Os membros do “clube do dólar” não largarão o osso facilmente, por Renato Lazzari

Há um partido único a reger os Estados Unidos. Tanto que independentemente de quem são as pessoas eleitas.

Os membros do “clube do dólar” não largarão o osso facilmente

por Renato Lazzari

Comentário ao post “Xadrez das insurreições bolsonaristas, por Luis Nassif

Se o modelo adotado pelos EUA funcionasse, ainda ia. Mas é só observar a decadência daquela sociedade para ver que não é um modelo bom do ponto de vista civilizatório, democrático e humano. Como se pode chamar de democrático um sistema criado para ser concentrador? Na verdade o povo estadunidense é também vítima desse modelo. Senão vejamos:

O pessoal aponta autoritarismo no sistema de partido único na China e em outros países socialistas, mas tudo que é “de facto” costuma ser mais efetivo do que o “de jure”.

De fato há um partido único a reger os Estados Unidos. Tanto que independentemente de quem são as pessoas eleitas naquele país, a orientação daquele estado é, com tímidas, efêmeras e cosméticas diferenças, a mesma há uns 150, 200 anos.

Os membros desse partido único capitalista não são eleitos pelo povo de lá. Alguns desses membros preferem até se manter escondidos no anonimato. Mas como a percepção de que esse partido único, autoritário e imutável tornou-se inevitável, criaram um nome algo misterioso para o partido: “Deep State”.

Os membros desse partido não são apenas cidadãos “americanos” mas de várias nacionalidades. Há alemães, brasileiros, franceses, ucranianos, ingleses… Na verdade são apátridas. Mesmo que os membros desse partido utilizem, para fins privados, mais frequentemente dos recursos públicos dos EUA – moeda, povo, mão-de-obra, armas de uso exclusivo por países – não há nenhum compromisso deles para com o povo dos Estados Unidos. É só ver o perrengue que se alastra por aquele povo, a propósito o mais zumbizado e fiel do mundo, capaz de manter bandeira daquele país espetada na terra, à frente de suas barracas-barracos em suas “tend cites”, sem perceber que, como Bolsonaro está tentando fazer com a bandeira do nosso país, a deles está faz tempo sequestrada pelos membros apátridas do tal “Deep State”. E a bandeira é só um dos símbolos nacionais sequestrados pelos apátridas…

A luta que se trava hoje é violenta, os membros do “clube do dólar” não largarão o osso facilmente e seguirão induzindo a divisão para conquista, tanto a divisão de grupos quanto a divisão da cada indivíduo: “Lobotomizar para conquistar”, mas está revelada e prevista há também uns 150 anos, e chama-se “luta de classes”. Ou a gente luta ou perde.

O texto não representa necessariamente a opinião do Jornal GGN. Concorda ou tem ponto de vista diferente? Mande seu artigo para [email protected].

Redação

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador