Trabalhando na necroeconomia, por Ruy Braga

Mortes por overdose na América comprova que o neoliberalismo não está só adoecendo a classe trabalhadora. Ele está ameaçando sua existência.

Flickr

do Blog da Boitempo

Trabalhando na necroeconomia

por Ruy Braga

Durante minha pesquisa em Tyrone, pequena cidade rural localizada nos Montes Apalaches nos Estados Unidos, entrevistei Samantha Melius, uma faxineira que durante a semana trabalhava no campus da Universidade Estadual da Pensilvânia em State College e, nos finais de semana, integrava a equipe de estoquistas de uma loja da rede de supermercados Walmart. Fiquei espantado ao saber que Samantha trabalhava todos os dias de sua vida, sem descanso, com exceção do período das festas natalinas.

Samantha me contou que seu filho, Stephen Beckwith, um jovem empregado em uma companhia de transporte, havia se tornado usuário de heroína após o poderoso analgésico opióide que ele se acostumara a consumir deixar de ser livremente prescrito pelos médicos. Há alguns anos, Stephen lesionou sua coluna ao descarregar os caminhões da empresa e acabou abusando de analgésicos para lidar com as fortes dores nas costas que, finalmente, o incapacitaram para o trabalho. Recebendo o seguro-desemprego do governo, mas sem poder pagar por uma cirurgia de coluna, ele simplesmente entregou-se ao vício. Samantha também abusava de analgésicos, pois trabalhava em pé todos os dias de sua vida e, sem o apoio dos remédios não conseguiria chegar ao final de suas incontáveis jornadas.

Infelizmente, histórias como as de Samantha e Stephen são muito comuns nos Apalaches. Na verdade, desde o final dos anos 1990, os Estados Unidos já passaram por três grandes epidemias de consumo de drogas relacionadas ao ópio. A mais recente está associada ao consumo de substâncias ilícitas análogas ao fentanil, um poderoso analgésico usualmente empregado para sedar pacientes durante cirurgias.

De acordo com o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) do país, as mortes por overdose associadas ao uso de opioides saltaram de 20 mil, em 2010 para 80 mil, em 2021. A maior parte das vítimas é formada por trabalhadores pobres que não conseguem ter acesso ou seguir pagando o seguro-saúde de suas famílias. Trata-se de uma enorme crise produzida tanto pela negligência da regulação federal dos analgésicos quanto pelos poderosos interesses da indústria farmacêutica.

Livros como Império da dor: a ascensão e queda de uma das mais poderosas famílias americanas e seu criminoso império farmacêutico, de Patrick Radden Keefe, e Dopesick: Dealers, Doctors, and the Drug Company that Addicted America, de Beth Macy, provaram que a crise que manieta as comunidades de trabalhadores nos Estados Unidos foi deliberadamente planejada pela indústria farmacêutica. Apontado como um dos principais responsáveis pela epidemia, o analgésico OxyContin, por exemplo, gerou ao longo de dez anos uma receita de 35 bilhões para a empresa Purdue Pharma, alçando-a à condição de umas das empresas farmacêuticas mais lucrativas do mundo.

Apesar dos superlativos méritos de investigações como as realizadas por Keefe e Macy, uma questão decisiva para compreendermos a agonia das pequenas comunidades rurais nos Estados Unidos, em geral, não é adequadamente considerada: o entrelaçamento entre a mercantilização do trabalho e da saúde na América. Entrevistando trabalhadores pobres na região central da Pensilvânia, não é difícil perceber que a epidemia de opióides agravou significativamente o sofrimento de comunidades que já estavam imersas numa sofrida crise sócio-reprodutiva.   

Desde o colapso econômico de 2008, é visível como o fechamento dos pequenos negócios castigou as comunidades rurais. Aliás, os anos 2010 testemunharam o agravamento do processo de desindustrialização nessas regiões. Com o desaparecimento dos negócios locais, os trabalhadores tiveram que buscar oportunidades de emprego intermitente cada vez mais longe de seus lares, transformando-se em verdadeiros nômades.

A instabilidade de rendimentos fez com que muitas famílias não conseguissem pagar o seguro-saúde. Sem acesso a tratamentos médicos adequados, inúmeros trabalhadores tornaram-se presas fáceis da voracidade das grandes corporações farmacêuticas. A crise do modo de vida rural somada ao desaparecimento dos empregos industrias impulsionou o abuso de drogas não apenas entre os adultos, mas, também, entre os jovens. Conforme o relato de Samantha:

“A polícia prendeu recentemente alguns rapazes do ensino médio vendendo drogas. Esses jovens vão ficar marcados para sempre. Como vão conseguir empregos com uma ficha criminal? […]. Éramos uma cidade pacata, nunca tivemos problemas assim. Agora é tudo sobre drogas. […]. Os jovens não querem mais ficar aqui, pois não temos opções de lazer. Eles não querem ficar. E também não conseguem ir embora. Para onde iriam? Então, preferem ficar por aí se drogando. Penso muito em minha neta e isso me deixa realmente apavorada. Qual é o futuro desses jovens?”

A angústia manifestada por Samantha revela mais do que o estupor e a desesperança da juventude de Tyrone. Ela nos leva a refletir sobre como a crise da globalização neoliberal fez a reprodução da acumulação ampliada de capital entrar em rota de colisão com a reprodução das famílias trabalhadoras. E o rebaixamento das condições de subsistência dessas comunidades, em larga medida impulsionado pelo enlace entre o trabalho precário e mercantilização da saúde, finalmente, se converteu num cruel instrumento de acumulação econômica.

Afinal, não foi casual que, para testar a agressiva estratégia publicitária de lançamento do OxyContin a Purdue Pharma tenha escolhido justamente os Apalaches, região que historicamente concentra trabalhadores pobres. Na última década, a escalada de mortes por overdose na América comprova que o neoliberalismo não está simplesmente adoecendo a classe trabalhadora. Ele está ameaçando sua existência. E se esse regime de acumulação entrou numa fase que depende da morte planejada de dezenas de milhares de trabalhadores todos os anos para assegurar superlucros corporativos, então é legítimo que os trabalhadores respondam a esta ameaça existencial com o brado: “Morte ao neoliberalismo!

Ruy Braga é professor titular do Departamento de Sociologia da Universidade de São Paulo (USP). Pela Boitempo, publicou A política do precariado: do populismo à hegemonia lulista (2012), A rebeldia do precariado: trabalho e neoliberalismo no Sul global (2017) e A angústia do precariado: trabalho e solidariedade no capitalismo racial (2023).

O texto não representa necessariamente a opinião do Jornal GGN. Concorda ou tem ponto de vista diferente? Mande seu artigo para [email protected]. O artigo será publicado se atender aos critérios do Jornal GGN.

Redação

1 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador