhuma das três candidaturas majoritárias. Mas não é esse o ponto. Apenas acho que os 12 anos de governo do PT merecem uma análise muito mais profunda, generosa e autocrítica antes de ser dispensado ou confirmado para mais 4.

    Digo e repito. Se esse nível baixo é o melhor que a militância consegue produzir de argumentos, vai ser cada vez mais fácil para Marina flanar por cima disso tudo. E aí o PT vai perder o planalto. E o país uma chance única de debater política e o papel do Estado brasileiro.

     

  56. O problema maior que vejo não

    O problema maior que vejo não é o PT e aliados perderem para Marina. Vimos até aqui todos os ataques e intromissões inadequadas contra três governos seguidos. Vamos e venhamos, sem essa de vitimização, é muito difícil quando a grita vem desses atores. Só no último ano deu frutos para a velha máxima: água mole em pedra dura, tanto bate até que fura. Perder para Marina, seria fácil se confiasse num processo sem mais intromissões inadequadas, principalmente quando vem de fora. O que fico fula da vida é a perspectiva de perder para a Globo, a Folha de São Paulo, o Santander, para o Itaú. Isso ssó para falar nas peças internas. E acredito até mesmo que, depois de uma devassa em nossas riquezas, com tudo aparelhadinho, permitam que o PT volte. Assim como Bachelard voltou ao Chile. Isso é que dói, o resto, o tempo há de corrigir. Menos rápido do que a mão invisível das políticas neoliberais, vá lá. E vamos reconhecer que, aqui no Brasil, as políticas neoliberais não completaram o serviço. Até entaõ nós tivemos sorte.

  57. comentários de Arminio Fraga

    Não é preciso ser economista, administrador de empresas, contador etc, para saber, se existe uma crise mundial, e ainda, um Pais chamado Brasil, ainda sobrevive a tudo, com crescimento, geração de empregos, investimentos,  dá licenda, é sinal que o Pais esta sendo bem administrado………..

  58. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome