Após acusação do presidente da ABDI, Bolsonaro diz que alguém “vai perder a cabeça”

Presidente da ABDI, Luiz Augusto Ferreira, disse que foi coagido pelo secretário do Ministério da Economia, Carlos Da Costa, a realizar “pedidos não republicanos”

Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

Jornal GGN – Após o presidente da ABDI (Agencia Brasileira de Desenvolvimento Industrial), Luiz Augusto Ferreira, relatar que foi coagido pelo secretário do Ministério da Economia, Carlos Da Costa, a realizar “pedidos não republicanos”, sob ameaça de ser demitido, Bolsonaro disse que “um dos dois, no mínimo, vai perder a cabeça”.

Em entrevista à revista Veja, Ferreira, que foi nomeado por Jair Bolsonaro para o comando da ABDI, prestou declarações narrando ter recebido “pedidos não republicanos”, sem detalhar quais, do secretario especial de Produtividade e Emprego da pasta de Paulo Guedes, o Ministério da Economia.

Á Veja, Ferreira disse que Carlos Da Costa desejaria demiti-lo porque ele não atendeu a tais pedidos. Ao ser questionado, o mandatário disse apenas estar “louco” para saber quais pedidos eram e que iria conversar com Guedes a respeito. Ambos tiveram um encontro hoje, às 14h.

Para o mandatário, que não sabe do que se trata, um dos dois ou os dois será demitidos dos cargos: “Olha, eu tomei conhecimento, estou louco para saber. Já entrei em contato com o Paulo Guedes [ministro da Economia], eu quero saber que pedido é esse. Um dos dois, no mínimo né, vai perder a cabeça, um dos dois”, afirmou.

“Não pode ter uma acusação dessas. Daí vão dizer que ele ficou lá porque tem uma bomba embaixo do braço”, completou.

Em nota, o secretário especial de Produtividade, Emprego e Competitividade refutou “ter feito qualquer pedido não republicano” e que sempre “seguiu explicitamente as normas aplicáveis à Administração Publica Federal e aos princípios da ética e da integridade”.

“Todas as solicitações feitas pelo secretário foram literal e rigorosamente pautadas pelos princípios de economicidade, legalidade e legítimo interesse público. Nesse sentido, o secretário determinou que o atendimento das solicitações só poderia ser feito após a manifestação favorável das áreas jurídicas competentes.”

Leia também:  Lei criada por Bolsonaro permite governos locais obrigarem vacina de Covid-19

Ainda, Da Costa afirmou que irá tomar “providencias judiciais para interpelar o presidente da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), Luiz Augusto de Souza Ferreira” sobre o que denominou ser “denúncias infundadas”.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. A propósito, pelo que li, o imbróglio refere-se a aluguel de Salas para alguma secretaria, ou similar. E o André tem um artigo, bem recente sobre o tema. Dá pra notar que não é mera questão de gestão.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome