Governo paulista é culpado pela crise hídrica, diz TCE

Jornal GGN – Segundo relatório do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo, a crise hídrica atual é resultado da falta de planejamento da Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos e que os alertas existem desde 2004. Para o Tribunal, “outras medidas poderiam ter sido tomadas anteriormente para que a crise não chegasse ao ponto em que se encontra atualmente, ou pelo menos para que seus efeitos fossem minimizados”.

Entre os exemplos de medidas citadas no relatório, estão o combate “mais efetivo” às perdas de água, a exigência de medição individualizada nos prédios, exigência de reúso da água, e anulação dos contratos da Sabesp com vantagens tarifárias para grandes consumidores, entre outros.

Do Estadão

TCE culpa governo de São Paulo por crise hídrica

Críticas atingem gestões desde 2004; Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos afirma que seca era imprevisível

SÃO PAULO – Relatório do Tribunal de Contas do Estado (TCE) de São Paulo afirma que a crise hídrica “é resultado da falta de planejamento das ações da Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos” e que os alertas foram dados desde 2004. De lá para cá, o Estado foi governado pelos tucanos Geraldo Alckmin, José Serra, Alberto Goldman e por Claudio Lembo (DEM). A pasta nega.

Segundo o relatório, elaborado pela diretoria que analisou as contas de Alckmin em 2014, aprovadas com ressalvas pelo TCE, “outras medidas poderiam ter sido tomadas anteriormente para que a crise não chegasse ao ponto em que se encontra atualmente, ou pelo menos para que seus efeitos fossem minimizados”.

O TCE cita como exemplos a despoluição dos Rios Tietê e Pinheiros, a recuperação da Billings, o combate “mais efetivo” às perdas de água, a exigência de medição individualizada nos prédios, maior proteção aos mananciais, exigência de reúso da água na indústria, comércio e condomínios, financiamento de cisternas, anulação dos contratos nos quais a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) dá tarifas vantajosas a grandes consumidores, além da construção de novos reservatórios.

O tribunal lista ainda diversos relatórios e planos elaborados pelo governo ou pelos comitês de bacias hidrográficas nos 11 anos, que traçam cenários críticos na oferta de água para a região, para afirmar que “não é de hoje que alguns atores envolvidos com a questão dos recursos hídricos alertam sobre o problema da escassez”.

O relatório do TCE afirma que o governo Alckmin “deveria ter tomado também medidas efetivas para prevenção e defesa contra eventos hidrológicos extremos”, como estiagens severas, e cobra “a estruturação de um plano de contingências específico para eventuais riscos de escassez hídrica”.

Criado por Alckmin há seis meses, o Comitê de Crise Hídrica ainda não divulgou o plano de contingência, prometido pelo secretário de Recursos Hídricos, Benedito Braga, para abril. Agora, segundo a pasta, o plano está pronto e será divulgado na próxima reunião do grupo, ainda sem data para ocorrer. Em julho, Alckmin chamou o plano de “papelório inútil” porque ele não será usado.

Em nota, a secretaria afirma que “não se pode afirmar que houve falta de planejamento” porque “o próprio relatório cita o Plano da Macrometrópole, documento elaborado antes desta seca, que aponta soluções para garantir o abastecimento dos grandes centros urbanos paulistas até 2035”.

Medidas. Segundo a pasta, “nenhum instituto ou especialista previu a severidade da seca que atingiu a Região Sudeste do País em 2014” e o governo “tomou uma série de medidas para minimizar os impactos desta seca histórica à população”, como programa de bônus, obras emergenciais, uso do volume morto, interligação de sistemas, redução da pressão e fiscalização de captações irregulares. Ainda segundo a pasta, a Sabesp fez investimentos bilionários para reduzir as perdas de água e a mancha de poluição do Rio Tietê recuou 160 quilômetros após investimento do governo.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

17 comentários

  1. Estes tucanos de merda

    Estes tucanos de merda mandaram bilhões de dólares para os gringos e deixaram a nós, os paulistas, sem água. FDPs…

  2. Que descaramento deste

    Que descaramento deste TCE!

    Ficar falando a verdade assim, sem resalvas, sem contudos e sem porem?

    Tem que fechar, foi dominado por petistas!

  3. Picolé de Xuxu

    Será que Picolé de Xuxu vai ser obrigado a devolver a doação milionária da Sabesp ao Instituto FHC e os dividendos pagos aos acionistas da Sabesp de Nova York, em plena crise hídrica???

  4. E daí?

    “Deveria fazer”, “poderia investir”, “teria de implementar”… o futuro do subjuntivo que tucanalhas tanto amam na imprensa medíocre.

  5. O Governo Paulista não é culpado disso.

    Como o Governo Paulista foi eleito em primeiro turno, e com grande vantagem ao segundo candidato nas cidades que sofriam seriamente com falta d`água, como Itú, então a população eleitora não vê qualquer problema ou culpa dos governantes que sempre primaram em oferecer o melhor a população deste Estado durante pelo menos os últimos 12 anos. 

    Se alguém tem culpa, é a população.

    • Quem cria o herói e o bandido na cabeça das pessoas é a mídia

      Quem cria o herói e o bandido na cabeça das pessoas é a mídia. O PSDB está tanto tempo no governo de São Paulo justamente por isso. De tanto baterem no PT, e darem pouca repercussão à sujeira do PSDB, os poderosos da mídia criaram na mente dos paulistas um muro que protege tucanos, mas cai na cabeça dos petistas. Povo, infelizmente, é gado.

  6. PSDB na veia em 2018

    Mais claro impossível, mas quem disse que os paulistanos e moradores das cidades do entorno, estão aí? O que dizer dos paulistas de alhures, que não a sofrem com isso?

    Haja miópia!!!

     

  7. O cenario politico é tão

    O cenario politico é tão pobre, tão anemico tão vulgar que o eleitorado fica sem opção. O sistema politico vigente não da condição de representatividade e geralmente se vota no menos pior. Enquanto isto não mudar o conservadorismo tem grande chance de pravelecer na hora do voto. O Alkimim e o psdb tão ai pra confirmar. Porque não se aperfeiçoa o sistema politico no Brasil? O politico profissional que manda tem interesse que isto aconteça????

    Na hora do voto… Votar em quem?

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome