Diretor do Museu Judaico de Berlim forçado a renunciar por apoiar boicote a Israel, por Ruben Rosenthal 

Peter Schäfer, diretor do museu, foi pressionado a renunciar por ter apoiado pelo Twitter uma petição de intelectuais judeus, favorável ao movimento BDS, de boicote econômico e cultural a Israel

Rostos enferrujados trazem sensação de dor ao visitante do museu

do Chacoalhando 

Diretor do Museu Judaico de Berlim forçado a renunciar por apoiar boicote a Israel

por Ruben Rosenthal 

O Museu Judaico de Berlim já vinha sofrendo pressões da parte do primeiro ministro israelense, Benjamin Netanyahu, por ter realizado uma exposição sobre Jerusalém, que apresentava “um ponto de vista muçulmano-palestino”, segundo relato de Noa Landau, publicado no Haaretz.  Netanyahu já teria cobrado anteriormente de Angela Merkel o fim das subvenções ao museu, bem como ao Festival Internacional de Cinema de Berlim e a algumas organizações cristãs, por supostas  “atividades anti-Israel, como apoiar o terrorismo palestino, defender o boicote ao Estado de Israel, e acusar as forças de defesa israelenses de cometerem crimes de guerra”

O abaixo-assinado que resultou na renúncia de Schäfer, foi assinado por 240 intelectuais judeus, incluindo Avraham Burg, pacifista, ex-membro do parlamento de Israel, e Eva Illouz, socióloga conceituada e professora titular de sociologia da Universidade Hebraica de Jerusalém. A petição pede ao governo alemão que não implemente a moção aprovada no parlamento alemão que define o movimento BDS, de boicote econômico e cultural, como sendo antissemita. A moção foi aprovada com amplo apoio de vários partidos, e declara ainda que colocar adesivos de “Não Compre” em produtos israelenses evoca o slogan nazista “Não Compre de Judeus”.

A petição assinada pelos intelectuais judeus defende a liberdade de opinião, e que “boicotes são uma forma legítima de resistência”. O texto argumenta ainda em favor da continuação do apoio financeiro a organizações israelenses e palestinas que “contestam pacificamente a ocupação israelense, expondo graves violações das leis internacionais, e fortalecendo a sociedade civil”.

Cada vez mais, fica evidenciado que é crescente a resistência no meio judaico às políticas de Netanyahu, que vem impedindo o andamento de negociações que levem à obtenção de um acordo de paz no Oriente Médio, em que sejam reparadas as injustiças históricas cometidas contra o povo palestino pelo sionismo, desde a fundação do Estado de Israel. Resta ver o alcance da repercussão do afastamento de Peter Schäfer.

foto de peter schaffer

Peter Schäfer é um renomado estudioso de assuntos judaicos, doutor honoris causa pela Universidade de Utrecht e de Tel Aviv. Ocupou o cargo de diretor do programa de estudos judaicos em Princeton, tendo recebido diversos prêmios e honrarias. Em 2006 recebeu o “Mellon Award”, o principal reconhecimento para estudiosos de humanidades nos Estados Unidos, por seu trabalho acadêmico e iniciativas de revitalizar a tradição dos estudos judaicos na Alemanha. Vários outros prêmios de prestígio foram obtidos na Alemanha.

O Museu Judaico de Berlim

O primeiro Museu Judaico data de 24 de janeiro de 1933, poucos dias antes do Partido Nazista chegar ao poder. O museu veio a ser fechado pela Gestapo em de 10 de novembro de 1938, durante o que ficou conhecido como a infame Noite dos Cristais, parte do pogrom (ataque ou perseguição, em russo), em que naqueles dias de novembro, os nazistas cometeram violentos atos de vandalismo contra sinagogas e propriedades da comunidade judaica, e que resultaram em dezenas de mortes. O prédio em estilo barroco veio a abrigar o Museu de Berlim, e foi apenas em 1979 que um Departamento Judaico foi estabelecido no museu. No entanto, a maior parte do acervo original havia desaparecido, e parte passara integrar o acervo de instituições judaicas fora da Alemanha. Em 1988 foi anunciada uma competição anônima para um projeto de um novo museu judaico, que funcionaria como uma extensão do prédio barroco.  

foto museu de berlim

O projeto de arquitetura da extensão do Museu Judaico de Berlim, de Daniel Libenskind, foi considerado o único no processo seletivo que “implementou um projeto formal e radical, como uma ferramenta conceitualmente expressiva, para representar o estilo de vida judaico antes, durante e após o Holocausto”. O projeto final, um edifício em forma de zigue-zague, nasceu de uma deformação da Estrela de David, expandida em torno do terreno, onde ao lado se situa o prédio barroco. A construção é formada por três eixos, com base na experiência dos judeus na Alemanha: o Eixo do Holocausto, o Eixo da emigração e o Eixo da continuidade com a história alemã. Embora a extensão de Libenskind aparente ser uma edificação independente, o acesso é feito, através de uma passagem subterrânea, pelo prédio de estilo barroco que abrigara o museu original e o Museu de Berlim, e que atualmente faz parte do complexo do Museu Judaico.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

4 comentários

    • Nunca quiseram! Procure no YouTube declarações dos rabinos Naturei karta! A maneira como receberam Ahmadinejad na visita e NY. Judaísmo e Sionismo não são a mesma coisa! A esquerda brasileira precisa definitivamente entender que o segundo ( sionismo/ financista) esta por trás de toda a m… Imposta aos países Colônia ( escravos)!

  1. Homem íntegro. Acima dos nacionalismos extremos, ele se põe como justo entre as nações e humanista. Admirável, dado o assédio moral que os extremistas lhe devem devotar.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome